A vida com Deus

Enfrentando a vida com a ajuda de Deus

    1 Deus é o nosso refúgio e a nossa fortaleza,
         auxílio sempre presente na adversidade.
    2 Por isso não temeremos, ainda que a terra trema
          e os montes afundem no coração do mar,
    3 ainda que estrondem as suas águas turbulentas
         e os montes sejam sacudidos pela sua fúria.
    4 Há um rio cujos canais alegram a cidade de Deus,
         o Santo Lugar onde habita o Altíssimo.
    5 Deus nela está! Não será abalada!
         Deus vem em seu auxílio desde o romper da manhã.
    6 Nações se agitam, reinos se abalam;
         ele ergue a voz, e a terra se derrete.
    7 O SENHOR dos Exércitos está conosco;
         o Deus de Jacó é a nossa torre segura.
    8 Venham! Vejam as obras do SENHOR,
         seus feitos estarrecedores na terra.
    9 Ele dá fim às guerras até os confins da terra;
         quebra o arco e despedaça a lança;
         destrói os escudos com fogo.
    10 Parem de lutar! Saibam que eu sou Deus!
         Serei exaltado entre as nações, serei exaltado na terra.
         (Salmos 46:1-10)
Li, há pouco tempo, a história do pior dia da vida de um menino chamado Alexandro (Alex era seu apelido) de uns 7 ou 8 anos de idade. Alex teve um de seus piores dias, quando tudo deu errado, foi de mal a pior, e nada deu certo.

Por exemplo, ao acordar, Alex lembrou-se de que, na noite anterior, dormiu com um chiclete na boca, e aí então percebeu que o tal chiclete estava grudado em seus cabelos. Ao levantar-se da cama, tropeçou em um de seus brinquedos; em seguida, deixou cair seu suéter na pia com água corrente. Logo declarou com desgosto: “Sabia que hoje seria um dia horrível!”

Depois, Alex foi para a escola, e as coisas não mudaram. Após as aulas, teve uma experiência horrível no consultório do dentista. Tentou assistir algo na televisão, mas somente tinha novelas que ele não entendia nem gostava.

Quando foi tomar banho, a água estava muito quente, e ainda por cima entrou sabão em seus olhos. Ao deitar-se, soube que seu irmão mais velho estava com o seu travesseiro predileto. E a lâmpada do seu quarto, que ficava acesa toda noite, tinha queimado. Depois disso, ainda mordeu a língua, e o gato decidiu dormir com seu irmão e não com ele. Em resumo, aquele foi o pior dia de sua vida. Alex pensou que, se tivesse outro dia igual, fugiria para a Austrália...

Alguma vez você já se sentiu assim? Com certeza que sim. Quase todos nós temos dias de ansiedade e tensão, e necessitamos aprender como enfrentá-los. Aconteceu comigo coisa semelhante, segunda-feira passada, que foi dia de descanso. Saí de manhã cedo para buscar uns companheiros e jogarmos tênis. Não encontrei nenhum. Comecei a jogar sozinho, contra a parede, e como fazia muito tempo que eu não jogava, machuquei as costas. À tarde, minha esposa pediu-me que mudasse de lugar um vaso de barro que parecia pesar meia tonelada. Ao levantá-lo, perdi o equilíbrio e meu pé direito bateu em outro vaso do jardim; em poucos segundos eu estava no chão. Machuquei os joelhos e os braços. Os joelhos estavam tão machucados que mal podia me vestir. Como tinha machucado também as costas, não a podia dobrar e nem dobrar os joelhos escoriados. Era um grande problema mover-me, já que nem os joelhos nem as costas estavam flexíveis. Aquele foi um dia muito difícil para mim.

Enquanto leio as Escrituras, não encontro uma fórmula instantânea para o crescimento espiritual. Há muitos que o estão buscando. Crêem que, com uma oração ou algo parecido, podem transformar-se, imediatamente, de cristão imaturo para gigante espiritual. Mas não é tão fácil. O crescimento nós conseguimos através de provas, dificuldades, enquanto tentamos viver a vida cristã.

Faz poucos anos, Tomas Hobbs, um sociólogo da Universidade de Washington, e alguns de seus colegas publicaram uma pesquisa a respeito do stress humano. Listaram várias experiências em comum, avaliaram seu impacto no bem estar tanto mental como emocional, e calcularam a quantidade de stress que produziam. A esse cálculo de stress chamaram “Unidades de Mudança de Vida, ou UMV’s”. Quanto pior o stress calculado, mais alto os UMV’s.

Por exemplo, divorciar-se é equivalente a 73 UMV’s. Gravidez é 40 UMV’s. Reformar uma casa é 25 UMV’s. O stress da época do Natal é calculado em 13 UMV’s. E a lista continua, com tudo sendo calculado em UMV’s.

