“Idéias e Métodos da Lingüística Estrutural Contemporânea”

( Идеи и методы современной структурной лингвистики )


Análise da Obra de Yuri Derenikovich Apresyan

 

·   Ano: 1966

·   Autor: Y. D. Apresyan

·   Tipo: Monografia

·   Editora: Educação, Moscou

·   Número de Páginas: 305

·   Idioma Original: Russo

 

 

 

I n t r o d u ç ã o

 

 

Em suas pesquisas, Apresyan demonstra interesses variados, mas a área principal de suas investigações permanece sendo a léxico-semântica. Redigiu, portanto, diversos e detalhados trabalhos sobre a história da semântica, reunindo-os nesta coletânea.

 

Este livro é, portanto, um ensaio que visa introduzir o leitor nas questões técnicas e estruturais da lingüística moderna, preparando-o para a leitura da literatura. Nele, o autor debruça-se sobre os problemas inerentes às áreas da morfologia, sintaxe e semântica.

 

A parte inicial de “Idéias e Métodos” apresenta a história clássica da lingüística estrutural, mencionando suas principais escolas. Mas já na Parte II passa a abordar as principais questões relacionadas com o conceito de modelo lingüístico, tema central da moderna lingüística estrutural. E nas três últimas partes, detalha os diversos tipos de padrões de linguagem.

    Neste seu primeiro livro, Apresyan introduz diversos detalhes técnicos, mas sempre numa apresentação de fácil entendimento que, vinculados ao seu atual prestígio, confere à obra total confiabilidade até os nossos dias. Talvez justamente por isso, este livro transformou-se, durante vários anos seguidos, num verdadeiro best-seller, tendo sido traduzido para todos os principais idiomas europeus como o alemão e o espanhol, sendo, neste último, publicado duas vezes.

   o presente trabalho visa refletir sobre o estudo da historiografia proposto neste livro pioneiro, utilizando, como metodologia, uma análise comparativa dos autores citados por Apresyan como sendo importantes para a Lingüística, além de também considerarmos uma série de outras correntes citadas em fontes diversas. Na análise, pretendemos, portanto, avaliar o discurso usado pelo autor ao comentar tais correntes, verificando, em especial, o seu posicionamento, se do tipo ‘continuista’ ou ‘revolucionário’.

 

 

A n á l i s e

 

 

A partir do próprio nome de seu livro, vemos que a Lingüística Estrutural será o enfoque da pesquisa de Apresyan, sendo este o critério para a determinação de seu horizonte de retrospecção. O autor, por isso, não considera correntes como o da Gramática Descritiva como relevantes para a Lingüística Estrutural, pois a mesma serve mais como contraponto aos avanços obtidos por Saussure, e sequer menciona estudos pré-lingüísticos e para-lingüísticos. Pode-se ver que desse modo Apresyan e Mattoso Câmara Jr discordariam das escolhas feitas, pois o ultimo afirma que esses tópicos não deveriam ser ignorados numa historiografia lingüística (Mattoso Câmara Jr, 1975).

 

Para o primeiro, os estudos anteriores à lingüística e à lingüística histórico-comparativa não estariam dentro do escopo de seu livro, sendo considerados apenas como os conceitos tradicionais adotado pela comunidade até então, resistente às inovações. Para Apresyan, a linha de pensamento permeante sobre o estudo das línguas do século XIX, a “ciência normal” da época (Kuhn 1987), consistia apenas na acumulação de dados empíricos sem reais considerações formais sobre a língua.

 

Tudo mudaria com o surgimento das idéias propostas por F.F. Fortunatov, J.A.Baudoin de Courtenay e Saussure, os precursores da Lingüística Estrutural. Eles seriam os responsáveis por revolucionar os conceitos e métodos vigentes até então. Apresyan traz em seu resumo vários pontos acerca de Fortunatov e Baudoin, apontando suas contribuições, que muito se assemelhavam aos conceitos introduzidos por Saussure. Porém foi Saussure que se revelou como uma liderança intelectual, estabelecendo uma base de pesquisas e explicando as implicações dos estudos, mostrando o que é ou não é relevante para a pesquisa (Murray, 1983).

