Do Obscuro Ofício  


Prémio Literário Afonso Lopes Vieira, Leiria, 2004

 

Noctívaga Editores

Leiria, 2004

         

          de teus actos

          extrais a agridoce

          lama de meus dias

 

          o alambique

          destila o outro em nós

 

          e tudo morre

          como se não existisse

          parto

                                                  p. 22

 

---------------------------------------------

          de que abismos em ti

          reside essa fera que ruge

          e me olha na imensidão dos olhos?

 

          de que nascentes quentes

          brotam esses rios

          que me abraçam e me dão vida?

 

          de que terra escura e fértil

          nascem em tropel essas árvores

          que me recebem no seu regaço?

 

          talvez não o queiras revelar

          para que eu parta na aventura

          de o descobrir

                                                  p.37

 

 

< Início