Várias coisas nos estressam: saber que um amigo, talvez da mesma idade nossa, está morrendo com câncer; ou ir ao médico e saber que há algo preocupante na radiografia; ou quando nossos filhos crescem e se mudam; ou quando vendemos a casa e nos mudamos para outra cidade; ou ainda quando perdemos o emprego ou nos aposentamos. Todas essas coisas são porcentagens consideráveis de Unidades de Mudança de Vida.

Somos, constantemente, bombardeados pelos UMV’s, e a conclusão do sociólogo foi a seguinte: se, no espaço de tempo de um ano, passarmos por um total de mais de 300 Unidades de Mudança de Vida, alguns não poderão suportar. Concluíram que, se passássemos por tantos UMV’s em um ano, que a maioria das pessoas teria um colapso mental ou físico porque, falando do ponto de vista humano, não é possível enfrentar tantas mudanças. Mas perceba que eu disse “do ponto de vista humano”; e quero enfatizar a palavra “humano”, porque nossa confiança em Deus faz uma grande diferença.

Com isso em mente, leiamos o Salmo 46. Este salmo foi escrito, evidentemente, em meio a essas circunstâncias. Seguramente, muitas vezes o salmista deve ter sentido que estava sob imensa pressão e não podia sair. Ao tentar sair dessa situação, escreveu as palavras do Salmo 46.

O primeiro verso diz assim: ”Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações.”(edição ARA). A palavra “tribulações” em hebraico significa “pressões”. O autor, portanto, sentia-se pressionado por algo. Quando estamos sob pressão, buscamos alívio em um salmo como este, por causa do grande consolo e ajuda significativa que nos traz.

Quando o grande reformador Martinho Lutero estava cercado por inimigos, leu este salmo e, imediatamente, compôs o grande hino “Que grande fortaleza é o nosso Deus”. Lutero conheceu o grande poder de Deus, daquele que nunca tinha falhado. Não importa o que aconteça no mundo, ainda encontramos a fortaleza e o poder de Deus.

Gostaria de fazer um resumo do Salmo 46 e tratá-lo com mais detalhes em três partes, a saber:

Os versos de 1 a 3 tratam das mudanças da natureza, e diz o salmista: “Por isso não temeremos, Deus é meu amparo e minha fortaleza; mesmo que o mundo ao meu redor trema, eu não temerei”.

Os versos de 4 a 7 falam das mudanças que acontecem na sociedade. O salmista diz: “Não me moverei. Ainda que nações se destruam e a sociedade se deteriore eu não me moverei porque Deus é meu refúgio e minha fortaleza”.

Finalmente, nos últimos versos (8 a 11), parece que o salmista se tranqüiliza, depois de tudo o que vê na sociedade e na natureza, ao dizer: “Não deixarei que a ansiedade arruíne a minha vida. Tranqüilizarei-me, transformarei minha vida, me dedicarei a fazer a vontade de Deus.”.

1. Não temerei!
Retornemos aos versos de 1 a 3 que dizem: “Deus é o meu amparo e fortaleza, nosso auxílio está nas tribulações. Portanto não temeremos, ainda que a terrra seja removida”. Temos a impressão de que o salmista conhecia as notícias dos jornais científicos atuais. Existem muitas inquietações no nosso mundo atual. Durante os últimos vinte anos, tremores cresceram em número assombroso. Geólogos apontam a brecha de San Andrea e predizem que, um dia, uma boa parte da Califórnia afundará no Oceano Pacífico. Dizem que, na costa do Pacífico, os vulcões estão a ponto de erupção.

Isso sem falar dos furacões que golpeiam a costa centro americana, paralisando cidades inteiras; sem contar com as secas que arruínam a terra, impossibilitando a agricultura, mais as inundações que destroem pontes e lares. Foram tantas as catástrofes dos últimos cinco anos que alguns perguntam: “O que está acontecendo com o mundo atual?”

Mas, como cristãos, como devemos reagir a tudo isso? Diz o salmista: “Não terei medo. Meu Senhor ainda controla os ventos e as ondas dos mares e todos os elementos da natureza. Portanto, não temerei. Deus é meu refúgio e minha fortaleza.”

2. Não me comoverei!
Agora vejamos os versos de 4 a 7 que dizem assim:: “4 Há um rio cujos canais alegram a cidade de Deus, o Santo Lugar onde habita o Altíssimo. 5 Deus nela está! Não será abalada! Deus vem em seu auxílio desde o romper da manhã. 6 Nações se agitam, reinos se abalam; ele ergue a voz, e a terra se derrete. 7 O SENHOR dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é a nossa torre segura!”.

Aqui está uma descrição de todas as nações em conflito, reinados que se acabam e grandes mudanças que acontecem a todo o momento. Bastante semelhante aos dias atuais.