  

Esses estudiosos fariam parte do período pré-paradigmático, constituindo para o autor o início do seu horizonte de retrospecção.  Apresyan segue descrevendo as grandes contribuições das três escolas clássicas: Escola de Praga (N.S.Trubetzkoy e R.Jakobson – lingüística funcional), Escola de Copenhagen (L.Hjelmslev – glossemática), Escola Americana (L.Bloomfield, Z.Harris – lingüística descritiva ou distribucional).

 

Depois de uma descrição de cada uma das escolas, Apresyan avança até as correntes vigentes até então. Os campos atuais de pesquisa do cientista Yuri Derenikovich Apresyan abrangem as áreas diversas, que incluem a Semântica, a Sintaxe, a Teoria e Prática Lexicográfica, os Modelos Formais Lingüísticos, a Tradução Automática e o Processamento Natural das Línguas.

 

Em seu livro, Apresyan não pretende ir contra os paradigmas estabelecidos, sendo a Lingüística Estrutural já estabelecida tanto institucionalmente como academicamente na década de 1960. Seu tom é de uma retórica basicamente continuista, sendo seu livro um manual para o novo ingressante na área. Apresyan é um formalista, e segue um programa de projeção: sua técnica consiste em transformar as estruturas lingüísticas numa linguagem formalizada, quase matemática.

 

A intenção é facilitar a automatização da produção e recepção lingüística, de modo que computadores possam ser usados para decifrar os conjuntos de fragmentos lógicos existentes em qualquer língua. Seu tom é crítico quando ele se refere à gramática descritiva, mas seguindo um ponto de vista histórico: já é um consenso entre seu grupo que a Gramática Descritiva não criou conceitos precisos para objetos lingüísticos, causando uma falta de coerência nos termos lingüísticos; o estruturalismo surge para expressar os conhecimentos acumulados da lingüística numa linguagem de ciência exata.

 

 

Interessante notar que na data de publicação do livro, Noam Chomsky já havia publicado suas pesquisas há poucos anos atrás. Embora hoje Chomsky seja considerado tão revolucionário quanto Saussure o foi em sua época, fato é que a comunidade na época não o via como tal. Apresyan o cita como “iniciador da lingüística estrutural e matemática contemporânea”, certamente prestando tributo ao avanço na pesquisas da lingüística, mas sem atribuir a ele a alcunha de revolucionário da área.

 

Ao contrário, ele é visto como alguém que criou mais um programa de investigação, numa ciência conhecida pelos múltiplos paradigmas. Mas isso leva a questão de por que Apresyan considerar Saussure como um revolucionário, e não Chomsky? Se a mudança paradigmática advém de uma mudança de concepção da prática lingüística, por que não considerar a guinada de foco introduzida pela Gramática Gerativa? A mesma inova ao investigar a competência lingüística de um falante, ao invés da prática existente descritiva de se tentar criar padrões a partir das “utterances” em uma língua natural, e isso é tão importante quanto a tentativa de Saussure estruturar o estudo da língua, através de conceitos lingüísticos.

 

Uma possível explicação para isso se deva ao fato de que a primeira publicação do livro tenha se dado na década de 60, tempo considerado muito próximo da divulgação do Syntatic Structures (1957). Dessa maneira, ainda não haveria tempo para que suas idéias fossem totalmente absorvidas e estabelecidas na comunidade paradigmática, de modo a constituir um clima intelectual capaz de formar uma base suficiente para reconhecer a importância do evento.

 

A criação de jornais especializados, a fundação de sociedades de especialistas e a reivindicação de um lugar especial nos currículos de estudo estão associadas ao momento em que um grupo aceita um paradigma único (Kuhn 1987), e isso realmente leva tempo.

