Cavalaria  <>  Lanceiros  <>  PM/PE  <>  Guerra do Ultramar  <>  Vida Militar                     

O tempo dos heróis
«Acabou o tempo dos heróis, dos grandes destinos e dos homens de missão, pois as pessoas não aceitam, não querem nem entendem que a diversidade e a riqueza da espécie dá a uns vantagem sobre os outros, que a inteligência, a lealdade, a criatividade e o esforço estão mal distribuídos. O motto é "sejam iguais uns aos outros". Daí que não se permita a diferença que eleva e dá o exemplo».
in blog Combustões

___

NOTÍCIAS

CONTAGEM SERVIÇO MILITAR - COMBATENTES
O João Henriques Simões da CPM 8240 (Moçambique), advogado em Tomar, alertou-nos para a nova LEI Nº 3/2009 que considera agora mais abrangente na sua aplicação e que «assim se faz justiça àqueles cidadãos que serviram a sua Pátria.»
_______________ 
          

_______________


N.º 29/30 do "Lanceiro",
1.Sumário do
"lanceiro"
2. Notas e memorial a propósito do 
1910 -“O JURAMENTO DE BANDEIRA EM LANCEIROS 2” 
e sobre  a Chapska
 por
Carlos Dias de Almeida       
_______________________

Se a sentinela vir chegar a espada e não fizer soar o corno, de tal modo que o povo não alertou, pedirei contas pelo sangue vertido à sentinela”  Ezequiel, 33, VI


Ao que viemos!      
1. Projectar nesta "folha digital" os trabalhos mais significativos publicados no "Lanceiro" e "lanceiro.com" e também os que entretanto nos cheguem. 
_______________________

  CORREIO       

Ricardo Alçada
Foi com profunda consternação e tristeza que, por intermédio do vosso jornal, tomei conhecimento do passamento (bem como da trágica situação em que tal ocorreu), do Ricardo Alçada, Companheiro do qual me separei, e de quem perdi o rasto, desde 1973, ano em que me retirei de Portugal. Em boa hora o fiz, mais uma vez assim o penso, considerando os infelizes factos e a injusta situação a que o valoroso e sincero Amigo, Ricardo Alçada, foi submetido nos últimos anos da sua atribulada vida (mas muito rica e exemplar, em termos de Lusitanidade),

Renato Pragana

Vai continuando a "digitalizar" o "Lanceiro", mas é pena que se tenha parado e edição em papel.
Luís Teixeira da Mota - CPM 2343

Nº 10 do Lanceiro
Gostaria de saber como posso adquirir o nº 10 da revista Lanceiro para oferecer ao meu pai.
Mota Santos
Cap Inf

CPM 8240
No outro dia estava a pesquisar na internet informações sobre a
CPM 8240 e apareceu o vosso site. Lá tinham várias revistas e uma
delas falava sobre a CPM 8240 e referia que poderiamos adquirir a revista por 2 euros. Gostaria de saber se era possivel adquirir o lanceiro nº17 que era para dar de oferta ao meu pai que pertenceu a essa companhia.
Ana Rita

Hey José Costa
Está bestial.Folgo em ver que voltaste paulatinamente aos assuntos do
Regimento. Ainda bem, isso é sinal positivo de que estás em boa forma.
Continua sempre.
Eduardo Nery - PPM 952

___________________________



 

 

_________________________________________ 

 

___ PORTA D'ARMAS


  Outros capitães...

