[textos extras]

[conto um ponto] [verbete] [home] [pop art] [contato]  

Eu e as baratas

 

Desde criança sempre fui muito interessada nos animais, de qualquer espécie. Os insetos sempre me fascinaram e me fascinam até hoje. Enquanto a maioria das pessoas age com repulsa, nojo e medo, pra mim é como se fosse normal.  Uma borboleta entrou na sala de aula e as gurias estão reagindo como se fosse uma borboleta devoradora de cérebros? Sem stress, é só pegar e colocar pra fora!  Uma cigarra inventa de entrar na roupa da Jú, com a Jú vestindo ela? A Jú esta tendo um ataque? Sem problema, eu pego ela na mão e levo pra longe! Um piolho de cobra esta no caminho da Carola, que morre de nojo por que ela sempre esquece que ele estava ali e o pisa, lá vou eu tirar ele de seu caminho. Já com a Fê Petry o problema são os besouros cascudos que dão rasantes, sem problema também!!

Mas existe um inseto que só mexo depois que este foi devidamente enviado ao além. São as Baratas, e não é por que elas vivem no esgoto, realmente eu não gosto de baratas. Talvez pela a arrogância, sim as baratas são insetos arrogantes, mais arrogantes que os humanos, pois nós ainda mantemos uma certa distancia social dos insetos. Mas as baratas não respeito o espaço de ninguém. Elas comem a sua comida, suas fotos, suas roupas, sem a menor cerimônia.

Alem de serem ótimas atrizes, pois sabem se fingir de mortas, as baratas são rápidas como uma bala. Já vi baratas correrem em direção aos chinelos, utilizando de seu malabarismo escapam, deixando a pessoa com o chinelo na mão e cara de trouxa.

Mas mesmo não gostando das baratas, como todos os insetos, elas me fascinam. Por algum tempo na minha vida as baratas me perseguiam, eu matava todas as baratas que via, enquanto os outros insetos eu dava liberdade. Se eu saia a noite a pé, sempre levava um rasante de alguma barata. Até o dia que eu tive certeza de ter visto a barata rainha, era uma barata americana enorme de gorda, maior do que qualquer outra barata que vi na vida. Eu estava no hall do meu prédio esperando o elevador, e ele estava tentando passar por debaixo da porta, sem êxito algum. Podia ter facilmente pisado nela, matando-a num crequi só, mas invés disso eu abri a porta da garagem para a barata rainha alcançar a rua. Então desse dia em diante as baratas me deixaram em paz. Nem na minha casa elas existem mais, atribuo isso ao fato de eu ter ajudado a Barata Rainha.

 

*

 

A Gatinha Psicótica – Chica

 

Quando criança eu sempre tive bichinhos de estimação. Tive um galo, um cagado, periquitos, cachorro e gatinhos. Eventualmente eles acabavam sendo mortos ou misteriosamente sumiam. Mais tarde descobri que meu querido galo tinha virado uma deliciosa canja, a qual saboreei e meus pais deram fim em nosso gatinhos e cachorrinhos.

Nos mudamos para um apartamento, e então não tive mais a menor possibilidade de ter bichinhos de estimação. Pois a minha mãe não gosta muito de animais.

Até que um dia a Carola me ligou perguntando se eu não queria um gatinho. Bom a partir deste dia eu comecei a encher o saco da minha mãe pra que pudesse pegar o tal gatinho.

Venci pelo cansaço, pude buscar o meu presente de natal.  Não era um gatinho e sim uma gatinha, que viveu uma semana sem nome, chamava ela simplesmente de ‘gato’. Depois de inúmeras possibilidades, como: Cordão (por devorar toda e qualquer corda, fio de telefone, cabo, cadarço,...), Fofinha (muito jeca), Missy (clichê demais), Chuchu (permaneceu como apelido), mas o escolhido foi Chica, bem brasileiro, curto e fácil de gritar seguido de um não.

Uma característica dos gatos é não fazer o que não querem, coisas como ficar no colo, andar no colo, ser alisado... Revidam com arranhões e mordidas, coisa que a Chica fazia desde a mais tenra idade. Ou seja eu vivia arranhada, as pessoas me olhavam na rua como se eu fosse uma viciada ou garota de rua, hahahaha.  

Alem de morder e arranhar a mão que o alimenta, o gato também destrói o seu habitat, faz isso sem consciência, pois deseja mesmo é afiar suas unhas. Passada a fase de adaptação, nos damos muito bem, ela fica sempre em cima da minha tela do computador, dorme entre as minhas penas, fica deitada no encosto do meu sofá, é uma verdadeira companheira.  

Minha mãe superou seu problema com animais, já ouvi ela cantando uma musiquinha pra Chica comer de manha, as duas dormem juntas depois do almoço, ou seja são melhores amigas. Alias a única pessoa que a Chica não morde ou arranha é a minha mãe.

 

*

 

O Diabo veste Vermelho?

