Uma mãe como Maria

Mensagem para o dia das mães

Nas igrejas de Cristo, bem como nas igrejas evangélicas em geral há muito reparo em falar de Maria. Dizem que é coisa de Católicos e não devemos menciona-la. Alguns crêem que  estamos promovendo doutrina Católica. A verdade é que eles elevaram a virgem a alguém mais importante que Jesus Cristo.   Fizeram dela a medianeira entre Deus e os homens e isso não é correto. Devemos vê-la pelo que era: uma mãe muito dedicada de nosso Salvador.

Ainda que alguns Católicos o neguem, dizendo que Cristo é seu mediador, eis aqui algumas passagens do livro "As glorias de Maria" cujo escritor foi Alfonso Liguori. Tudo o tiramos do capítulo “Maria, nossa mediadora”. Diz assim o livro da igreja Católica:

•    Maria, a mais fiel mediadora da salvação.
•    Ela é a escada ao paraíso, a porta ao céu, a verdadeira mediadora entre Deus e os seres humanos
•    No há criatura que haja recebido qualquer graça de Deus exceto pelas mãos de Maria    *

O Catecismo da igreja Católica, parágrafo 969, afirma que “Maria é uma mediadora”. Também dizem que “ascendeu ao céu e continua fazendo intercessão por todos”. (470 DC)
 
Em contraste, a Bíblia declara que há um só mediador                                                            "Porque há só um Deus e só um mediador entre Deus e os homens, Jesus homem, quem deu sua vida como resgate por todos" (1 Timoteo 2:5,6).

Lamentavelmente, muitos de nossos irmãos, ao falar de Maria, começam a defender o que a Bíblia diz a respeito de que não era, que jamais sabemos quem foi.  Não é esse o aspecto de Maria que queria enfatizar e sim o de mulher fiel e de mãe carnal de Jesus. Há muito que aprender sobre como ser una mãe extremosa com Maria, da mesma forma que há muito que aprender como ser um bom pai com José.

Como há muita especulação e fabricação de quem foi Maria e o que fez, que é difícil limitar-se tão somente ao que diz a Bíblia. Mas nós não iremos alem do livro sagrado.

1. Maria foi uma adolescente fiel
Era costume da época prometer as filhas na adolescência. Os padres de Maria e os de José se reuniram e decidiram entre eles que os dois deveriam unir-se em matrimonio. Vemos através da Bíblia que esse era o costume da época, como ainda é assim em paises com Índia e outros. Os noivos tinham muito pouco que dizer quanto a isso. Aceitavam a decisão dos pais e ponto final.

2. Maria enviuvou muito cedo
Em Lucas 9 encontramos Jesus dentro de uma casa abarrotada de gentes, ensinando o evangelho. Quando lhe levam a noticia de que sua mãe lhe procurava, mencionam só “tua madre e teus irmãos”. Deduzimos que José já tinha falecido, caso contrario estaria com eles. Com muita dificuldade Maria criou seus filhos e acabaram sendo Jesus Cristo, o Salvador, e Santiago, o grande evangelista e escritor do Novo Testamento.

Provavelmente o que Maria e seus filhos queriam fazer era proteger Jesus de uma situação vergonhosa. Aqueles dias Jesus tinha-se proclamado o Messias e talvez a presença de Maria e de os irmãos de Jesus era para que ele lhes acompanhasse de volta a casa  “deixasse de ilusões de Messias”.

As vezes cremos como Maria que nossos filhos são um caso perdido só porque não se comportam como esperamos. As vezes por detrás de um filho problemático se esconde um grande artista ou um grande pregador. Não devemos jamais perder as esperanças de que Deus tem um plano para nossos filhos. Sei que no queremos que eles sofram, mas às vezes é necessário para que amadureçam.

O motivo mais provável porque Maria e seus filhos procuravam a Jesus foi que ela era viúva e necessitava de seu apoio como filho mais velho. Provavelmente Cristo começou seu ministério aos 30 anos porque teve que trabalhar, ajudar sua família na ausência de José, seu pai carnal.
 
3. Maria uniu-se ao movimento de Cristo
Há muito pouca informação sobre Maria e menos ainda de José nua Bíblia. Isso nos leva a crer que Deus em sua sabedoria não incluiu muitos dados sobre os pais carnais de Cristo porque o propósito dos evangelhos é o de informar-nos sobre Cristo, o Filho de Deus e não dos pais ou avós de Cristo.
 
4. Era uma serva humilde
Ao receber a noticia de que seria o instrumento utilizado por Deus para trazer o Salvador ao mundo, ainda um pouco inquieta com a noticia, Maria disse humildemente: “Eis aqui a serva d Senhor; faça-se comigo conforme a tua palavra”. Isto nos lembra um pouco a reação de Samuel quando Deus chamou-lhe: “Eis me aqui, Senhor, envia-me a mm”.

Deus sempre procurava, como seus servidores verdadeiros, pessoas humildes como Maria, a fim de que Jesus e os apóstolos levassem a cabo seus propósitos. Os arrogantes e orgulhosos, embora preparados academicamente, não estavam preparados para que Deus lhes usasse em qualquer missão.

