Seja forte e valente

 Ler Josué 1:6-9          

Há  pouco tempo aconselhei a um jovem que tinha que fazer vários serviços públicos como parte do castigo por uma multa que recebeu por dirigir sob a influencia do álcool. Ele pensava que lhe era impossível cumprir com o que a lei exigia dele. Depois de escuta-lo choramingar por uns minutos, e sem nada mais que dizer-lhe, finalmente lhe sugeri que enfrentasse tudo como homem.
    Isso foi mais ou menos o que disse Jeová a Josué, um homem jovem, que estava para encarregar-se de uma empresa muito importante para o povo de Deus. É que Moisés, o legendário líder do povo de Deus, tinha morrido. Sim, havia partido ao Pai aquele a quem Deus usou para tirar seu povo da escravidão egípcia,  o mesmo que tinha liderado e intercedido pelos israelitas durante quarenta anos e que suportou-os pacientemente apesar de suas queixas frequentes.
    Ao escolher o Josué, Jeová sente que aquela posição de líder de 660.000 israelitas era para ele uma grande responsabilidade. É por isso que Jeová lhe repete três vezes que Josué fosse “forte e valente” (Josué 1:6-9). A decisão caía totalmente sobre os ombros de Josué quanto a continuar ou não o que Jeová lhe havia instruído. Só assim Deus poderia prosseguir com o que tinha planejado para seu povo. Josué aceita o desafio e decide seguir o mandamento de Jeová de ser “forte e valente”. Então Deus cumpre com sua parte dando o que faltava a Josué para cumprir com sua missão.
    Jeová explica a Josué que ele também deveria dedicar-se a Lei de Deus e nela meditar dia e noite. O livro de Deus seria o “mapa” que lhes levaria a terra prometida. As Escrituras Sagradas seriam a bússola para o seu caminho. Jeová exorta Josué para que não se desvie delas porque seguindo suas instruções seria bem sucedido. Gostaria de ressaltar que, assim como Josué, todos os que seguem o que diz as Escrituras vencerão.

E.    Paulo da um conselho semelhante a Timóteo
    Timóteo, um jovem evangelista que estava temporariamente em Éfeso, andava desanimado a ponto de adoecer pelos grandes problemas com os membros da igreja daquela cidade. Quando Timóteo estava quase para acenar a bandeira branca e dedicar-se provavelmente a uma profissão secular, Paulo lhe escreve dando-lhe esta exortação: “Portanto, você, meu filho, fortifique-se na graça que há em Cristo Jesus.” (2 Timóteo 2:1).

    Olhem que Paulo, seguindo o exemplo de Jeová instruindo a Josué, não lhe diz que logo iria onde ele se encontrava para resolver seus problemas, não. Paulo diz que Timóteo tinha que tomar a decisão de “esforçar-se” para poder levar a cabo a obra de Deus. Logo diz-lhe que escolha presbíteros e diáconos que lhe auxiliariam na obra.
    Paulo, em sua segunda carta ao jovem evangelista, também lembra-o que a obra de Deus não é para covardes, ao escrever essas palavras: “Pois Deus não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio.” (2 Timóteo 1:7). O mesmo Espírito que viveu no  coração de Timóteo agora habita no coração do cristão atual.
    Parece que aqueles conselhos de Paulo, deram ao jovem pregador Timóteo o incentivo que necessitava para não desistir e continuar seu ministério. Desde então aquela igreja tomou um rumo diferente.
    Falando com um irmão no Brasil faz algum tempo, ele disse-me que dos quarenta irmãos que se formaram na escola de pregação junto com ele, só dois ainda pregavam. Os outros tinham sucumbido ao desanimo e já não estavam trabalhando no ministério da palavra de Deus. Alguns até chegaram ao ponto de abandonar completamente a fé.

