CANIDELO - OLEIROS DA MINHA TERRA

         
 Oleiros, Escultores e Artistas da Minha Terra

 

                                            Sou natural de Gaia,

                                   Terra muito importante,

                                   Por famosos escultores,

                                   Ceramistas, modeladores,

                                   Que ao mundo deram Arte.

 

       E, para iniciar cito,

                                   Aqui, o meu Avô,

                                   João Queirós Monteiro,

                                   Importante e grande oleiro,

                                   Que muito novo morreu,

                                   Mas que muita Arte deu,

                                   Ao povo e a plebeu,

                                   De louça de barro, grés.

                                  

       Porque hoje eu tenho horror,

                                   Dos que lhe dão pontapés,

                                   Guardo com muito Amor,

                                   A Arte daquele escultor.

                                  

       E se de Oleiro sou neto,

                                   Bisneto sou, do Oleiro,

                                   António Queirós Monteiro.

 

                                   E cinco gerações vão já,

                                   Desde o meu trisavô,

                                   Bernardo Queirós Monteiro.

                                   Ele também foi Oleiro.                                 

                                   

       Mea Vila de Gaya,

                                   Eu te tenho muita honra,

                                   Porque de Gaia eu sou:

                                   Porque desde remotos reinados,

                                   Como o de Maria segunda,

                                   E desde os tempos da lenda,

                                   Do romance de Garret,

                                   Que seu génio celebrizou.

 

       Dever é meu, estudar teus usos,

                                   E costumes e, registar, Aqui;

                                   As figuras que nasceram, Aqui,

                                   E a Arte que deram, Aqui;

                                   A esta Mea Vila de Gaya,

                                   Que hoje também evoco, Aqui:

 

       Os que o escopro manejaram,

                                   Os que a cerâmica cozeram.

                                   Os que a grés trabalharam,

                                   Os que o barro moldaram,

                                   Desde o grande escultor,

                                   Ao génio modelador,

                                   Passando p´los humildes “Oleiro”,

                                   João Queirós Monteiro.

                                   António Queirós Monteiro

                                   Bernardo Queirós Monteiro

                                  

       Oleiros tradicionalistas,

       Foram humildes barristas,

                                   Do Candal, em Santa Marinha,

                                   Que lhe davam a matéria  prima,

       Nas saibreiras e barreiras.

 

       AH! História, quantos valores,

       Nesta terra de escultores,

       Deixas-te de registar?

 

       Quantos nomes esquecidos,

       E também ignorados,

       Que não tiveram a sorte,

       De a ninguém mais lembrar?

 

       E porque nos livros deveriam estar,

       Presentes, e não estão,

       Hoje lanço á confusão,

       De com importantes misturar,

       Os humildes, que presentes estão,

       Mas dentro do meu coração,

       E todos misturados são:

 
Bernardo Queirós Monteiro -              meu trisavô   N. Canidelo
António Queirós Monteiro    -             meu bisavô    N. Canidelo
João Queirós Monteiro -    n. 1884     meu avô         N. Canidelo

António Soares dos Reis, -   n. 1847                          N. Mafamude

António Alves de Sousa,       f. 1922                      N. Vil. Andorinho

Augusto Santo,                       n. 1868                     N. Gaia

Fernandes de Sá,                  n. 1874                     N. Avintes

José Joaquim Teixeira Lopes n.1837 –     Mestre Teixeira Lopes     

Manuel Teixeira Lopes          n. 1907  -     Sobrinho do Mestre T. L.

António Teixeira Lopes                       -       Filho do Mestre T. L.

José Teixeira Lopes              n. 1872  –     Filho do Mestre T. L.

Adolfo Marques, pai               n. 1861 -                N. Avintes

Adolfo Marques, filho             n. 1894 -                 N. Avintes

António de Azevedo               n. 1889                   N. Mafamude

Carlos Meireles                      n.1889 discípulo de Teixeira Lopes

Diogo de Macedo                  n.1889 discípulo de Teixeira Lopes

Eduardo Tavares                   n. 1918 obteve o prémio T. Lopes

Henrique Moreira                   n. 1890 aluno de A.Teixeira Lopes

Joaquim Fernandes Gomes  n. 1896                  N. Oliv. Douro

Joaquim Meireles                  n. 1879 trabalhou na ofic. Teix. Lop.

José de Sá Lemos                 n. 1892 discípulo de Teixeira Lopes

Manuel Pereira da Silva        n. 1920                  N. Avintes

Oliveira Ferreira                     n. 1883 disc. e trab. Of. Teix. Lopes

Pereira dos Santos                n. 1902                  N. Oliv. Douro

Rudolfo Pinto do Couto         n. 1888

Sousa Caldas                         n. 1894

Zeferino Couto                       n. 1890                  N. Olival - Gaia

 

E dos populares Oleiros,

Domingos Alves de Oliveira – Santa Marinha  -  n-1672

Pai de Domingos Alves de Oliveira

Avô de Domingos Alves de Oliveira

José Fernandes Caldas,        n. 1866

João de Alfonseca Lapa,   n. sec XX – Santeiro

 

 
Todos eles modeladores,

Do barro, do grés, da terracota.

De Gaia todos foram artistas,

De Oleiro, grandes malabaristas.

 
Do barro nasceram os barristas,

Gaia, Império foi da Arte,

Popular, sempre em ascensão;

O Bernardo, o António e o João.

 
E só hoje investiguei,

Só hoje o descobri,

Mas de imediato aqui lavrei,

Aquilo que só agora sei,

O que nunca em outra terra vi:

Em Sant André de Cannydello,

Em meados de oitocentos,

Todo o homem era Oleiro.(?)

 

E faço mais uma homenagem,

Desta, Alfredo Ferreira da Silva,

Qu´era do Paço do Moiral.

A sua arte era a Arte,

Que em Canidelo evoluiu,

Que de Canidelo saiu.

Na arte da olearia,

Ele manuseou o barro,

Ele  fabricou poteria.

Ele coseu a grés,

E fez estatuaria.

Com terra, terracota,

Amassada, manuseada,

Rodada no rodapé,

Com rodapé rodada.

 

Só hoje investiguei,

Só hoje descobri,

Santo André de Canidelo,

Deu Arte ao mundo inteiro.

 

No Paço do Moiral,

Por terras de Canidelo,

Existiu um Bisavô,

Ele também foi oleiro,

Da época d’ oitocentos,

Avô da minha mãe,

Foi o pai do meu avô.
 
Inspirado pelo livro “Escultores de Gaia” que meu pai Alexandre (Queirós) Monteiro deixou e que data de 1958 a sua impressão e  1963 da sua posse.
                                                                                                     João Queirós
                                                                                                        Pseudónimo

 

 

 

 

 

 

 

                                  

Comments