VIDA NO MOSTEIRO

O dia a dia de cada casa da Ordem é regido pela presença dos mesmos momentos característicos do carisma da Ordem: vida espiritual, liturgia solene, vida comunitária e trabalho.

Na presença de Deus Uno e Trino e em comunhão com os santos Anjos, o dia de um Irmão da Santa Cruz começa com a oração comunitária da Liturgia da Horas. Ao longo do dia rezamos em comunidade as cinco horas canónicas: Ofício de leitura, Laudes, Hora intermédia, Vésperas e Completas. Depois da meditação e contemplação pessoal da Palavra de Deus, a comunidade reúne-se para a celebração da santa missa conventual solene.

Nos outros momentos do dia, cada Irmão dedica-se ao trabalho que lhe foi confiado: no estudo, na pastoral da Obra dos Santos Anjos, na elaboração e preparação de retiros e conferências, no aconselhamento espiritual, na pastoral ordinária ou nos diversos serviços necessários ao bom funcionamento da comunidade, desde a administração à manutenção da casa, do jardim ou da horta. O trabalho realizado serve não só para o sustento e manutenção da comunidade, mas também é uma forma de se continuar a obra da criação, imitando o Criador, além disso, pertence essencialmente ao seguimento de Cristo e dos Apóstolos, que também trabalharam com as suas próprias mãos.

Durante o dia, em cada casa da Ordem, o Santíssimo Sacramento está solenemente exposto e cada Irmão dedica ainda uma hora à adoração eucarística. Cada dia é dada uma solene bênção eucarística. No final do dia, a comunidade junta-se para um momento de descontração e recreio. A meditação comunitária da Palavra de Deus, a reza do terço e a oração de Completas concluem o dia a dia do Irmão da Santa Cruz. Além do ritmo diário da comunidade, semanalmente realizamos ainda o pio exercício da Passio Domini (Paixão do Senhor). Este é o tempo da santíssima Paixão redentora de Cristo, especialmente a memória do sofrimento do Monte da Oliveiras, toda a quinta-feira à noite, como também do sofrimento e da morte de Jesus na cruz, toda a sexta-feira à tarde. Com íntima participação e amor, os Irmãos unem-se neste tempo, durante o qual são livres de outras obrigações, à paixão e morte de Jesus. Cada sexta-feira do ano é observada, na Ordem, como dia de jejum e abstinência.

Além do retiro anual de cinco dias, cada comunidade da Ordem realiza ainda um retiro de adoração em silêncio e recolhimento durante o tríduo pascal, onde a Igreja celebra o ápice de todo o ano litúrgico e a Ordem encontra a sua origem. Periodicamente, em comunidade, realizamos alguns passeios pela natureza. Estes tempos livres servem para o relaxamento, assim como para o fortalecimento da saúde de espírito e corpo.