 

Estava na fila do banco, era 15 pras 16 horas, quando senti um leve toque no meu ombro, me virei pra ver quem me chamava, era um homem nem feio nem bonito, vestia um terno vermelho sangue, camisa e gravata pretas, notei também que seus sapatos estavam muito bem lustrados.

Apenas falou: - Venha comigo. E se afastou em direção a um corredor escuro que nunca tinha visto no banco.

Fiquei alguns segundos questionado se deveria ou não seguir um ser tão estranho, mas a minha curiosidade foi mais forte, e acabei indo.

 

No final do tal corredor, uma porta estava entre aberta, e dela saia uma fumaça espessa. Por esta porta entrei numa sala onde o tal homem de terno vermelho me aguardava sentado numa mesa com enormes pilhas de folhas nos mais diferentes tons de vermelho, algumas pastas amarelas e pretas. Pediu que eu sentasse, e disse: '- Chamei você aqui para negociar.' Então entrou uma mulher toda de preto com uns papeis para que o homem de vermelho assinasse. Enquanto isso fiquei imaginando uma maneira de fugir dali, pois não estava querendo negociar nada, e afinal negociar o que, minha alma, minha vida? Foi então que notei que a porta por onde havia entrado tinha desaparecido juntamente com a mulher de preto.

Quando voltei a atenção ao homem, ele me entregou uma folha de papel vermelha com uma serie de coisas escritas em letras extremamente miúdas, ilegíveis até mesmo com uma lupa.

Questionei o que era aquilo, respondeu que era o documento padrão da empresa.

Documento padrão para vender almas, era o contrato com o diabo, nos tempos de hoje até ele está precavido, pensei.

Foi então que reparei uma coisa no homem de vermelho, ele estava de crachá, e no crachá estava escrito 'Gerente'.

Diabo coisa alguma era o gerente do banco querendo negociar a minha adesão ao cartão de crédito.

 

*

 

Táticas masculinas ou coisas ridículas que os homens fazem.

 

É surpreendente as coisas que os homens conseguem formular nos seus diminutos cérebros para conseguir com que a mulheres lhe dêem atenção ou algo mais.

A gama de promessas, ofertas e frases clichês esta cada vez maior e cada vez mais absurda. Alguns fazem convites pra viagens ou festas que não acontecem, dizem que vão dar presentinhos, e sempre tem aqueles que se mantém fieis aos clichês que fazem juras de amor.

Já o publico feminino se divide entre as que mantêm a ingenuidade e acreditam fielmente no que os caras dizem pra conquistar como sendo a mais pura e sincera verdade e tem aquelas que simplesmente riem, por acharem divertidíssimo o cinismo e as manobras que os caras fazem pra impressionar suas ‘presas’.

Essas são mais cínicas que os homens, pois fingem acreditar naquilo que estão ouvindo, já as ingênuas são as eternas sofredoras, inconformadas com a sua sina de ‘atrair caras canalhas’.

O problema principal é que as cínicas não são cínicas 100% do tempo, então as vezes elas são ingênuas. E pra sorte das ingênuas, o cinismo brota em algum momento no seu intimo, enfim conseguindo aproveitar o que é apenas mais uma noite, sem o martírio do dia seguinte.

 

*

 

EMPREGOS

 

Trabalhar é uma arte, quem agüenta um chefe pé no saco 5 dias por semana é um santo. Particularmente tive apenas 2 empregos na minha vida, e os dois como estagiaria do Estado. Ser estagiaria em algo estatal é um martírio, primeiro por que ninguém lhe explica o serviço, segundo o seu chefe provavelmente vai ser algum boçal que ganhou o carguinho as custas de favores eleitorais, geralmente ilegais. 

Ahhh é o salário, uma miséria. O melhor de tudo é que nunca fui demitida, sempre me demiti, pretendo manter essa premissa durante a minha vida profissional, descontente com seu trabalho? Demita-se! Vá assistir sessão da tarde e reclamar que não tem grana pra sair final de semana.(até rimou)

Mas vamos ao que interessa, ao bizarro. Nesta ultima eu estava indo pro centro quando passei pela sex shop que tem aqui perto de casa e pensei: 'Deve ser muito massa trabalhar de balconista numa sex shop!'

Partindo desde pensamento ínfimo comecei a desenvolver uma lista com os empregos bizarros que eu gostaria de exercer algum dia, e talvez até exerça, vamos a eles:

-Balconista de Sex Shop

-Passeadora de Cães

-Recepcionista de Funerária

-Aquela pessoa que fica pondo os filmes pra passar no cinema (quem souber o nome dessa profissão me escreva)

-Advogada de Grupo Ambientalista

-Jurada em Show de Calouros

Por enquanto só pensei nessas, umas são bem bizarras outras nem tanto, mas são profissões e como diz o ditado O Trabalho Enobrece o Homem. Bom quem sabe um dia eu agüente permanecer mais de 9 meses num emprego.

*