O desanimo é arma de Satanás
    O desanimo é uma arma de Satanás, talvez a mais poderosa para desviar o obreiro de Deus de sua missão. Desde o momento em que permitimos que a mensagem negativa de Satanás e de seus demônios se apodere de nossa mente, estaremos destruindo algo precioso plantado pelo Espírito Santo em nosso coração: o sonho de pregar a Palavra de Deus. As vezes o pregador chega ao desanimo porque não consegue agradar a todos os membros da igreja que serve. Agradar a todos e ao mesmo tempo pregar a Palavra, é algo impossível de fazer.

É bom ter em mente as palavras de Pedro: “Pedro e os outros apóstolos responderam: "É preciso obedecer antes a Deus do que aos homens!” (Atos 5:29).
    Outras vezes o que causa o desanimo é a suspensão do sustento a um pregador/missionário por uma igreja colaboradora. Infelizmente algumas igrejas americanas se dedicam a obra missionária só quando lhes sobra dinheiro no orçamento. As estatísticas constatam que um mísero 8.6% do orçamento das igrejas dos Estados Unidos são usados na obra missionária. É necessário ajudar devidamente as igrejas pequenas e pobres para que possam ser auto-suficientes. Porém, como a economia dos Estados Unidos se encontra em estado precário seria preferível ter como meta a independência econômica, ou seja que cada igreja mantenha seu pregador.
   
Sinto muita compaixão pelos pregadores que vivem isolados, longe de outras congregações. Esses irmãos não podem intercambiar idéias ou compartilhar sua dor com outros pregadores. Eles, assim como Paulo no fim de sua vida, só tem a Deus. Por isso é que animamos aos irmãos a participar dos seminários que lhes sejam possível, para poder conviver com seus colegas de ministério e receber animo para continuar na luta.

F.    Perfeição na fraqueza
    Paulo, para provar sua categoria de ser humano, pede encarecidamente ao Senhor para que lhe cure porque seu problema de saúde lhe estorvava sobremaneira. Alguns comentaristas opinam que Paulo tinha problemas visuais muito sérios, provavelmente sofria uma forma severa de oftalmia, que é uma inflamação da córnea. Baseado nos comentários de Gálatas 4:13-15; 6:11, talvez sua doença fosse resultado da luz resplandecente e a visão do Senhor, que resultou no apóstolo ficar cego a caminho da cidade de Damasco. Depois de pedir e implorar ao Senhor, Paulo nota que existia algo mais importante na vida que a saúde: servir a Cristo. Eis aqui o que diz o apóstolo sobre a debilidade, apos muito pedir ao Senhor:

“Mas ele me disse: ‘Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza’. Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim”. (2 Corintios  12:9).

    Se somos fortes quando somos fracos, quer dizer que a fraqueza nos faz depender mais do Senhor e menos de nós. Devemos esforçar-nos muito para não esquecer do Senhor quando somos fortes. Se não for assim, seu poder jamais se aperfeiçoará em nós. No há no reino de Deus lugar para os auto suficientes nem para os arrogantes. Todos devemos humilhar-nos, admitindo nossa qualidade de pecador perdoado, para que Deus nos exalte.

G.    Não fomos abandonados
    As vezes cremos que estamos sozinhos em nosso sofrimento. Nos esquecemos que apesar de que Jesus Cristo esteja à destra do Pai, enviou seu Espírito para amparar-nos e consolar-nos a todo momento. O apóstolo João sabia que o desanimo seria uma constante na vida de cada cristão, principalmente os que se dedicam à pregação e a fazer discípulos de seus membros. Por isso escreveu estas poderosas palavras que nos enchem de esperança e poder:

“Se vocês me amam, obedecerão aos meus mandamentos.   
16    E eu pedirei ao Pai, e ele lhes dará outro Conselheiro para estar com vocês para sempre,    17    o Espírito da verdade. O mundo não pode recebê-lo, porque não o vê nem o conhece. Mas vocês o conhecem, pois ele vive com vocês e estará em vocês.18    Não os deixarei órfãos; voltarei para vocês.” (João 14:15-18).

