O poder da oração

Ler Mateus 6:5-8

Ao ler o livro de Atos dos apóstolos conhecemos a historia da primeira igreja de Cristo. Desde a vinda do Espírito Santo sobre os apóstolos no capítulo 2  até o final de Atos, encontramos a descrição de una igreja vitoriosa.

Dos  eventos que marcaram historia gostaria de mencionar estes:

    ➢    Três mil conversões no capítulo 2
    ➢    Crentes compartilhando seus bens no capítulo 3
    ➢    Eleição de diáconos no capítulo 6
    ➢    Estevão, o primeiro mártir, morreu triunfante no capítulo 7
    ➢    A conversão de um antigo perseguidor da igreja - Paulo, no capítulo 9
    ➢    A conversão de um centurião - Cornélio, o primeiro gentio, capítulo 10
    ➢    Pedro escapa milagrosamente da prisão - capítulo 12
    ➢    De perseguidor da igreja a missionário - Paulo em sua primeira viagem, cap. 13
    ➢    Paulo e Silas oram e cantam hinos na prisão e o carcereiro se converte, cap. 16
    ➢    Al estar preso, Paulo testifica sobre Cristo às autoridades Romanas  capítulos 21 em diante
    ➢    Paulo vai a Roma e de lá escreve as cartas que passaram a ser parte do cânon cristão até, hoje capítulos 27 em diante.

Em tudo isso vemos uma grande atividade e muita energia que parecia estar presente na igreja do primeiro século e quase ausente em nossas igrejas atuais. Em vez de ser os pioneiros do evangelho em todo o mundo, por nossa fraqueza, somos pouco mais que caseiros de nossos templos.

Que é o que necessitamos para um reavivamento?
Lucas, o escritor de Atos, descreve com uma economia de palavras as atividades da primeira igreja. Em Atos 2:42 encontramos estas palavras:

    Se mantinham firmes na doutrina dos apóstolos, na comunhão, no partir do pão e na oração. 

Podemos comparar a igreja atual à descrição do verso acima para ver quanto nos assemelhamos à igreja primitiva:

    a) Se mantinham firmes na doutrina dos apóstolos...
De todas as igrejas que conheço (que não fazem parte do Movimento de Restauração), as Igrejas de Cristo de todo o mundo tem um grande amor e zelo pelos estudos bíblicos. Desde a infância preparamos nossos filhos e seguimos durante toda nossa existência estudando e escudrinhando a Palavra de Deus.
 
    b) ...na comunhão...
Creio que também estamos bem com respeito aos convívios tanto a nível congregacional como a nível universal. Nos agrada estar reunidos para estudar ou para comer juntos. Na benevolência, as igrejas de Cristo dos Estados Unidos ajudam os irmãos de todo o mundo. Também as igrejas da Espanha tem ajudado aos cristãos em México, Guatemala, El Salvador, Cuba e outros paises. Os irmãos de México se ajudam mutuamente, algo evidente durante as inundações do estado de Chiapas. Quanto à comunhão, nossas igrejas são sui generis.

    c) no partir do pão...                                                                                                   Comparando às outras igrejas de fora de nossa irmandade, as igrejas de Cristo são as únicas que com regularidade comem o pão e tomam da Ceia do Senhor. A celebramos tanto em nossos templos, como de casa em casa, o em qualquer lugar donde membros da Igreja de Cristo se reúnem. Nós não necessitamos, como em outras igrejas, esperar até a Páscoa para tomar a cena do Senhor. Partir o pão é também uma maneira de dizer: "Estudemos juntos a Palavra de Deus".

    d) ... e na oração.
Creio que aqui é onde muitas igrejas tem fraquejado, pois a oração em nossas igrejas e em casa são mais uma formalidade que uma necessidade. Como vocês se sentiriam se fossem meus hospedes por uns dias e eu só lhes falasse alguns segundos pela manhã no café, outros segundos ao comer e talvez de noite antes de dormir? Vocês se sentiriam ofendidos? Acho que sim. Da mesma maneira nosso Deus deve entristecer-se pela falta de comunicação com ele através da oração.

Os apóstolos e a oração
No capítulo 6 de Atos, onde lemos a narrativa da instituição dos diáconos, nos aprendemos também a ordem de prioridade dos apóstolos. O verso 4 diz simplesmente isto: "Assim nos dedicaremos em cheio à oração e ao ministério da palavra". Todos sabemos o importante que era para eles o ministério da palavra. Mas nos esquecemos que, conforme sua justificação por escolher os diáconos  se dedicariam à oração e à pregação da Palavra. E a isso se dedicaram:

    ➢    En seguida a sua conversão, ainda antes de recobrar a vista, Paulo se dedica à oração           (Atos 9).

    ➢    Cornelio, antes de sua conversão, orou por muito tempo até que Deus mandou a Pedro para batizar-lhe e a todos de sua casa (Atos 10)

    ➢    Em Jope encontramos a Pedro em oração a Deus quando recebe instrução divina quanto aos  gentios (Atos 10)

    ➢    Enquanto Pedro estava na prisão toda a igreja estava orando por ele (Atos 12)

    ➢    Paulo estava  no templo orando quando recebeu instruções de Deus sobre sua viagem missionária (Atos 13)

     ➢    Nos evangelhos lemos muitas vezes que Cristo, depois de um dia cheio de atividades, despertava bem cedo para orar ao Pai. O Senhor não podia esperar o convivio com o Pai era a primeira coisa que fazia ao começar um novo dia.

