O Início do Ministério de Jesus


12 lições sobre o início do ministério de Jesus

Lição 1

O Jovem Jesus

Lucas 2:40-52

 

Versículo: Efésios 5:1

 

      Em Sua infância, na pequena cidade de Nazaré, Jesus era, provavelmente, o mais bonito dos garotos da redondeza. Ele era zeloso e pronto a ajudar os outros. Seu corpo crescia, tornava-se alto e forte, tal qual das outras pessoas da Sua idade. Ele era mais do que um simples menino, entretanto, porque Ele era também Deus – Deus Filho. Este jovem, que nascera num estábulo, em Belém, poucos anos antes e vivia agora naquela obscura vila de Nazaré da Galileia, com José e Maria, sua mãe terrena, era O Criador dos céus e da terra!

      A coisa mais notável ao jovem Jesus, enquanto Ele crescia, era que Ele jamais fez nada errado. Todos os meninos e meninas fazem coisas erradas – mas não Jesus! Ele era perfeito. Ele nunca fez nada errado. Nunca roubou, nunca mentiu, nunca desrespeitou ninguém. Ele nunca foi mau ou sonso, como as crianças são, às vezes. Nele não havia pecado. Jesus nasceu sem pecado e, durante toda a Sua vida Ele nunca pensou, disse ou fez uma coisa só que fosse má ou errada. Ele sempre fez o que era bom, correcto, e agradável a Seu pai do Céu. A Bíblia diz que Jesus cresceu e tornou-se forte e saudável, com sabedoria e conhecimento fora do comum e que Deus Pai derramava Suas bênçãos sobre Ele. Ele nunca se exibiu ou agiu como “esperto”. Ele era como todos os outros meninos, excepto pelo facto de não ter pecado.

      Jesus tinha muitos irmãos e irmãs mais jovens. Eles eram meios-irmãos porque Jesus não tinha pai terreno. Seu Pai era Deus Pai. José, marido de Maria, era como um pai adoptivo, a quem Deus Pai dera a importante responsabilidade de cuidar de Jesus até Ele tornar-se adulto. Jesus tinha grande respeito por José e o obedecia em tudo, porque Ele sabia que obediência agrada a Deus.

 

A Carpintaria

 

      José, o pai adoptivo de Jesus, era carpinteiro, um homem que fabrica artefactos de madeira. Não era um homem rico e tinha que trabalhar duramente para comprar comida suficiente e roupas para manter a família forte e saudável. Quando Jesus se tornou grande o suficiente, Ele começou a ajudar José na carpintaria. Ele pode varrer o chão, recolher a serragem e aprender a consertar coisas quebradas. Logo, ele estava a confeccionar coisas sozinho – talvez um brinquedo ou um carrinho para uma criança mais jovem e depois, talvez, uma mesa, cadeiras e até mesmo alguns móveis para Maria.

      Maria e José ensinavam a sua família e os treinavam nas coisas de Deus. Dia após dia, Maria explicava as Escrituras às crianças – todas as maravilhosas histórias do Velho Testamento, Ela contou-lhes sobre o Jardim do Éden e de como Adão e Eva perderam seu lar maravilhoso por causa da mentira de Satanás e de seu próprio pecado de orgulho e desobediência. As crianças gostavam especialmente dos trechos da Bíblia onde os profetas falavam sobre o Messias, O Salvador que havia de vir e que salvaria o povo de seus pecados. Eles amavam as histórias de Abraão, Isaque, Jacó, Moisés, David e Daniel, que eram seus heróis.

      Todos os sábados a pequena família devia ir à Sinagoga para adorar. Eles ficavam bem comportados na Casa de Deus. Em casa e quando brincava com outras crianças, Jesus era sempre gracisoo, bondoso e generoso, sempre pensando no bem dos outros, nunca preocupado com Ele mesmo ou com Seus desejos pessoais. Não podemos imaginá-Lo reclamando, murmurando ou respondendo mal quando José o incumbia de alguma tarefa ou solicitava ajuda na Carpintaria. Outras crianças podiam mentir, enganar, dizer coisas grosseiras, mas Jesus, não!

      Que ajuda maravilhosa e conforto Jesus deve ter sido para Maria e José! Ele estava sempre a descobrir maneiras de tornar a vida fácil para eles, consertando uma coisa aqui, outra ali e apenas trazendo alegria para a casa. E, oh! Quão inteligente Ele era! Você gostaria de tê-Lo conhecido então? E, não seria maravilhoso se pudéssemos ser como Ele – bom, gentil, amoroso, cortês, sincero, obediente, diligente e atencioso? Podemos ter o carácter dEle se pedirmos a este mesmo Jesus, que é o Senhor da glória, para viver em nossos corações, tomar controle completo de nossas vidas e dirigir nossas vidas.

 

 

Lição 2

O Baptismo de Jesus

Mateus 3:1-17; Marcos 1:2-11; Lucas 3:1-22; João 1:6-8; 15-36

 

Versículo: João 1:1

 

      Jesus cresceu na cidade de Nazaré, na Galileia, que está situada setenta e cinco milhas ao Norte de Jerusalém. Quando era apenas um rapaz, era diferente dos demais em dois pontos fundamentais – Ele não possuía um pai terreno e, Ele nunca fizera nada errada, porque Ele é Deus Filho. E, embora Ele soubesse que era Deus Filho, Ele jamais demonstrou isso ou usou Seu Poder. Em linhas gerais, Ele teve uma infância e adolescência perfeitamente normais, contudo jamais pecou.

      Dessa forma o Filho de Deus viveu em Nazaré como um desconhecido, até que Seu corpo terreno atingiu trinta anos de idade. Nós dizemos que Seu corpo atingiu trinta anos de idade porque na realidade Ele é Eterno, Sempre Existiu e Sempre Existirá porque ele é Deus. Durante todos esses trinta anos, ele não realizou nenhum milagre em público e não pregou nenhum sermão. Ele apenas trabalhava na carpintaria.

      Aos trinta, Ele deixou Nazaré e dirigiu-Se a um certo lugar, às margens do Rio Jordão.

 

João Prega no Deserto

 

      Havia alguém lá, às margens do rio, preparando o povo judeu para o Messias Prometido. Na verdade, toda a nação de Israel estava empolgada com esta estranhíssima pessoa que andava pregando às margens do Rio Jordão, num lugar chamado Betânia. Seu nome era João e ele disse que estava a preparar o caminho para a Vinda do Messias, o Príncipe de Israel. João não possuí um púlpito, não possuía um templo, ele apenas ficava de pé às margens do rio Jordão e pregava. Multidões achegavam-se para ouvi-lo e ele baptizava tantas pessoas que passou a ser conhecido como João, o Baptista. João não usava o mesmo tipo de roupas que os outros usavam. Ele vestia-se de peles de camelo e usava um cinto de couro. Sua comida não era requintada ou bem preparada. Ele comia aquilo que podia achar no deserto – gafanhotos e mel silvestre.

      Você ainda lembra que, quando o anjo Gabriel veio anunciar a Maria que ela seria a mãe terrena de Jesus, ele também disse a ela que a sua prima Isabel iria ter um filho? O anjo falou a Zacarias, o marido de Isabel, que o menino seria um grande homem de Deus, um homem semelhante no espírito e em poder ao profeta Elias. Disse ainda que ele seria cheio do Espírito Santo desde o seu Nascimento e cresceria para tornar-se um Poderoso profeta que converteria muitos aos caminhos do Senhor. João, o Baptista, tinha pouco mais de trinta anos agora e estava cumprindo o plano de Deus. Ele era como uma voz clamando no deserto, “Preparai o caminho do Senhor”. João estava a preparar o caminho para o Senhor, semeando nos corações das pessoas de forma a prepará-las para ouvirem seu Messias.

      Enquanto João, o Baptista, pregava às margens do rio, ele tinha uma aparência muito peculiar: seus olhos pareciam expedir chamas de fogo e a sua poderosa voz estrondeava pelo vale, dizendo às pessoas o quanto elas estavam cheias de pecado e advertindo-as acerca da ira e do castigo de Deus. Ele ordenava-lhes que se arrependessem e que colocassem a sua fé no Messias Prometido para que pudessem tornar-se filhos de Deus e terem seus pecados perdoados. Ele suplicava-lhes que abandonassem seus maus caminhos, para experimentarem uma mudança completa em seus corações, mentes, atitudes para que passassem a viver vidas que agradassem ao Senhor. Ele instava com eles para que se baptizassem, como um sinal exterior da mudança interior operada em seus corações.

      João apresentava a mensagem de Deus ousadamente e sem temor. Sem importar-se com o nível social daqueles que o ouviam – ricos, pobres, educados, ignorantes, reis, fariseus, soldados ou sacerdotes – ele jamais mudava o teor de sua mensagem.

      Todos podiam compreender perfeitamente as advertências e ensinamentos de João, o Baptista, porque ele era realmente um grande profeta enviado por Deus. Muitos começaram a clamar à medida que sentiam convicção de pecados: “Que queres que façamos?”

      E João respondia, atingindo profundamente sua natureza egoísta e endurecida “Arrependam-se; mudem os seus corações e seus caminhos”. Ele não tornava as coisas fáceis para eles e, o interessante é que eles “bebiam” as palavras dele! Mesmo alguns colectores de impostos e soldados romanos de coração endurecido, vinham ouvi-lo. Centenas confessavam os seus pecados e pediam para serem baptizados porque João lhes dissera que o baptismo seria um testemunho público de seu arrependimento de pecados, seu compromisso com Deus e de que seus pecados estavam perdoados.

      Naturalmente, todos ficavam indagando-se quem seria esse poderoso profeta chamado João. Eles esperavam que o Messias viesse logo. Talvez esse homem, João, fosse o Messias deles. Poderia ele ser o Cristo, o Messias esperado?

      “Ele é apenas o homem que vai livrar-nos dos romanos,” alguns diziam.

      Outros sussurravam: “Ele só pode ser Elias, que ressuscitou dos mortos!”

      Alguns líderes judeus, em Jerusalém, enviaram sacerdotes para interrogarem João na tentativa de descobrir quem ele realmente era. Talvez ele fosse aquele que Israel vinha aguardando por tão longo tempo. Eles perguntaram a João: “Você é o Messias?”

      Ele negou enfaticamente. “Não, não!” Ele exclamou, “eu não sou o Cristo. Sou apenas Seu mensageiro, enviado para preparar o caminho adiante dEle.”

      “Você é Elias, então!” Eles perguntaram.

      “Não, não sou Elias,” disse João.

      “Você é o profeta?”

      “Não.”

      “Então, quem é? Diga-nos para que possamos responder aos que nos enviaram. Que é que tem a dizer sobre si mesmo?”

      João replicou: “Eu sou a voz do que clama no deserto, ‘Preparai o caminho do Senhor!’ Como disse o profeta Isaías.”

      “Se não és o Cristo, ou Elias ou o profeta, por que baptiza as pessoas?”

      João respondeu a pergunta dizendo: “Eu baptizo somente com água, mas Aquele que vem após mim, de Quem eu não sou digno de desatar as sandálias, esse é muito maior do que eu - Ele os baptizará com o Espírito Santo de Deus.” João falava, é claro, sobre Jesus. Então João deu este solene aviso: “Ele vai baptizar também com o fogo do julgamento todos aqueles que rejeitam a salvação que Deus providenciou.”

 

 

Lição 3

O Baptismo de Jesus

Mateus 3:1-17; Marcos 1:2-11; Lucas 3:1-22; João 1:6-8; 15-36

 

Versículo: João 1:12

 

Jesus, o Cordeiro de Deus

 

      Então, um dia, Jesus chegou às margens do Rio Jordão, onde João estava a pregar. João levantou a vista e viu Jesus vindo em sua direcção e exclamou: “Eis aí o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo! Ele é Aquele de Quem eu falava quando disse que Alguém maior do que eu estava para vir.”

      O que João quis dizer quando chamou Jesus de “Cordeiro de Deus?” O povo reunido em torno de João soube imediatamente o significado, porque quando eles pecavam, eles tomavam um cordeiro e o levavam ao templo onde era sacrificado. Isto servia para lembrá-los de que o pecado tinha que ser punido. O sangue dum inocente cordeiro precisava de ser derramado para cobrir os seus pecados. Os cordeiros eram continuamente oferecidos em sacrifício, porque eles apontavam para o Messias que iria pagar pelos seus pecados duma vez para sempre. Esta é a razão pela qual Joãl chamou Jesus de o “Cordeiro de Deus”. Jesus viera para ser o Cordeiro. Ele iria levar a punição e pagar o preço pelos nossos pecados com Seu próprio sangue quando morresse na cruz.

      Assim, o Cordeiro de Deus, sem mancha, que não conhecia pecado, veio a João, o Baptista e chocou João com estas palavras: “Eu vim para que Me baptize.”

