A Vida de Abraão e Isaque


9 lições sobre a vida de Abraão e Isaque

1

A Chamada de Abrão

Génesis 11:27-32; 12:1-20; 15:2-6; 16:1-16; 17:1-22

 

Versículo: “Provérbios 3:5”

 

Deus chama Abrão

 

      Depois do dilúvio, a terra estava a gozar um novo começo. Os três filhos de Noé, Sem, Jafé e Cão, todos tinham famílias grandes. Os filhos deles casaram, saíram, começaram os seus próprios lares, e então tiveram filhos. E assim o número de pessoas cresceu e cresceu. Contudo, o povo esqueceu de Deus. Deus lhes tinha dito que se espalhassem sobre a face da terra, mas todos ficaram juntos e começaram a construir uma torre bem alta que alcançasse o céu. Mesmo sabendo, eles deixaram de adorar o Deus Verdadeiro para adorar o sol, a lua e as estrelas do céu.

      Cada um seguiu o seu próprio caminho, e isto fez com que Deus ficasse bem descontente. Até esse momento eles todos falavam uma língua. Mas quando Deus viu essa torre alta, um monumento de orgulho para eles mesmos e as suas habilidades, Ele desceu e confundiu as línguas para que não pudessem entender um ao outro. Desta forma Deus os espalhou pela terra, e isto pôs fim ao projecto de construir a torre de Babel!

      O povo deixou Babel e jornadeou através de planícies, rios, e montanhas para novos territórios. Eles construíram cidades, plantaram vinhas, árvores e campos e se tornaram nações fortes.

      A maioria destas pessoas que se espalharam pela terra não adoravam o Deus Vivo e Verdadeiro, mas adoravam coisas que Deus havia feito. Todos eles adoravam alguma coisa – o sol, a lua e as estrelas, os rios, as montanhas e morros. Eles fizeram imagens de pedra, e chamaram as imagens de deuses. Deus com certeza estava magoado e triste e lembrou-se que Ele podia ter feito com que todos tivessem perecidos no dilúvio. Mas é claro que Ele não faria isso, por que Ele havia prometido mandar o Salvador para tirar o pecado do mundo.

      Deus podia fazer com que todo esse mal se tornasse em bem. Ele acharia um homem que O conhecesse, adorasse e obedecesse, um homem através do qual Ele poderia cumprir Seu plano maravilhoso de trazer o Salvador a esse mundo perdido. Ele precisava de alguém que ensinasse aos filhos a verdade sobre o Deus Vivo e Verdadeiro e treiná-los para que vivessem para Deus, a fim de que seus descendentes pudessem ser uma nação forte que pudesse trazer esta luz para todos os homens em todo lugar – um povo chamado pelo próprio nome de Deus.

 

Abrão em Ur dos Caldeus

 

      Na Caldeia não muito longe de Babel, havia uma grande cidade chamada Ur. O povo adorava a deusa – lua – UR – e, por esta razão, chamavam a cidade com o mesmo nome de deusa. Terá, um velho pastor dono de fazenda, viva em Ur. Ele possuía grandes rebanhos de ovelhas e gado. Ele tinha três filhos adultos chamados Abrão, Nahor, e Harã. Eles eram, igualmente, criadores de gado. Harã morreu jovem e deixou um filho chamado Lot. A maioria dos habitantes de Ur era constituída de adoradores de ídolos, até mesmo Terá. Mas seu filho Abrão e a esposa de Abrão, Sarai, não adoravam a deusa lua ou outros ídolos, como faziam o seu pai e vizinhos. Abrão cria no Deus Verdadeiro, Jeová. Ele construiu altares e ofereceu sacrifícios e adorou a Deus tal qual Abel e Noé haviam feito muitos anos atrás. A oferta de Abrão agradou a Deus muitíssimo. E Deus ouviu as suas orações.

      Um dia, Abrão ouviu uma voz chamá-lo: “Abrão, Abrão!” Ele soube imediatamente que era a voz de Deus; então ele respondeu: “Sim, Senhor?”

      Deus disse: “Quero que se despeça de seus vizinhos e amigos, deixe a sua terra e seus parentes e Eu o conduzirei para uma terra distante que Eu darei a você em herança. Se obedecer-Me e seguir-Me, Eu prometo fazê-lo uma grande nação. Dar-Lhe-Ei uma grande descendência, incontável como a areia do mar. Farei seu nome famoso e farei com que todas as famílias da terra sejam abençoadas por sua causa.”

      Que promessa! Que decisão! Que desafio! Abrão pensou consigo mesmo: “Deus vai dar-me uma terra por herança? Ele vai fazer-me uma grande nação? Como Ele vai poder abençoar todas as nações por meu intermédio?” Certamente Deus falava que iria mandar Cristo, o Salvador, ao mundo, através da família de Abrão, de sua descendência, e Ele abençoaria o mundo tirando os seus pecados.

      “O que farei?” Abrão pensou. “Isto significa deixar meu lar, amigos e minha cidade natal. Mas, eu preciso de obedecer a Deus. Eu posso confiar nele para fazer o melhor para mim porque Ele me ama.” Assim, Abrão, decidiu fazer o que Deus lhe dissera. Quando olhamos para trás agora, podemos comprovar como Deus cumpriu a Sua promessa a Abrão literalmente. Ele deu a ele a Terra Prometida (Canaã), mais tarde chamada Palestina e, hoje, chamada de Israel. Ele fez de Abrão e seus descendentes uma grande nação – os israelitas, ou judeus. E, através da família de Abrão Deus enviou Jesus, o Messias, que é o Salvador de todos que O recebem em seus corações. O único, através do qual Deus abençoou o mundo inteiro.

 

Abrão sai de Ur

 

      Então, Abrão começou a reunir os seus pertences e arrumá-los para a mudança. Naqueles dias, as pessoas não viajavam de caminhão, comboio, carro ou avião. Todos caminhavam ou viajavam em camelos ou jumentos. Todos os seus pertences tinham que ser transportados no lombo desses animais. Sarai, a esposa de Abrão, seu velho pai, Terá e Lot, seu sobrinho estavam todos preparados para iniciar a longa viagem. Abrão, Terá e Lot possuíam muitos rebanhos de ovelhas, bois, jumentos, camelos e cabras. Cães valentes ajudavam a guardar os rebanhos para que não se dispersassem.

      Dia após dia, a longa caravana viajava. Finalmente, eles pararam e se estabeleceram num lugar chamado Harã, onde o pai de Abrão morreu. Deus falou a Abrão e disse-lhe que continuasse a sua viagem. Mais e mais eles viajaram atravessando rios, vales, montes, montanhas, cada vez mais distantes de Ur dos caldeus, mas cada vez mais próximos da Terra Prometida. Eles não tinham mapas, estradas ou hotéis e ninguém para informar-lhes a direcção certa. Eles tinham que continuar a caminhar pela fé e Deus dirigia os seus passos. No Novo Testamento está registado, acerca de Abrão: “E partiu sem saber aonde ia” (Hebreus 11:8). Isto era fé verdadeira e dependência total de Deus.

      Muito tempo passou antes que eles chegassem à Terra Prometida onde Deus falou novamente com Abrão. Quando eles chegaram à Terra Prometida Deus disse a Abrão: “Esta é a terra que Eu darei a você e a sua descendência.

