O segundo toque

Marcos 8:22-28

Nesta narrativa Jesus cura a um cego, porém precisa que lhe dê um segundo toque para ficar totalmente curado. Não está implicado aqui que o poder de Cristo era limitado ou que a cegueira daquele homem de Betsaida fosse difícil de curar. Talvez o fez para que os discípulos cressem, desde que nos versos anteriores como é que Cristo podia multiplicar os pães ainda que já os tivesse multiplicado anteriormente na cara deles. Ainda assim, não entendiam.

Também o milagre serviu para que os discípulos soubessem novamente que ele era o Cristo, desde que curar os cegos e mudos era parte da profecia de Isaías sobre o Messias. (Ver 35:5) Logo após ter curado o cego o Senhor faz a pergunta para ver que é que os outros pensavam dele. Pedro faz a confissão de que Cristo é o Messias, o Filho do Deus vivente.

O importante é que o cego precisou um segundo toque do Mestre para poder recuperar a vista. Quantos, de maneira figurada, não precisam um segundo toque para melhorar sua visão? Saulo precisou um toque bem forte quando ia com destino a Damasco para prender aos cristãos. Saulo já era crente e estava convencido de que prender cristãos fosse a vontade de Deus. Igual ao cego, após primeiro toque, Saulo via pessoas como árvores que andavam. Depois do segundo toque Paulo, cujo nome era a forma romana de Saulo, passou a ser um dos grandes lideres do movimento cristão.

Pedro também necessitou de um segundo toque depois de ter negado a Cristo três vezes. Ao ressuscitar, Cristo disse às mulheres que comunicassem a noticia de sua ressurreição aos discípulos e a Pedro. Esse foi o segundo toque para Pedro, quem se transformaria de um simples pescador a escritor e embaixador do reino de Deus.

Os réus precisam de um segundo toque
Conforme estatísticas do estado de Texas, 41% dos réus que saem da prisão, depois de ter cumprido suas sentenças, reincidem e voltam a ser apreendidos. Os que são presos pela segunda vez, se aprendem algo sobre Cristo, este corresponde ao segundo toque. Muitos dos que reincidem se converteram na prisão, porém a vida em liberdade é uma grande tentação para a qual os ex-réus não estavam preparados e assim voltam à vida de presidiários.

Se esse é seu caso, que aproveite o máximo o segundo toque, porque lhe curará espiritualmente. Talvez no primeiro toque, que como o cego da historia, via as pessoas como árvores que andavam. Agora, com o segundo toque recebe a visão necessária para poder resistir os ataques do maligno. Outra estatística diz que os que aprendem algo enquanto estão na prisão já não voltam. Os que permitem que Deus lhes toque pela segunda vez jamais voltam à vida de pecado, separados do Senhor.

Se você está longe do reino de Deus, então precisa um segundo toque para aproximar-se tanto do convívio da igreja como também do coração do Senhor. Se podemos ajudar-lhe na sua vida espiritual, com muito prazer o faremos.