 

 

Yuri Derenikovich Apresyan

 

( Ю́рий Дерени́кович Апреся́н )

 

 

Um Homem da Ciência

 

 

Yuri Derenikovich Apresyan nasceu em Moscou em dois de fevereiro, 1930. É graduado (1953) pela Universidade Lingüística de Moscou (МГПИИЯ - Московский Государственный Лингвистический Университет), com habilitação em língua inglesa. Cursou doutorado no mesmo instituto (1956), defendendo a sua tese (1958) sobre «Sinônimos Fraseológicos em Inglês Moderno».

 

Lingüista russo, membro da Academia Russa de Ciências (1992), professor e doutor (1991) em filologia. Apresyan possui trabalhos publicados nas áreas de léxico-semântica e sintaxe, lexicografias russa e inglesa, história lingüística, tradução automática etc. Foi um dos principais criadores da teoria «Texto↔Sentido», além de chefe da Escola Moscovita de Semântica. Colaborou, ainda, com uma série de dicionários de línguas russa e inglesa.

 

 

B i o g r a f i a

 

 

Apresyan lecionou na Universidade Lingüística de Moscou, de 1954 a 1960, e trabalhou na Academia Russa de Ciências da URSS, de 1960 a 1972, tendo sido demitido por razões políticas, pois defendera Andrei Donatovich Sinyavskogo, Yuli Markovich Daniel e Konstantin Yosifovich Babitsky, dentre outros dissidentes. Desde então, trabalhou na sucursal do instituto «Informelektro» (Информэлектро), de 1972 a 1985, onde formou um grupo para estudar a tradução automática.

 

Também por razões políticas, teve a oportunidade de concluir o seu doutoramento somente em 1984, na cidade de Minsk. Mas a tese que defendeu já estava transcrita no livro «Semântica Lexical», de 1974, cuja publicação as autoridades tentaram impedir. No ano de 1985, conseguir montar um laboratório lingüístico-computacional no Instituto para o Estudo dos Problemas de Transmissão das Informações (ИППИИнститут Проблем Передачи Информации).

 

         Desde 1990, o principal local de atuação de Apresyan voltou a ser o Instituto de Idioma Russo da prestigiosa Academia Russa de Ciências (РАНРоссийская Академия Наук), onde passou a dirigir a área de Teoria Semântica (1994). Na década de 1990, ministrou aulas na Rússia (MSU), Austrália, E.U.A., e na Alemanha.

 

         Em 1992, Apresyan foi finalmente eleito membro pleno da Academia Russa de Ciências e, já há muitos anos, dirige o conhecido centro de estudos denominado de «Teórica Semântica», que se tornou um dos principais focos de produção lingüística de Moscou.

 

 

Contribuições para a Lingüística

 

 

Primeiros Trabalhos

 

         Conforme mencionado anteriormente, as pesquisas de Apresyan têm interesses variados, mas a área central de suas investigações tem sido a Semântica Lexical. No final da década de 1950, quando ele estava apenas começando a exercer a lingüística, esta área foi considerada “exótica”, tendo sido alocada na periferia dos estudos lingüísticos.

 

Portanto, seus estudos semânticos começaram com uma análise da tradição anterior à Lingüística, além de obras sobre a história desta nova ciência. Assim, foram escritas várias e detalhadas pesquisas sobre a história da semântica, reunidas no seu primeiro livro, denominado «Idéias e Métodos da Lingüística Estrutural Contemporânea» (1966).

 

         Seguiu-se, então, um período de intensa imersão na sintaxe das questões relacionadas com a semântica e, em seguida, ganhou fama a gramática transformacional. Nessa mesma época – mas por um curto prazo –, Apresyan conta com a cooperação com S.K.Shaumyanom e, juntos, começam a desenvolver o modelo da «gramática aplicativa» (cuja versão é descrita em detalhes no livro de 1966).