      João não podia crer em seus ouvidos. “Eu? Baptizá-Lo? Oh, não, não; você não necessita de arrependimento. Não fez nada errado para arrepender-Se. Não, não posso baptizá-Lo. Ora, Você é que precisa de baptizar-me!”

      Mas Jesus insistiu. “Deixe que as coisas sejam cumpridas a Meu modo,” Ele disse. “Porque Eu preciso de cumprir toda a justiça e isto é um exemplo do que Eu quero que todos aqueles que crerem em Mim façam.”

 

João baptiza Jesus

 

      João tomou Jesus, o Cordeiro de Deus, sem mancha e sem pecado, desceu ao rio Jordão com Ele e O baptizou. Enquanto Jesus saía das águas, João viu algo maravilhoso. Os céus se abriram e o Espírito Santo desceu em forma duma pomba sobre Jesus. No mesmo instante, uma voz do céu disse: “Este é Meu Filho Amado em Quem Me comprazo.” Era a voz de Deus Pai. Ele estava alegre com Seu Filho Jesus porque Ele havia humildemente ofertado a Si mesmo para cumprir todo o plano de Deus para que o homem fosse salvo da punição eterna pelos seus pecados. Tudo que João viu e ouviu acabou de convencê-lo de que Jesus era o Messias Prometido e ele podia alegremente proclamar: “Este é verdadeiramente o Filho de Deus.”

      Lá, na cena do baptismo, a Trindade Santa, as Três Pessoas, estavam presentes - Jesus, o Filho, estava lá em forma de Homem. O Espírito Santo estava lá em forma de pomba (note, isto não significa que o Espírito Santo seja uma pomba, mas tão somente que Ele desceu sob essa forma). E, além disso, Deus Pai falou. Assim, as Três Pessoas da Trindade Santa estavam presentes e envolvidas com o começo do ministério terreno do Senhor Jesus.

      Naquele dia, enquanto Jesus, o cordeiro de Deus, começou o Seu ministério público oficialmente, Ele estabeleceu um exemplo. Ele mesmo não necessitava ser baptizado; Ele o fez como um exemplo a ser seguido por nós depois que somos salvos. Baptismo não salva ninguém, porque não há nada que possamos fazer para salvar-nos. O baptismo é uma figura, que lembra-nos, da morte, sepultamento e ressurreição de Cristo, em nosso lugar, por causa de nossos pecados. Pode aceitá-Lo, confiar nEle como seu suficiente Salvador agora mesmo.

 

Lições que podemos aprender da vida de João

 

      Você já pensou em algumas lições que podemos aprender do servo de Deus, João o Baptista? João foi educado simplesmente por seus pais e veio a tornar-se um poderoso pregador. Ele não estava orgulhoso de sua grandeza, contudo. Ele era um homem muito manso e humilde. Ele disse às pessoas que não era sequer digno de desatar as sandálias de Jesus. Ele não queria que o povo o notasse ou o achasse importante. Ele disse que era apenas uma voz falando sobre Jesus. Uma vez ele disse à multidão: “É necessário que Jesus cresça e que eu diminua.” Ele queria dizer com isto: “É necessário que Jesus torne-Se mais e mais importante e que eu me torne cada vez menos notado, que só Ele seja notado, que eu me torne mais e mais humilde, e que eu deseja ser esquecido.” Estamos nós desejando ser apenas Uma Voz? Outra vez, ele disse ao povo que era apenas “um dedo” que apontava para Jesus, o Cordeiro de Deus. Será que eu quero ser alguém importante ou apenas “um dedo” que aponta para Jesus Cristo?

      João era destemido. Ele não tinha medo de pregar a mensagem de Deus, mesmo que ferisse e fizesse as pessoas sentirem-se culpados, em seus corações, Ele não se envergonhava de Jesus e não tentava ser popular com a multidão. Jesus precisa de servos e testemunhas que sejam verdadeiras e obedientes a Ele, sem importarem-se com o preço a pagar. Você sabe o que a obediência de João custou a ele? Prisão e, finalmente, sua morte! Nós também, assim como João, desejamos ser chamados grandes aos olhos de Deus? Talvez não precisemos pagar com a nossa vida, mas uma vida de obediência amorosa e alegremente dedicada ao serviço do Senhor é o preço que todos precisamos pagar. Se você está agora a desejar dizer ao Senhor que deseja pagar o preço, faça-o neste momento.

 

 

Lição 4

A Tentação de Jesus

Isaías 14:12-17; Mateus 4:1-11

Marcos 1:12-13; Lucas 4:1-13

 

Versículo: I Coríntios 10:13a

 

      Antes de ser baptizado, Jesus não fez nenhum milagre, não pregou nenhum sermão, nem visitou nenhuma cidade para anunciar às pessoas Quem Ele era ou a razão de Sua Vinda. Ele esperou pelo tempo perfeito do Pai e, agora este tempo quase chegara. Só uma coisa precisava de ser feita antes de Cristo começar o Seu Ministério público. O Espírito Santo, que descera sobre Jesus na ocasião de Seu baptismo, conduziu-O para o deserto para ser tentado pelo inimigo de Deus.

 

Satanás - o Inimigo de Deus

 

      O inimigo de Deus é Satanás, ou o diabo. Antes da criação do mundo, Satanás chamava-se Lúcifer, que significa “luz”. Lúcifer, a estrela da manhã, era o mais belo e importante de todos os anjos do céu. Ele era um arcanjo, o comandante - um chefe de todas as hostes celestiais. Lúcifer não manteve a sua posição no céu, contudo.

      Que fez Lúcifer para causar a sua queda de sua alta posição no céu? Isaías 14:12 diz: “Como caíste do céu, ó estrela da manhã! Porque disseste em teu coração, ‘subirei ao mais alto céu, estabelecerei o meu trono acima das estrelas de Deus’: assentar-me-ei no monte da congregação, para o lado do Norte: subirei acima das mais altas nuvens; serei semelhante ao Altíssimo” (Isaías 14:13-14). Você percebeu quantas vezes Lúcifer disse Eu? Ele tinha problemas de “ego”! Lúcifer imaginou uma mentira sobre si mesmo, então creu naquela mentira e, depois começou a gabar-se junto aos outros anjos. “Eu serei semelhante ao Altíssimo,” ele gabou-se.” “Serei semelhante a Deus.” Ele realmente não poderia ser igual a Deus, portanto ele estava a crer e apregoar uma coisa que não era verdadeira acerca dele mesmo.

      Que orgulho terrível esta mentira fez crescer no coração de Lúcifer! Ele creu que era melhor do que realmente era e isto é na verdade o que o orgulho faz. Satanás espalhou entre os anjos que ele era tão bom quanto Deus e, um terço das hostes celestiais creu nessa mentira e tornaram-se seus seguidores (Apocalipse 12:4) e Lúcifer os liderou numa rebelião contra Deus.

      Como resultado, Deus o expulsou do céu, juntamente com todos os anjos que o apoiaram.Lúcifer tornou-se conhecido como Satanás - o diabo; todos os anjos que se rebelaram juntamente com ele tornaram-se conhecidos como demónios ou espíritos maus.

      Foi Satanás quem induziu Adão e Eva, os pais da humanidade, a pecarem, no Jardim do Éden, trazendo, dessa forma, o pecado sobre toda a humanidade. Ele é chamado por muitos nomes, nas Escrituras, tais como: tentador, enganador, o maldito, o acusador dos irmãos, o autor da confusão e o pai da mentira. Ele está por trás de todo mal e pecado que entristecem este velho mundo. Satanás ainda odeia Deus, ele odeia a Bíblia e odeia cristãos dedicados a Deus. Ele tenta afastar-nos de Deus e induzir-nos a praticar o mal. Justamente porque ele odeia tudo que é justo e correcto, ele deseja controlar o mundo e receber adoração da humanidade. Ele consegue que muitas pessoas o sigam através de enganá-los e de evitar que eles ouçam e creiam na verdade das Escrituras. Mais do que a todos, é claro, Satanás odeia o Senhor Jesus; enquanto Jesus vivia aqui na terra, Satanás tentou, de muitas formas, evitar que Ele cumprisse o plano de salvação (morrer na cruz do Calvário).

 

 

Jesus encontra Satanás no deserto

 

      Para provar que Jesus é mais forte do que Satanás, o Espírito de Deus conduziu Jesus ao deserto, árido e solitário e lá permitiu que Satanás tentasse Jesus para que pecasse. A Bíblia nos diz que o  Senhor Jesus foi tentado em todas as áreas, tal como nós o somos e, contudo, nem uma vez cedeu ao pecado. Através da tentação de Jesus Deus quis mostrar-nos que Jesus é o único qualificado ou eleito para oferecer-Se como sacrifício no lugar dos pecadores culpados.

      Durante quarenta dias e quarenta noites, Jesus esteve naquele deserto árido, cercado por feras selvagens e perigosas e bombardeado por sugestões malignas do diabo e seus demónios. As serpentes, leões, bestas, feras, raposas e outros animais não eram realmente tão perigosos como os espíritos malignos que não podemos ver com nossos olhos mas que exercem uma influência tão terrível sobre todo o mundo. Durante aqueles quarenta dias e quarenta noites no deserto, Jesus jejuou, ou seja, não comeu nenhuma comida e, ao final dos quarenta dias Ele estava extremamente fraco e faminto.

      Satanás veio até Ele e disse: “Eu sei que está faminto. Precisa de comida. Olhe para todas essas pedras ao Seu redor. Tem o poder - se Você é o Filho de Deus, transforme estas pedras em pão!”

      Jesus olhou ao redor. As pedras espalhadas pelo chão lembravam-Lhe pães. Ele precisava de comida - na verdade Seu corpo tinha intensa necessidade de alimentar-Se. E, ele possuía o Poder de transformar aquelas pedras em pão, uma vez que Ele é o Criador do Universo; Ele podia fazer algo para resolver o seu problema de fome. Ele podia satisfazer a Sua necessidade sozinho. Esta foi a Sua tentação. Sabemos que nã há nada errado com o acto de comer. Precisamos de comida para viver, assim Satanás sussurrou para Jesus: “Por que não transformar essas pedras em pão?” O diabo estava tentando Jesus para que suprisse a Sua necessidade à Sua maneira, seguindo Seu próprio plano, ao invés de esperar o Plano Perfeito de Deus, a Hora de Deus. Satanás desejava que Jesus Se adiantasse ao Plano de Deus e obedecesse ao plano e tempo dele, o diabo, seguisse as suas sugestões ao invés da direcção perfeita de Deus.

      Esta é uma tentação comum e perigosa porque no momento em que não seguimos a Deus e deixamos de esperar nEle, estamos seguindo a Satanás. Se tivesse cedido, aceitando a sugestão do maligno, teria abandonado a Vontade de Deus e Seu Plano. Seria escolher a Sua própria Vontade em lugar da Vontade de Seu Pai.

      Cristo respondeu da maneira que todos nós precisamos de reagir a tentação se quisermos vencê-la. Ele respondeu com a Palavra de Deus. Ele escolheu um versículo bíblico: “Nem só de pão o homem viverá, mas de toda a Palavra que procede da boca de Deus.”

      Jesus estava a dizer a Satanás que existem outras coisas na vida muito mais importantes do que pão - pão fornece energia para nosso corpo, que, algum dia irá mesmo morrer, mas a Palavra de Deus fortalece nossa alma que é imortal. Jesus viu através do plano de Satanás que era enganá-Lo; Ele recusou e resistiu à tentação de Satanás que era satisfazer a Sua própria fome e desejo de alimentar-se quando não era a vontade de Deus que Ele o fizesse daquela forma. Jesus não utilizaria Seu poder em obediência a Satanás.

      Talvez esteja pensando: “Ora, eu não acho errado aproveitar as coisas boas da vida.” Não é, realmente. A Bíblia nos diz que o Deus Vivo dá-nos abundantemente coisas boas para que as gozemos e que é a Vontade dEle que aproveitamos todas as coisas boas que Ele criou para nosso prazer, no tempo Dele. Mas, a tentação pode vir sob a forma duma sugestão de aproveitarmos essas coisas for a do tempo que Deus determinou para isso.

      Suponha que Joana seja convidada para dormir sábado na casa da sua amiga Susana e ir juntamente com a família na manhã seguinte a um piquenique num lindo parque onde poderiam nadar, andar de barco, esquiar e todos os outros tipos de desportos ao ar livre e divertir-se o dia inteiro. Há alguma coisa de errado em dormir uma noite na casa da sua melhor amiga? Não. É pecado ir a um piquenique, nadar, andar de barco ou esquiar? Não. Todas estas actividades são coisas boas que Deus quer que aproveitemos. Mas, se isso significa faltar à Escola Dominical e à igreja? Deus já manifestou a nós a Sua Vontade em Sua Palavra. Ele instruiu-nos a ir à Sua Casa no Seu dia para adorá-Lo, ouvir Sua Palavra, orar e ter comunhão com outros cristãos. Assim, se Joana escolhe não ir á Casa de Deus, preferindo ir a um piquenique e aproveitar outras coisas agradáveis no domingo, ela terá caído na tentação de aproveitar as coisas for a da Vontade de Deus. Joana poderia ter dito à sua amiga que ela preferia estar na igreja no domingo e, assim, ela poderia ter ido dormir com a amiga em outra noite e não no sábado. Se Joana tivesse compreendido que foi o inimigo que sugeriu a ela que estava correcto faltar à igreja e ir divertir-se for a, ela poderia tê-lo derrotado como Jesus fez.

