HOMEM VITRUVIANO

autora: anabela quelhas


http://www.youtube.com/watch?v=IN-q3Bj9a_A

O Homem Vitruviano é um desenho famoso que acompanhava as notas que Leonardo da Vinci fez ao redor do ano 1490 num dos seus diários. Descreve uma figura masculina desnuda separadamente e simultaneamente em duas posições sobrepostas com os braços inscritos num círculo e num quadrado. A cabeça é calculada como sendo um oitavo da altura total. Às vezes, o desenho e o texto são chamados de Cânone das Proporções.

O desenho actualmente faz parte da colecção/coleção da Gallerie dell'Accademia (Galeria da Academia) em Veneza, Itália.

Examinando o desenho, pode ser notado que a combinação das posições dos braços e pernas formam quatro posturas diferentes. As posições com os braços em cruz e os pés são inscritas juntas no quadrado. Por outro lado, a posição superior dos braços e das pernas é inscrita no círculo. Isto ilustra o princípio que na mudança entre as duas posições, o centro aparente da figura parece se mover, mas de fato o umbigo da figura, que é o verdadeiro centro de gravidade, permanece imóvel.

O Homem Vitruviano é baseado numa famosa passagem do arquitecto/arquiteto romano Marcus Vitruvius Pollio na sua série de dez livros intitulados de De Architectura, um tratado de arquitetura em que, no terceiro livro, ele descreve as proporções do corpo humano:

  • Um palmo é a largura de quatro dedos;
  • Um é a largura de quatro palmos;
  • Um antebraço ou cúbito é a largura de seis palmos;
  • A altura de um homem é quatro antebraços (24 palmos);
  • Um passo é quatro antebraços;
  • A longitude dos braços estendidos de um homem é igual à altura dele;
  • A distância entre o nascimento do cabelo e o queixo é um décimo da altura de um homem.
  • A distância do topo da cabeça para o fundo do queixo é um oitavo da altura de um homem.
  • A distância do nascimento do cabelo para o topo do peito é um sétimo da altura de um homem.
  • A distância do topo da cabeça para os mamilos é um quarto da altura de um homem.
  • A largura máxima dos ombros é um quarto da altura de um homem.
  • A distância do cotovelo para o fim da mão é um quinto da altura de um homem.
  • A distância do cotovelo para a axila é um oitavo da altura de um homem.
  • A longitude da mão é um décimo da altura de um homem.
  • A distância do fundo do queixo para o nariz é um terço da longitude da face;
  • A distância do nascimento do cabelo para as sobrancelhas é um terço da longitude da face;
  • A altura da orelha é um terço da longitude da face.

Vitrúvio já havia tentado encaixar as proporções do corpo humano dentro da figura de um quadrado e um círculo, mas suas tentativas ficaram imperfeitas. Foi apenas com Leonardo que o encaixe saiu corretamente perfeito dentro dos padrões matemáticos esperados.

O redescobrimento das proporções matemáticas do corpo humano no século XV por Leonardo e os outros é considerado uma das grandes realizações que conduzem ao Renascimento italiano.

O desenho também é considerado freqüentemente como um símbolo da simetria básica do corpo humano e, para extensão, para o universo como um todo. É interessante observar que a área total do círculo é identica 'a área total do quadrado e este desenho pode ser considerado um algoritmo matemático para calcular o valor do número irracional phi (=1,618).

 

 

 

 

O HOMEM COMO MEDIDA DO UNIVERSO
A Quadratura do Círculo, o mais famoso dos três problemas clássicos da geometria grega que se pôs ao homem, juntamente com a duplicação do cubo e a trissecção do ângulo, foi o de, dado um círculo, construir geometricamente um quadrado com a mesma área, e terá sido Enópides de Quios (séc. V a.C.) o primeiro a estabelecer que os meios permitidos na sua execução, se restringissem à régua e compasso.

Leonardo, face a este problema, demonstrou que a figura humana poderia ser inscrita no círculo e no quadrado, figuras geométricas básicas da natureza, segundo inscrições encontradas no tratado “Os 10 Livros de Arquitectura”, do arquitecto romano Marcus Vitruvius Pollio, do séc. I a.C..

Da Vinci acreditava na perfeição da figura humana, associando-a ao centro do Universo. As proporções gerais do homem adequar-se-iam, como um microcosmo, às das formas mais perfeitas do macrocosmo universal, dentro do espírito da doutrina platónica. Leonardo combinou nesta imagem ambas as posições dos membros, deixando como elementos comuns a cabeça e o tronco, ficando a circunferência tangente à base de um quadrado cujo lado é menor que o diâmetro daquela. Este estudo ficou celebrizado como “O Homem Vitruviano”, tornando-se o símbolo universal da humanidade.

 

RECRIAÇÕES DO HOMEM VITRUVIANO