 

O resultado deste período foi o segundo livro de Apresyan, denominado «Estudo Semântico-Experimental do Verbo Russo» (1967), que tenta construir uma classificação detalhada dos verbos russos, com base nos tipos de variabilidade de seus modelos de governança.

 

Posteriormente, a partir das idéias semânticas «sintaticamente orientadas» desenvolvidas neste livro, o autor passou para a descrição complexa do significado lexical das palavras, utilizando, para tal, dados de vários tipos.

 

 

No entanto, muitas das observações e padrões contidas neste estudo não só continuam a ser relevantes passados 30 anos, como, também, revelam mesmo a urgência em se desenvolver tais linhas de pesquisa como, por exemplo, e «gramática de construções».

 

 

A Teoria «Significado ↔ Texto»

 

O final dos anos 60 e início dos anos 1970 é um período de intensa cooperação de Apresyan com os criadores da teoria da «Significado ↔ Texto» (TST), I.A.Melchukom e A.K.Zholkovskim.

 

Apresyan participa ativamente no trabalho de elaboração de um dos principais componentes da teoria, o «dicionário interpretativo-combinatório», que se tornaria um novo tipo de dicionário, o primeiro a refletir, principalmente, a não trivialidade da compatibilidade dos lexemas.

 

         A semântica das palavras neste dicionário é descrita na forma de interpretações formais desenvolvidas, utilizando um conjunto limitado de unidades. Desta forma, elementos semanticamente mais complexos passam a ser interpretados através de uma forma simples, mas o dicionário não abrange, ainda, o uso de elementos irredutíveis, a chamada «Semântica Primitiva».

 

         Este programa de descrições semânticas complexas do léxico tem algumas semelhanças com os conceitos da escola polonesa de semântica, representada por A.Boguslavskogo e A.Vezhbitskoy, com os quais manteve intenso intercâmbio de idéias.

 

         Ambas as escolas consideraram, em particular, que o valor das unidades lingüísticas não corresponderia, diretamente, à realidade contextual, mas, sim, com as percepções do falante nativo quanto a tal realidade (por vezes chamada conceitual).

 

 

         A natureza dos conceitos dependeria, portanto, de uma determinada cultura (ou “cultura específica”), e sistema de conceitos de cada idioma seria chamado de «ingênua imagem do mundo», que, em muitos detalhes, poderia diferir da imagem «científica» do mundo, que é universal. Portanto, a tarefa da análise semântica do léxico também consistiria em detectar a imagem ingênua do mundo, descrevendo as suas principais categorias.

 

Se para I.A.Melchukom a elaboração do dicionário interpretativo-combinatório, foi algo interessante – principalmente como um meio de se melhorar o modelo de linguagem –, para Apresyan este trabalho foi a etapa inicial para refletir sobre uma série de problemas importantes – e pouco estudados – referentes à semântica lexical, tais como: formas de representação do significado lexical, a descrição de sinônimos e antônimos de línguas naturais, reflexão da estrutura de valores das palavras com interpretações múltiplas, etc.

 

O resultado das pesquisas desta rodada de questionamentos foi uma monografia escrita por Apresyan, denominada de «Semântica Lexical» (1974, 2a. ed. 1995) - um dos mais importantes trabalhos lingüísticos da década de 1970, e que se converteu durante muitos anos, (apesar da sua proibição e silêncio oficial), numa espécie de «livro-texto» de semântica para principiantes e, simultaneamente, o programa futuro de pesquisas para uma variedade de grupos lingüísticos, tendo sido este livro também traduzido para o polonês e o inglês.

 

Mas mesmo tendo sido fortemente baseada na ideologia da teoria «Sentido↔Texto» (como talvez nenhum outro trabalho de Apresyan), o significado desta monografia passou a ser visto como algo muito além da mera ilustração dos conceitos semânticos de uma teoria particular.