 

Os reinos deste mundo

 

      Para a próxima tentação, Satanás levou Jesus ao alto duma montanha e mostrou-Lhe, num momento, todos os reinos deste mundo. O diabo disse-Lhe: “Dar-lhe-ei todos esses reinos e toda essa glória se Você me adorar!” Satanás disse a Jesus que todos esses reinos pertenciam a ele porque ele é o deus deste mundo e o príncipe das potestades do ar. O que Satanás estava a dizer era parcialmente verdadeiro porque quando Adão desobedeceu a Deus e pecou, ele entregou o sistema do mundo nas mãos de Satanás. Mas Jesus também sabia, estava chegando o dia em que os reinos deste mundo tornar-se-iam de nosso Senhor e do Seu Cristo. Naquele dia Satanás terá que reconhecer que Jesus é o Senhor de todos os reinos da terra; e todo joelho se dobrará diante de Jesus, quer queiram ou não, e hão, todos, de confessar que Jesus é o Rei dos reis e o Senhor dos senhores.

      Entende o que Satanás estava a tentar fazer? Ele estava a falar uma meia verdade. Que tentação enganosa era essa! Ele estava a oferecer a Jesus o reino deste mundo da maneira mais fácil - sem sacrifício, sofrimento e uma morte cruel na cruz. O tentador estava a quer convencer Jesus a tomar um atalho para obter todos os reinos deste mundo sem ir à cruz. “Não vai custar-Lhe nada,” Satanás sorrateiramente sugeriu, “e Você pode ter Seu reino neste momento exacto! Somente prostre-se e adore-me!” Mas este não era a Vontade de Deus ou Seu Plano.

      Jesus Cristo realmente irá governar o mundo como Rei, um dia, mas primeiro Ele precisava de entregar a Sua vida no Calvário para levar sobre Si os pecados do mundo. Assim, Jesus resistiu à oferta tentadora de Satanás e não se rendeu a ela. Firmemente Ele declarou: “As Escrituras dizem - adorarás ao Senhor teu Deus e somente a Ele servirás.” Outra vez Jesus obteve vitória pela Palavra de Deus.

      A Bíblia diz que não devemos ser ignorantes acerca das ciladas de Satanás e de seus métodos, porque ele nos tenta usando as mesmas mentiras e estratégias que ele usou com Jesus. Oh, eu sei que ele não nos promete “os reinos deste mundo”, para tentar fazer-nos obedecer a ele nos observa e sabe exactamente o truque que iria usar para tirar-nos da vontade de Deus.

 

O Pináculo do templo

 

      Prosseguindo em tentar a Jesus, Satanás o transportou ao ponto mais alto do templo, em Jerusalém e disse: “Se És o Filho de Deus lança-Te daqui abaixo!”

      Então, descaradamente, o diabo citou a Bíblia, parte do Salmo 91: “Porque a Seus anjos dará ordem a teu respeito para que não tropeces com teu pé em alguma pedra”. (Deus mandará anjos que o guardarão de ferir-se da morte ou mesmo de tropeçar em alguma pedra).

      Lembre, Jesus viera ao mundo para revelar-Se como Messias para Israel. Abaixo, no pátio do templo, havia uma grande ajuntamento de judeus. Satanás estava simplesmente a dizer: “Aqui está a Sua oportunidade de provar ao povo que é realmente o Filho de Deus, o Messias Prometido! Vá em frente e pule! Deixe-os verem-No flutuar no ar, sem ferir-se, sustentado por mãos invisíveis de anjos. Quão espantados eles hão de ficar! Então eles crerão que é realmente Quem diz ser.”

      Isto soava muito razoável, mas Jesus viu, imediatamente, a cilada de Satanás, tentando fazê-Lo realizar uma loucura. Com certeza Ele cria na Promessa do Pai, mas Ele não iria reclamar o cumprimento dessa promessa por Si mesmo, realizando um espectáculo para os judeus reunidos no pátio do templo. Ele sabia que não seria agradável a Deus-Pai que Ele se colocasse desnecessário e loucamente em perigo somente para ver se Deus o Pai enviaria ajuda. Ele não desejava que as pessoas O seguissem porque achavam que Ele era uma espécie de mágico ou um “homem sensacional.” Jesus resistiu a tentação de desejar ser “alguém” for a do propósito de Deus. Mas Jesus não discutiu com o diabo. Ele simplesmente respondeu-lhe outra vez com a Palavra de Deus. Ele disse: “Também está escrito - não tentarás ao Senhor teu Deus” (ou, não submeta o Senhor teu Deus a uma prova idiota). Isto significa que nunca é correcto fazer o que quer que seja somente para verificar se Deus vai cumprir a Sua Palavra ou não. Não é necessário agir assim uma vez que Deus sempre cumpre o que promete, de acordo com a Sua Palavra e nas condições e tempo dEle.

 

Anjos ministram a Jesus

 

      A Bíblia diz que, após as tentações haverem terminado, vieram os anjos e serviram a Jesus. Que acham que os anjos deram a Jesus? Comida! E não acham que foi a melhor comida que Seu corpo humano jamais provara? Jesus for a fiel. Ele esperara o tempo de Deus. Ele passara pela prova. E Deus-Pai providenciara para as suas necessidades humanas duma forma maravilhosa. Deus promete abençoar-nos se resistirmos à tentação e não sucumbirmos a ela.

      A grande lição para nós é que Jesus derrotou Satanás através de confiar na Palavra de Deus e de usar essa Palavra para resistir às mentiras de Satanás. Vamos lembrar que sempre que tivermos que enfrentar provação, teste ou tentação, Jesus que é Vitorioso e Senhor de todas as coisas irá suprir-nos com Seu grande poder e dar-nos a vitória se dependermos do Espírito Santo, obedecer a vontade de Deus e usar a Palavra de Deus. Então podemos resistir a tentação e não desonrar nosso Deus através de nossos fracassos.

 

 

Lição 5

Os Primeiros Discípulos

João 1:35-51

 

Versículo: I Coríntios 10:13b

 

Revisão

 

      Após a tentação no deserto, anjos vieram e ministraram a Jesus, Ele vencera a batalha contra o príncipe das trevas. Ele não se deixara enganar pelas artimanhas do diabo. Ele estava pronto agora, para começar o Seu ministério público.

      Esclarecimento: em tempos passados, grandes mestres tiveram os seus seguidores que gastava um tempo mais longo com seu mestre para aprender dEle directamente, convivendo no dia a dia. Esses seguidores mais achegados são chamados de “discípulos” ou “aprendizes”. João, o Baptista teve muitos discípulos que o seguiam.

      Chegou o tempo em que Jesus deveria escolher os Seus discípulos, Jesus, sem dúvida, foi o maior Mestre de todas as épocas e Ele deveria ter muitos discípulos. Entre os Seus discípulos haveria doze homens que Jesus desejava como ajudadores especiais; eles seriam chamados apóstolos. Jesus sabia que Ele iria retornar para Seu lar no céu quando terminasse o Seu trabalho na terra, por isso desejava treinar e preparar esses apóstolos para continuarem a Sua obra após a Sua partida para o céu. Porque eles foram particularmente escolhidos por Jesus e enviados para realizarem um trabalho especial, eles são chamados de os doze apóstolos. Jesus não escolheu os doze duma só vez, mas dia a dia Ele os chamou para O seguirem e para uma vida dedicada ao Seu serviço. Hoje vamos descobrir como os primeiros cinco apóstolos vieram a Jesus.

 

João aponta para Jesus

 

      Quando Jesus tomou o caminho de volta do deserto onde for a tentado, Ele veio novamente para as margens do rio Jordão. Uma grande multidão estava lá ouvindo a pregação de João, o Baptista. Quando Jesus aproximou-Se de lugar onde João estava, João viu a Jesus num relance. Ele parou de pregar e aprontou para Jesus, clamando em alta voz: “Eis o Cordeiro de Deus!” Dois dos discípulos de João que estavam a seu lado, viram-nos apontar para Jesus e chamá-Lo de Cordeiro de Deus e, eles entenderam perfeitamente o que João queria dizer. Este era Aquele para cuja vinda João os preparara - o Cordeiro de Deus, sem mancha, que seria oferecido como sacrifício por seus pecados. Eles deixaram João, o Baptista, e seguiram a Jesus.

      Vocês acham que João importou-se com isto? Pensa que isto o aborreceu, que os seus discípulos o deixaram para seguir o outro? Não, era isto mesmo que João desejava que eles fizessem. João cumprira bem a sua missão - ele se tornara menor (menos importante) e Jesus se tornara mais importante.

      Estes dois discípulos de João foram os dois primeiros a segui-Lo após o Seu baptismo. O nome dum deles era André e o outro chamava-se João (não João Baptista, mas João o discípulo amado, que mais tarde escreveu o Evangelho Segundo João). André e João eram amigos desde a cidade de Betsaida, no mar da Galileia. Jesus olhou em volta e os viu dirigindo-se a Ele.

      “Que é que desejam?” Ele perguntou-lhes.

      “Mestre,” eles disseram-Lhe “onde moras?”

      “Venham e vejam,” Jesus lhes disse, guiando-os até o lugar onde estava hospedado.

      Estes homens, como muitos outros haviam estado aguardando a vinda do Messias. Agora, uma vez que João, o Baptista, havia indicado a Jesus como o Messias, eles desejavam conhecê-Lo e segui-Lo. Assim, eles ficaram todo aquele dia com Ele. Aquela pequena visita mudou-lhes as vidas e, também, mais tarde, mudou a vida de milhões de pessoas ao redor do mundo. Os dois homens nunca mais foram os mesmos, nem o mundo em que viviam jamais foi o mesmo outra vez. Não sabemos sobre o que eles conversaram, mas com certeza eles tinham muitas perguntas. Jesus respondeu as suas perguntas, falando-lhes Dele Mesmo e sobre o maravilhoso plano de Seu Pai. Talvez eles não tenham compreendido tudo que Ele lhes disse, mas Ele ganhou os dois - eles estavam crendo que Ele era o Messias Prometido e eles tornaram-se Seus apóstolos.

 

André encontra Simão

 

      André e João eram pescadores e cada um deles tinha um irmão que também era pescador. Eles estavam preocupados com os seus irmãos - desejavam que eles conhecessem igualmente a Jesus. André correu para o Mar da Galileia e procurou diligentemente por seu irmão Simão. Quando ele finalmente localizou Simão ele disse-lhe excitadamente e quase sem fôlego: “Nós encontramos o Cristo! O Messias! Venha e veja!” Ele provavelmente deu seu próprio testemunho a Simão acerca do que Jesus fizera por ele. Então ele disse: “Agora, Simão, eu quero que venha conhecê-Lo também. Não quer vir a Ele?”

      André era uma boa testemunha para Jesus. Nós deveríamos ser como André e trazermos outros a Jesus. Muitos de nós dizem: “Oh, é obrigação do pregador ser uma testemunha para Deus ou do professor da escola dominical ou então isto deve ficar por conta dos missionários!” Mas, todo o crente é chamado para ser uma testemunha - um bom representante de Jesus - exactamente onde você vive. Deus deseja que meninos e meninas na escola, em casa, no campo de futebol, na quadra de basquete e na piscina encontrem uns aos outros e digam: “Deixe-me contar-lhe o que Jesus fez por mim.” Então transmita a seu colega a mensagem de salvação e, mais do que isso, pode levá-lo a Cristo.

      Jesus também nos diz para irmos até aos confins da terra. Os vermelhos, os pretos, os amarelos, os morenos e os brancos, todos precisam de ouvir a mensagem de Jesus. Os selvagens, os civilizados, os jovens, os velhos, os instruídos e aqueles que nunca puderam ir a uma escola - todos precisam de ouvir o Evangelho. Jesus disse-nos para irmos às selvas, às cidades, às mais altas montanhas, aos desertos mais abrasadores e às terras mais geladas ao norte. “Vocês são Minhas Testemunhas,” Ele declara. “Eles não poderão ouvir se não testemunharem!” Você irá dizer: “Eis-me aqui, Senhor, envia-Me a Mim?”