 

 

2

Descendo ao Egipto

 

Versículo: “Provérbios 3:6”

 

Abrão e Sarai adoram a Deus

 

      Abrão estava tão feliz em ouvir a voz de Deus novamente! Ele construiu um altar e ofereceu um sacrifício e todos adoraram a Deus. Que maravilhosa maneira de celebrar a sua chegada à Terra Prometida. Então ele mudou para um lugar chamado Betel, que significa “Casa de Deus”. E, Abrão armou a sua tenda e edificou outro altar para Deus. Esta Terra Prometida era chamada Canaã porque o povo cananeu habitava ali. Eles eram pagãos e não conheciam o real e Verdadeiro Deus. Eles adoravam ídolos feitos de madeira e pedra. Eles eram pecadores e maus. Quando eles viram o altar que Abrão edificou e o povo adornado e orando eles pensaram qual seria o significado daquilo. “O que está a fazer?” eles devem ter perguntado. “Por que mataram o cordeiro e o colocaram naquelas pedras?” Isto deu a Abrão a oportunidade de falar àqueles adoradores de ídolos acerca do deus dos céus. “Mas não podem ver o Deus de vocês”, eles disseram. “Não,” Abrão respondeu, “Nós não podemos vê-Lo mas Ele sempre nos vê, nos escuta e nos responde as nossas orações. Os deuses de vocês têm olhos, mas não podem ver; orelhas, mas não podem escutar; bocas, mas não podem falar. Eles não podem ajudá-los quando oram a eles. O nosso Deus nos vê e escuta as nossas orações.” Todo o lugar que Abrão ia ele edificava um altar. Isto o marcou como um homem que adorava ao Deus dos céus; isto o tornou diferente de todos os povos pagãos entre os quais ele habitava. Todos percebem, aonde quer que vamos que nós pertencemos a Jesus e que O servimos?

 

Descendo ao Egipto

 

   Mais tarde, sobreveio uma grande fome (um tempo de escassez de comida ou de pouca comida) na terra de Canaã. O solo ficou seco, as plantações não puderam crescer, e o povo começou a dirigir-se a outros lugares para procurar comida. Abrão deve ter temido que ele também ficasse sem mantimento porque ele e Sarai desceram ao Egipto, um país rico, localizado ao Sul de Canaã.

   Ora, se Deus dissera a Abrão para ir para Canaã, nós sabemos que Deus havia providenciado para que Abrão e a sua família tivessem o alimento necessário para sobreviver no período de fome. Mas, Abrão esqueceu de orar e, falhou em confiar em Deus para cuidar deles através do período de fome. Este foi um teste para Abrão, e ele falhou no teste de Deus. Ele dirigiu-se por sua própria sabedoria e deixou a terra da promessa. Sempre que nós agimos assim, nos metemos em confusão.

   Quando Abrão se aproximou do Egipto, ele lembrou quão linda era a sua esposa Sarai. Por isso ele voltou-se para Sarai e disse: “Se Faraó, o rei do Egipto, desejar saber quem nós somos, diga a ele que é minha irmã.” De certa forma, isto era, em parte, verdadeiro, porque Sarai era meia-irmã de Abrão, mas não era completamente verdadeiro e Abrão sabia disso. Aos olhos de Deus era errado e um acto enganoso de Abrão. Uma meia verdade é uma mentira completa aos olhos de Deus. Abrão arrazoou que se Faraó achasse Sarai linda, ele provavelmente desejá-la-ia para sua esposa e se ele soubesse que ela era casada com Abrão, Faraó poderia matar Abrão. Assim, Abrão pediu a Sarai para mentir para salvar a sua própria vida.

   Faraó viu Sarai e achou-a realmente linda; ele quis saber quem era ela. Quando lhe disseram que era irmã de Abrão, ele convidou-a para o palácio, para ser uma de suas muitas esposas. Mas, logo que ela foi para o palácio, Deus mandou muitas pragas sobre a casa de Faraó. Faraó descobriu que ela era realmente esposa de Abrão e, então, ele deu-lhes muitos presentes e mandou-os sair do Egipto. Sem dúvida, Abrão estava surpreso com a reacção do rei pagão.

   Estou certo de que Abrão sabia que havia agido errado. Ele viajou com Sarai de volta a Canaã, ao antigo lugar de sua tenda e do altar que construíra em Betel e, lá em Betel, ele invocou a Deus. Você não acha que Abrão pediu a Deus para perdoá-lo por não haver confiado Nele para cuidar de suas necessidades? Ele aprendera a sua lição: quando a fome chega, você ora e busca a deus; não foge para o “Egipto”, para fora da Vontade de Deus.

   E, assim é connosco. Nós também precisamos de confiar em Deus em épocas de problemas. Algumas vezes, quando nossa fé também falha, nós precisamos de pedir perdão a Deus, tal como fez Abrão. Talvez precise de pedir a Deus para perdoá-lo agora. Por que não orar e pedir Seu perdão?

 

 

3

Lot escolhe a melhor terra

Génesis 11:27-32; 12:1-20; 15:2-6; 16:1-16; 17:1-22

 

Versículo: “I Tessalonicenses 5:15”

 

A escolha de Lot

 

      Abrão era um homem muito rico. Ele possuía muitos servos, muitos rebanhos e gado e também muito ouro e prata. Seu sobrinho, Lot, também possuía muitos servos, ovelhas e bois. Onde quer que esses homens acampassem e armassem as suas tendas, ficava parecendo uma cidade só de tendas e todos os campos ao redor ficavam cheios dos rebanhos e dos muitos servos de Abrão e Lot. Isto causava muitos problemas reais. Não havia pastos verdes suficientes para alimentar tantos animais e não havia fontes e poços para fornecerem água suficiente para todos. Brigas começaram a ocorrer entre os pastores de gado de Abrão e Lot. Todos queriam os melhores pastos para os rebanhos de seus próprios senhores.

      Os problemas e as discussões cresceram e cresceram até chegarem aos ouvidos de Abrão. Algo tinha que ser feito. Ele não podia permitir esse mal estar entre os seus servos e os servos de Lot. Abrão chamou Lot e expôs o problema: “Essa luta entre os nossos servos precisa de terminar. Não podemos permitir sentimentos ruins desenvolvendo-se entre nós, nossas famílias e nossos servos. Somos parentes próximos e precisamos amar-nos. Alem disso, o que pensarão os cananeus e ferezeus, pagãos, a nosso respeito, nós que dizemos conhecer e amar o Deus Verdadeiro, Jeová? Nunca poderemos ganhá-los para o Senhor se eles nos virem a brigar e questionar por coisas pequenas! Eles pensarão que nosso Deus é fraco, igual a seus ídolos!”

      E sabe que Abrão tinha razão! Quando aqueles que não são cristãos vêem-nos frequentando lugares ou praticando actos que trazem desgraça para nosso Deus e quando nos ouvem dizendo coisas e conversando da mesma forma que alguém que não é filho de Deus, o que eles deverão pensar? Eles dizem para eles mesmos e uns aos outros: “Qual é a diferença? Eles frequentam os mesmos lugares que nós, comportam-se da mesma maneira, praticam os mesmos actos, falam as mesmas coisas que nós – porque nos tornaríamos cristãos?” Nós precisamos de realmente ter um bom testemunho para o Senhor Jesus de maneira que qualquer que nos observar possa desejar pertencer também ao nosso Deus. 

      Abrão continuou a falar com Lot: “Vou dizer-lhe o que nós faremos. Vamos separar-nos. Não há espaço para vivermos juntos com nossos rebanhos. Olhe, a terra toda está diante de nossos olhos. Dou-lhe o direito de escolha. Se escolher o vale fértil, então eu permanecerei aqui nas montanhas. Se preferir as montanhas, eu descerei para o vale.”

      Da alta montanha onde estavam eles podiam ver ao longe, ao norte, sul e leste, até onde a vista alcançava. Que pode ver nisso? Abrão estava a dar a Lot o direito de escolher! Fora a Abrão, e não a Lot, que Deus prometera dar aquela terra. Lot não tinha nenhum direito, nada a reclamar, de qualquer modo. Que gentil, amoroso, desprendido e generoso era Abrão, este homem de fé!

