Intimidade com Deus

 

     4 Uma coisa pedi ao SENHOR; é o que procuro:
         que eu possa viver na casa do SENHOR todos os dias da minha vida,
         para contemplar a bondade do SENHOR
         e buscar sua orientação no seu templo.
   
    5 Pois no dia da adversidade ele me guardará protegido em sua habitação;
         no seu tabernáculo me esconderá
         e me porá em segurnça sobre um rochedo.
   
    6 Então triunfarei sobre os inimigos que me cercam.
         Em seu tabernáculo oferecerei sacrifícios com aclamações;
         cantarei e louvarei ao SENHOR.
   
    7 Ouve a minha voz quando clamo, ó SENHOR;
         tem misericórdia de mim e responde-me.
   
    8 A teu respeito diz o meu coração: Busque a minha face!
         A tua face, SENHOR, buscarei.
   
    9 Não escondas de mim a tua face,
         não rejeites com ira o teu servo;
         tu tens sido o meu ajudador.
         Não me desampares nem me abandones,
         ó Deus, meu salvador!
   
    10 Ainda que me abandonem pai e mãe,
         o SENHOR me acolherá.
   
    11 Ensina-me o teu caminho, SENHOR;
         conduze-me por uma vereda segura
         por causa dos meus inimigos.
   
    12 Não me entregues aos capricho dos meus adversários,
         pois testemunhas falsas se levantam contra mim,
         respirando violência.
   
    13 Apesar disso, esta certeza eu tenho: viverei até ver a bondade do SENHOR na terra.
   
    14 Espere no SENHOR.
         Seja forte! Coragem!
         Espere no SENHOR.  (Salmos 27:4-14)

Nosso Deus não tem uma sociedade de amigos íntimos. Somos tão íntimos o quanto queremos ser.

Uma escritora cristã, Marlene LeFever, escreveu um livro chamado: 100 maneiras de fomentar nossa aproximação de Deus.

Aqui estão as primeiras 10:
1. Ensine a um menino de idade pré-escolar a cantar uma canção a respeito de Cristo.
2. Escreva uma carta a Deus louvando-O por tudo o que Ele faz.
3. Leia a biografia de um missionário ou pregador do passado.
4. Chegue à igreja 10 minutos antes. Passe o tempo orando a Deus para que todos sintam Sua presença durante o cultol.
5. Cante um hino a Deus; preste atenção nas palavras.
6. Memorize um capítulo da Bíblia.
7. Faça anotações durante o sermão. No domingo à tarde, leia o que anotou e responda: “O que é que Deus quis me dizer esta manhã? Que resposta Deus espera de mim pela mensagem que ouvi?”
8. Ore diariamente por alguém que não lhe agrade.
9. Comece um estudo bíblico com seus vizinhos, ou abra sua casa para esse propósito.
10. Escreva uma carta de amor a Deus.

Leia o Salmo 27

Davi começa confirmando quem é Deus e o que representa para ele. A resposta é: esperança, salvação e proteção. Davi tinha tudo o que precisava. Não o conseguiu ele mesmo, mas recebeu, sim, tudo da bondosa mão de Deus.

Contudo, Davi expressa que tinha um desejo, o qual era o mais importante para ele: habitar na casa de Deus. No verso 4, Davi diz que amava o que Deus havia feito por ele e queria mais.

Casamentos provisorios                                                                                                                  Li um artigo, em um jornal cristão, intitulado: “Casamentos para começar”. Fala de casais que se casam muito jovens, não têm filhos, nem a esperança de que seu casamento dure toda a vida. Assim como quando compramos o primeiro carro e temos a esperança de que um dia, ao melhorarem as finanças, compraremos um carro melhor, esses jovens esperavam encontrar outra pessoa que lhes fosse mais conveniente, e então fazer a troca. Lastimavelmente, isso é assim, mas é só no casamento que duas pessoas podem ter a oportunidade de crescer emocionalmente. 

Nesses casamentos provisórios não há intimidade, porque tampouco há segurança. Sem segurança, o parceiro ou a parceira não se fazem vulneráveis e não abrem seu coração um com o outro.
Davi declara que sua vontade de habitar na casa de Deus não era “para começar”. Ele não diz: “Habitarei na casa de Deus enquanto eu quiser”. Não, seu compromisso era para todo o sempre.

João 14:23 diz: “Respondeu Jesus: ‘Se alguém me ama, obedecerá à minha palavra. Meu Pai o amará, nós viremos a ele e faremos morada nele’.”

Hospedagem provisoria                                                                                                           Alguma vez você já visitou a casa de alguém que lhe fez sentir-se incomodado? Depois de uma cirurgia muito séria, pela qual minha esposa passou em um hospital de Dallas, passamos a noite na casa de uns amigos, antes de voltarmos para a cidade onde moramos. As pessoas eram muito amáveis, mas as camas muito duras e a casa muito fria. Ambos sentimos falta do nosso lar e, no meio da madrugada, fomos embora. Não lhes acordamos quando saímos, e só telefonamos quando estávamos já na metade do caminho para a nossa cidade. Ainda que tenhamos saído sem nos despedirmos, nos desculparam já que minha esposa estava muito incomodada por conta da cirurgia e desejava muito chegar em casa.

Sempre que saio de viagem me hospedo em hotéis. Mas, certa vez, para economizar, hospedei-me na casa de uns missionários conhecidos. Durante a noite não podia dormir, porque o bebê deles chorava sem parar. Desde então, raramente fico em casa de amigos; prefiro o quarto de um hotel. Assim, se não estou cômodo, procuro outro hotel. Mas, no caso de Davi e da casa de Deus, o compromisso era total e para todo o sempre.