    Ser órfão é ser uma pessoa sem pais. Ser órfão não é uma benção. Ser órfão é lutar sem cessar por encontrar a alguém que se interesse em criar um filho que não é fisiologicamente seu. Ainda que haja bons pais cujos filhos são adotivos, a grande maioria não lhes trata bem.
    Porém, o cristão não é um órfão espiritual, pois Cristo, ao enviar-nos o Espírito Santo, nos dotou de uma grande benção, a de ter a Deus bem perto de nós. O desanimado não nota a presença do Espírito Santo em sua vida. Desconhece como funciona e vive nas trevas da vida tentando fazer tudo sozinho. Uma vez que a obra é de Deus, devemos esperar que o Criador colabore conosco, o talvez seja o contrario: o pregador colabora com Deus.
    O cristão que não nota a presença de Deus em sua vida, está como Moisés quando este estava no Egito. Antes de matar o egípcio que estava torturando o israelita, Moisés olhou a um lado e depois a outro para ter certeza de que não havia ninguém vendo. Porém, Moisés se esqueceu, depois de ter olhado a ambos lados, de olhar para cima. Moisés não estava consciente da presença de Deus naquele lugar.

As instruções de Cristo
    Antes da partida de Cristo ao Pai, o Senhor deixou mandamentos muito bem definidos para que seus discípulos os seguissem. Porem, esse mandamento tem uma promessa que diz assim:

“Então, Jesus aproximou-se deles e disse: "Foi-me dada toda a autoridade nos céus e na terra.19 Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo,20 ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos". (Mateus 28:18-20).

    As vezes não sentimos a presença de Deus porque não estamos cumprindo com este mandamento: Não estamos compartilhando a fé nem fazendo discípulos.
•    Conheço uma congregação em Monclova, México, que está ganhando almas para Cristo todos os meses. Jesus Cristo está com eles.
•    Conheço também vários grupos de cristãos que se reúnem nas prisões de Honduras: cada semana acrescentam pessoas novas a igreja. Jesus Cristo está presente em suas vidas.
•    Conheço também um grupo de irmãos em Matanças, Cuba, que tiveram que ampliar o lugar de reuniões por causa dos novos cristãos. Cristo está com eles.
•    Conheço um ministério nas prisões de Abilene, Texas, onde até Novembro de 2008, batizaram 885 homens. Deus está presente na vida de todos os participantes.

    Ao cumprir o mandamento de Cristo lhe teremos muito perto do nosso coração. A presença de Cristo nos ajudará nos momentos de desanimo e de desespero. Como é que a presença de Deus através do Espírito Santo ajuda o cristão?

H.    O Espírito Santo nos auxilia
    Quando estamos desanimados; quando nos sentimos fracos.  Sentimos como que nosso último amigo nos traiu. Eis aqui, de maneira específica, a ajuda que o Espírito Santo de Deus da aos cristãos batizados. O Espírito Santo nos ajuda:

•    Quando duvidamos de nossa salvação: “porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus” (Romanos 8:14).
•    Quando não podemos orar: “Da mesma forma o Espírito nos ajuda em nossa fraqueza, pois não sabemos como orar, mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis.” (Romanos 8:26).
•    Quando as coisas vão muito mal: “Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.” (Romanos 8:28).
•    Quando sentimos que não somos amados: “...nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.” (Romanos 8:39).
    O Espírito Santo não é algo assim como uma competição onde nos se comparam para ver quem tem mais e quem tem menos. Os que procedem assim dão mais importância aos dons do Espírito que o fruto do mesmo. Não se conhece as árvores por seus frutos? Também o nível espiritual de cada crente se conhece pelo que tem feito ao Senhor e seu povo. O ditado conhecido ainda prevalece:
Durante uma das viagens ao Brasil, notei que um dos irmãos usava uma camiseta com uma inscrição muito significativa nas costas. Dizia assim: “Deus não escolhe os preparados, mas prepara os eleitos”. Quase todos os que passamos por uma época de sofrimento, confiados no poder de Deus, no final sempre há um ministério para cada um.

Ou vi dizer que não se deve orar por épocas sem sofrimento, mas orar para que sejamos pessoas mais fortes. Decide ser forte e valente e Deus te utilizará em seu plano salvador.                            

(Para voltar a "Sermões e seminarios" cliquear aqui: www.luisseckler.blogspot.com