      Pensa que Lot disse: “Oh! Não tio Abrão, o senhor escolhe primeiro e eu de bom grado ficarei com o que sobrar?” Isto é o que deveria ter dito, não é? Ao contrário, porque ele tinha um coração ganancioso e era ávido e egoísta, Lot observou longamente para as férteis e bem regadas campinas do Jordão. Era como o Jardim do Éden com os seus lindos pastos e campos férteis. Lot pensou consigo mesmo: “Poderei sempre achar bastante pasto e água ali e os meus rebanhos vão crescer e multiplicar-se até que eu me torne o homem mais rico do país!”

      Ele também avistou, à distância, as duas grandes cidades da planície – Sodoma e Gomorra. Ele sabia que naquelas grandes cidades ele poderia vender o seu gado e fazer óptimos negócios. Que vida maravilhosa ele iria levar em Sodoma com seu comércio de coisas finas e os seus lugares para lazer. Ele pensou: “Minha família pode ter uma óptima casa e parar de caminhar pelo país morando em tendas.”

      Lot sabia muito bem que o povo de Sodoma e Gomorra eram pessoas más a ponto de ser fora do comum a maldade deles, e que pecavam grandemente contra o Senhor. O que ele não sabia era que mais tarde Deus ia mandar fogo e enxofre sobre Sodoma e Gomorra, e que as cidades seriam reduzidas a um monte de cinza e fumaça. Assim Lot fez a sua escolha. Foi a pior coisa que ele podia ter feito, o maior erro de sua vida.

      Por que Lot fez a escolha que fez? Primeiro, porque ele era egoísta. Ele queria o melhor para ele. Ele queria a melhor terra para o gado dele, onde ele pudesse ganhar mais dinheiro, onde a família pudesse morar numa casa bonita e pudesse ter uma vida social boa, e onde ele pudesse ser importante. Segundo, ele não orou pedindo que Deus escolhesse para ele. Se ele tivesse orado Deus nunca o teria dirigido a Sodoma, uma cidade que Ele ia destruir completamente! Terceiro, ele escolheu para aqui e para agora. “Que vantagens eu terei hoje? Lot pensou. Ele não pensou nem um pouco no futuro. Nem pensou em sua alma ou seu bem estar espiritual, ou de sua família.

      A Bíblia nos diz que as coisas deste mundo passarão, mas as coisas de Deus são eternas e durarão para sempre. O Senhor sempre dá o melhor para os Seus filhos que O deixam fazer as decisões e escolhas para eles. Você acha que vai lembrar disso quando tiver que fazer uma decisão ou escolha? Por que não pede para Deus ajudá-lo a não ser ganancioso e egoísta como Lot foi?

 

 

4

Deus promete um filho

Génesis 11:27-32; 12:1-20; 15:2-6; 16:1-16; 17:1-22

 

Versículo: “Êxodo 20:15”

 

      Assim Abrão e Lot se separaram. Abrão ficou nas montanhas, e Lot mudou-se para as cidades da linda planície. Depois da ida de Lot, talvez Abrão tenha sentido solidão, mas o Senhor encorajou-o. “Olhe em todas as direcções e o mais longe que a sua vista puder alcançar, porque toda essa terra que vês Eu a darei a ti e a tua descendência, para sempre! E Eu vou te dar tantas pessoas em tua família que, como o pó da terra, não será possível contá-las!”

      Então Abrão mudou a sua tenda para os carvalhais de Manre, perto de Hebrom, que significa Comunhão, e construiu outro altar para adoração, camaradagem e comunhão com Deus.

      Tarde, uma noite, Deus levou Abrão para fora de sua tenda. A noite estava quieta e fria, e as estrelas estavam a brilhar, dando uma iluminação suave ao lugar. “Não temas, Abrão,” Deus disse. “Eu Sou o teu escudo, e teu galardão será sobremodo grande. Olha para os céus e conta as estrelas, se puderes.” E então Deus deu a Abrão outra promessa. Ele disse: “Terás tantos descendentes como as estrelas do céu.” Que promessa maravilhosa! Mas como isso podia ser verdade? Abrão e Sarai ambos já estavam bem velhos, e não tinham nem sequer um filho. Mesmo assim, Abrão “creu no Senhor e isso lhe foi imputado para justiça.” Desta maneira Abrão foi encorajado pela mensagem de certeza de Deus sobre o seu futuro.

 

Hagar na tenda de Sarai

 

      O tempo passou, e Sarai e Abrão não tiveram filhos. Finalmente Sarai ficou cansada de esperar. “Eu preciso de fazer alguma coisa para ajudar a Promessa de Deus tornar-se Verdadeira,” ela pensou. Agora, com certeza, este foi um pensamento errado. Quando Deus promete fazer alguma coisa, Ele sempre cumpre as Suas promessas, e Ele não precisa de nenhuma ajuda. Ele nem sempre as cumpre tão logo quanto nós queremos, mas isto é porque Ele tem sabedoria perfeita e sabe qual é o melhor tempo e a melhor maneira para todas as coisas. Sarai, contudo, ficou impaciente, e decidiu fazer as coisas à sua própria maneira.

      Sarai tinha uma serva jovem, egípcia, cujo nome era Hagar que era a empregada pessoal de Sarai e a ajudava a servir a comida e em outros afazeres da tenda. Enquanto Hagar servia Sarai, Sarai começou a sentir pena de si mesmo “Deus me tem impedido de ter filhos”, ela disse a Abrão. Mas Abrão, eu quero que tenha filhos, de qualquer maneira. Eu quero tanto que você seja pai que eu permito que Hagar seja a mão.” É triste dizer que Abrão deu ouvidos à esposa, e quando ele tinha oitenta e cinco anos de idade, ele tornou-se o pai do pequeno menino de Hagar, Ismael.

      Abrão amava este filho Ismael muitíssimo e com orgulho viu o pequeno Ismael aprender a andar, a falar, crescer e tornar-se um adolescente muito querido. Ismael era o orgulho e alegria de Abrão, mas ele não era o filho prometido por Deus a Abrão.

 

 

 

 

 

 

Abrão e Sarai recebem novos nomes e uma promessa

 

      Quando Abrão tinha noventa e nove anos de idade, o Senhor apareceu-lhe outra vez: “Farei uma aliança entre Mim e ti, e te multiplicarei extraordinariamente… E serás pai de muitas nações.”

      Então Deus deu a Abrão um novo nome. Ele disse: “Abrão (pai alto) já não será o teu nome, e sim, Abraão (pai de muitas nações); porque pai de numerosas nações te constituí.”

      Deus também deu a Sarai um novo nome – Sara ou “princesa”, Deus disse de Sara: “Abençoá-la-ei, e dela te darei um filho; sim, eu a abençoarei, e ela se tornará nações; reis de povos procederão dela.”

      Será que Abraão estava a ouvir bem? Sara, sua esposa amada, que tinha quase noventa anos, ia ser mãe! A notícia foi tão maravilhosa que Abraão prostrou-se rosto em terra, riu e disse consigo mesmo: “a um homem de cem anos há de nascer um filho? Dará à luz Sara com os seus noventa anos?” E Abraão disse a Deus: “Oxalá viva Ismael diante de ti!” Deus disse: “De facto Sara, tua mulher, te dará um filho, e lhe chamarás Isaque; estabelecerei com ele a Minha aliança, aliança perpétua para a sua descendência.”

      Deus assegurou Abraão de que Ele também abençoaria Ismael, e faria dele uma grande nação. Mas através do filho de Sara, Isaque, viriam os líderes de muitas nações, e através de sua semente (o Senhor Jesus Cristo) o mundo inteiro seria abençoado.

      Muitas vezes nós, como Sarai e Abrão, ficamos impacientes e tentamos fazer as coisas à nossa maneira, esquecendo que Deus tem a melhor maneira de fazer o Seu trabalho. Como Abraão deve ter-se arrependido de não ter esperado pelo tempo certo de Deus. Andar adiante de Deus sempre resulta em problema, exactamente como os difíceis problemas que aconteceram na família de Abraão.