      Quando Simão veio a Jesus atendendo ao apelo de seu irmão, Jesus deu-lhe as boas-vindas e deu-lhe um novo nome. “Você é Simão, filho de Jonas,” Jesus disse, “mas, desde agora seu nome será Pedro, a rocha!” Jesus gosta muito de dar novos nomes às pessoas e Ele faz isto ainda hoje; porque quando colocamos nossa fé nEle, Ele nos dá um novo nome - cristão. Jesus disse a Pedro: “Agora se tornará como uma rocha e testemunhará firmemente para Mim Minha Verdade.”

      No dia seguinte Jesus e alguns homens estavam no Mar da Galileia e pequenos barcos de pesca estavam por toda a parte sobre o mar azul. Jesus encontrou um homem chamado Felipe e disse-lhe: “Siga-Me” ou “Venha Comigo.” Felipe era de Betsaida, a cidade de André e Pedro. Ele de bom grado obedeceu ao chamado de Jesus e imediatamente correu a procura de seu amigo Natanael, que ele encontrou debaixo duma figueira.

 

Felipe conta a Natanael sobre Jesus

 

      “Nós O encontramos! O Messias!” Felipe exclamou para Natanael. “A Pessoa sobre a qual Moisés e os profetas nos falaram! Seu nome é Jesus e Ele é de Nazaré!” Felipe, com certeza, não pregou um longo sermão; ele falou simplesmente: “Eu quero que também O conheça, Natanael!”

      Mas Natanael sabia que as Escrituras diziam que Ele nasceria em Belém. Assim, como seria possível que alguém de Nazaré fosse o Messias! Ele não sabia que Jesus nascera em Belém, for a levado para o Egipto e trazido de volta para Nazaré, onde havia crescido. “Nazaré!”, Natanael exclamou, “Pode alguma coisa boa vir de Nazaré?”

      Felipe não ficou impaciente com Natanael, mas disse calmamente: “Apenas venha e verifique mesmo. Se O conhecer como eu O conheço, ficará convencido?” E, esta é a mensagem que precisamos dar hoje para aqueles que hesitam em vir a Cristo, talvez porque eles não conheçam todos os factos. “Venha e veja o que Ele pode fazer por você!”

 

Natanael crê em Jesus

 

      Natanael decidiu ir a Jesus. Quando ele se aproximou, Jesus disse: “Aí vem um homem honesto - um verdadeiro filho de Israel.” Jesus queria dizer: “Eu sei que ele é genuíno, que ele é Verdadeiro.”

      Natanael estava espantado: “Como sabes quem eu sou?” Ele perguntou.

Jesus respondeu: “Eu o vi debaixo da figueira, antes que Felipe o encontrasse.”

      Natanael estava atónito. Como pudera Jesus vê-lo debaixo da figueira? Era impossível. Mas o coração de Natanael estava tão comovido que ele disse: “Ele só pode ser o Messias! Ele disse em alta voz, enquanto a luz vinha à sua mente, “Tu és o Filho de Deus; Tu és o Rei de Israel!” Que fazia Natanael debaixo da figueira? Não sabemos, mas talvez possamos imaginar, tentar adivinhar - talvez Natanael estivesse elevando o seu coração a Deus em oração debaixo daquela figueira e esta é a razão pela qual ele soube que Jesus era realmente o Filho de Deus. Veja, “A fé vem pelo ouvir e o ouvir pela Palavra de Deus” e, assim, em fé, Natanael Foi acrescentado à pequena companhia dos seguidores de Jesus.

      Jesus disse a Natanael: “Você crê porque Eu disse tê-lo visto sob a figueira? Verá coisas maiores do que estas. Verá os céus abertos e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem.”

 

O que João, o Baptista, iniciou

 

      Que maravilhosa mudança de acontecimentos João Baptista começou através de ser uma testemunha cheia de fé para Cristo! Ele levou João e André a Jesus. André correu e falou a Simão, seu irmão, sobre Jesus. Então Jesus encontrou Felipe, que imediatamente foi a seu amigo Natanael com as boas novas. Sem demora, Jesus iria ter seus doze discípulos especiais, ou apóstolos, que iriam dedicar as suas vidas para falar a outros sobre Ele.

      Jesus continua procurando discípulos hoje. Se veio a Ele em fé e teve seus pecados perdoados, Ele deseja que diga a outros o que Jesus fez por si. André disse a seu irmão, Felipe disse a seu amigo. A quem pode contar? Talvez a seu irmão, sua irmã, sua mãe e seu pai, seus amigos e vizinhos - por que não contar a eles todos sobre Jesus, o Cordeiro de Deus e Seu Poder para limpar os pecados?

 

 

Lição 6

Chamando os Pescadores e Mateus

Mateus 4:18-22; Marcos 1:16-20; 2:13-17

Lucas 5:1-11, 27-29; 6:12-16

 

Versículo: Mateus 4:19

 

Consertando as redes

 

      Pedro, André, Tiago e João estavam na praia do lindo mar da Galileia consertando as suas redes. Durante toda a noite eles haviam estado no mar, pescando e não haviam apanhado sequer um peixe! Talvez já tenha pescado alguma vez e compreenda quão decepcionante é não apanhar nada. Para André, Pedro, Tiago e João, era mais do que um desapontamento; era terrivelmente desencorajante. Eles eram pescadores por tradição - era assim que ganhavam o pão de cada dia. Todas as noites eles saíam para o lago para pescar; então, pela manhã, eles limpavam seus peixes e os levavam para o mercado para vender. Eles viviam do dinheiro ganho com a venda dos peixes.

 

Jesus saúda os pescadores

 

      Exactamente quando eles sentiam-se bastante cansados, famintos, desamparados e desencorajados, Jesus veio caminhando e entrou em suas vidas. Jesus dirigiu-Se a eles na praia e cumprimentou-os calorosamente. A primeira vez que João e André haviam visto Jesus, Ele estava sozinho e João, o Baptista, O apresentara para eles. Quão nitidamente Pedro lembrava o dia em que André viera correndo até ele com as novas: “Encontramos o Messias, o Cordeiro de Deus!” Pedro, João e André haviam-se tornado discípulos de Jesus naquele dia, mas ainda não haviam deixado as suas actividades como pescadores para trabalharem com Jesus em tempo integral. Tiago, irmão de João, também havia-se tornado seguidor de Jesus, mais provavelmente através do testemunho de seu irmão e amigos.

 

Jesus prega no barco

 

      Jesus não estava sozinho naquela manhã no mar da Galileia. Muitas pessoas O seguiam, acotovelando-se em volta dEle para ouvir a Palavra de Deus. Jesus precisava dum lugar mais destacado de onde pudesse falar para que todos pudessem ouvi-lo. Os quatro pescadores e a multidão observavam enquanto Jesus caminhou até à beira mar e parou em frente ao barco de Pedro! “Afaste-se um pouco da praia,” Ele disse a Pedro.

      Pedro obedeceu e Jesus começou a falar ao povo, do barco. Sua voz alcançava a todos na praia. Ele falou-lhes coisas maravilhosas e admiráveis sobre Ele mesmo, Seu plano de salvação e o Reino de Deus. O povo permaneceu de pé, na praia da Galileia durante horas, bebendo cada palavra. Então Jesus terminou a pregação e despediu o povo para que voltassem para as suas casas, mas prometeu-lhes ensinar e pregar novamente dentro de pouco tempo.

      Depois que a multidão se retirou, Jesus voltou-se para Pedro e André e disse: “Dirijam-se à parte mais profunda do lago e lancem as suas redes.”

      “Mestre”, disse Pedro, “Nós pescamos toda a noite e nada apanhamos, mas em obediência a Sua Palavra, lançaremos as redes.” Que atitude maravilhosa a de Pedro! Não fazia nenhum sentido para ele tentar pescar agora na luz do dia Qualquer pescador sabe que a pesca é melhor durante a noite e eles nada haviam pescado durante toda a noite. Se ele tentasse pescar agora, poderia tornar-se motivo de chacota para toda a comunidade. Mas era Jesus Quem estava a dizer-lhe para tentar novamente e, o que quer que Jesus lhe pedisse ele estava determinado a fazer. Assim, Pedro e André dirigiram-se às águas mais profundas e lançaram as suas fortes e pesadas redes ao mar. Quando eles puxaram as redes, não puderam crer em seus olhos!

 

A grande pescaria

 

      As redes estavam cheias de peixes! Havia tantos peixes a ponto de quase romperem-se as redes. “Tiago! João! Venham rápido e ajudem-nos!” eles gritaram. Em segundos Tiago e João estavam em seus barcos correndo ao encontro de Pedro e André. Os quatro homens trabalharam febrilmente recolhendo as redes cheias de peixes. Finalmente, os barcos estavam tão cheios de peixes que chegaram ao ponto de quase naufragar, enquanto os homens os puxavam de volta para terra.

      Pedro estava chocado com o que acontecera. Ele sabia que ninguém mais, a não ser o Criador dos peixes poderia ter ordenado a eles que viessem para dentro das redes, daquela maneira. Ele compreendeu que estava na presença não somente do maior Mestre e operador de milagres que o mundo jamais conhecera - ele estava na presença de Deus! Pedro sentiu-se tão indigno para estar na presença Daquele que acabara de provar que era realmente O Santo Filho de Deus, que ele caiu de joelhos e disse: “Ausenta-Te de mim, ó Senhor. Sou demasiadamente pecador para encontrar-me em Sua Presença!” Pedro quebrantou-se completamente na presença do Senhor, deixou de lado todo o seu orgulho e reconheceu o quanto era indigno e pecador. E, esta é a forma como deveríamos sentir-nos na presença dum Deus Santo e Justo. Não devemos temer associar-nos com um Deus assim. Mas, se confessarmos nossas culpas e nossa necessidade dEle, Ele nunca nos deixará - Ele promete receber-nos.

 

Pescadores de Homens

 

      Ao invés de afastar-Se de Pedro, o Senhor Jesus disse a ele e a seus companheiros, que estavam atemorizados com a quantidade de peixes: “Não temam! De agora em diante vocês serão pescadores de homens! Não irão gastar o resto das suas vidas pescando no Mar da Galileia, mas enviá-los-ei, sob Meu comando, para ganhar almas e trazer outros ao conhecimento da salvação de Jesus Cristo. De agora em diante serão pescadores de homens.”

      Os quatro pescadores estavam bastante comovidos ao seguirem a Jesus. Eles deixaram para trás tudo que possuíam. Nunca mais eles voltariam a pescar para ganhar a vida. Eles sabiam que as pessoas eram mais importantes que peixes e o trabalho deles agora é pescar homens - trazer pessoas a Cristo.

      Jesus Cristo não chama todos para que deixem seus empregos e empreendimentos para pregarem o evangelho. Mas Ele pede a cada um de nós que entreguemos nossas vidas a Ele e sejamos inteiramente dEle. Então, nós, também seremos pescadores de homens. Podemos fazer este trabalho de forma muito tranquila - apenas uma palavra aqui e ali. Pode ser uma mensagem curta ou um testemunho que nos pedem para dar a respeito de Seu amor e graça. Podemos escrever uma carta, distribuir folhetos ou dar um telefonema. Todas essas coisas são “iscas” que podem ser usadas para trazer outros para conhecerem Jesus por si mesmos.

 

 

Lição 7

A Chamada de Mateus

Mateus 4:18-22; Marcos 1:16-20; 2:13-17

Lucas 5:1-11, 27-29; 6:12-16

 

Versículo: Romanos 3:10

 

Jesus chama Mateus

 

      Depois, Jesus caminhou ao longo do Mar da Galileia até encontrar ua colector de impostos perto da Cafarnaum. Era apenas um cubículo, mas era o lugar onde o povo da região vinha pagar os seus impostos. O colector, Levi, sentava-se no interior, ocupado em seu trabalho. O povo odiava e desprezava este homem e todos os outros colectores de impostos! O império romano dominava a Palestina naquele tempo e Roma levantava a maior parte de seus recursos através de impostos que cobravam a propósito de tudo - estradas, pontes, barcos, rebanhos, carros puxados por animais ou de qualquer outro tipo - tudo que fosse necessário ao povo para realizar seu trabalho. Muitos dos colectores de impostos eram desonestos. Eles desejavam enriquecer rapidamente por isto eles oprimiam seu próprio povo, cobrando deles mais do que o devido e guardando para si a diferença. Não é de admirar que o povo não confiasse em nenhum deles!

      Por mais estranho que nos pareça, Jesus desejava esse odiado colector de impostos para ser um de seus doze apóstolos. Jesus falou com ele e disse: “Venha, siga-Me. Eu preciso de você como um de Meus discípulos.” Levi havia escutado Jesus ensinando algumas vezes e vira alguns dos seus milagres. Assim, ele estava de algum modo familiarizado com o Ministério de Jesus. O convite foi uma grande surpresa para Levi, contudo, e ele sabia o que significava. Ele teria que renunciar a toda a desonestidade e egoísmo porque Jesus dissera: “Se alguém quer vir após Mim, negue-se a si mesmo tome a sua cruz e siga-Me.”