 

Desta forma, convém ressaltar que, em primeiro lugar, o seu teor foi submetido a uma revisão detalhada ao longo de várias décadas anteriores à sua publicação, por diversos grupos de estudos semânticos espalhados por todo o mundo.

 

 

         Em segundo lugar, além de conter uma série de ilustrações teóricas do TST, o livro era muito bem detalhado e analisava uma grande gama de dados, o léxico russo, com exemplos de diferentes interpretações semânticas dos grupos de palavras, tornando-se um verdadeiro modelo para a lexicografia.

 

E, em terceiro lugar, a parte central do livro – que menciona os problemas de detecção e de descrição das diferenças entre os sinônimos –, continha um programa detalhado de investigação, que já propunha algo muito além da intenção imediata dos criadores do TST.

 

Por fim, coube a Apresyan o mérito pela efetiva implantação deste programa, o que se tornou a sua principal tarefa, através de diversos estudos de acompanhamento.

 

 

A Tradução Automática

 

No entanto, na execução deste programa de investigação no campo da semântica teórica e da lexicografia prática, surgiram, inesperadamente, obstáculos externos. Após a sua demissão do Instituto de Idioma Russo, Apresyan não teve a oportunidade de continuar com os seus estudos acadêmicos. Portanto, ele teve que engajar-se na criação do sistema automático de tradução do Inglês para o Russo.

 

Os recursos para esta tarefa foram conseguidos a duras penas, uma vez que Apresyan estava privado de benefícios oficiais. Mas, graças a seus conhecimentos, foi possível ver e descrever, na prática, muitas das complexidades envolvidas na equivalência inter-lingüística.

 

 

O trabalho de tradução automática que Apresyan desenvolveu no Instituto «Informelektro» (Информэлектро) e junto ao IPPI – Instituto para o Estudo dos Problemas de Transmissão das Informações da Academia Russa de Ciências, levou à criação de um sistema experimental, denominado “etapa” (ЭТАП), trabalho este que prosseguiria, mais tarde, no próprio IPPI (ИППИ). E, somente no início da década de 1990, Apresyan retornaria aos seus estudos de lexicografia teórica, junto ao Instituto de Idioma Russo.

 

Convém notar que, apesar das numerosas dificuldades e uma impossibilidade prática para publicar em seu próprio país, Apresyan continuou a desenvolver o TST, durante a década de 1980. Portanto, durante esse período, ele publicou o Dicionário Contrastivo Russo-Húngaro de Gerenciamento Verbal (em co-autoria com E.Pall), além de publicar, em Viena, um pequeno livro sobre o desenvolvimento da componente semântica do modelo multilíngüe. As teorias contidas nestes dois trabalhos traziam novamente à cena as idéias originadas na década de 1970, porém com uma abordagem mais aplicada do que, propriamente, com o enfoque exclusivamente teórico da «Semântica Lexical».

 

No livro do ano de 1980, discute-se em detalhes e pela primeira vez, a idéia de «descrição integrada da língua» originada no passado, onde vocabulário e gramática passariam a formar uma unidade coesa, “fixando-se” entre si de modo que as regras gramaticais pudessem passar a ser formuladas, levando-se em conta as limitações impostas pelas propriedades dos vocábulos ou pelas classes das unidades, permitindo uma descrição lexicográfica precisa dos tipos de regras gramaticais em que a palavra pudesse estar envolvida.

 

Esta idéia surge, naturalmente, a partir do espírito da teoria «Texto ↔ Sentido», na qual o papel do componente semântico-lexical – e da respectiva informação passível de ser “dicionarizada” – era, desde o início, era muito relevante.

 

 

O Trabalho sobre a tradução automática entre o inglês e o russo contribuiu para a revitalização de uma série de aplicações relacionadas com a lexicografia inglesa, fazendo com que Apresyan fizesse uma grande contribuição para esta sua área de formação. Neste propósito, convém ressaltar, em primeiro lugar, o seu «Dicionário Anglo-Russo de Sinônimos», elaborado, em 1979, por uma equipe de autores sob a liderança de Apresyan, e que, desde então tem sido repetidamente republicado.