      Nunca é certo fazer o que é errado, mesmo que pensemos que eventualmente resultará em bem. Mentir talvez evite de ser punido por pouco tempo, mas lhe trará uma punição muito maior mais tarde. Talvez pense que não seja nada roubar um biscoito ou um brinquedo, mas nunca esqueça de que Deus o ama e que ele fica magoado quando o vê fazendo coisas erradas.

      Já experimentou dar um jeito para ter o seu próprio caminho, fazendo o que é errado? Se estiver realmente arrependido, deve pedir a Deus para perdoá-lo agora mesmo

 

 

5

Três visitantes celestiais

Gen. 18:1-19:30

 

Versículo: “Lucas 13:3”

 

      Abraão estava sentado na porta de sua tenda, na montanha, abrigando-se do calor do sol de meio dia. Talvez estava a lembrar de como deus o chamara de Ur da Caldeia para esta maravilhosa terra da promessa e de como Deus o abençoara e cuidara dele, apesar de suas falhas, porque ele confiava em Deus. Talvez ele estava a pensar em seu sobrinho Lot que, de forma tão egoísta, escolhera a melhor terra, no vale próximo à cidade pagã de Sodoma. Como estava a vida de Lot em Sodoma, neste momento, ele imaginava? Lot era um homem importante naquela cidade, Abraão ouvira falar. Talvez Abraão estivesse relembrando o dia, não muito tempo atrás, quando deus lhe mudara o nome, dando-lhe um novo nome – Abraão, ou “pai de muitas nações.” Ele talvez estivesse a lembrar do novo nome de Sara – “princesa” e da maravilhosa promessa que ela, que estava com 90 anos de idade tornar-se-ia mãe de muitas nações.

 

Três visitantes celestiais

 

      Sara, que estava no interior da tenda, não tinha, ainda, ouvido a promessa. Talvez estivesse lembrando, com arrependimento, seu pecado de ter persuadido Abraão a ter um filho com Hagar. Enquanto ela observava o crescimento de Ismael seu próprio desejo de ter um filho doía-lhe profundamente. Oh, apertar seu próprio bebé em seus braços! Mas, era impossível, agora; ela era velha demais, seu sonho nunca poderia realizar-se.

      Abraão abriu os olhos, “e lá estavam três homens de pé diante dele: e, quando ele os viu, ele correu a encontrá-los, e prostrou-se diante deles até o chão.” Não era frequente visitantes naquele lugar e Abraão estava muito feliz com a possibilidade de ter companhia. “Venham para a sombra”, ele disse aos visitantes. “Nós temos bastante água para lavar-lhes os pés e podem descansar na sombra desta árvore. Devem estar famintos e cansados de sua jornada. Sentem-se, por favor e eu prepararei alguma comida para vocês.”

      Abraão fez com que seus hóspedes se instalassem confortavelmente e correu para a tenda. “Sara! Sara!” ele clamou. “Traga uma refeição bem especial, rápido e faça pão, temos hóspedes!”

      Então ele foi até o rebanho e tomou uma vitela, tenra e ordenou a um servo que a preparasse.

 

Sara ri

 

      Logo, os três visitantes comiam carne, pão, manteiga e leite enquanto Abraão sentava-se com eles sob a árvore e Sara permanecia na tenda. Abraão sentiu que a presença do céu estava com aqueles três visitantes. Eles pareciam muito bondosos; na verdade ele nunca recebera hóspedes tão encantadores antes.

      Enquanto os três hóspedes comiam, um deles perguntou a Abraão: “Onde está Sara vossa esposa?”

      “Ela está na tenda,” ele respondeu. Abraão pensou, “Como eles sabem o nome de minha esposa?” Agora Abraão estava a começar a entender que não eram hóspedes comuns.

      Então um dos hóspedes disse a Abraão alguma coisa que ele pensara que somente ele e Deus sabiam: “Farei um milagre no corpo de Sara e, embora ela seja muito velha para ter filhos ela conceberá um filho”. Abraão compreendeu que estes três visitantes não eram homens, afinal. Eles eram visitantes celestiais, podiam ser anjos do Senhor!

      Dentro da tenda, Sara estava apurando os ouvidos para “pescar” cada palavra. Quando ela ouviu que ela iria ter um filho, ela riu com descrédito.

      “Por que Sara riu?” um dos hóspedes perguntou. “Existe alguma coisa difícil demais para Deus?”

      Isto deteve Sara rapidamente! “Ele realmente não poderia ter-me ouvido rir,” ela pensou. “Eu não ri,” ela falou. Mas ela riu, e agora ela acabara de falar uma mentira para encobrir a verdade. Alguma vez fez assim? Espero que não. É muito errado.

      “Sim, você riu,” disse o visitante. E Sara aprendeu que nós não podemos, nunca esconder o que quer que seja de Deus. Ele vê tudo. Ele ouve todas as coisas e conhece até mesmo os nossos pensamentos. Ele sabe de todas as coisas e nada fica escondido dele.

      Aquilo que os visitantes, que eram realmente anjos do Senhor, haviam falado era verdadeiro. Dentro de um ano Sara teria um filho varão. Este filhinho seria o herdeiro de Abraão e de todas as promessas que Deus fizer a Abraão. E, o melhor de tudo, através desse descendente seria cumprida a promessa de Deus de enviar um Salvador, Nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Abraão intercede pelos justos

 

      Quando os três visitantes levantaram-se para descer a montanha na direcção de Sodoma, Abraão foi com eles. Então, dois dos hóspedes dirigiram-se a Sodoma e, o terceiro permaneceu com Abraão para falar com ele. Este Visitante era o próprio Senhor e, então, Ele disse a Abraão, “Eu não ocultarei Meus planos de você, porque você é Meu amigo.” Que maravilhoso é ser amigo de Deus! Abraão é conhecido como amigo de Deus.

      O Senhor disse a Seu a migo, Abraão, “Eu não ocultarei Meus planos de você, porque é Meu amigo.” Que maravilhoso é ser amigo de Deus! Abraão é conhecido como amigo de Deus.

      O Senhor disse a Seu amigo, Abraão, “Eu tenho observado que o povo de Sodoma e Gomorra é extremamente corrompido e tudo que eles fazem é mau. Por causa dessa terrível corrupção, as duas cidades serão completamente destruídas.” Os outros dois anjos já haviam partido para a sua missão de destruir Sodoma e Gomorra.

      Quando Abraão ouviu isso, pensou em seu sobrinho Lot e a sua família. Lot vivia em Sodoma! Se Sodoma fosse destruída também o seriam Lot e toda a sua família. “Por favor, Senhor” Abraão suplicou, “Destruiria o Senhor juntamente os justos com os injustos? Se houver cinquenta justos em Sodoma, que amem ao Senhor e O obedeçam, não pouparia O Senhor aquela cidade para que aqueles cinquenta justos não pereçam?”

      Deus, que é muito paciente e misericordioso, disse, “Abraão, se Eu encontrar cinquenta justos em Sodoma, pouparei, por causa deles, toda a cidade.”

      Então Abraão pensou, “Sodoma é uma grande cidade, mas e se não houver cinquenta justos lá? E se Lot não fizera seu trabalho de testemunhar aos vizinhos, vivendo uma vida nos padrões de Deus, de maneira que os atraísse para conhecerem o seu Deus?” Lot era egoísta e Abraão o sabia. E, além disso, Lot escolheria as coisas do mundo em primeiro lugar (como fizera ao optar pelas campinas do Jordão), ao invés de preferir os caminhos do Senhor. E se Lot não tivesse testemunhado sobre O Senhor ao povo de Sodoma, provavelmente não existiria por lá ninguém mais para fazê-lo. Abraão decidiu mudar seu pedido.

