Cartas do Leitor ZH - 19 e 20/08

Cartas de minha autoria publicadas e ou respondidas por" Zero Hora"  



 Sobre ZH - 19/08/2006


Zero Hora tem de decidir como pretende tratar o ditador comunista da ilha de Cuba. Na edição de 14 de agosto, na contracapa, chama Fidel Castro de ditador. Na matéria da mesma edição, se refere a Raul Castro como presidente em exercício. Desde quando o tampão de um tirano, como Raul, pode ser tratado como presidente? Se Fidel é ditador na contracapa, deve sê-lo ainda na página 23. Ou o texto foi finalizado por editores diferentes (um contra a ditadura de Castro e outro mais "simpático") ou ZH leva mesmo às últimas conseqüências o lema "a vida por todos os lados" . O interessante é que na mesma página uma outra nota chama peremptoriamente Alfredo Stroessner de ditador do Paraguai, o que no texto sobre Fidel não aparece uma única vez. Para mim, isto é o que os americanos chamam de "bias".
Luís Afonso A. Assumpção
Engenheiro - Porto Alegre




Manipulada
Foto: Adnan Hajj/ZH
Cartas ao leitor - 20/08/2006
- Em nenhum momento da cobertura do conflito Israel x Hezbollah obtive qualquer informação em ZH sobre dezenas de casos de fraudes fotográficas (Reuters), fotos posadas por militantes do Hezbollah abusando das vítimas em Qana (AP) - reclama o leitor Luís Afonso Assumpção, de Porto Alegre.

Caro Luís Afonso,

Sua carta permite esclarecer os critérios de ZH sobre fotografia. Condenável eticamente, a manipulação de imagens não é novidade na cobertura de guerras. Com a facilidade permitida pelo computador, porém, ela se tornou mais comum.

A imagem citada, feita pelo fotógrafo libanês Adnan Hajj, mostra as conseqüências de um bombardeio israelense na periferia de Beirute. Com o auxílio de um programa de computador, Hajj alterou a foto (Veja comparação nas fotos, manipulada esq., original dir.) para mostrar uma fumaça mais intensa subindo dos prédios atingidos. A agência de notícias Reuters, que contratou os serviços de Hajj, só descobriu a distorção da imagem depois de ela já ter sido transmitida para centenas de jornais.

ZH não publicou a foto porque não assina o noticiário da Reuters. Durante a cobertura da guerra, eram despejados nos computadores da editoria de Mundo pelo menos 600 textos diários sobre o conflito. Infelizmente, é uma escala muito grande de informação para o espaço limitado nas páginas do jornal.

No caso específico, abrimos mão de noticiar uma fraude que não foi publicada em ZH para ceder espaço a outras informações de maior relevância jornalística, como a dor das vítimas dos bombardeios tanto do lado israelense quanto do lado libanês.

É importante salientar também que, segundo o Manual de Ética e Estilo da RBS, "os veículos da RBS não manipulam ou distorcem imagens ou áudio no todo ou em parte".
Por fim, vale destacar que imparcialidade é uma preocupação permanente de ZH. Tanto que, no caso específico da crise no Oriente Médio, ZH foi o único jornal brasileiro a enviar o mesmo profissional aos dois lados da guerra. Como repórter que permaneceu 17 dias no Oriente Médio, cobrindo o drama de israelenses e libaneses, posso lhe garantir, caro leitor, que a guerra é feia dos dois lados.

Um abraço. Rodrigo Lopes, editor assistente de Mundo e enviado especial à região do conflito
Para participar

E-mails com perguntas podem ser enviados para leitor@zerohora.com.br  No e-mail devem constar nome completo, número da identidade e telefone para contato.