HISTÓRIA DA ORDEM NO BRASIL

A Ordem da Santa Cruz tomou-se presente no Brasil na pessoa de D. Estêvão dos Santos Carneiro. Cónego do Mosteiro da Santa Cruz de Coimbra, ele foi ordenado sacerdote em 1643 e exerceu duas vezes o cargo de Prior do Mosteiro. Destacou-se também como apreciado orador sacro. Nomeado bispo de Salvador da Bahia em 1670, recebeu sua sagração episcopal a 24 de maio de 1671, na festa da Santíssima Trindade. Do Mosteiro de Coimbra recebera para a sua sede episcopal uma relíquia dos ossos do braço de São Teotónio, ainda hoje conservada na Catedral de São Salvador da Bahia. Na Crónica da Ordem ele é chamado “Bispo do Brasil”. Um outro membro da Ordem da Santa Cruz foi D. Tomás da Encarnação Costa e Lima, décimo bispo de Olinda. Nascido em São Salvador da Bahia no ano 1723, ele entrou no Mosteiro da Santa Cruz de Coimbra no dia 21 de março de 1747, como primeiro brasileiro cujo ingresso é conhecido na Ordem. Foi professor da Academia Litúrgica de Coimbra, onde lecionou História Eclesiástica. Sagrado bispo em 1774, assumiu a diocese de Olinda, nela permanecendo até a sua morte, que se deu no dia 14 de janeiro de 1784. O seu sepulcro se encontra na capela do Santíssimo Sacramento da Catedral de Olinda e Recife.

Restaurada em 1979, a Ordem fundou no mesmo ano o seu primeiro priorado no Brasil, em Guaratinguetá, Arquidiocese de Aparecida. Este priorado, chamado Mosteiro Belém, é atualmente casa de formação religiosa com postulantado e noviciado. Ao priorado está ligada uma casa para retiros e dias de recolhimento. No ano de 1983 o Bispo de Anápolis pediu a ajuda da Ordem para a formação dos seus seminaristas. Em consequência deste pedido foi fundado nesta diocese o Mosteiro da Santa Cruz e retomada a tradição do antigo Collegium Sapientiae de Coimbra, com o nome de Institutum Sapientiae. Este Instituto académico é reconhecido pela Santa Sé com o direito de conferir o Bacharelado em Sagrada Teologia. O Curso de Filosofia do Instituto está afiliado à Faculdade Eclesiástica de Filosofia João Paulo II, que se encontra na Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro. Além dos seminaristas da Diocese de Anápolis e dos alunos da Ordem, matriculam-se nele também candidatos ao sacerdócio de outras dioceses e Institutos religiosos, para os quais a Ordem disponibiliza o Convictum Regina Angelorum. Deste modo a Ordem dos Cónegos Regulares da Santa Cruz continua a sua tradição académica, esforçando-se por preparar pastores segundo o Sagrado Coração de Jesus.