A FOTO


Os psiquiatras, Vano e Fribia, aguardavam na expectativa de que a portadora de esquizofrenia, Dilli, de nove anos de idade, se manifestasse sobre a foto que tinha em mãos. Dizendo tratar-se de uma velha. O Dr. Vano, fitando sua colega de profissão, retirou das mãos da garota a foto, afagou-lhe os cabelos e deixaram a enfermaria. Minutos depois, se encontraram num prédio anexo, precisamente no quarto 505, ocupado por Resuli Tanhados, uma jovem de 17 anos de idade.

-É uma moça atraente! Tão bela e jovial quanto na foto. - disse a Dra. Fribia, fitando-a.

-E por que Dilli insiste em dizer que ela é uma velha? - questionou o Dr. Vano.

A enfermeira que cuidava da paciente, fazendo-se presente, cumprimentou-a, e ambos foram conversar, sentando-se a uma discreta mesa da cantina.

-Como Dilli teve acesso à foto? - indagou a Dra. Fribia, após degustar um gole de café.

-Resuli me ofertou. Respondendo à pergunta, devo dizer-lhe que Dilli costuma remexer nos bolsos do meu jaleco. Lançando mão da foto, observou...

-Que era ela uma velha.

-Sim.

Conversou a Dra. Fribia:

-Resuli já foi submetida a todos os exames possíveis e disponíveis. Os resultados sempre são normais. E você, estranhando a si mesmo, tecla na suspeita de que ela possa estar sofrendo de encosto espiritual.

-Tecla que só você é ciente.

-Fique sossegado. - garantiu.

O Dr. Vano aproveitou para dizer que Resuli pertencia a uma família rica, a diária do quarto que ocupava tinha um custo elevado.

-E o seu nome corre mundo afora como o melhor da psiquiatria.

-E não da umbanda ou algo do tipo.

-E o que deseja de mim? - quis saber a Dra. Fribia.

-Ajuda. Dilli, com a sua mente distante vê na foto uma senhora, algo que a fotografia nada deixa transparecer.

A Dra. Fribia, após tragar o café, pensativa, perguntou como os pais de Resuli acompanhavam o tratamento da filha.

-De perto. Torcem pela recuperação da profunda depressão em que ela se encontra.

-... Está lembrado de que lhe falei sobre a disponibilidade do meu tempo?

-Falou sim. Leve um sanduíche de atum; é saudável.

À noite, a Dra. Fribia telefonou para ele se prontificando em assessorá-lo.

-Qual será a tática? - quis saber o Dr. Vano.

- Alan Kardec. Apresente-me aos pais da jovem Resuli, como sua assessora médica, estudiosa, em genética familiar. Pretendo obter fotos femininas de parentes. Tão logo sejam obtidas, você mostrará a Dilli.

Uma semana depois, havia três senhoras em fotos diante de Dilli.

-A velha. - disse Dilli apontando para uma das fotos.

Os doutores Vano e Fribia se entreolharam.

-A velha. - voltou a dizer Dilli apontando para a mesma foto.

-É a senhora Neirete. Falecida há cinco anos em um acidente automobilístico. - explicou a Dra. Fribia.

Dr. Vano e ela recolheram as fotos, deixaram a enfermaria e foram se acomodar junto a uma discreta mesa da cantina daquele pavilhão.

-E agora? - perguntou o Dr. Vano, mexendo o café que havia levado para a mesa.

-Prosseguiremos com a experiência. Marque uma reunião com os pais de Resuli. Não se esqueça de que a presença da avó é indispensável.

-Por quê?

-Você verá... O meu conhecimento médico não conseguiu destruir isso de mim. Existem coisas que, de fato, beiram à tolice. Contudo, existem outras cujos acontecimentos devem ser observados com cuidado.

O Dr. Vano, ao iniciar a reunião, na residência dos Tanhados, solicitou aos mencionados participantes que tivessem um pouco de compreensão com o que ouviram. Assim sendo, ardil, omitiu a palavra, supostamente, e disse que o mal que Resuli sofria, respectivamente, filha e neta, provinha da falecida senhora Neirete.

-A minha finada irmã! – afirmou a avó de Resuli, batendo no braço da cadeira.

A senhora Risoli, mãe de Resuli, pedindo melhores esclarecimentos ao Dr. Vano. Olhando para a colega, disse que Resuli sofria interferência daquela senhora.

-Como assim? Pois, até onde sei, fora ela uma pessoa saudável. - disse a senhora Risoli.

-Saudável sim! Mas, espiritualmente, perturbada. Ora, Risoli, você sabe que a minha irmã tinha algo de ruim dentro de si. – replicou a avó de Resuli.

-O senhor nos diz... - o pai de Resuli.

- Que todos os exames possíveis dentro da área da psiquiatria aos quais Resuli fora submetida, todos tiveram resultados normais.

-E o que o senhor sugere? - quis saber a Sra. Risoli.

O Dr. Vano, mais uma, vez recorreu à colega, dizendo que todas as fotos, bem como todos os pertences da senhora Neirete deveriam ser queimados.

-Então que assim seja feito. - sentenciou a avó de Resuli.

Dias depois Resuli, praticamente restabelecida da profunda depressão, brincava com o seu cãozinho no jardim da residência.