FERIDAS NAS MÃOS


 

...Cerca-me um bando de malfeitores.
Transpassaram minhas mãos e meus pés"
(Sl 21, 17)

» Jesus foi pregado no patíbulo (pau horizontal da Cruz) estando este deitado no solo. Depois de pregado é erguido até que este fique enganchado no alto do stipes (pau vertical). Todos os historiadores chegaram a uma única conclusão: não ha relato de uma crucificação com tamanha crueldade.

» A mão humana é composta de três partes: carpo (pulso), metacarpo (palma da mão) e falanges (dedos). Na crucificação foi feita da seguinte maneira: um dos soldados estendeu e segurou os braços de Jesus, com a palma da mão pra cima. Outro carrasco tomou um cravo de ferro, agudo, grosso e comprido, sendo a cabeça arredondada, com 3,5 cm de diâmetro aproximadamente, com um total de 12,5 cm de comprimento, sendo quadrado em seu formato, terminando pontiagudo. O cravo é colocado no pulso de Jesus e, com um único golpe o cravo penetra a mão e encosta na madeira. Mais duas ou três marteladas o prende solidamente ao patíbulo. Jesus não soltou nenhum grito, mas Seu rosto ficou contraído. Em decorrência da lesão, o polegar dobrou-se sobre a palma da mão, ficando em oposição aos outros dedos. Cada mão de Jesus apresenta, no Sudário, semi-paralisia pela lesão do nervo mediano, dando à mão um formato de gorjeta ou garçom.


» No Sudário, a mão direita foi mais maltratada do que a esquerda. Muitos autores concluem que o cravo da mão direita encontrou um nó da madeira, tendo sido retirado e recolocado em uma nova posição no patíbulo

» A dor foi indescritível, terrível, como um fogo que foi até o cérebro. Todo o corpo contraiu-se como se o condenado tivesse levado um choque elétrico. Muitas vezes produz a síncope (desmaio).

Como não amar a quem tanto ama?