Para alguns de nós um pouco mais velhos, ao ler essa passagem, pensamos no cativante Elvis Presley. Ele começou trabalhando como chofer de caminhão, ganhando salário mínimo. Em seu tempo livre, fez uma gravação que pareceu atraente ao promotor da RCA Victor. Elvis não demorou em ser um cantor de fama mundial. Quando Elvis morreu, um grande número de pessoas foi até a cidade de Memphis, no estado de Tennessee, onde o sepultaram. Cinco toneladas de flores foram enviadas ao funeral. As pessoas enchiam as ruas apenas para ver seu caixão passar. Elvis disse certa vez: “Daria um milhão de dólares por uma semana de paz”. Gravou uma canção, que parecia descrever sua vida, intitulada: “Tudo agitado” (do original em inglês: "All shook up".)

O mesmo acontece com o mundo. A humanidade parece estar em decadência. Mas nós os cristãos não necessitamos acompanhá-la. Podemos nos manter firmes, porque Deus é o nosso refúgio e nossa fortaleza; porque Jesus Cristo é o rei dos reis e o Senhor dos senhores. Cristo é o mesmo hoje, e o será amanhã e eternamente. E nós os cristãos nos manteremos fortes e fiéis, comprometidos em servir aos demais como se estivéssemos servindo a Cristo.

3. Não terei mais ansiedades!
Então, parece que o autor respira fundo, olha para as mudanças pelas quais passou e reflete nelas com essas palavras (8-9): “8 Venham! Vejam as obras do SENHOR, seus feitos estarrecedores na terra. 9 Ele dá fim às guerras até os confins da terra; quebra o arco e despedaça a lança; destrói os escudos com fogo”. 

No verso 10 está assim: “Saibam que eu sou Deus! Serei exaltado entre as nações, serei exultado na terra”.

Sabe o que o autor está dizendo? Diz isto: “Em meio a tudo isso decidi que não preencherei minha vida com ansiedades”. Por quê? Porque “Deus é meu refúgio e minha fortaleza”.

Será que nos esquecemos de como relaxar? Quando foi a última vez que você se sentiu livre de preocupações? Quanto tempo faz que você não sai para passear a tarde, somente para ver o sol se por? Ou há quanto tempo você não lê um capítulo da Bíblia, orando a Deus, sem interrupções?

Certa vez, participei de um seminário onde, ao entrar, me tomaram o celular e o relógio; e somente me devolveram no final, três dias depois. Não tive alternativa a não ser concentrar-me nos temas apresentados. Às vezes é importante sair da rotina.

Alguém disse que há três palavras que resumem nossa vida na época atual: ficamos preocupados, com pressa e ansiosos. Já é tempo de levarmos o salmista a sério quando diz: “Saibam que eu sou Deus!”.

4. Três grandes verdades
Há três verdades que podemos tirar deste Salmo:

•    Deus está sempre perto e pronto a nos ouvir. Deus sempre nos escutará. Talvez não responda imediatamente, mas responderá. Deus sempre está interessado em nos escutar sempre que o chamamos. Talvez alguns dos nossos problemas sejam levianos e outros mais sérios. O Senhor nos escutará sem exceção. Falem com ele!

•    O poder de Deus é maior do que qualquer coisa deste mundo. É maior que as tempestades, tremores ou vulcões. Não há poder maior. O poder de Deus é suficiente para que sejamos vitoriosos sobre nossos inimigos. Diz o salmista: “Deus é meu refúgio e minha fortaleza em tempos difíceis.”. Portanto, não tema e peça o seu auxílio.

•    A ajuda de Deus funciona mesmo quando não há nada que possamos fazer. Está fraco? Acha que há muita ansiedade em sua vida e está para explodir? Sempre espere a ajuda de Deus.

Conclusão:  

Se você está aqui sem Deus e sem Cristo como seu Senhor e Salvador, saiba que o Senhor quer que você se aproxime dele e aceite seu amor; que se entregue a ele pelo processo de salvação que inclui: fé em Cristo como o Filho de Deus; arrependimento, que é uma mudança de vida; e o batismo, para perdão de seus pecados e para receber o Espírito Santo de Deus. Que Deus abençoe sua decisão.

Perguntas para meditação:

    1. Como vivem as pessoas que não têm a Deus?

    2. Como vivíamos antes de conhecer a Deus?

    3. O que é necessário fazer para saber quem é Deus?

    4. Quem é o refúgio e a fortaleza do salmista?

    5. Como podemos ajudar a Deus a auxiliar os demais?

    6. Por que é que a geração atual não busca a ajuda de Deus?
 

(Para voltar ao site "Sermões e seminários" favor clicar aqui: www.luisseckler.blogspot.com  )