Com Deus nada é provisorio                                                                                                    Sempre é seguro confiar no Senhor. Às vezes pensamos que, se formos muito bons, alguém nos enganará; mas isso não acontece com Cristo. Sua casa é um lugar onde todos nós somos bem vindos (lemos em João 14 que Cristo está preparando nossa morada no céu).

Jesus Cristo não nos decepcionará. Ao saber que o Mestre está preparando um lugar para nós, isso nos faz desejar o céu. Na casa de Deus ou na presença do Senhor, poderemos desenvolver uma comunhão íntima com ele. E isso é pelos seguintes motivos:

1. Para aprender de Deus (v. 4). Davi disse que seu desejo era ver a beleza do Senhor e procurá-lo em seu templo. Ou segundo diz a mensagem: “…para contemplar a bondade do SENHOR e buscar sua orientação no seu templo”.

Davi sabia que uma visita curta não bastaria. Precisava aprender muito de Deus, para continuar expandindo seu entendimento e conhecer sua vontade.

2. Para adorar a Deus (v. 6): “...cantarei e louvarei ao SENHOR”.
Davi queria louvar a Deus. Todos nós sabemos que Davi era músico e que, com sua música, muitas vezes aliviou a depressão do rei Saul. Também era cantor e cantava com gosto. Ao viver na casa do Senhor, Davi adoraria a Deus pelo resto de sua vida.

Paulo concorda com esse pensamento ao dizer aos Romanos: “Portanto, irmãos, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês” (Rm. 12:1).

A adoração e o conhecimento do Criador resultam em intimidade com ele.

3. Para orar a Deus (v. 7): “Ouve a minha voz quando clamo, ó SENHOR; tem misericórdia de mim e responde-me”.

Davi via a oração como uma maneira de pedir a Deus piedade e misericórdia. Estar com o Senhor e iniciar uma conversa, é bem melhor do que somente mencionar uma lista de necessidades, como normalmente se faz nas orações. Orar a Deus vai mais além do que pedir e agradecer. Orar a Deus é conviver com o Criador. Como pai, não gostaria que meus filhos somente chegassem perto de mim para pedir-me alguma coisa. Não me importa que peçam, sem dúvida, prefiro muito mais conviver com eles que somente dar-lhes algo que me pedem.

4. Para obedecer a Deus (v. 11). Aqui está o último compromisso de Davi nessa passagem que diz: “Ensina-me o teu caminho, SENHOR, conduze-me por uma vereda segura por causa dos meus inimigos”.

Davi parece dizer a Deus: Assim que eu saiba o que fazer, começarei minha jornada. Mantenha-me no caminho que me leva ao Senhor.

O grande pregador da antiguidade, Carlos Spurgeon, disse que nossas visitas na casa de Deus devem ser reuniões inquisitivas, nas quais perguntamos qual é a vontade de Deus e como obedecê-la. Parece, com freqüência, que perguntamos a Deus qual a sua vontade e logo dependemos das pessoas para sabermos como obedecê-la.

Um dos versos mais suscintos a respeito da intimidade de Deus encontra-se em João 14:21, e diz assim: “Quem tem os meus mandamentos e lhes obedece, esse é o que me ama. Aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me revelarei a ele”.

Se quero compartilhar os segredos de sua promessa, então optarei por manter uma vida pura. Essa decisão de ser íntimo com Deus afetará os livros que leio, aos filmes que assisto, a música que escuto e os programas que vejo pela televisão. Viver em sua presença alterará o rumo da minha vida, mudando minhas atividades e minhas amizades. Minha maneira de falar e meus atos deverão ser para dar honra e reverência ao nome santo de Jesus Cristo.

Se desejamos ter:
1. Uma chuva de bênçãos
2. Mais confiança em Cristo vivo
3. A plenitude do Espírito Santo

Conseguiremos se:
•    Aprendermos
•    Adorarmos
•    Orarmos
•    Obedecermos

Existem mil e uma maneiras de chegarmos perto de Deus. Podemos passar o resto da vida estudando todas as maneiras ou podemos fazer algo por Ele. A decisão é de cada um, se quer ou não manter a aproximação com Deus. A oração, o estudo e o uso da Palavra de Deus são para auxiliar os necessitados: tudo colabora para que nos aproximemos mais de Deus.
Podemos iniciar com qualquer uma das quatro disciplinas que listamos acima (aprender, adorar, orar, obedecer), porém o importante é que estejamos prontos a começar

Qual será o resultado? A promessa de Deus é maravilhosa:

Os versos 13 e 14 dizem que veremos a bondade do SENHOR
         na terra.
   
Sigamos as palavras do salmista, que assim nos exorta:
         Espere no SENHOR. Seja forte! Coragem!
         Espere no SENHOR.

Perguntas para meditação:

    1. Que quer dizer “ter intimidade com Deus”?

    2. Você conhece alguém que viva perto de Deus?

    3. Qual é a parte da oração de Cristo em que ele fala de seus discípulos e de todos os que nele crêem? (João 17:25-26)

    4. O que Davi pediu ao Senhor no início do Salmo 27?

    5. Vamos com ou sem vontade ao culto da igreja aos domingos?

    6. O que podemos fazer para sermos mais íntimos com Deus?

    7. Se mal conhecemos a Deus, como podemos confiar a ele nossas vidas?
   
(Para voltar ao site "sermões e seminários" favor clicar aqui: www.luisseckler.blogspot.com   )