      “Senhor, e se houver somente quarenta e cinco justos em Sodoma, O Senhor ainda assim destruiria a cidade?” ele perguntou ao Senhor.

      “Se eu achar quarenta e cinco justos, não destruirei a cidade,” O Senhor respondeu.

      Abraão perguntou: “E se houver somente quarenta justos, O Senhor ainda assim destruiria aquela cidade?”

      O Senhor respondeu: “Para preservar os quarenta justos Eu pouparia toda a cidade.”

      Então Abraão tornou-se mais ousado e disse: “E se houver somente trinta justos?” Deus falou, “Eu não destruirei Sodoma se encontrar trinta justos, lá.”

      Porque Abraão confiava em Deus ele não temia pedir a Deus favores especiais. Você sabe como isso funciona. Quando teve um bom dia, obedeceu direitinho a seus pais, tem liberdade maior para pedir favores especiais. Mas, se comportar-se mal e desobedeceu durante todo o dia, fica pouco à vontade para pedir o que quer que seja especial!

      Abraão pediu ao seu amigo, O Senhor, “E se houver somente vinte justos em Sodoma?”

      E Deus respondeu: “Não destruirei o lugar se houver vinte justos ali.”

      Então Abraão começou a contar: “Vejamos lá, Lot e a sua esposa, o que soma dois. Suas duas filhas casadas, juntamente com os seus maridos, mais quatro. Suas duas filhas solteiras, o que forma um total de oito. Certamente Lot ganhara toda a sua família para O Senhor e, então, deve haver no mínimo, mais duas pessoas, em toda aquela imensa cidade, que ele influenciou para conhecer O Senhor. Deve haver, afinal, no mínimo dez justos em Sodoma. Pedirei a Deus por dez e então paro.

      Então Abraão perguntou a Deus, “Pouparia O Senhor a cidade por dez justos?” Deus disse, “Sim, Eu pouparei Sodoma mesmo que existam somente dez pessoas justas lá.” Mas supõe que existia mesmo esse punhado de justos em Sodoma? É triste dizer que não havia. Deus teve que prosseguir com o Seu julgamento por causa da corrupção daquela cidade.

 

 

6

Lot e os Anjos

Gen. 18:1-19:30

 

Versículo: “Hebreus 11:24-25”

 

      Quando caía a tarde sobre as ruas de Sodoma, os dois anjos chegaram ao portão da cidade. Lot estava lá, no portão, com os líderes da cidade. Lot, evidentemente, era uma figura importante em Sodoma – talvez um conselheiro, perfeito ou juiz. Que vergonha, que ele nada fizera para influenciar sua cidade para o bem!

      Os dois visitantes haviam vindo para ver Lot. Lot levantou-se para encontrar os dois anjos, que ele julgava serem homens. E, polidamente, ele encurvou-se perante eles, saudando-os. Estes homens não eram como os homens de Sodoma; ele podia sentir isso apenas olhando as suas faces puras, bondosas e piedosas.

      “Venham para minha casa,” Lot suplicou-Lhes. “Vocês podem passar a noite com toda a segurança em minha casa, e lavar seus pés e seguir o seu caminho cedo pela manhã.”

      “Não,” disseram os visitantes, “Dormiremos aqui fora, nas ruas.” Dormir nas ruas era um hábito naquela época, mas era muito perigoso em Sodoma. Lot sabia que as ruas de Sodoma não eram seguras para ninguém durante a noite. Ele insistiu para que os visitantes poupassem em sua casa, onde ele poderia preparar-lhes um banquete, antes que eles se retirassem para a cama.

      Mas, antes que os visitantes pudessem deitar-se, os homens de Sodoma cercaram a casa de Lot. Velhos e jovens cercaram a casa e gritaram para Lot: “Onde estão os homens que trouxe para a sua casa? Traga-os aqui fora para que os conheçamos.”

      Lot, conhecendo a mente maligna de seus vizinhos, não pretendia deixar os seus hóspedes à mercê deles. Ele saiu e fechou a porta atrás de si. “Por favor, por favor”, ele disse aos homens da cidade, “não façam mal a meus hóspedes.”

      “Afaste-se,” os homens da cidade gritaram para Lot. “Quem pensa que é para dizer-nos o que é certo ou errado? Nós o trataremos pior do que aos seus hóspedes, isto é o que vamos fazer!” E eles começaram a forçar a porta da casa de Lot até quase a derribarem.

      Então, os dois visitantes, que estavam dentro da casa, puxaram Lot para dentro e fecharam a porta. A seguir, eles feriram os homens, lá fora, de cegueira, de sorte que eles nem mesmo conseguiam encontrar a porta.

 

A família de Lot zomba

 

      “Rápido, Lot,” falaram os anjos, “Não há tempo a perder. Tem filhos, filhas ou genros, aqui? Reúna-os agora mesmo e deixe esta cidade, porque nós vamos destruir Sodoma por causa da grande corrupção deste lugar.”

      “Bem tarde, naquela noite Lot dirigiu-se às casas de suas filhas casadas e avisou: “Levantem-se, saiam deste lugar, porque O Senhor vai destruir esta cidade.” Mas, seus genros e filhas não lhe deram ouvidos; eles apenas riram e pensaram que Lot estava a brincar. Ele tentou avisá-los, mas eles riram e zombaram de sua advertência. Que pobre testemunho tinha Lot, nem mesmo a sua família o levava a sério! Seus próprios filhos riram e zombaram dele. Ele escolhera a bem regada e fértil planície de Sodoma. Mas, agora, Sodoma arruinara a sua família.

      Logo que amanheceu, os anjos disseram: “Levante-se, Lot. Tome a sua esposa, as duas filhas que lhe restam e saia desta cidade ou será destruído com o resto deles.”

      Mas Lot não se moveu. O que? Deixar a sua cidade? Deixar a sua adorável casa e todas as coisas maravilhosas que possuía?

 

A destruição de Sodoma e Gomorra

 

      Enquanto Lot hesitava, os anjos tomaram a sua mão e a de sua esposa e as mãos de suas duas filhas e os arrastaram para fora da cidade. Por quê? Por que Deus foi misericordioso com Lot? Deus iria cuidar de Lot, sem importar-se com o quanto ele era obstinado, porque o seu amigo Abraão lhe pedira.

      “Apressem-se para salvar as suas vidas!” Os anjos gritaram. “Não olhem para trás. Não parem quando chegarem ao campo. Escapem para as montanhas ou todos serão destruídos”.

      Lot disse: “Oh, não, meu Senhor, assim não; não posso fugir para as montanhas – não para as montanhas, eu não gosto das montanhas.”

      Enquanto Lot e a sua família corriam, “O Senhor fez chover do céu, fogo e enxofre sobre Sodoma e Gomorra,” e aquelas cidades e a campina e tudo que vivia ali e todas as plantações que cresciam nos arredores foram destruídas.

      Somente Lot e a sua família salvaram-se. Contudo, naquele instante, aconteceu uma coisa horrível. A esposa de Lot começou a pensar em sua casa, em sua cidade, seus velhos amigos e todas as coisas boas que possuía. Seu coração ainda estava preso a Sodoma e, ela olhou para trás. O anjo os advertira a não olhar para trás. Instantaneamente, a esposa de Lot foi transformada numa estátua de sal, como consequência de sua desobediência. Lot e as suas duas filhas continuaram a sua fuga na direcção da pequena cidade de Zoar.

      Cedo, naquela manhã, Abraão pôs-se de pé naquele lugar onde falara com Deus e, “ele olhou na direcção de Sodoma e Gomorra e de toda a planície e, em todas as direcções a fumaça subia daquele lugar como a fumaça de uma fornalha.” Como se fora atingida por uma bomba atómica, toda a área estava devastada. Mas, por causa da intercessão do Abraão, Deus salvara a vida de Lot e de suas filhas e eles foram viver numa caverna, nas montanhas – as mesmas montanhas que Lot rejeitara, quando escolhera viver na planície.