 

Neste pequeno dicionário, Apresyan testou, pela primeira vez, um novo formato de dicionário de sinônimos, colocando em prática muitos dos princípios consagrados na «Semântica Lexical ». Tais princípios serão desenvolvidos com mais detalhes no futuro, durante o seu período de produção de dicionários monolíngües de sinônimos no idioma russo. Assim, sob a edição geral e participação de Apresyan, alguns dicionário bilíngües de tradução foram elaborados, sendo que o estágio final desta fase foi marcado pela publicação, em 1993, do “Novo Grande Dicionário Inglês-Russo”.

 

Neste seu último dicionário, o desenvolvimento dos verbetes foi feito à luz das conquistas da moderna lexicografia teórica e prática, sendo atualmente considerado o melhor e mais completo dicionário bilíngüe Inglês-Russo disponível no mercado russo.

 

 

O Dicionário de Sinônimos

 

A partir da década de 1990, Apresyan dedicou-se, quase exclusivamente, aos seus trabalhos lexicográficos, sendo o principal resultado desta dedicação o seu novo dicionário de sinônimos do idioma russo, denominado «Novo Dicionário Explicativo dos Sinônimos», uma natural continuação dos estudos teóricos de Apresyan no campo da semântica lexical, refletindo algumas experiências práticas anteriores como, por exemplo, o já referido Dicionário de Sinônimos Inglês-Russo.

 

 

No entanto, este trabalho foi concebido como sendo sinônimo de um novo tipo de dicionário, uma vez que a prática lexicográfica ainda não era conhecida. E, através deste “Novo Dicionário”, Apresyan colocou em prática um esquema detalhado de descrição de uma série de sinônimos, onde cada elemento de uma série era caracterizado em termos semânticos, sintáticos e de compatibilidade, dentre outras propriedades (a descrição de vários sinônimos, escrita em fonte pequena, chega a tomar algumas páginas, ao invés de algumas poucas linhas, como era de costume anteriormente, nos dicionários tradicionais de sinônimo do tipo “escolar”).

 

No dicionário, foi reunida a maior quantidade possível de informações sobre o comportamento lingüístico dos sinônimos russos. E, na sua segunda edição (2004), levou-se em consideração as opiniões e críticas recebidas, tendo sido efetuadas muitas correções.

 

E, juntamente com a prática lexicográfica, Apresyan continua a desenvolver a sua teoria semântica. Um de seus conceitos recentes mais interessantes foi a idéia da existência de elementos de uma semântica de metalinguagem, que Apresyan sugeriu chamar de «quarks» (кварками), utilizando uma terminologia da Física moderna.

 

O sentido regular de “quarks” nos faz ver que, para a expressão da “visão ingênua de mundo” de uma determinada língua (e que nunca é verbalizada), não há unidades lingüísticas disponíveis, uma vez que elas são apenas uma parte da semântica das muitas outras palavras de um dado idioma.

 

 

Um exemplo de quark seria o significado do parâmetro semântico da ‘estatividade’ (стативность), presente na interpretação de um grande número de verbos russos, um aspecto importante para descrever este sistema lingüístico com um todo, mas não o modo formal de expressão em idioma russo. Acredita-se que a idéia de “quark” semântico poderá ser usada na tipologia lexical – um novo campo da semântica que deverá ter rápido desenvolvimento neste início de século XXI.

 

Uma outra contribuição de Apresyan é o seu conceito de «lexicografia sistemática», que deverá desempenhar um papel fundamental nos conceitos recentemente propostos de “tipos” e “retratos” lexicográficos. Estes conceitos refletem os resultados de classificação das palavras a partir de certas propriedades (os “tipos” ou «тип»), e os resultados da identificação das características individuais das palavras (os “retratos” ou «портрет»).

