CRIANÇAS














 Manoel Del Rio,  advogado, assessor jurídico de movimentos sociais

Lugar de criança é com a família e na escola

São Paulo, 28 de setembro de 2012

São mais de 38 mil crianças que vivem em abrigos no país. No município de São Paulo são mais de 2.834 atendidos nestes serviços. Há um esforço para acolher estas crianças. Sabemos que a situação das crianças pobres é dramática. A impossibilidade da  família obter renda suficiente para sua reprodução, empurra as crianças para o abismo. Quando vão para as ruas já sofreram diversas formas de violência. Desde a falta de comida, moradia vestimentas, afeto ... Seja, são vitimas da mãe de todas violências. A violência econômica. Que arrebenta os laços familiares.

A solução dessa questão não é simples. Mas, é necessário superá-la. É preciso colocar essas crianças nas creches e escolas. Eliminar essa falta vergonhosa de vagas nas creches. Mas, também desenvolver políticas públicas de fortalecimento das famílias. No caso das crianças abandonadas proponho que se crie o Bolsa Família Especial para essas crianças. Uma bolsa de um salário mínimo por criança. No caso a família, ou quem adote tem a obrigação de manter a criança na escola e as condições apropriadas para seu desenvolvimento. Bem faz a presidenta Dilma em criar o Plano Brasil Protege: rede de assistência a criança e adolescente.

Lugar de criança é com a família e na escola.

.Manoel Del Rio: Assessor de Movimentos Sociais.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________




12/10/2011
Todos os dias das crianças

Menino ligou para 190 ao ser deixado pela mãe. Grupo de meninas assalta na Vila Mariana. Estatísticas revelam que existem três mil nas ruas “trabalhando” ou em situação de rua, em São Paulo. O quadro é dramático. Equipara-se ao período da revolução industrial, onde famílias operárias consumidas por jornadas de trabalho de até 18 horas diárias, e sem meios para sustentar os filhos, os abandonavam.

 O menino que ligou para o 190 estava cuidando dos mais novos. O pai é pedreiro, estava trabalhando, a mãe para poder estudar, e obter o bolsa universidade, foi trabalhar na escola da “família”.  Esta situação é comum em São Paulo. Os mais velhos ficam em casa, para os pais trabalharem. Duas das meninas, do caso da Vila Mariana, estão no abrigo, que a organização que presido, a APOIO, gerencia em convênio com o município de São Paulo. Estive com elas na festa do “Dia das Crianças”. São inteligentes, ativas.

A violência que atinge as crianças ocorre, na maioria absoluta dos casos, pela dificuldade de sobrevivência das famílias. Pai e mãe trabalham fora e não têm como proteger os filhos. A explicação está na base podre de nossa economia. Seja, os salários não cobrem as necessidades básicas das famílias.

Sendo assim mais de três milhões de crianças no Brasil, estão no mercado informal de trabalho. Na verdade um conjunto de infortúnios atinge as crianças das famílias de menor renda.


Neste  12 de outubro de 2011, vamos renovar nossos compromissos com todas  as crianças. Trabalhar para que nenhuma criança adolescente e jovem fique fora da escola: creches, ensino fundamental, ensino médio, acesso à informática e línguas. Apoio total às famílias de menor renda para que consigam criar, educar e proteger seus filhos.
Manoel Del Rio - Presidente da Apoio

Contatos: Manoeldelrioblas@gmail.com, Twitter:@ManoelDelRio, Facebook:ManoelDelRio

Comments