      Lot, perdeu muitas coisas, porque escolheu o caminho do mundo! Ele perdeu a sua esposa. Perdeu a sua adorável casa, sua importante posição e os seus amigos, todos os seus bens e as suas filhas e genros.

      Será igual a Abraão, o amigo de Deus? Ou será igual a Lot, o amigo do pecado, que desperdiçou a sua vida porque viveu para o seu ego, sempre desejando seguir o seu próprio caminho e deixando Deus de lado? Lot, que egoisticamente, tentou pegar a melhor parte, ficou sem nada!

      Por que não pede a Dês para ajudá-lo a escolher o caminho de Deus hoje? Peça a Ele para obedecer sempre, não importante a que preço. Peça-Lhe para ajudá-lo a não amar os prazeres do pecado, mas a amá-Lo e a viver para ele.

 

 

7

Isaque e Ismael

Gen. 21:1-21

 

Versículo: “I Pedro 5:7”

 

O bebé Isaque

 

            Nosso Deus cumpre as Suas Promessas e faz aquilo que diz. Assim, no tempo determinado, Ele deu a Abraão e Sara um filho na sua velhice. Abraão chamou esse filho da promessa de Isaque, que significa Riso. Abraão lembrou de como ele havia rido com falta de fé ao ouvirem o anúncio do nascimento desse filho. E, agora, que alegria e felicidade o pequeno Isaque trouxe ao lar de Abraão! Ele e Sara, que haviam esperado tantos anos estavam for a de si de tanta alegria. Eles estavam tão agradecidos porque Deus lhes dera o pequeno Isaque. Eles sabiam que todas as promessas de Deus estavam contidas neste pequeno filho que era um milagre de Deus.

 

A festa do aniversário de Isaque

 

            O tempo passou e o pequeno Isaque foi crescendo. Um dia, Abraão deu uma festa para celebrar o aniversário de Isaque. Muitos amigos foram convidados e o pequeno Isaque era o centro das atenções. Todos teriam comentários sobre o quão gracioso e inteligente ele era. Todos, menos Ismael. Lembra que Hagar, a serva egípcia de Sara e o seu filho Ismael também viviam na casa de Abraão. Ismael estava com cerca de dezasseis anos agora e ele deve ter-se sentido enciumado por causa de toda a atenção que Isaque estava a receber.

            Algumas vezes irmãos mais velhos gostam de implicar com os mais novos e Ismael e Isaque eram meio irmãos. Ismael estava a zombar do pequeno Isaque na festa, provavelmente fazia isto diariamente quando brincavam juntos. Quando alguém implica com criancinhas, elas choram - correm para a mamãe com a sua mágoa! E, foi exactamente isto que Isaque fez. Foi correndo para Sara e disse: "Ismael está se escondendo de mim; Ismael tirou a minha pequena ovelha e não me devolveu. Ismael não me deixa brincar com ele." E, assim, a zombaria, as implicâncias continuaram. Finalmente, Sara perdeu a paciência. Ela voltou-se para Abraão e disse: "Tem que mandar embora essa serva e o seu filho. Eu não vou continuar a suportar as implicâncias e zombarias. Estou cansada disso. Mande Hagar e Ismael de volta para o Egipto."

            É um caminho muito longo, Sara, não posso fazer isso; "Além disso, Ismael também é meu filho," respondeu Abraão. Sara afirmou a ele que o Senhor haveria de cuidar de Hagar e Ismael. "Mas, no Egipto, eles adoram ídolos e não conhecem o Deus Verdadeiro." Abraão argumentou. "Mas, Hagar e Ismael conhecem o Deus Verdadeiro do céu; eles não voltarão a adorar ídolos", foi a resposta final de Sara. Então, Deus veio a Abraão e disse-lhe que, desta vez, ele deveria ouvir Sara, porque Deus tinha planos especiais para Isaque. Em Isaque, não em Ismael, haveriam de cumprir-se todas as promessas de Deus. Mas, Deus também disse a Abraão que Ele faria de Ismael uma grande nação. Hoje sabemos que muitas das nações árabes descendem de Ismael.

 

 

Hagar e Ismael são mandados embora

 

            Na manhã seguinte, bem cedo, Abraão levantou-se com o coração pesado. Ele disse a Hagar e Ismael que eles precisavam ir embora. Eles não poderiam mais viver em sua casa. Ele preparou um almoço para eles levaram na viagem, deu a Hagar e a Ismael uma botija de água para levarem nos ombros e mandou-os embora. Abraão sabia que, provavelmente ele não veria seu amado filho outra vez. Mas, uma vez que Deus lhe ordenara a fazer assim, ele sabia que Deus era capaz de cuidar deles. E ele sabia também que mandá-los embora era a atitude mais correcta. O caminho de Deus é sempre o melhor, mesmo quando não conseguimos compreendê-lo. Pela fé Abraão obedeceu a Deus.

 

Perdidos no deserto

 

            Hagar e Ismael caminharam muito no deserto ardente. Ismael tinha fome toda a hora e, assim, eles paravam repetidamente para comer mais um pouco do almoço. Enquanto caminhavam, o sol ardente os queimava. A areia quente queimava os seus pés e as suas bocas estavam secas e os seus lábios crestados. Eles tomavam, constantemente, goles da água morna, desejando chegar rapidamente a um oásis. Eles vagaram, bastante desanimados, através do deserto e pareciam andar em círculos. Finalmente, Hagar percebeu que eles estavam perdidos - ela não sabia o caminho a seguir.

            Naquele momento, Ismael disse: "Não me sinto bem. Minha cabeça dói, minha garganta queima, sinto-me terrivelmente mal. Posso tomar mais um golinho d'água?"

            Hagar respondeu: "Meu filho, nossa água acabou toda e não temos mais comida. E, eu não sei como chegar ao Egipto, nem como voltar às tendas de Abraão. Oh, que faremos - morreremos aqui no deserto" e Hagar começou a chorar.

 

Clamando a Deus

 

            Hagar deixou Ismael sob um arbusto e afastou-se um pouco, clamando em seu coração. Ela não queria vê-lo morrer. "Por favor, não o deixe morrer, Senhor, faça alguma coisa por nós." Ismael também orou; "Oh Senhor, ajuda-nos! Nós não podemos vê-lo, mas o Senhor pode ver-nos. Estamos perdidos, com sede e doentes."

            Então ele perdeu os sentidos sob o terrível calor. Então Hagar ouviu uma voz desde os céus: "Hagar, não temas." Era o Anjo do Senhor. "O Senhor ouviu o seu clamor e do rapaz. Deus fará de seu filho uma grande nação. Abra os seus olhos e veja o que Deus fez."

 

Deus salva Hagar

 

            Directamente em frente a Hagar, quando ela abriu os olhos, havia uma fonte de água fresca e cristalina! Um poderoso milagre! Não estava lá antes. Mas, agora, estava ali directamente em frente a ela. Ela deu de beber a Ismael e lavou o seu rosto e mãos com água fresca. Ismael reanimou-se, sentou e Hagar com olhos cheios de lágrimas disse-lhe o que Deus havia feito e como o anjo lhe mostrara a fonte de água. Eles agradeceram, juntos, a Deus por Seu cuidado amoroso e protecção.

            Após seu miraculoso salvamento, Hagar e Ismael juntaram-se a uma tribo de nómadas do deserto, onde eles habitaram, Deus estava com Ismael e ele tornou-se um homem forte. Ele tornou-se um perito caçador com arco e flecha e os seus descendentes tornaram-se uma grande nação.

            Assim como Deus ouviu a oração de Ismael quando ele era apenas um rapazinho, da mesma forma nosso Pai Celestial diz-nos, não importa a idade que nós temos “clama a Mim e Eu te responderei.”

