Vapores e Navios

HOMEIMIGRANTES - LISTAS - BRASÕES - CARTA - CHEGADAS

 

vapor-re-umberto-I.jpg

Em 1894, trouxe a Familia Cavallaro

  

vapor-colombo.jpg

Em 1899, trouxe a Familia Cavallaro

Imagens cedidas por Silvares

http://silvares.fotoblog.uol.com.br/

----------------------------------------------------------------------------------------------- 

vapor_aquitaine.jpg

Fonte: Glacy Weber Ruiz Cavallaro

-------------------------------------------------------------------------------------------------

Dunbrody - Ireland

 

 General Langfit


 Hector Pictou - Scotland


Monte Urchiola - Spain


Monte Urbasa - Spain


Monte Umbe - Spain

 

Ciudad de Toledo - Spain

 

Ciudad de Toledo - Spain


Covadonga - Spain

 

Guadalupe - SPain

 

Monte Aruca - Spain

 

Monte Udala - Spain

 

Monte Ulia - Spain

Navios espanhóis indicados por Angel Vidal @ig.com.br, dos quais o Monte Udala é o trouxe de La Coruna a Santos em 1959

 

 

Transatlântico Minas

 

O transatlântico 'Minas' foi construído em 1891 pelo estaleiro italiano G.Ansaldo, de Sestri Ponente

http://www.novomilenio.inf.br/rossini/sts1900.htm

 

Histórias: o porto de Santos em julho de 1900

Artigo publicado no jornal A Tribuna de Santos em 3/11/1994:

 

Navios importantes - No registro de entradas do mês de julho de 1900 figuram nomes de transatlânticos que marcam a história da navegação mercante das diversas bandeiras, freqüentando a Rota de Ouro e Prata. Se não, vejamos.

No início do mês, atracava o Minas, vapor pertencente à empresa italiana Ligure Brasiliana, cujo agente em Santos era a A. Fiorita & Cia., com escritório na Rua Visconde do Rio Branco. Esta companhia também representava a poderosa armadora peninsular Navigazione Generale Italiana, que naquela época utilizava diversos navios na rota para o Brasil e o Prata, como o Washington, o Manilla, o Bormida, o Paraguay e o Gottardo.

A Ligure Brasiliana havia sido fundada em Gênova (Itália) em 1897, pelo senhor Giulio Gavotti, sobre os escombros jurídicos de uma outra armadora, a Ligure Romana (esta última pertenceu a Gustavo Gavotti, deputado no Parlamento italiano e irmão de Giulio). Foram os irmãos Gavotti os primeiros armadores italianos a perceber o potencial interessante de uma ligação marítima entre a Itália e o Norte do Brasil.

Os vastos territórios da região do Amazonas podiam representar um novo mercado pleno de promessas, sobretudo porque, na virada do século XIX-XX, a borracha havia feito de Manaus uma cidade rica e opulenta, onde se faria fortuna com a mesma rapidez que em São Francisco (EUA), eldorado dos garimpeiros de ouro do século XIX que demandavam à Califórnia.

O Minas, construído pelo estaleiro G. Ansaldo, de Sestri Ponente, em 1891, era um vapor de 2.964 toneladas de arqueação bruta. Havia iniciado sua carreira sob o nome de Michele Lazzaroni, por conta do armador romano Bartolomeo Mazzino.

Este, utilizando então de subsídios governamentais para o desenvolvimento da indústria naval, ordenou a construção de três navios gêmeos que foram colocados em 1892 na linha de emigrantes para o Brasil e o Prata. O primeiro destes foi o Michele Lazzaroni, o segundo recebeu o nome de Giulio Cesare e o terceiro foi batizado Re Umberto.

FONTE: http://www.novomilenio.inf.br/rossini/sts1900.htm

 

 

 

 

 

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Naufrágios de Navios

Paraná< xml="true" ns="urn:schemas-microsoft-com:office:office" prefix="o" namespace="">


 

Naufrágio: 05/04/1917

Localização: Baía do rio Senna (França)

 

Ato de Guerra: O Paraná, que não levava armas pois o Brasil ainda era considerado país neutro, era o melhor vapor da Companhia de Comércio e Navegação. Deixou o Rio de Janeiro com destino ao porto francês de Le Havre (França). Navegava com todas as luzes acessa e o pavilhão nacional pintado nos bordos e estendido no mastro. As 18:35 hs. o vapor, sem aviso, foi atingido por um torpedo a bombordo, na altura do compartimento de máquinas, a cerca de 1 metro abaixo da linha de navegação.
Após o ataque o submarino alemão veio a superfície manobrou, mudando de bordo e acertou 5 tiros de canhão no navio, já parado, com a nítida intenção de afundar rapidaemetne o vapor.

 

 

Dados Técnicos

Nacionalidade: Brasileira

Tipo de Navio: Cargueiro - Companhia de Comércio e Navegação

Medidaso: 6000 T

Propulsão: vapor

Material do casco: aço

 

A rápida intervenção de uma torpedeira francesa, pois o submarino em fuga, os náufragos foram recolhidos por ela, porém o Paraná afundou de popa em pouco mais de 5 minutos.
Por causa desse ataque, no dia 11 de abril de 1917, nosso país rompe relações diplomáticas com o bloco Germânico, apesar das afirmações do consul alemão de que o navio havia se chocado com uma mina francesa.

 

Agressor: Submarino alemão.

 

Ver outros em

http://www.naufragiosdobrasil.com.br/listadenaufragios.htm

 


 





Em permanente construção. Envie sua informação para divulgação no site