A igreja de Cristo atual quase não ora
Alem das orações que fazemos os domingos e durante a semana, quando nos reunimos, no há tanto ênfase na oração como no primeiro século. Estudamos sobre a oração, pero no oramos. Pregamos sobre a oração pero no dedicamos tempo para falar com Deus. Lutero disse certa vez estas palavras: "Estarei tão ocupado este dia que terei só dos horas para orar". Ao visitar o Brasil no ano passado participei da inauguração de um templo da igreja de Cristo na cidade de Curitiba com capacidade para 700 pessoas. Na semana seguinte foi inaugurado outro prédio em Brasília com a capacidade para 500 pessoas. Haviam quatro prédios grandes em construção no Brasil este ano. Como pode o Brasil, uma obra que começou nos anos 60's ter quase 200 igrejas e quase 20.000 membros? Há muita obra evangelistica no Brasil mas, para mim, isso é o resultado da obra de um irmão falecido, que era de estatura baixa chamado Antenor Medeiros ou “Antenorzinho” que se levantava às 4:00 da madrugada para orar pela obra da igreja no Brasil.

Porque é que não oramos?
Creio que não oramos porque interpretamos mal a passagem de Mateus 6:8 que diz: "...porque seu Pai sabe o que vocês precisam antes de que o peçam". Nossa dedução é que, se Deus já sabe o que precisamos, porque orar? Se cremos num Deus que sabe de tudo, é obvio que sabe também o que precisamos. Porém, isso não nos exime da obrigação de orar. No Novo Testamento há 60 versos que nos mandam que oremos.

Talvez oremos mas não cremos que Deus nos concederá o que lhe pedimos, pois, cremos que o Senhor tem muito mais que fazer que ocupar-se com uma pessoa como eu. Porém, Pedro diz que não é isso. Em 1 Pedro 5:7 o apóstolo aconselha o seguinte: "Lancem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês". Devemos confiar tudo a Deus em oração.

Não temos porque não pedimos
Há no livro de Tiago uma frase curta que encerra uma grande verdade e que diz simplesmente: "Não temos porque não pedimos" (4:2b). É uma pena que temos a nosso alcance todas as bênçãos espirituais (Efesios 1:3), e ao mesmo tempo passamos necessidades, nossos filhos passam privações simplesmente porque não pedimos a Deus por nossas necessidades.

Há a estória do homem que durante toda sua vida economizou para poder comprar um bilhete de navio para ir a um cruzeiro. Durante o cruzeiro o homem assistiu os espetáculos a bordo, gostou dos portos que visitaram, porém, na hora de comer se fechava em seu quarto e comia pão e banana. Ao terminar a viagem, como é de costume, o capitão espera na porta de saída para despedir-se dos passageiros. Ao despedir-se daquele homem, lhe pergunta que ele achou da viagem. O homem lhe responde que tudo foi muito bonito, mas que no próximo cruzeiro trará mais dinheiro para poder comer dos banquetes que servem a bordo. O capitão lhe explicou que ao comprar o bilhete tinha direito de comer dos quatro banquetes diários servidos no navio. Creio que nós podíamos regalar-nos com os banquetes espirituais em vez de viver só de "pão e banana" espirituais.

Temos que confiar em Deus
E se pedimos, as vezes não confiamos em Deus o suficiente, não cremos que ele é capaz de conceder-nos a bênção que queremos. Cristo pede que confiemos nele para a preparação do lar celestial (Juan 14:1 ). Também devemos confiar em Deus quando lhe pedimos algo, pois que adianta orar e não ter a confiança de que Deus nos escute e nos responda? Às vezes, quando não recebemos a bênção conforme pedimos, em vez de satisfazer nossa vontade, Deus nos da sua paz (Filipenses 4:6 y 7), o que é superior a toda necessidade que temos no momento. Outras vezes, quando estamos dispostos a ser más positivos, Deus nos da sua presencia (Filipenses 4:9). Pero nunca saímos com as mãos vazias quando oramos a Deus e confiamos nele.

Conclusão:
Um amigo, quando seus filhos eram menores jogavam um jogo. O pai pegava algumas moedas na mão e punha seus filhos no colo. O propósito do jogo era fazer com que meu amigo abrisse sua mão. Os rapazes faziam de tudo para que seu pai abrisse sua mão. Logo os meninos agarravam as moedas e ficavam com elas. Pulavam do colo ao chão e saiam triunfantes, cheios de felicidade.

Isso era só um jogo para meninos pequenos. Mas as vezes nos dirigimos a Deus intentando ganhar umas moedinhas de pouco valor. Lhe pedimos um emprego, ou que nos cure de alguma doença o algo parecido, ou seja, coisa pequena e quando ele nos  concede empurramos sua mano.

Más importante ainda que as moedas na mão de Deus, é a mão de Deus mesma. Esse é o verdadeiro significado da oração.

(Para voltar ao site "Sermões e seminários" favor clicar aqui: www.luisseckler.blogspot.com )