            Assim como Ismael orou quando estava no deserto, também nós podemos orar em qualquer lugar: andando em nossa bicicleta, no autocarro da escola, caminhando, enquanto lavamos a louça, em casa, de joelhos ao pé de nossas camas ou na igreja – Em qualquer lugar! E podemos orar sobre qualquer coisa e sobre todas as coisas sabendo que Deus ouve nossas orações.

            Assim como Ismael estava perdido e precisava de água, alguns de nós podemos estar precisando de perdão e de ficarmos limpos de nossos pecados; talvez nós precisamos de Deus para guiar-nos ou ajudar-nos num teste na escola ou ensinar-nos como sermos gentis com um novo colega que se sinta sozinho em nossa comunidade. Talvez precisemos orar por dinheiro para o pai fazer os pagamentos ou pela salvação de uma pessoa que amamos. Que conforto é para nós que o Senhor diz para trazermos a Ele todas as nossas necessidades – que Ele está interessado, que Ele irá ajudar. E, precisamos de não esquecer de agradecer a Ele quando a resposta chegar!

 

 

8

Uma Noiva para Isaque

Gen. 24:1-67

 

Versículo: “II Tessalonicenses 3:3”

 

Abraão envia Eliezer para buscar uma esposa para Isaque

 

      Abraão estava agora muito velho e fraco. Ele tinha uma tarefa muito importante que precisava de ser realizada e ele sabia qual a pessoa certa para isso – Eliezer, seu servo da maior confiança, que era o mordomo de sua casa. Sara havia falecido com 127 anos de idade e fora enterrada na caverna de Macpela. Abraão e Isaque, que agora era um homem adulto, ficaram muito tristes e solitários depois da morte de Sara.

      Abraão sabia que já era tempo de Isaque casar. Mas com quem ele poderia casar? Naquela época, os pais escolhiam as esposas para os seus filhos e maridos para as suas filhas; Abraão desejava uma boa esposa para Isaque, alguém que Deus aprovasse. Ele não poderia casar-se com uma moça daquelas famílias idólatras ali de Canaã, porque eles não amavam nem serviam a Jeová, o Deus Verdadeiro e não iriam ensinar os seus filhos nos caminhos do Senhor. Porque o Salvador prometido haveria de nascer da descendência de Isaque, era da mais extrema importância que Isaque casasse com uma moça temente a Deus. Como filho único de Abraão, Isaque era o único herdeiro de todas as riquezas, bens e propriedades de Abraão.

      Onde poderia Abraão encontrar a esposa certa para Isaque, alguém aprovada por Deus? Ele pensou “talvez eu possa mandar procurar entre meus parentes, na Mesopotâmia; eu lembro que meu irmão Naor tem 12 filhos e muitos, muitos netos. Talvez eu possa achar uma moça segundo a vontade de Deus, entre esses parentes, para casar-se com Isaque.”

      Assim, Abraão chamou seu fiel servo, Eliezer, e disse a ele: “Prometa-me que não permitirá que meu filho case com alguma dessas moças cananéias. Ao invés disso, eu quero que vá à minha terra, aos meus parentes e procure uma esposa para ele lá.”

      “Que tarefa!”, pensou Eliezer. “É dificílimo encontrar uma esposa certa para o seu próprio filho, quanto mais para o filho de outra pessoa!” Ele sabia que era uma viagem muito, muito longa e que poderia levar muitos dias.

      “Mas, suponho que não consiga encontrar uma moça que queira vir de tão longe para casar-se com um homem desconhecido dela e de sua família?” o servo pergunto. “Então deverei voltar a morar lá com Isaque?”

      “Oh, não!” Abraão advertiu: “Nunca! Porque o Senhor ordenou-me que deixasse aquela terra e meu povo e prometeu dar esta terra a mim e a minha descendência. Deus enviará um anjo diante de ti e escolherá a moça que ele deseja para esposa de meu filho. Se não a localizar, estará livre de toda a responsabilidade.”

      Assim, Eliezer falou: “Eu ire.” Ele organizou uma caravana de 10 camelos, muitos servos e toda a sorte de presentes valiosos – anéis de ouro, braceletes, colares e brincos, jóias brilhantes e roupas lindas, caras e maravilhosas. Durante dias e dias a caravana viajou, atravessando vales e montes e o grande e solitário deserto.

      Uma manhã, já bem tarde, cansados e calorentos eles finalmente avistaram a cidade dos parentes de Abraão. Aqui, fora da cidade, eles chegaram a uma fonte de água e Eliezer fez os seus camelos ajoelharem-se para beber água. Esta era a hora do dia quando as mulheres da cidade vinham à fonte para encher seus cântaros com água.

      Eliezer pensou: “Esta, certamente, é uma óptima oportunidade para observar as jovens – mas, como saberei a moça certa? Eu não ouso confiar em meu próprio julgamento.” Ele aprendera a confiar no Deus de Abraão por isso ele disse: “Vou pedir ajuda e direcção ao Senhor; este negócio é dele, de qualquer maneira.” Ele abriu o seu coração e orou: “Oh, Senhor, Deus de meu Senhor Abraão, seja misericordioso com Abraão e faça com que eu tenha sucesso em encontrar uma moça de bons sentimentos para Isaque. Alguém que não seja egoísta, que seja amável, de boa aparência, que irá servi-Lo e ensinar seus filhos a amar o Deus Vivo. Oh, Senhor, faça com que, quando as moças da cidade vierem tirar água e eu pedir a uma delas um pouco de água para beber, que ela diga – certamente, darei de beber a seus camelos, também. Senhor que esta moça que responder assim seja aquela que o Senhor escolheu para esposa de Isaque. Este será o Teu sinal para mim de que ela é a escolhida.”

 

Rebeca tira água para Eliezer

 

      Enquanto Eliezer ainda estava a orar, uma jovem e linda moça chegou trazendo um cântaro no ombro. Após observá-la na fonte, o servo veio até ela e pediu um pouco de água. Embora ele fosse estrangeiro, ela rapidamente deu-lhe uma porção de água refrescante para beber. Então ela falou: “Servirei água para os seus camelos, também, até que todos estejam satisfeitos.” Assim, ela esvaziou o cântaro no bebedouro dos animais repetidas vezes, até que todos beberam a fartar. Camelos bebem uma grande quantidade de água, especialmente depois de uma longa viagem através do deserto. A moça teve que trabalhar duramente para continuar trazendo água da fonte para o bebedouro, mas ela fez alegremente e com graça.

      Enquanto Eliezer observava, quase sem respirar, ele ficava mais e mais convencido de que esta era a moça! Afinal, quando os camelos acabaram de beber, ele abriu um dos sacos e deu à moça algumas pulseiras e brincos lindíssimos.

      “Para mim?” ela exclamou: “Eles são extraordinários.”

      “De quem é filha?” ele perguntou. “Acha que o seu pai terá alojamentos para nós esta noite?”

      Ela respondeu que seu nome era Rebeca, neta de Naor; Eliezer acabou de confirmar que as suas orações haviam sido respondidas, porque Naor era irmão de Abraão.

      “Certamente, senhor, nós temos alojamentos para hóspedes e o senhor é bem-vindo. Nós também temos bastante palha e forragem para os camelos,” ela respondeu.

      Eliezer estava maravilhado; ele permaneceu ali com a cabeça reverentemente curvada, adorando o Senhor e louvando a Deus por Sua direcção.

      Como fez Eliezer, o servo, nós também podemos orar, pedindo a direcção de Deus antes de tomarmos decisões e escolhas; desta forma, nos livraremos de cometer erros, de aborrecimentos e dores de cabeça. E, nossas vidas serão abençoadas maravilhosamente porque o Senhor sabe como serão as coisas, antes que aconteçam e ele deseja dirigir-nos no caminho certo, o caminho melhor para nós. Agrada a Ele, também, quando desejamos a Sua vontade e Plano e pedirmos a Ele que nos mostre.

