As vantagens da opção pela PNL

Como a opção pela PNL muda para melhor a vida, o ensino, os estudos, o trabalho, tudo envolvendo grande felicidade?

Um depoimento pessoal

 

Nei Loja – Psicólogo, Comunicólogo e Marketólogo,

 também especializado em PNL.

www.neiloja.com.br

 

Nunca contei antes como foi que a PNL entrou na minha vida de psicólogo que nada conhecia sobre o assunto ao tempo da minha formação universitária completada em 1973, ainda com vinte e três anos de idade. Aos dezoito achava que seria professor, mas após meu primeiro treinamento recebido na Shell, de três meses, quando ainda universitário, encontrei o que seria o meu destino. Treinar. E comecei dois anos depois quando assumi minha primeira gerência de vendas, treinando meus funcionários e aproveitado todas as oportunidades, tropeçando, claro, mas querendo muito.

 

Tinha e ainda tenho forte inclinação pelos estudos da psicologia inicial que buscava a ciência, lembrando os reflexos condicionados relatados por Pavlov, os estudos sobre aprendizado humano de Skinner e Clark Hull e o aprofundamento nas ocorrências da percepção da Escola Fenomenológica Alemã, da qual resultou o Gestaltismo.  Nunca me vi terapeuta, como a maioria dos colegas, geralmente mais interessados em Freud, algo bem comum na minha geração. Ao longo dos anos surgiram novas correntes de pensamento terapêutico, também novos filósofos, o que faz com que nós, os psicólogos, tenhamos visões bem diferenciadas sobre como atuar sobre o que parece ser a nossa missão.  Normal. A psicologia não é uma ciência fechada.

 

Ainda antes de conhecer a PNL tive a oportunidade de me submeter à psicoterapia psicanalítica com três diferentes terapeutas, concluindo, após quase treze anos, que não funcionava. Não me ajudava e, pior, ao comentar isto com o último psicanalista, ele finalmente me esclareceu que a psicanálise não tem o objetivo de curar, mas apenas de autoconhecimento. Mas eu, como cem por cento das pessoas que conheci que também se submetiam à psicanálise, queria cura.

 

Aí conheci a PNL e aprendi que existem curas a partir de uma nova percepção do funcionamento do organismo, que nos permitia também usar bem o que a genialidade de Bandler nos transmite em seus livros e modo de agir.

 

Foi relativamente fácil, a partir daí, acompanhar todas as pessoas que se aprofundavam nesta ainda nova e importante metodologia que veio a influenciar de modo definitivo meu trabalho, minha vida e minha felicidade, de modo que redesenhei meus treinamentos e palestras, culminando por publicar um livro cujo título pretende ser auto-explicativo, o “Uma Nova Maneira de Ser Feliz”.

 

Eis, então, como “defini” para mim o que é a missão dos psicólogos: “Apoiar a felicidade humana”, porque ninguém procura terapeutas para contar anedotas, mas sempre com sofrimentos dos quais deseja se libertar. Vem daí o meu entendimento do que a PNL consegue fazer por mim para que eu possa alcançar o que entendo ser a minha missão.

 

De fato Uma Nova maneira de Ser Feliz me tornou uma pessoa muito melhor e certamente um treinador muito mais desafiador e competente, de modo que, tendo seguido uma carreira de profissional de vendas, junto com as palestras e treinamentos, publiquei “Apresentações Vencedoras”, repleto, entendo, dos mecanismos que aprendi com Bandler, os quais principalmente nos aguçam o desejo de experimentar, de modo controlado e com base orgânica clara. Assim aconteceu importante evolução nas minhas avaliações e no meu grau de satisfação com o meu trabalho, no qual sempre me divirto muito, razão de permanecer neste modelo moderno e inteligente demais.

 

O que aprendi também me ajudou a desenvolver um modelo pessoal muito motivador como líder de equipes - que fui por vários anos, de modo que minhas “descobertas” também encontraram interesse na publicação de outro livro chamado “Grande Líder Motivador”, no qual mostro que o líder é o grande beneficiário dessa forma estratégica e muito agradável de se trabalhar com grupos. Outros três livros que escrevi, sendo mais um de treinamento e dois outros para apoiar a felicidade humana também foram publicados, de modo que, via PNL, acabei realizando mais um grande desejo, que é o de figurar como escritor. E sem saber até qual o alcance, sou muitas vezes  surpreendido. Um dia destes encontrei no Orkut uma mensagem de um analista de sistemas para uma comunidade chamada “Meu filho tem TDAH”, no qual explicava como o livro Apresentações Vencedoras tinha aberto o caminho para ele educar seu filho. O tipo de comunicação funcionava também naquela dificuldade!

 

Observo muito os grandes comunicadores para aprender mesmo, e acabei  percebendo a extraordinária influência que tem a PNL nos recursos de comunicação usados pelos pastores evangélicos. Conhecemos os resultados deste grupo religioso que cresceu imensamente, em tempo curtíssimo e pelo planeta inteiro, usando apenas a força da comunicação convincente.

 

Poderia dar mais duzentos exemplos de observações sobre sucesso ou fracasso de profissionais que precisam expor suas idéias, como os professores, identificando com facilidade quem consegue mais pelo que mais aprenderam com a humildade de estudar os mecanismos e técnicas que levam as pessoas a darem sua ATENÇAO e a ficarem muito INTERESSADAS. Vale a pena citar o Lula, nosso presidente que fala bem errado, mas que é absolutamente empático com seus eleitores. Grande vendedor de idéias, não precisa da opinião dos “ricos” para ser presidente e falar errado o mantêm em contato direto com um povo que também tem língua portuguesa própria – o que importa, sabemos, é a empatia.

 

Mas a ATENÇAO é o bem mais precioso que existe. Sem ela não ocorre a comunicação, que de seu lado é considerada A Maior Arma da Humanidade. Mas que não é obtida gratuitamente, ao contrário, é disputadíssima e impossível de ser embalada. Vale uma fortuna porque quem a consegue vende qualquer coisa. Sem atenção nada ocorre.

 

Assim, respondo ao título deste artigo: tudo dá certo com uma qualidade muito agradável, funciona para mim, para a igreja, para o pai educador, para o presidente do Brasil e certamente para qualquer um.

 

Também vale dizer que a PNL é simples, apesar dos que se confundem explicando-a, valendo estudar mais os aspectos da comunicação. Não basta entender se não praticar. Explico: quando o Brasil perdeu a última ou a penúltima copa, não me lembro, ocorreu uma fantástica oportunidade de divulgação no internacional programa da Ana Maria Braga, que chamou dois especialistas em PNL de São Paulo para mostrarem que, se usassem com a seleção os recursos desta forma de trabalho provavelmente os resultados seriam bem melhores. Claro que seriam! Mas os dois não conseguiram sequer explicar o que é a PNL e foi uma entrevista embaralhada por expressões incompreensíveis, enfim, uma oportunidade de comunicação perdida, que poderia ter acelerado imensamente o uso da PNL no desenvolvimento do Brasil!

 

Mas a PNL é fácil, acessível pela simples leitura e faz, realmente faz pelas pessoas o que anda não vi nenhum outro modelo teórico fazer. Como é “Programação nos Neurônios Através da Linguagem”, portanto da fala, é aí que temos que caprichar mais, todos os que quiserem usar bem este recurso tão especial.

 

Nota: Desafie-se e assista ao filme/vídeo “Quem somos nós?”, e leia Engenharia da Persuasão do Bandler, editora Rocco.

 

NL/ 30/05/2008