Em muitos casos, somos pessoas infelizes porque quando recebemos o chamado de Deus para algum propósito nos recusamos. É lógico que se dizemos não a Deus, por que então ele dirá sim a nossas orações e petições? Deus nos prepara para uma missão e depois, ao chegar o momento de entregar-nos à mesma damos escusas e não o fazemos. Será por isso que há tantas necessidades não supridas em nossas igrejas? Porque alguns fomos chamados disseram a Deus que não.
 
5. Era uma serva gozosa
Ao encontrar-se com Isabel, outra pessoa usada por Deus para fazer o que para nós era impossível, Maria não pode conter sua felicidade, por ser escolhida por Deus para que o nosso Salvador viesse ao mundo. Quando estamos explodindo de gozo normalmente cantamos. A felicidade e o gozo põe cânticos em nosso coração e lábios.

Seu cântico a Deus, conhecido como o “Magnificat” exalta ao Criador (v.46-56):

    a. O poder de Deus contrasta com a pequeninice e humildade da sua serva

    b. O poder de Deus inclui a misericórdia a seus servos

    c. A gravidez de Maria era para ela uma benção
 
6. Era uma serva corajosa
Embora seu estado de gravidez estivesse bem adiantado, não hesitou ao ter que viajar provavelmente em lombo de burro para cumprir com seu compromisso com o governo da época. Apesar que fosse muito incomodo e arriscado viajar em seu estado de gestação, Maria confiava em Deus que ele iria cumprir o que tinha prometido. A estas alturas, Maria e José já tinham casado. 

7. Era mãe de filhos corajosos
“Por seus frutos serão conhecidos”. Estas foram palavras de Cristo para identificar falsos profetas. Creio que os filhos podem identificar quem são seus pais. Ninguém confronta os inimigos da fé cara a cara como fazia Tiago, possivelmente o segundo filho de Maria. Tiago confronta os que se reuniam, adoravam e tinham convívios, pero que no faziam obras. “A fé sim obras é morta”, escreveu enfaticamente o irmão carnal de Jesus. “A língua é um membro mortal”, nos recorda Tiago. Os ricos opressores da época foram condenados por Tiago, como foram também os que ensinavam a parcialidade a eles. De certa forma como quem queria salvar seu povo do poder de Satanás, Tiago escreveu com paixão e desprendimento. Em tudo isto vemos as pegadas de Maria, talvez uma viúva, criando seus filhos como instrumentos de Deus para o que o Criador pudesse levar adiante seus propósitos no mundo.

8. Maria não era superior a Cristo
Há pouca informação sobre Maria e José na Bíblia. Isso nos leva a crer que Deus em sua sabedoria não incluiu muita informação sobre os pais carnais de Cristo porque o propósito dos evangelhos é o de informar-nos sobre Cristo, o filho de Deus e não de elevar seus pais ou avós.

Nas festa de casamento de Caná, lugar onde (conforme Juan 2), Cristo fez seu primeiro milagre, vemos a importância de Cristo nas palavras de sua própria mãe: “Façam tudo o que ele disser” (v.5) Cristo era superior a tudo o que os judeus consideravam importante:

Em Hebreus, o escritor utiliza vários versos para demonstrar que Cristo era superior a três seres adorados pelos judeus. Por exemplo:
    a.) Os anjos eram emissários de Deus para levar sua Palavra. Era superior aos anjos porque “...a qual dos anjos disse Deus jamais: "Tu és meu Filho; eu hoje te gerei" E outra vez: "Eu serei seu Pai, e ele será meu Filho" (Hebreus 1:5)

    b.) Era superior a Moisés. Deus fez mais milagres  através de Moisés que qualquer outra pessoa exceto Jesus Cristo. Só Moisés é chamado de “manso”, a palavra  que caracterizava a Jesus Cristo. Porém, Moisés não foi obediente como foi Jesus Cristo. Em vez de falar à rocha, conforme instruções divinas, provocou Deus a ira por sua desobediência, e como castigo não permitiu que ele entrasse na Terra Prometida. (Heb. 3)

    c.) Era superior aos sumo sacerdotes. Os sacerdotes eram os únicos que podiam entrar no santo dos santos para prestar sacrifícios a Deus. Porém, os sacerdotes, alem dos sacrifícios pelos pecados alheios, tinham que fazer também o mesmo por seus pecados. Jesus jamais cometeu pecado. Jesus é superior a todos! (Heb. 5)
 

Conclusão: Maria exemplivicava Proverbios 31                               

 10. Uma esposa exemplar; feliz quem a encontrar! É muito mais valiosa que os rubis.
11    Seu marido tem plena confiança nela e nunca lhe falta coisa alguma.   
12    Ela só lhe faz o bem, e nunca o mal, todos os dias da sua vida.
13    Escolhe a lã e o linho e com prazer trabalha com as mãos.   
14    Como os navios mercantes, ela traz de longe as suas provisões.   
15    Antes de clarear o dia ela se levanta, prepara comida para todos os de casa, e dá tarefas às suas servas.   
16    Ela avalia um campo e o compra; com o que ganha planta uma vinha.   
17    Entrega-se com vontade ao seu trabalho; seus braços são fortes e vigorosos.
18    Administra bem o seu comércio lucrativo, e a sua lâmpada fica acesa durante a noite.
19    Nas mãos segura o fuso e com os dedos pega a roca.   
20    Acolhe os necessitados e estende as mãos aos pobres.   

(Para voltar ao site "Sermões e seminários" favor clicar aqui: www.luisseckler.blogspot.com