      “Tome a sua cruz” não significava usar uma cruz dourada pendurada no pescoço - não, a cruz significava sofrimento e morte. Significava desejar morrer para a vontade própria e seus próprios caminhos, desistir de tudo que ele desejava ser e fazer e deleitar-se em seguir a Jesus, Seu plano, obedecendo-O e servindo-O com todo o seu coração. Assim, Levi terminou seu negócio, demitiu-se do seu emprego e seguiu a Jesus.

      Os judeus tinham um costume que permitia a uma pessoa mudar o seu nome quando ocorresse uma mudança importante em sua vida. Levi era um homem transformado. Na verdade ele era completamente diferente. Assim, ele escolheu o nome de Mateus. Ele é o mesmo Mateus que, mais tarde, escreveu o primeiro livro do Novo Testamento - o Evangelho Segundo Mateus que conta a respeito da vida e ministério de Jesus, o Messias. Antes de deixar o emprego, Mateus deu uma grande festa. Ele chamou Jesus como Convidado de honra. Os discípulos foram incluídos e os publicanos com quem ele trabalhava foram os outros convidados. Alguns homens religiosos chamados fariseus vieram também, embora não fossem convidados. Eles pensavam que eram tão melhores que as outras pessoas que eles achavam que não poderiam sequer pensar em sentar-se à mesa e comer com publicanos, que eles consideravam pecadores terríveis! A razão pela qual eles compareceram à festa foi para espionar Jesus, criticá-Lo e encontrar defeitos Nele. Eles estavam chocados e horrorizados por encontrarem Jesus conversando com Mateus e os outros publicanos! Eles perguntaram aos discípulos: “Por que seu Mestre come com todos esses pecadores notórios?”

      Jesus ouviu o que os indignados e orgulhosos fariseus estavam a dizer e, sem esperar pela resposta dos discípulos, replicou: “Porque os sãos não precisam de médico e sim os doentes! Eu não vim chamar justos, mas pecadores ao arrependimento!” Os fariseus viam-se a si mesmos como sãos ou livres de pecado. Eles não queriam que Jesus, o único que podia curá-los, tivesse nada a ver com eles. Mas Jesus, propositadamente, juntava-se aos publicanos e outros pecadores porque Ele desejava perdoar os seus pecados, mudar os seus corações e torná-los filhos de Deus, para viverem para Ele.

      Ele não podia ajudar os fariseus enquanto eles achassem que eram Justos e que não precisam de Jesus e de Seu perdão. Tão pouco Ele pode ajudar qualquer menino, menina, homem ou mulher que pense que é justo e que é tão bem quanto seus amigos ou vizinhos e que não fazem coisas más e são religiosos. Aqueles que não sentem nenhuma necessidade de ajuda ou salvação colocam-se fora do alcance de Jesus. Mas, Ele continua com os braços abertos convidando a “quem quiser” para que venha a Ele. Sua única exigência é que nós admitamos que somos pecadores, nosso desamparo e nossa necessidade dEle. Você precisa dEle? Já veio a Ele? Se já, tem sido um bom discípulo, trazendo outras pessoas a Ele?

 

 

Lição 8

O Primeiro Milagre

João 2:1-11

 

Versículo: II Coríntios 5:17

 

Jesus e os Discípulos

 

      Um a um Jesus Cristo, o Filho de Deus, chamou pessoas para serem os seus discípulos. Primeiro Ele chamou João e André, que tinham sido discípulos de João Baptista. André correu e achou a seu irmão Simão, a quem Jesus deu o nome de Pedro. Então Jesus achou a Filipe, que trouxe o seu amigo Natanael para Cristo. Mais tarde, Jesus chamou a Pedro, André, Tiago e João e lhes disse que deixassem a pescaria e o trabalho deles para serem pescadores de homens. Então Jesus chamou uma pessoa muito pouco querida para segui-Lo - Mateus, o detestado colector de impostos. Eventualmente, Jesus tinha doze discípulos especiais. Eles foram chamados de os Doze Apóstolos. Estes são os nomes dos doze:

      Simão Pedro e seu irmão André

      Tiago e seu irmão João, os filhos de Zebedeu

      Filipe e Natanael (às vezes chamado de Bartolomeu)

      Tomé (às vezes chamado Dídimo, significando “o gémeo)

      Mateus - o colector de impostos

      Tiago - (outro Tiago, às vezes chamado “Tiago o menor”)

      Tadeu

      Simão (o Zelote)

      Judas Iscariotes, que não foi um verdadeiro seguidor de Jesus, e que O trairia mais tarde

 

      Todos doze eram homens simples e comuns. Nenhum deles era considerado importante, educado, ou famoso, mas Jesus escolheu-os para serem Seus especiais ajudantes e mensageiros. Assim que eles perceberam que Jesus os queria como ajudantes, eles deixaram os trabalhos que estavam a fazer, deixaram seus lares, parentes e amigos e O seguiram. Eles estavam convencidos de que aquele era O Messias Prometido - e eles O seguiram.

      Jesus quer que cada um de nós venha a Ele para receber a salvação, venha a Ele para ter comunhão, aprender a andar e falar com Ele e deixar que Ele seja o nosso melhor amigo. Então nós estaremos equipados e chamados para servir, para trabalhar para Ele e sermos testemunhas Dele onde estivermos.

      Talvez sejamos desconhecidos e não sejamos notados, talvez não tenhamos dons ou talentos especiais, talvez pensemos que não temos nenhuma personalidade e que não podemos fazer nada para o Senhor, mas Ele nos chama para Ele e, se viermos, Ele fará de nós o que Ele quer que sejamos e nos usará de maneira maravilhosa para glorificá-Lo e trazer outros para conhecê-Lo.

      Um dia, não muito tempo depois do baptismo de Cristo e tentação no deserto e antes de Ele ter chamado a Pedro, André, Tiago e João para servi-Lo de tempo integral. Seus primeiros seguidores e muitas outras pessoas na Galileia foram testemunhas de algo muito importante - o primeiro milagre que Jesus fez. Agora, um milagre é uma coisa que somente Deus pode fazer. É claro que Jesus podia fazer milagres porque Ele é Deus. Jesus fez milagres para ajudar pessoas, para ensinar pessoas e para mostrar às pessoas que ele é Deus.

 

 

 

O casamento de Caná

 

      O povo Judeu tinha o costume de celebrar casamento dando uma festa. Às vezes, estas festas duravam vários dias, e podem imaginar todo o trabalho que dava. Toda a comida e bebida tinha que ser preparada e servida.

      Na pequena cidade de Caná da Galileia, estava havendo um grande casamento. Havia muitos convidados presentes. Jesus, Seus discípulos e Sua mãe Maria tinham sido convidados. Não temos a certeza, mas Maria possivelmente era parenta ou amiga da família da noiva. Jesus e Seus discípulos vieram à casa no vilarejo de Caná. As pessoas estavam com as suas melhores roupas para irem ao casamento. Em frente da casa já estavam parados cavalos, jumentos e carruagens.

      “Parece que todo o mundo está aqui, que multidão!” disse Pedro. “Eles certamente têm muitos convidados. Será que conhecemos alguém aqui?”

      Maria viu Jesus no momento que Ele entrou na casa. Deve ter sido um momento alegre para ambos porque já fazia algum tempo desde que se tinham visto pela última vez. Jesus apresentou os Seus seguidores a Maria e ela lhes deu amigas e calorosas boas vindas. Eles se misturaram aos outros convidados, todos conversando alegremente. Eles podiam ver que Jesus estava alegre em estar lá e que ele estava a dar a Sua aprovação ao casamento. Não está alegre por que Cristo está interessado em todas as ocasiões felizes de nossas vidas e que Ele quer compartilhar estes momentos connosco?

      Todo mundo estava a gozar a festa, inclusive Jesus. Há pessoas que pensam que quando nós entregamos as nossas vidas a Jesus que ele jamais quer que nos divirtamos e gozemos duma boa festa - que Ele quer que andemos com rostos compridos e sérios pensando somente em coisas sérias e “religiosas”. Mas não é assim. É uma mentira de Satanás dizer que Jesus quer que sejamos privados de prazer e alegria. A verdade é que Jesus dá alegria real e profunda em nossos corações e que Ele nos ajuda a termos as diversões certas, da maneira certa com as pessoas certas para que quando a diversão acabar ninguém se sinta mal por nenhuma coisa que tenha feito, ou envergonhado diante das pessoas com quem estava.

      No meio de toda a animação da festa, algo embaraçoso aconteceu. O vinho acabou-se! Esta foi uma catástrofe. Era como se numa grande festa nossa aqui, se acabasse o refrigerante quando ainda nem a metade dos convidados tivesse sido servida. Os serventes corriam freneticamente dum para o outro cochichando, querendo saber o que eles iam fazer agora.

 

Maria diz a Jesus que não havia mais vinho

 

      Maria ouviu falar do problema e imediatamente ela correu a Jesus para solução do problema. Ela foi ao lugar e a Pessoa certa! Maria veio a Jesus e disse: “O vinho acabou!”.

      Mas Jesus lhe disse: “Mulher, que tenho Eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora”.

      Sua mãe disse aos serventes: “Façam tudo o que Ele disser”. E esta é uma boa regra para nós seguirmos. Primeiro ir a Jesus diante de qualquer problema, e então, o que Ele nos disser para fazer, façamos. Devemos ser sempre rápidos em obedecer a Cristo.

      Havia um costume oriental antigo de que enquanto cada convidado chegava um servente lavava os pés de cada convidado. Seis grandes talhas de pedra foram cheias de água o bastante para atender a esta necessidade. Cada talha comportava de trinta a quarenta galões de água e tinham sido usadas para lavar os pés dos convidados.

 

 

Os serventes fazem conforme Jesus manda

 

      Jesus foi ter com os serventes e apontando para as talhas disse: “Encham as talhas de água!” Eles olharam para Jesus e então um para o outro.

      “Deve ser que Ele não entendeu! Nós precisamos de vinho, não de água!”

      Mas Maria lhes tinha dito para fazer tudo o que Jesus dissesse, e assim eles fizeram. Eles pegaram vasilhas e fizeram viagens e mais viagens à cisterna até encherem as talhas até o gargalo. Então Jesus mandou-os levar ao mestre-sala.

      Eles deviam obedecer ou não? O que o mestre-sala ia dizer se eles lhe levassem água em vez de vinho? Mas de novo eles obedeceram o que Jesus disse. Eles não podiam crer no que estavam a ver! Quando eles puseram a água num copo, notaram que tinha mudado de cor!

      “Olhem!” Eles gritaram. “Não é mais água. Parece vinho!” Eles experimentaram para terem a certeza, e todos exclamaram: “É o melhor vinho que jamais experimentamos!” Admirados e boquiabertos eles puseram um pouco num copo e levaram-no ao mestre-sala.

 

As pessoas apreciam o novo vinho

 

      O mestre-sala experimentou o vinho e perguntou admirado: “Onde pegaram este vinho? É o melhor que jamais experimentei!” Então ele chamou o noivo e disse: “Vinho como este não se encontra em toda a Galileia. Onde o achou?”

      O noivo perplexo não sabia de que o mestre-sala estava a falar. Ele estava preocupado porque não tinha vinho, e agora estava lhe a dizer que aquele era o melhor vinho que já tinha tomado!

      O mestre-de-cerimónias continuou: “Você é um anfitrião diferente. Geralmente o melhor vinho é usado primeiro. Então depois, quando todo o mundo já se serviu a vontade, é servido o vinho inferior. Mas guardou o melhor vinho para o fim!”

      Os convidados todos se aglomeraram segurando os seus copos para serem reenchidos, fazendo a mesma pergunta de onde tinha vindo aquele vinho. Então os serventes contaram a história. “Nós vimos com os nossos próprios olhos,” eles insistiram vez após vez. Foi um milagre, nada menos do que isso!” E todo o pessoal concordou. E realmente foi.

      A Bíblia diz: “Com este deu Jesus princípio a Seus milagres em Caná da Galileia”. Esta foi a primeira demonstração pública dada de Seu poder celestial, Jesus mostrou a Sua glória. Depois disto, Seus discípulos creram que Ele era o Messias.

 

Jesus muda pessoas

 

      Não foi nada para Jesus mudar aquela água em vinho. Ele está no negócio de mudar coisas - circunstâncias, corações, vidas, famílias e lares. Veja como Ele mudou Simão Pedro - dum rústico pescador em um líder cristão que mais tarde sofreu martírio pelo seu Senhor. E nós pensamos no humilde, gentil e amável discípulo João. Como era ele antes de Jesus mudá-lo? Ele era um dos “Filhos do Trovão”. Ele e o irmão dele queriam sentar-se à direita e à esquerda de Jesus em Seu reino. Jesus fez um milagre na vida de João. Mateus, o colector de impostos, foi completamente transformado depois que conheceu Jesus Cristo. Ele era desonesto, injusto e detestado pelo povo. Jesus o transformou num dos Seus mais fiéis discípulos e ele foi o escritor do Evangelho de Mateus no Novo Testamento.