 

 

C o n c l u s ã o

 

  

A Lingüística é uma ciência que, ao longo de sua existência, possui um grande número de informações científicas, sejam modelos, fatos ou casos. E, numa historiografia, ocorre, necessariamente, uma seleção, organização, hierarquização e interpretação dos diversos dados, algo necessário até mesmo para uma melhor análise por parte do investigador.

 

Desta forma, a visão particular do historiógrafo explicita suas convicções e linhas de pensamento sendo, justamente por isso, necessariamente arbitrário, uma vez que sempre será preciso escolher um determinado caminho para a sua análise, enviesado por um ponto de vista específico.

 

A partir de sua biografia, fica claro que Apresyan percebe-se predominantemente como um lingüista, apesar do enfoque histórico de seu primeiro livro, “Idéias e Métodos da Lingüística Estrutural Contemporânea”, objeto da presente análise. Mas, ao analisarmos a percepção de terceiros quanto aos seus escritos, não podemos desconsiderar o quadro repressivo da ex-URSS, que contribuiu negativamente para a evolução de sua obra.

 

Podemos destacar três momentos na vida acadêmica de Apresyan. O primeiro, remete à época da publicação de seu primeiro livro que, apesar de virar um ‘best seller’ dentro e fora da União Soviética, demonstra certa retórica continuista, apesar do enfoque nas idéias e práticas dos formalistas russos, com o propósito de fornecer a base para que outros que desejem seguir a sua linha de pensamento saibam qual a terminologia técnica necessária, assim como os conceitos e informações necessários para o entendimento de suas propostas e análises, registrando o nascimento de uma comunidade científica.

 

 

Seguiu-se uma segunda fase, muito tumultuada devido às perseguições que sofreu, quando o autor dedicou-se à elaboração de dicionários. E, por fim, Apresyan retoma o seu viés mais científico num terceiro momento, desenvolvendo interessantes grupos de estudo e teses, como o conceito de “quark” lingüístico, além do instigante projeto da tradutora eletrônica, sendo, por tudo isso, reconhecido como um cientista de destaque não somente na Rússia, mas, também, em vários outros países, com diversas publicações em diferentes idiomas.

 

Mas o fato é que o horizonte de retrospecção, adotado em seu primeiro livro, não correlaciona os mais diversos contextos culturais, à exceção da já mencionada ênfase dada nos formalistas, sendo que as menções feitas a Saussure e à Escola Estruturalista – da qual faz parte – visam unicamente reforçar o ponto de vista da sua área de interesse acadêmico, num esforço para delimitar o seu enfoque para o escopo que julga interessante, recortando a historiografia de modo a privilegiar a sua área de interesse, conforme anteriormente mencionado.

 

Contudo, devemos levar em consideração que o ano da primeira publicação de seu “Idéias e Métodos” é 1966, portanto o auge da “guerra fria”. Assim, da mesma forma que enfrentava dificuldades para publicar em seu próprio país, é provável que não dispusesse de pleno acesso às informações referentes às linhas de pesquisa então em curso no exterior, principalmente nos EUA, onde, por exemplo, Noam Chomsky já desenvolvia suas idéias e conceitos.

 

 

Por fim, Apresyan trata, de modo geral, o fenômeno lingüístico como algo autônomo, não o relacionando, a priori, com outros campos do saber, ainda que utilize conceitos da Física nas suas mais recentes teorias. Há de se considerar, entretanto, o provável impacto que os estudos deste notável cientista terão em outras áreas do conhecimento, nos anos que estão por vir, dando continuidade à tradição russa de grandes lingüistas, como Vladimir Propp, Mikhail Bakhtin e Roman Jakobson, dentre tantos outros nomes de destaque na história da ciência lingüística.

 

B i b l i o g r a f i a

 

  • APRESYAN, Yuri D. 1980. Idéias e Métodos da Lingüística Estrutural Contemporânea. São Paulo: Editora Cultrix.

