Dr. Rafael 


 
 


 

 

 

 

 

 

Dr. Rafael Reinehr – médico endocrinologista*         

                 

 

Qualidade de vida e bem-estar

 

 

            Bom dia, prezado leitor. Há tempos se discute formas e alternativas para se atingir um estado de “pleno bem-estar físico, emocional e social”, definição oficial de “saúde” criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

            Ora, sabemos que tal definição é quase impossível de ser alcançada. Qualquer ser humano adulto sabe que não é sempre, a cada minuto do dia, que conseguimos manter uma plena sensação de bem-estar quer seja em relação ao nosso corpo, nosso espírito ou com o ambiente de trabalho, moradia ou de relações pessoais em que vivemos.

            Da mesma forma, se resolvermos aceitar uma definição de felicidade que encontrei há pouco tempo, pela qual “ser feliz é não querer nada mais do que já se tem”, também dificilmente seremos pessoas plenamente felizes. Como regra geral, estamos querendo sempre mais. Muito mais do que já temos.

            Se esses problemas, de cunho filosófico, estão presentes em nosso dia-a-dia, como então iremos equacionar esta querela e tornar nossa vida mais saudável, trazendo para nós, nossa família e aqueles que nos cercam maior qualidade de vida, bem-estar e felicidade?

            É justamente isto que esta coluna, chamada Medicina & Saúde (mas que bem poderia se chamar “Qualidade de Vida & Bem-Estar” vai tentar esclarecer.

            Ao longo das próximas edições, trataremos dos mais variados assuntos, enfocando principalmente o que deve vir em primeiro lugar para quem quer ter uma vida mais feliz: a prevenção de enfermidades físicas ou emocionais. Trataremos de aprender como diminuir as chances de gerar doenças através de uma alimentação saudável, do cultivo do hábito da atividade física regular, de uma leitura atenta e descompromissada, do cultivo da atenção àqueles que nos cercam e assim por diante. Temas como a “slow food”, antroposofia, nutrição equilibrada vão se intercalar e harmonizar para trazer à tona questões relevantes na busca da saúde.

            Como nem tudo são flores, esta coluna também tratará de enfermidades. Tratará da parte sombria da Medicina, as doenças, que tanto sofrimento trazem àqueles que as possuem e àqueles que dos enfermos são responsáveis. Como minha especialidade médica é a Endocrinologia e a Metabologia, a apresentação de enfermidades altamente prevalentes como diabetes, hipertensão, colesterol, triglicerídeos, alterações da tireóide, obesidade terão prevalência. Entretanto, será disponibilizado um e-mail onde temas poderão ser sugeridos e oportunamente discutidos e apresentados.

            Toda edição terá, ao final, uma pequena seção de “Curtas”, como pequenas notícias ou dicas sobre saúde e bem-estar, ou eventualmente, uma resposta a alguma pergunta de leitor.

            Então, é isso. Espero que de alguma forma os textos que aqui serão apresentados sejam verdadeiramente úteis na construção de uma vida mais harmoniosa, saudável e feliz para você leitor e para sua família e amigos. Recorte esta coluna e faça sua coleção. Muitos temas você desejará ler novamente no futuro, ou fazer cópias para distribuir a seus conhecidos.

            Ainda: valorize o jornal que está lendo, que traz esta iniciativa para você. Em um mundo corrido, onde só o que chama muita atenção é valorizado, trazer uma coluna que vai tentar reduzir o ritmo do dia-a-dia é uma façanha louvável.

            Dúvidas ou sugestões podem ser enviadas para o e-mail leitor@reinehr.org

            Até a próxima edição e um maravilhoso 2007, cada vez melhor.

 

Rafael Reinehr – médico endocrinologista*

 

*Formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul  (UFRGS)
Especialista em Medicina Interna e Endocrinologia e Metabologia pelo
Hospital Nossa Senhora da Conceição (GHC) - Porto Alegre
Titulado pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
(SBEM) Aperfeiçoado pelo Saint Bartholomew's Hospital de Londres 
- Queen Mary's  School of Medicine and Dentistry

 

 Curtas:

 

Ganho de peso e gestação - Mulheres que aumentam de peso entre as gestações têm maior risco da nova gravidez apresentar complicações. As que aumentaram três ou mais unidades do Índice de Massa Corporal (IMC) são mais propensas a ter diabetes gestacional, hipertensão, parto por cesariana e dar à luz uma criança morta. O estudo foi feito na Escola de Saúde Pública de Harvard.

 

Peixe e cólicas menstruais – O ômega-3, presente nos peixes e frutos do  mar é um interessante antiinflamatório, o que pode reduzir a ocorrência não só da cólica menstrual como também da mastalgia (dor nas mamas)  e até dor de cabeça associada à menstruação. Entretanto, não basta comer peixe somente quando vier a dor: é necessário ingeri-lo com freqüência, idealmente três vezes por semana.

 

Internet faz bem pra cuca – É o que diz um consenso da Associação Americana de Psicologia (APA). Segundo a APA, adultos acima de 65 anos raramente são depressivos ou melancólicos quando surfam na Internet ou batem papo nos chats. Dá o computador pro vovô!