      Podíamos dar o nome de muitos outros registados na Palavra de Deus, tais como Jacó o enganador. O Senhor mudou a vida e o nome dele; Israel tornou-se um Príncipe de Deus. Ouvirá sobre Maria Madalena, a mulher samaritana, o apóstolo Paulo e muitos outros que se tornaram novas criaturas em Cristo Jesus. E Ele está pronto a mudar vidas hoje. Ele pode pegar um menino que cola na escola - mentindo e enganando para conseguir as coisas a sua própria maneira - Ele pode mudar esta vida pelo Seu poder e graça, mudar num seguidor Dele fiel, honesto e verdadeiro dele.

      Havia uma menina que tinha um temperamento incontrolável, e se zangava com pequenas coisas, e dizia palavras que ofendiam muito a outras pessoas, e ela se amuava e se comportava mal e desrespeitosamente para com os pais dela, professores e outras pessoas que tinham autoridade sobre ela. Mas ela convidou Jesus para morar no coração dela, e deu a vida para Ele. Ela pediu para Jesus salvá-la, mudá-la e livrá-la daqueles pecados e fez dela uma nova pessoa.

      Será que nós precisamos que algumas coisas sejam mudadas em nossas vidas? O mesmo Deus que fez os milagres, que mudou a água em vinho mudará você, se você pedir-Lhe e deixá-Lo fazer esta mudança.

 

 

Lição 9

Através dum Telhado

Mateus 9:2-9; Marcos 2:1-12;

Lucas 5:17-26; João 5:1-16

 

Versículo: Romanos 6:23

 

            Quatro homens, percorriam as ruas de Cafarnaum levando uma carga pesada. Estes homens tinham ouvido falar que Jesus estava na cidade e, eles tinham um motivo muito importante para desejar vê-Lo.

            Jesus tornou-se um Mestre e Pregador famoso naqueles dias. O país inteiro falava sobre Ele. Em toda a parte aonde Ele ia grandes multidões O seguiam – ao longo das estradas, nas ruas das cidades e nas praias. Eles até mesmo amontoavam-se nas casas onde Ele era convidado ou onde hospedava-se. A maioria das pessoas era constituída de amigos dEle e desejavam ouvi-Lo falar e presenciar Seus milagres. Entretanto, alguns eram apenas curiosos em ver o Operador de Maravilhas e, outros, O seguiam esperando ouvi-Lo falar alguma coisa errada somente para terem oportunidade de acusá-Lo de falso mestre. Estes eram falsos líderes religiosos que vinham buscar algo para criticá-Lo ou de que acusá-Lo porque tinham ciúmes do jovem mestre.

            Os quatro homens que estavam tão ansiosos para ver a Jesus, tinham um amigo – um paralítico, muito doente. Ele não podia trabalhar e, nem mesmo alimentar-se sozinho. Ele era uma pessoa totalmente dependente. Tudo que ele podia fazer era ficar deitado no seu leito doente e sem esperanças. Talvez ele tenha ficado lá durante anos e anos, sem qualquer esperança de andar ou mover-se. Parecia não haver a mínima possibilidade de cura para ele. Estava for a de alcance de qualquer ajuda humana.

            Mas, este homem pobre, fraco e dependente, possuía quatro amigos que criam que Jesus poderia curá-lo. Eles haviam corrido até lá para anunciar ao amigo paralítico, excitadamente: “Jesus, aquele que sara todas as enfermidades, está na cidade, você precisa vê-lo. Ele pode curá-lo.”

            O doente disse tristemente: “Vocês sabem que é impossível – porque eu não podido caminhar durante anos e anos. Oh, como eu gostaria de alguma forma chegar até Jesus. Eu creio que Ele pode curar-me.”

            Os quatro amigos conversaram sobre o assunto juntos e decidiram levar o doente a Jesus. Um deles disse: “Tem que haver um jeito; precisamos dar um jeito! Estando Jesus a poucos quarteirões daqui, não podemos perder esta oportunidade! Eu acho que tive uma ideia!”

            “Que ideia?” Eles todos perguntaram ao mesmo tempo.

            “Todos nós somos altos e fortes; vamos pegar nosso amigo, com a cama e tudo e levá-lo até Jesus, e colocá-lo aos pés do Mestre.”

            “Isto certamente causará muitos problemas para todos vocês.” O paralítico protestou. “Mas, se vocês quiserem e puderem levar-me até lá eu irei.” Ele estava tão ansioso que mal podia esperar. Mas ele tentou conservar-se calmo e não encher-se de tanta esperança.           

            E assim, os quatro amigos levaram-no até a casa onde Jesus estava a ensinar.

 

            Neste dia, em particular, quando Jesus estava em Cafarnaum, multidões aglomeravam-se na casa onde Ele estava. As notícias de que Jesus estava na cidade, haviam-se espalhado por toda a parte. Discípulos, amigos, curiosos e aqueles que buscavam motivos para terem de que O acusar – pessoas de longe e de perto enchiam a casa, enquanto muitos outros aglomeravam-se do lado de for a clamando para entrar na casa. Jesus ensinava e pregava a palavra de Deus para eles.

            Quando os quatro amigos chegaram à casa, viram que estavam com um grande problema. A casa estava completamente lotada e as multidões que não conseguiriam entrar, enchiam o quintal. Como poderiam eles chegar com seu amigo até Jesus? Eles pediram a algumas pessoas: “Pode deixar-nos levar este homem paralítico até Jesus?” Mas, ninguém cedia seu lugar. Não parecia possível levar o paralítico até Jesus.

            Mas quando os quatro carregadores viram o quanto seu amigo estava desapontado e com o coração ferido, eles não puderam desistir pela situação difícil e quase impossível. Reuniram-se para conversar à pequena distância de seu amigo doente. “Não se preocupe temos um plano! Não vamos desistir!” eles disseram ao seu amigo.

            For a da casa havia escadas que conduziam ao trabalho. Uma vez que o telhado era plano, o povo usava-o frequentemente para sentar-se, descansar e aproveitar a brisa fresca da tarde. Os quatro amigos carregaram o doente pelas escadas até o telhado.

 

            Deixando seu amigo no leito, eles ajoelharam-se e começaram a remover a cobertura do telhado. A princípio, fizeram uma pequena abertura e, depois, uma grande abertura e, afinal, uma abertura suficientemente grande para permitir a passagem do leito do doente. A seguir, desceram-no até o chão, exactamente aos pés de Jesus.

            Eles haviam atado cordas nos quatro cantos do leito e isto permitiu-lhes usar o leito como um perfeito elevador! Vejam só as pessoas como ficaram atónitas, naquela sala! Olhos espantados, escancarados, ao verem as quatro faces ansiosas através do buraco do telhado e a cama descendo até o chão, bem em frente de Jesus! Alguns escribas e fariseus, que estavam lá somente para espionar Jesus e tentar apahá-Lo em alguma falta, talvez tenham dito: “Que é isto? Vocês são irresponsáveis, interrompendo Jesus, destelhando a casa e aborrecendo-O com um paralítico desprezível?” O resto da multidão permanecia lá, atónita, admirando a coragem e inteligência dos quatro amigos que haviam levado seu vizinho a Jesus, quando parecia impossível. Não importa o que os outros pensavam, Jesus estava muito feliz.

 

            Quando olhou para o homem enfermo a seus pés, Jesus o amou e teve compaixão dele. Quando Jesus viu o quanto era forte a fé daqueles homens, Ele disse ao paralítico: “Filho, teus pecados estão perdoados.” Jesus viu que a necessidade interior daquele homem era maior do que sua necessidade de sarar. Que notícia maravilhosa para o paralítico1 Talvez ele andasse perturbado por causa de seus pecados e, agora, ele cria em Jesus e Jesus perdoara seus pecados e o libertou!

            As palavras de Jesus encheram os líderes religiosos de ira. Enquanto permaneciam ali sentados, eles pensaram em seus corações: “Quem é Este Jesus que finge perdoar pecados? Ele pensa que é Deus? Somente Deus pode perdoar pecados.”

            Jesus podia ler suas mentes. Ninguém precisava contar a Ele o que estes homens estavam a pensar. Voltando-Se para eles, Ele disse: “É mais fácil dizer ‘Teus pecados estão perdoado’ ou dizer ‘levanta-te e anda?’ Jesus não esperou uma resposta – a pergunta era muito fácil e não necessitava de resposta. Todos sabiam que perdoar pecados e curar um homem paralítico eram duas coisas muito difíceis e impossíveis para um ser humano realizar. Assim, Jesus continuou a dizer aos escribas e fariseus que Ele ira demonstrar que Ele tinha o direito de perdoar pecados, provando ser o Filho de Deus. Então, falando directamente ao enfermo, Ele ordenou: “Levanta, toma o teu leito e vai para tua casa, porque estas curado!” Imediatamente toda a paralisia e fraqueza deixaram o corpo do homem e suas forças voltaram.

            Ele saltou, tomou seu leito e saiu por entre os atónitos espectadores para encontrar seus amigos na rua e ir para casa. O Senhor Jesus primeiro o perdoou e depois o curou. Será que você pode imaginar aquele homem que foi paralítico andando para casa e louvando a deus em alta voz e expressando sua gratidão e seus quatro amigos que não haviam desistido de levá-lo a Jesus? Poderia ouvi-lo enquanto caminhava para casa alegremente dizendo a todos que o vêem: “Amigos, olhem para mim! Eu fui a Jesus e Ele perdoou todos os meus pecados e sarou minha enfermidade.!

            O povo não sabia o que pensar. Alguns estavam atemorizados. Todos estavam perplexos! Como eles louvaram a deus! As pessoas começaram a dizer umas para as outras: “Nunca vimos nada assim antes!”

            E que tal os quatro homens que haviam demonstrado sua amizade ao paralítico? Você não acha que os corações deles estavam explodindo de gratidão a Deus? Você tem alguns amigos que precisa levar a Jesus? Não desista, mas continue a orar por eles, sendo amigo deles e sempre procurando achar meios de levá-los a Jesus, de sorte que eles possam ter seus pecados perdoados e recebam vida eterna. Não desanime. Se confiar no Senhor, Ele irá mostrar-lhe uma maneira, mesmo que seja algo semelhante a levar alguém através de um buraco no telhado!

 

 

Lição 10

Ao Lado dum Poço

Mateus 9:2-9; Marcos 2:1-12;

Lucas 5:17-26; João 5:1-16

 

Versículo: Provérbios 18:24

 

Um homem espera no poço do Betesda

 

      Dentro da cidade de Jerusalém havia um grande poço chamado Betesda que significa “Casa da Misericórdia”. Havia cinco pórticos com plataformas construídas ao redor dele e, diariamente, esses pórticos ficavam lotados de pessoas doentes - pessoas aleijadas, cegas, com toda a sorte de enfermidades. Alguns eram coxos, outros paralíticos. Estas descrições de enfermidades físicas ensinam-nos o que o pecado faz espiritualmente com uma pessoa. Ele cega nossos olhos, de sorte que não podemos entender a Palavra de Deus. Ele paralisa nossas mentes e vontades, de tal maneira que não conseguimos viver ou andar em Seu caminho. Ele elimina nossas forças de forma tal que não conseguimos lutar contra Satanás e o pecado. Ele nos paralisa e nos torna desamparados e inaptos para fazermos o que quer que seja para curar-nos.

      Por que todas aquelas pessoas enfermas e sofredoras ficavam ali ao lado do poço? Eles esperavam a água mover-se. Eles criam que, de tempos em tempos, um anjo descia e agitava as águas e, a primeira pessoa que entrasse no poço quando a água estava agitada seria curada, qualquer que fosse sua enfermidade. Não admire que tantos enfermos aguardassem ali o mover das águas! Não admire que eles chamassem o poço de “Casa da misericórdia”! Os pórticos eram como um hospital e, todos os “pacientes” aguardavam, observavam, desejavam e oravam para serem os primeiros a entrarem na água quando ela se movesse.

      Muitas pessoas estavam muito doentes para mover-se suficientemente rápido, mesmo quando viam a água agitar-se. Alguns ficavam tão cansados de observar que não percebiam quando a água começava a agitar-se. Somente se algum amigo viesse ajudá-los teriam alguma oportunidade, afinal. Uma vez que somente o primeiro que entrasse seria curado, muitos deviam estar sempre desapontados.

      Um sábado, um homem que não andava por 38 anos, jazia lá. Ele estava tão perto da água, mas não podia alcançá-la, se desejasse. Se ele ao menos tivesse um amigo!

 

Jesus cura o homem

 

      Então Jesus veio. Ele caminhou através dos pórticos, ao lado do poço. Ele viu todas as pessoas que estavam ali buscando a cura, mas prestou especial atenção no pobre homem que estava sem poder caminhar há 38 anos. Jesus sabia há quanto tempo aquele homem estava ali aguardando e desejando ser curado. Ele olhou para o homem e perguntou gentilmente: “Queres ser curado? Queres ficar são?” Estas eram perguntas muito singelas.