 

  • KUHN, Thomas S. 1987. A Estrutura das Revoluções Científicas. [trad. de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira do orig. inglês: The Structure of Scientific Revolutions, 1962]. São Paulo: Perspectiva.

 

·     MATTOSO CAMARA JR, Joaquim. 1975. Abordagens Diferentes ao Estudo da Linguagem. Pré-Lingüística, Para-Lingüística, Lingüística Propriamente Dita. In Historia da Lingüística, 9-14. Petrópolis: Vozes.

 

  • MURRAY, Stephen O. 1983. Stages in the Natural History of Scientific Specialties. In Group Formation in Social Science, 14-26. Canada: Linguistic Research Inc.

 

 

I n t e r n e t

 

  • Texto Original: Biografia de “Ю́рий Дерени́кович Апреся́н” (“Википедия”)

 

  • Versão Portuguesa: Texto final próprio, livremente traduzido do russo.

 

 

  • Data da Consulta: 10 de Novembro de 2008.

 

 

Principais Obras do Autor

 

 

D i c i o n á r i o s

 

  • Apresyan, Y.D. et Alli. Dicionário Inglês-Russo de Sinônimos. Moscou, 1979 (e posteriores edições);

 

  • Apresyan, Y.D. & Pall, E. O Verbo Russo e O Verbo Húngaro: Gestão e Compatibilidade. Budapeste, 1982;

 

  • Apresyan, Y.D.; Melchuk, I.A.; Zholkovsky, A.K. et alli. Dicionário de Interpretação Combinatória do Idioma Russo Moderno: O Semântico-Sintático e a Descrição do Idioma Russo. Viena, 1984;

 

  • Apresyan, Y.D.; Mednikova, E.M. et alli. Novo Grande Dicionário Inglês-Russo. Moscou, 1993 (Vols. I-II) e 1994 (Vol. III.);

 

  • Apresyan, Y.D. Novo Dicionário de Sinônimos Explicativo do Idioma Russo. Moscou, 1997 (Vol. I), 2000 (Vol. II), 2003 (Vol. 3);

 

 

L i v r o s

 

  • Apresyan, Y.D. Idéias e Métodos de Lingüística Estrutural Contemporânea. Moscou: Educação, 1966.

 

  • Apresyan, Y.D. Estudo Experimental da Semântica do Verbo Russo. Moscou: Ciência, 1967.

 

  • Apresyan, Y.D. Semântica Lexical: Sinônimos Significam Língua. Moscou: Ciência, 1974.

 

  • Apresyan, Y.D. Obras Escolhidas. Moscou, 1995.

 

  • Apresyan, Y.D. Os Tipos de Informações e a Superfície Componente do Modelo Semântico «Significado ↔ Texto». Viena: Wiener Slawistischer Almanach Sonderband, 1980

 

  • Apresyan, Y.D.; Boguslavsky, I.M.; Iomdin, L. et alli. Língua Sistema, STEP-2. Moscou: Ciência, 1989.

 

  • Apresyan, Y.D.; Boguslavsky, I.M.; Iomdin, L. et alli. Lingüística e Processador de Sistemas Complexos de Informação. Moscou: Ciência, 1992.

 

  • Apresyan. Y.D. Descrição Integral de Linguagem e Sistema em Lexicografia, Moscou, 1995.

 

  • Apresyan. Y.D. As Línguas de Cultura Russa. Moscou, 1995.

 

  • Apresyan. Y.D. Sistema de Lexicografia. Oxford: Oxford University Press, 2000.

 

  • Apresyan. Y.D. As Línguas de Cultura Russa: Segunda Edição – Revista e Completada (em volume único): Moscou, 2004.

 

  • Apresyan, Y.D. (ed.). Língua, Imagem de Paz e de Lexicografia Sistêmica. Moscou: Línguas e Culturas Eslavas, 2006.