      Rebeca correu para casa para contar a seus parentes o acontecido e, quando seu irmão Labão viu as jóias de grande preço que a sua irmã estava a usar e ouviu a sua história ele correu até a fonte onde Eliezer continuava aguardando juntamente com os camelos. “Venha e fique connosco, meu amigo. Temos um quarto pronto para si e um lugar preparado para os camelos,” foi o convite gentil que fez. Assim, o servo foi com Labão.

 

 

9

Eliezer conhece a família de Rebeca

 

 

Versículo: “Gálatas 6:7”

 

      Eliezer primeiro cuidou dos camelos e dos ajudantes; depois foi servido o jantar. Mas Eliezer disse: “Não posso comer sem primeiro contar-lhes o motivo pelo qual estou aqui.”

      “Muito bem,” disse Labão, “diga-nos a que veio.”

      “Sou servo de Abraão e Deus tem abençoado grandemente a meu senhor, dando-lhe muitas riquezas, servos e rebanhos de toda sorte de gado. Deus também deu a ele e a sua esposa, Sara, um filho em sua velhice, que herdará tudo que meu senhor possui. Isaque, seu filho, não tem uma esposa, ainda, e meu Senhor fez-me prometer não deixá-lo casar-se com uma moça cananéia, entre as quais eles habitam, porque são adoradoras de ídolos. Ele deseja que eu leve daqui uma moça para casar com seu filho. Esta tarde, quando cheguei à fonte, eu orei ao Senhor para que me dirigisse até a moça que ele tivesse escolhido para Isaque.” Então, Eliezer contou como Rebeca, em resposta à sua oração, oferecera água para ele e seus camelos sedentos. “Este foi o sinal que eu pedira a Deus e eu sei que Ele fez prosperar o meu caminho. Rebeca é a moça escolhida por Deus.”

      O pai e o irmão estavam convencidos de que Deus estivera dirigindo tudo que acontecera e eles queriam permitir que Rebeca partisse com o servo de Abraão para tornar-se a noiva de Isaque. Então, todos consultaram a Rebeca para saber o que ela tinha a dizer acerca de todo aquele assunto.

      Ela respondeu: “Sim, irei.”

      Uma vez mais, Eliezer curvou a cabeça e adorou o grande Deus que o ajudara em sua jornada. Depois disso, ele participou da festa que os parentes de Rebeca ofereceram a ele. Na mesma noite, ele ofereceu outros presentes de jóias, ouro, prata e tecidos finíssimos para a futura noiva e deu também muitos presentes valiosos para a mãe e o irmão dela.

      Cedo, na manhã seguinte, Eliezer disse: “Deixe-me voltar para meu Senhor.”

      Labão e a mãe de Rebeca não queriam que Rebeca os deixasse tão rapidamente. “Não pode ficar mais uns poucos dias?” eles perguntaram.

      Mas, o servo insistia em que ele precisava voltar e contar a seu senhor as boas-novas. Eles chamaram Rebeca para que dissesse a sua opinião e, outra vez ela disse: “Sim, irei agora.” Assim, eles despediram-se dela e a enviaram com a sua ama, Débora e com outros servos e servas.

 

Aí vem a noiva

 

      A viagem foi longa e quente e levou muitas semanas. O que acha que Rebeca estava a pensar enquanto a caravana de camelos atravessava o deserto arenoso? Sobre o que ela e Eliezer conversavam? O tempo? O cenário? O passo lento dos camelos» Não pode ouvir Eliezer dizendo: “Rebeca, deixe-me contar-lhe acerca de Isaque, o filho de meu senhor.” Ele não conversou sobre si mesmo, em nenhum momento, mas descrevia Isaque em palavras! E, isto era o que ela mais queria ouvir! “Ele é moreno, alto, e bem apessoado! Mas, melhor do que tudo, ele é amável, delicado e gentil! Ele é zeloso, solícito e generoso, de boa convivência porque ele é de natureza doce e de boa índole. Ele não questiona, não se mete em “querelas” – ele gosta de paz e quietude. E, ouça isto, Rebeca, ele é um dos homens mais ricos do mundo! Ele vai herdar toda a imensa riqueza de Abraão, porque ele é o único herdeiro de seu pai. Mas, o melhor e mais importante de tudo é que Isaque é um adorador do Verdadeiro Deus Vivo, Jeová. Ele ama muito e O serve.” Enquanto o servo continuava a falar acerca de Isaque e a descrevê-lo, Rebeca sentiu-se apaixonada por Isaque e mal podia esperar para conhecê-lo! Afinal, eles chegaram às proximidades da propriedade de Abraão e Isaque. Era de tardinha e Isaque estava caminhando sozinho pelo campo. Quando ele levantou a vista, viu os camelos chegando e correu a encontrá-los. Rebeca o viu e perguntou ao servo: “Quem é aquele homem que está a vir em nossa direcção?” “É Isaque, o filho de meu senhor,” ele respondeu.

 

Isaque encontra Rebeca

 

      Rebeca desmontou rapidamente e cobriu o seu rosto com o véu. Afinal! Ela viu aquele sobre quem tanto ouvira falar! Então Eliezer contou a Isaque a história toda. Isaque levou rebeca para a tenda de sua mãe e ela tornou-se sua esposa. Isaque amou muito a Rebeca e ela o consolou da morte de sua mãe.

      Como acha que Eliezer sentiu-se então? Estou certo de que ele estava muito, muito feliz. Fora-lhe dada uma tarefa dificílima e, com a ajuda de Deus, ele a levara a bom termo. Ele cumprira as ordens de seu senhor ao pé da letra. Ele não falara sobre si mesmo, mas apenas sobre o filho de seu senhor e sobre a mensagem que lhe fora confiada para ser transmitida. Ele não ousou nem mesmo comer antes de esclarecer a razão de sua viagem, antes de transmitir a sua mensagem.

      Se tem Jesus como seu Salvador, então é servo de Deus, assim como Eliezer era servo de Abraão e tem uma mensagem muito importante para entregar – a mensagem do Filho de Deus, Jesus, que morreu pelos pecados da humanidade. É um fiel servo de Deus? Conta a seus amigos e aos outros esta mensagem maravilhosa e mostra, através da sua vida, que realmente crê nessa mensagem? Vamos pedir a Deus, agora, que nos ajude a sermos servos fiéis, como Eliezer.

 

Versículos Para Decorar

 

Lição 1

 

Confia no SENHOR de todo o teu coração, e

 

 não te estribes no teu próprio entendimento.

 

 

Provérbios 3:5

 

Lição 2

 

“Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele

 

 endireitará as tuas veredas.”

 

 Provérbios 3:6

 

Lição 3

 

“Vede que ninguém dê a outrem mal por mal, mas segui sempre o bem, tanto uns para com os outros, como para com todos.”

I Tessalonicenses 5:15

 

Lição 4

 

“Não dirás falso testemunho contra o teu

 

 próximo.”

 

Êxodo 20:15

 

 

Lição 5

 

 “I tell you, Nay: but, except ye repent, ye shall all

 

 likewise perish.” Lucas 13:3

 

Lição 6

 

Pela fé Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó,

Escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus, do que por um pouco de tempo ter o gozo do pecado.”

Hebreus 11:24-25

 

Lição 7

 

“Casting all your care upon him; for he

 

 careth for you.”

 

I Pedro 5:7

 

Lição 8

 

“Mas fiel é o Senhor, que vos confirmará, e guardará do maligno.”

II Tessalonicenses 3:3

 

 

Lição 9

 

“Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo

 

 o que o homem semear, isso também ceifará.”

 

Gálatas 6:7