      O aleijado respondeu: “não posso; não tenho ninguém que, me ajude a chegar à água quando ela é agitada. Quando eu tento mover-me, alguém vai antes de mim.”

      Jesus, sabendo o quanto o homem necessitava de Sua ajuda, disse-lhe: “Levanta-te, toma o teu leito e vai para tua casa!” Que ordem estranha para ser dada a um inválido! Mas, há poder nas palavras de Jesus. Instantaneamente o homem foi curado. Ele recolheu seu leito, firmou-se em seus pés e saiu regozijando-se porque seu corpo estava sarado!

 

O homem sai caminhando

 

      O homem inválido, no poço, não vira a Jesus e não Lhe pedira para curá-lo. Que maravilha saber que o Próprio Deus nos procura e nos suplica que venhamos a Ele para sermos salvos. Este homem nem mesmo sabia nada sobre Jesus, mas Jesus veio procurá-lo. Uma vez um pregador perguntou a um garotinho: “Filho, já encontrou a Jesus?” O rapazinho olhando para cima disse: “Ora, senhor, eu não sabia que Ele estava perdido; eu sei que eu estava e Jesus encontrou-me.”

      Enquanto o homem recém-curado caminhava alegremente carregando a sua cama, alguns líderes religiosos (judeus) o detiveram. Eles estavam escandalizados por verem-no carregando a sua cama no sábado. De acordo com a sua lei, isto era pecado. Eles disseram ao homem: “Não pode trabalhar no sábado! É contra a lei que transporte o seu leito num sábado!”

      “O homem que me curou mandou-me carregá-lo,” foi a sua resposta.

      A resposta do homem deixou-os bastante agitados. Rapidamente eles perguntaram: “Quem lhe disse para fazer tal coisa num sábado?” Quão irados eles estavam porque Alguém dissera ao homem para quebrar o sábado. Porque aquele homem não sabia quem era Jesus, não pode informar o Seu Nome.

      Um pouco mais tarde, Jesus procurou o homem a quem havia curado e o encontrou no templo, aonde ele for a adorar a Deus. Lá, Jesus concedeu-lhe uma bênção maior do que a cura física. Ele revelou-Se ao homem como Salvador, perdoou-lhe os pecados e concedeu-lhe vida eterna. Mas, Jesus também advertiu o homem, dizendo-lhe: “Estás curado agora; não peques mais como antes ou algo pior poderá acontecer-te.” Jesus explicou a ele que deveria ter muito cuidado para não cair numa vida de pecado, no futuro.

      No mesmo instante, o homem reconheceu que for a Jesus Quem o curara. Ele ficou tão feliz e grat que passou a contar a todos como Jesus o havia sarado, lá no poço. Isto somente provocou maior indignação nos líderes religiosos! Ao invés de ficarem agradecidos porque um homem inválido há 38 anos estava são e capaz de caminhar, eles o criticavam porque transportara a sua cama num sábado e censuravam Jesus porque efectuara uma cura num sábado. Eles pensavam que era mais importante guardar as leis do que um milagre ser operado de sorte que um aleijado pudesse caminhar de novo. Eles começaram a acusar Jesus de não guardar o sábado. Mas, Jesus respondeu: “Meu Pai constantemente fez o bem e Eu sigo-Lhe o exemplo.” Os judeus ficaram furiosos ao ouvirem isto e desejaram matá-Lo. Ele não somente quebrara o sábado, mas intitulava-Se Filho de Deus, fazendo-Se, assim, igual a Deus.

      Sem importar-Se com a opinião dos líderes religiosos, contudo, Jesus continuou a fazer a Vontade de Seu Pai. Ele não somente alegava ser Deus, mas Ele provava sê-Lo através dos milagres maravilhosos que operava.

      O paralítico de Cafarnaum tinha amigos que o levaram a Jesus, mas o paralítico de Jerusalém não possuía amigos. Então Jesus veio a ele e provou-lhe ser o maior Amigo que alguém jamais poderia ter. É Jesus seu Amigo? Por que não agradecer-Lhe agora por Sua amizade e pedir-Lhe para ajudá-lo hoje a ser fiel, cheio de fé e amigo obediente a Ele?

 

 

Lição 11

Limpando o Templo

João 2:13-25; 3:1-21

 

Versículo: I Pedro 1:16

 

Jesus limpa o templo

 

Revisão

 

      Depois das bodas de Caná, onde Jesus operou o primeiro milagre - transformando a água em vinho - Jesus dirigiu-se a Cafarnaum, no Mar da Galileia. Lá, Ele curou o paralítico que possuía quatro amigos que o fizeram descer pelo telhado e, lá também, Ele chamou Mateus, o publicano, para ser um apóstolo. Depois, Jesus fez a Sua viagem anual a Jerusalém para a Festa da Páscoa. Multidões de toda a parte estavam reunidas em Jerusalém para celebração da Páscoa.

      Os líderes religiosos judeus seguiam a Jesus aonde quer que Ele fosse, tentando encontrar algo de que O acusarem! Eles amontoavam-se dentro daquela casa em Cafarnaum, onde os quatro amigos fizeram descer o paralítico pelo telhado. Eles reuniram-se ao redor do homem que for a curado no poço de Betesda, em Jerusalém. Quando Jesus fazia algo bom e maravilhoso, eles achavam algo de que O acusarem, como a quebra do sábado, por exemplo. O problema real é que eles haviam recusado Deus em suas vidas e preferido o seu orgulho e tradições.

 

Cristo vê os mercadores no templo

 

      Enquanto Jesus estava em Jerusalém, Ele foi, como de hábito, ao templo. O templo em Jerusalém era, para os judeus, o lugar mais sagrado do mundo. Era o lugar onde todos os judeus vinham de uma a três vezes ao ano fazer sacrifícios por seus pecados, porque o Templo era o único lugar onde os judeus podiam fazer os seus sacrifícios de animais. Se eles morassem em Nazaré, não podiam fazer os seus sacrifícios lá. Eles tinham que viajar até Jerusalém, como Jesus fizera com Maria e José quando Ele era um rapaz. Se morassem em Caná ou Cafarnaum ou qualquer outro lugar longe de Jerusalém, eles também tinham que viajar até Jerusalém para oferecer sacrifícios por seus pecados.

      Todos que vinham sacrificar tinham que trazer um animal. Aqueles muito ricos deveriam trazer um touro. Pessoas comuns podiam trazer cordeiros ou bodes. Pessoas pobres podiam trazer rolinhas ou pombos. Se as pessoas tinham que viajar tão longas distâncias para chegarem a Jerusalém, eles traziam dinheiro para comprar os seus animais no mercado, quando chegassem lá.

      Ora, um mercado, naquelas terras, é um lugar movimentado, barulhento, fedorento, especialmente se vende animais vivos. Um mercado era exactamente o oposto do lindo, santo e quieto templo. Mas, imagina o que os líderes religiosos estavam a fazer? Eles estavam a permitir que os mercadores trouxessem os seus animais para serem vendidos no átrio exterior do templo!

      Quando Jesus chegou ao agitado pátio exterior do templo. Ele ficou desgostoso com o que viu - parecia um dia de “venda especial” num mercado de animais! O pátio estava cheio de rebanhos de ovelhas, bois e viveiros de pássaros. O barulho era ensurdecedor. Os animais faziam barulho de todo tipo - o gado mugia, as ovelhas baliam, as aves arrulhavam. Os mercadores gritavam agitadamente, chamando os seus fregueses, tentando enganá-los, vendendo por preços exorbitantes a sua mercadoria. Quão barulhento e confuso era tudo aquilo! No meio de toda aquela agitação barulhenta, os cambistas, sentavam-se, pernas cruzadas, diante de mesas baixas com montes de moedas de todos os tipos cem cima. Por um preço, eles trocavam as moedas de regiões distantes pelo dinheiro usado para fazer as transacções com os mercadores de animais. O povo que vinha para a Páscoa e que necessitava adquirir animais para sacrificar, eram enganados e explorados por esses gananciosos que nada traziam para o templo, seu culto ou seu Deus. Eles pensavam somente em enriquecer enquanto deus era desonrado e o Templo execrado. Eles estavam comercializando as coisas de Deus, o que constituí abominação aos olhos de Deus.

 

Jesus limpa o templo

 

      Todo esse barulho, confusão e comércio dentro do lugar santo, feriu o coração de Jesus, Senhor do Templo. Ele apareceu subitamente com um azorrague de cordéis que Ele mesmo tecera. Brandindo o chicote para um e outro lado, Ele entrou no pátio e conduziu para for a os animais que O obedeceram instantaneamente. Depois Ele dirigiu-se aos mercadores. Ele derrubou as mesas dos cambistas de sorte que as moedas rolaram e espalharam-se pelo chão. Então, dirigindo-se aos mercadores de animais Ele disse: “Saiam! Saiam! Levem essas coisas para for a daqui! Não transformem a Casa de Meu Pai num mercado! Minha Casa será chamada Casa de Oração, mas vocês a transformaram em covil de ladrões.”

      Que espectáculo foi aquele! Aqueles mercadores ímpios correram em direcção aos portões do Templo. Ninguém tentou deter Jesus. Os cambistas sentiram que Ele tinha o direito de expulsá-los. E, assim Ele fez. À Sua ordem, eles temeram e fugiram. Ele falava com autoridade e disse: “A casa de meu pai” é “a minha casa”. Ele era o Senhor do Templo e estava indignado ao vê-Lo tão desrespeitado.

      As notícias do acontecido no templo espalharam-se como um incêndio. Quando os líderes judeus souberam, eles foram a Jesus e perguntaram-Lhe: “Qual o sinal que nos dás de que tens o direito de fazer o que fizeste?”

      “Vocês pedem um sinal de que Eu Sou o Filho de Deus, o Prometido de Deus? Muito bem, terão un sinal,” Jesus respondeu. “Derrubem este Templo e Eu o reconstruirei em três dias.”

      Eles não compreenderam e ficaram muito confusos. Eles acharam que as Suas palavras eram completamente ridículas, porque entenderam que Jesus falava do prédio do Templo. Eles voltaram-se cheios de fúria para Ele e disseram: “Que loucura! Levou 46 anos para ser construído este magnífico Templo de Deus e vais reconstruí-lo em três dias?”

      Quando Jesus disse: “este templo,” referia-Se a Seu Corpo. Deus mesmo vivia em Jesus Cristo e, assim, Seu Corpo era o Verdadeiro Templo de Deus. Em poucos anos os inimigos de Jesus iriam “derrubar” ou “destruir” Seu Corpo, pregando-O na cruz. Mas, ao terceiro dia Ele iria ressuscitar dos mortos o que iria provar que Ele era verdadeiramente O Filho de Deus e Senhor sobre todos. Os líderes religiosos não compreenderam e Jesus não tentou explicar isto a eles. Mesmo os apóstolos estavam confusos sobre o significado daquelas palavras. Mas, depois que Jesus ressuscitou, eles compreenderam o significado de tudo aquilo, perfeitamente.

 

 

Lição 12

Nicodemos

 

Versículo: João 3:3

 

      Depois de limpar o Templo em Jerusalém daquela forma espectacular, Jesus tornou-se o assunto da cidade. Pode somente imaginar as conversas em Jerusalém?

      “Houve um Homem Galileu, hoje, que ousou entrar no Templo e retirar todos os animais e virar as mesas dos cambistas.”

      “Oh! Quem é Ele?”

      “Ele é Aquele que transformou água em vinho, na Galileia.”

      Assim, a notícia ia se espalhando. Jesus, o Galileu Operador de Milagres, estava aqui em Jerusalém e ele havia operado muitos milagres e curado muitas pessoas em Jerusalém.

      Os mercadores e cambistas estavam furiosos porque Jesus arruinara seu “Negócio” e porque o povo zombava deles por terem fugido da presença Daquele Gentil Carpinteiro de Nazaré. Os sacerdotes do Templo, também, estavam muito apreensivos com Este Homem do campo que chegara com autoridade, e tomara conta do Templo daquela forma. Mas, havia alguns do povo que continuavam a perguntar: “Seria Este o Messias, o Salvador de Israel?” E, mesmo entre os líderes em Jerusalém havia discussões sobre Jesus e sobre Quem realmente Ele era.

      Um desses homens proeminentes chamava-se Nicodemos. Ele era rico, bem educado, e um homem de elevada conduta moral. Ele era um membro muito religioso do Sinédrio, o mais alto Conselho dos judeus no país. Nicodemos também pertencia a uma organização de homens chamados fariseus, que eram muito orgulhosos de sua religiosidade e pensavam serem melhores do que as outras pessoas. Eles eram muito rigorosos na observância da lei de Moisés e em seguirem regras e tradições feitas por eles mesmos. Eles achavam que podiam, por seus próprios meios, chegar ao céu e ganhar o favor de Deus, alcançando a vida eterna através de guardarem essas leis. A maioria dos fariseus recusava-se a crer que Jesus fosse o Messias Prometido e estavam sempre a buscar achar falhas Nele por causa dos ciúmes que sentiam em seus corações. Mas, Nicodemos era diferente. Ele respeitava e admirava muito a Jesus e cria que Ele era certamente um Grande Profeta que Deus enviara ao mundo. Ele decidiu conhecer mais acerca de Jesus e Seus ensinamentos. Nicodemos era sincero, honesto e eficiente em buscar a verdade e Jesus sempre responde alegremente as pessoas assim.

 

Nicodemos vem a Jesus durante a noite

 

      Nicodemos desejava uma entrevista secreta, uma conversa a portas fechadas com Jesus. Assim, ele decidiu descobrir onde Jesus estava hospedado e ir vê-Lo naquela noite.

      Não sabemos porque Nicodemos desejava ver Jesus à noite. Alguns acham que ele não queria que seus amigos soubessem que ele estava a ouvir Jesus e sendo influenciado por Seus ensinamentos. Talvez Nicodemos estivesse tão ansioso para ver a Jesus que ele simplesmente não podia esperar até a manhã seguinte. Qualquer que fosse a razão, Nicodemos fez os arranjos necessários para essa entrevista particular, tão logo Jesus estivesse afastado da multidão.

      E, sob as estrelas, olhando a cidade adormecida, Jesus e Nicodemos conversaram sobre a coisa mais importante na vida de qualquer pessoa - como pode uma pessoa chegar ao céu?

      Nicodemos iniciou a conversa, falando assim: “Mestre, todos nós sabemos que Deus O enviou par ensinar-nos. Seus milagres são suficientes provas disso. Sabemos que o Senhor é um Mestre enviado por Deus, porque ninguém poderia praticar tais obras se Deus não estivesse com ele.”

      Jesus interrompeu Nicodemos dizendo: “Na verdade, na verdade, te digo - se não nasceres de novo, nunca poderás entrar no Reino de Deus.”

      “Nascer de novo!” Nicodemos exclamou: “O que significa?”

      Jesus estava a falar: “Não adianta dizeres palavras gentis, Nicodemos. Precisas de nascer de novo! Precisas de ter dois aniversários!”

      Nicodemos estava confuso. “Nascer de novo - dois aniversários! Eu não entendo! Preciso de tornar-me um bebé novamente e nascer uma segunda vez? Como pode um homem nascer de novo sendo já velho? Pode voltar ao ventre materno e nascer de novo?”

      Nicodemos estava a pensar em nascimento físico - seu nascimento natural como um bebé. Mas, Jesus disse-lhe: “Precisas de nascer de novo - precisas de um segundo nascimento, um nascimento espiritual.” Jesus falava da mudança que ocorre no coração - uma transformação tão maravilhosa e completa que é comparável a um novo nascimento em que nos tornamos outro tipo de pessoa.

      Nicodemos questionou novamente em sua perplexidade: “Como podem essas coisas acontecerem?”

      Para ajudar Nicodemos a compreender mais claramente o que significava “nascer de novo” o Mestre disse-lhe que existem mistérios na natureza que não podemos entender. Para ilustrar, Ele fez uma comparação com o vento. “Não podes ver o vento, de onde ele vem nem para onde vai, mas é possível senti-Lo. É possível identificá-lo pelo som que faz, pela forma como move as folhas ou por um pedaço de papel voando pela rua. Reconheces o seu Poder. Assim é com o Espírito Santo. Não é possível vê-Lo, mas reconhecemos o Seu Poder. É possível dizer que Ele vem habitar nos corações das pessoas e modificá-las, tornando-as novas criaturas, através dos resultados visíveis em suas vidas.”

      Talvez tenha presenciado um menino ou uma menina que era rebelde e desobediente, mudar completamente e tornar-se uma pessoa gentil e obediente. Talvez tenha conhecido uma pessoa mentirosa, que praticasse coisas erradas na escola - sempre agindo com egoísmo e rudeza, transformar-se numa pessoa diferente, uma cristã honesta, confiável, gentil e desprendida. Este é o trabalho do Espírito Santo. Não podemos ver o trabalho do Espírito Santo, mas podemos ver os resultados desse trabalho na vida das pessoas.

      Nicodemos ainda não estava bem esclarecido sobre o que Jesus queria dizer, por isso Jesus continuou a explicar: “Tu és mestre conceituado em Israel, Nicodemos; deverias estar apto a ensinar essas coisas a outros e agora, como é que tu mesmo não as compreendes? Deverias com certeza compreender o milagre do novo nascimento!”

      Para explicar melhor a Nicodemos como as vidas podem ser transformadas através do poder de Deus, Jesus lembrou-Se sobre Moisés levantando a serpente no deserto.

      Você lembra que, no Velho Testamento, quando Moisés conduzia o povo de Israel através do deserto, eles continuamente murmuravam e reclamavam a propósito de tudo? Eles reclamavam de Deus, Moisés e Arão por causa de água, pão e carne durante toda a fatigante jornada pelo deserto seguindo um Deus que eles não podiam ver. Eles continuamente murmuravam: “Por que nos tiraste do Egipto para morrer neste horrível deserto? Pelo menos lá havia comida a fartar!” Eles haviam esquecido tudo que Deus fizera por eles ao livrá-los do cruel Faraó, trazendo-os através do Mar Vermelho e guiando-os de dia com uma coluna de nuvem e, à noite, com uma coluna de fogo. Eles constantemente desejavam voltar à escravidão no Egipto!

      Mas, Deus teve que ensinar-lhes, rapidamente, algumas lições bem amargas por causa de seus espíritos murmuradores. O Senhor enviou serpentes ardentes no meio do povo. Eles eram mordidos e morriam por causa do veneno. Milhares e milhares dessas serpentes invadiram as tendas, suas casas, seus suprimentos de comida. Foi horrível! Era terrificante! Todos que foram mordidos pelas serpentes, morreram. Parecia que todo o acampamento dos israelitas iria perecer. Eles tentaram matar as serpentes, mas outras mais continuavam a chegar. As feridas causadas por essas serpentes eram vermelhas, inchavam e causavam febre. Crianças choravam e homens e mulheres gemiam. Afinal, o povo veio a Moisés e suplicou por ajuda. “Pecamos e estamos arrependidos. Nós murmuremos contra Deus e você. Por favor, ore e peça a Deus que retire as serpentes de nós” Deus respondeu à oração deles, mas Ele não disse a Moisés como livrar-se das serpentes.

 

A serpente e a cruz

 

      Ele instruiu Moisés a fazer algo muito estranho, de sorte que as pessoas mordidas por serpentes pudessem ser curadas. Naquele momento, era a importante verdade, o significado daquele incidente com as serpentes lá no deserto, que Jesus estava a enfatizar junto a Nicodemos. Deus disse a Moisés: “Faz uma imagem duma dessas serpentes, em bronze, prenda-a no alto duma haste bem alta, fixe-a no centro do acampamento e diga as pessoas que tiverem sido mordidas por serpentes e estão morrendo para simplesmente olharem para a serpente de metal e viverão!”

      Moisés fez como lhe for a ordenado e as boas novas espalharam-se pelo acampamento. Uma coisa maravilhosa acontecera! De todos os lados do acampamento ouviam-se gritos de júbilo: “Estou curado! Estou bem!” Pessoas moribundas estavam sendo completamente curadas à medida que obedeciam a Palavra de Deus e olhavam para a serpente de metal! Pode imaginar uma mãe desesperada levando seu filho moribundo em seus braços, gritando freneticamente: “Olhe, meu filho, apenas olhe para a serpente de metal e viverá!” Lentamente o menino levanta a sua cabeça e olha. A dor foi-se, a ferida desapareceu e ele está bem! Em todo o acampamento isto estava a acontecer. O povo estava a aprender o poder da fé na Palavra de Deus. Claro que não era a serpente de metal que os curava. Nada disso. Mas, quando eles faziam exactamente o que Deus lhes dissera e olhavam para a serpente a fé os tornava sãos, trazia-lhes a cura. Eles não precisavam de chegar a um metro de distância da serpente ou escalar o mastro e tocar a serpente. Eles precisavam somente olhar e viver! Este era o remédio de Deus contra a morte.

      Jesus e Nicodemos conversaram sobre essa experiência dos judeus no deserto. Jesus disse então: “Nicodemos, a razão pela qual Eu quis que lembrasses este incidente, acontecido centenas de anos atrás, é porque ele é uma figura maravilhosa do novo nascimento - uma explanação perfeita de como pode nascer de novo. Aqui está a resposta a sua pergunta ‘Como pode um homem nascer de novo‘? Assim como Moisés levantou a serpente no deserto, Eu, o Filho do Homem, Serei levantado, ou seja, Serei pregado na cruz para morrer. Isto pagará o preço de seus pecados - ser punido pelos pecados do mundo inteiro.

      “E, assim como as pessoas que eram mordidas pelas serpentes no deserto estavam condenadas à morte, da mesma forma aqueles que são “mordidos” pelo pecado estão condenados à morte eterna. Mas, a maravilhosa notícia para os que estavam a morrer por causa das mordidas das serpentes no deserto era: “Olhem para a serpente levantada e vivam!”

      Então Jesus explicou de forma bem simples para este legislador tão instruído que no momento em que Ele, Jesus, fosse levantado na cruz para morrer, aqueles que cressem nEle ou seja, que olhassem para Ele em fé, seriam salvos da punição pelos seus pecados e teriam vida eterna. Da mesma forma que o remédio para os israelitas envenenados pelas mordidas das serpentes era olhar e receber cura - olhar e viver - assim também qualquer menino, menina, homem ou mulher que olhar para o Salvador terá vida eterna - nascerá de novo!

      Então, numa sentença linda e preciosa Jesus disse a Nicodemos como qualquer pessoa pode entrar no Reino dos Céus e viver com seu Senhor e Salvador eternamente. Estas são Suas Palavras: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho Unigénito para que todo aquele que Nele crê não pereça mas tenha a vida eterna.” Este versículo de João 3:16 é o Evangelho numa cápsula. Embora tenha sido falado a um homem há quase 2000 anos, estas palavras maravilhosas espalharam-se ao redor do mundo, trazendo a milhões e milhões de pessoas que as ouviram e nelas creram, perdão dos pecados, salvação eterna, conforto, esperança, paz e alegria.

      Quando Nicodemos deixou Jesus naquela noite a sua mente devia estar a fervilhar com todas as verdades maravilhosas que Jesus havia ensinado a ele. Por causa daquilo que Nicodemos fez, três anos mais tarde, quando Jesus foi crucificado por nossos pecados, sabemos que ele creu nas palavras de Jesus e que experimentou o novo nascimento.

      Depois que Jesus morreu, Nicodemos ajudou José de Arimatéia, um cristão secreto, a sepultar Jesus num sepulcro novo que pertencia ao próprio José de Arimatéia. Nicodemos providenciou cerca de 100 libras de unguentos feitos de mirra e aloés para serem utilizados ao embalsamamento do corpo de Jesus e, juntos, os dois homens envolveram o corpo de Jesus em lençóis e o colocaram no sepulcro. José e Nicodemos eram discípulos secretos há não muito tempo. Eles vieram para cuidar do corpo de Jesus ainda com o dia claro, abertamente, permitindo que todos soubessem que eles criam que Ele era o Messias Prometido e que eles Lhe pertenciam.

      E quanto a você? Já nasceu de novo? Já olhou para a cruz do Calvário, creu, e recebeu a vida nova? Se ainda não, pode receber neste momento. Se já nasceu de novo, por que não agradecer a Deus por  Sua Salvação e pedir-Lhe para ajudá-lo a falar a outras pessoas a respeito do novo nascimento?

 

 

Versículos Para Decorar

 

Lição 1

"Sede pois imitadores de Deus, como filhos amados."

 Efésios 5:1

Lição 2

"No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus."

João 1:1

Lição 3

"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; aos que crêem no seu nome." João 1:12

Lição 4

"Não vejo sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que vos não deixará tentar acima do que podeis..."

I Coríntios 10:13a

Lição 5

"...antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar."

I Coríntios 10:13b

Lição 6

"E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens."

Mateus 4:19

Lição 7

"Como está escrito: Não há um justo,  nem um sequer."

Romanos 10:13

Lição 8

"Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo."

2 Coríntios 5:17

Lição 9

Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus

é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor."

Romanos 6:23

Lição 10

"O homem que tem muitos amigos pode congratular-se, mas há amigo mais chegado do que um irmão."

Provérbios 18:24

Lição 11

"Porquanto escrito está: Sede santos,

porque eu sou santo."

 I Pedro 1:16

Lição 12

 

 

"Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus."

João 3:3