Cap Mil Cav Faria d'Aguiar Cmdt da CCav 2747 (Guiné)



Cap Mil Ricardo Alçada Cmdt da CCav 2441 (Angola)

 

 

  Heróis Esquecidos
   O Duque da Terceira, o Militar
    por Pedro Teixeira Pinto

_____________________________________________________________

___ EVENTOS

Lanceiro Cadernos Militares Desfile da "coisa militar", em revista!...
Já saiu o n.º 1 dos Cadernos Militares do Lanceiro, 100 páginas,  dedicado à Cavalaria, a Lanceiros, à PM/PE, à Guerra do Ultramar (inclui as CPM´s e PPM´s que serviram em Angola e o nome de todos os seus oficiais) e à historiografia e vida militar. 
À venda na Livrara Barata (5€). Como divulgação envia-se pdf grátis. Pedido para:
jornallanceiro@gmail.com 

_____________________________________________________________
___
PORTA D'ARMAS 

 Figuras do Regimento 
   General Celestino da Silva, o "Rei de Timor"


 O Fantasma do General Patton...
    O fantasma do herói americano da II Guerra  Mundial "revela-se" aos seus compatriotas

 O Declínio da Lança     [29/05/08]
      Os prós e os contras do uso da lança em combate 
     
por
Sarg Mor Cav  Fernando Severino Lourenço

 Meu querido Regimento    [22/05/08]
     Testemunhos de antigos lanceiros

 
O RL2 e o RC7 no 25 de Abril [11/05/08]
      O RL2 foi a última unidade militar a render-se

 O Alerta dos Generais   
      Reflexões de cinco Chefes militares sobre o nosso País
    [15/04/08] 
 Vem Comigo à Guerra do Ultramar   [11/04/08] 
     por Cor Cav António Monteiro da Graça
 ANGOLA 61 - OS PRIMEIROS DIAS DA PM  [04/04/08] 
    Notícias e Sumários  - 15 primeiros n.ºs 
 História da Primeira Companhia de Polícia Militar  em Angola  1961-1963      por João Sena  [19/03/08]    

  
Regimento de Lanceiros 2
    176 anos - Resumo histórico


 Historial do
Batalhão de Cavalaria 345
    Cmdt TCor Cav António Spínola
     por Luiz de Mello Corrêa [29/02/08]
 
 Um Velho Soldado de  Infantaria...
    e a Cavalaria!
 [04/02/08]                            

 Cap Mil Ricardo Alçada Cmdt da CCav 2441
    por Carlos Dias de Almeida        [23/01/08]  
  Os Lanceiros
       Breves subsídios para a sua história

      por Henrique Quinta-Nova, TCor Cav 
        in Lanceiro
n.ºs 6 e 7 de 2000      [26/12/07]
                                       

 Serviram no Ultramar
Primeiras Companhias e Pelotões PM saídas e mobilizadas para Angola pelo RL2, em Lisboa:

 CPM 233
: 08/01/61 a 28/02/63
Cmdts: Cap Cav  Manuel José Martins Rodrigues
Cap Cav Manuel José Magalhães da Cruz Azevedo
Subalternos: Alf Cav José R. Lopes Saraiva, Alf Cav José Pedro Caçorino Dias, Alf Mil Cav João Afonso Cardoso Fiadeiro, Ten Mil Inf António V. Lona Peres (Medalha de Valor Militar c/ Palma) e Ten Mil Inf Alcino da Costa Pina.
 
 PPM 3: 21/04/61 a 28/02/63
Cmdt: Alf Mil Cav João Manuel Nunes e Sena
 PPM 4: 23/04/61 a 28/04/63
Cmdt: Alf Mil Cav Miguel Gustavo Machado Vidal
 PPM 5: 05/05/61 a 04/09/63
Cmdt: Ten Cav Jorge Manuel Cabeleira Filipe
Morto em combate - Medalha de Valor Militar c/ Palma
Alf Art Alberto Jorge Garcia Ribeiro do Amaral
 PPM 8:
03/06/61 a 16/09/63
Cmdt:Ten Cav Jorge  Alberto Gabriel Teixeira
 CPM 150
:15/06/61 a 16/09/63
Cmdt:Cap Cav António Carlos Dias Antunes
Subalternos: Ten Cav Carlos Alberto P. Gomes da Silva, Alf Art Henrique de Deus Corvacho, Alf Mil Cav Renato José Pereira e Alf Mil Cav José Alberto Gouveia Barros

_________________________________________________________________________

Os pontos nos "is" de um combatente
 
O programa “As duas Faces da Guerra” apresentado pela RTP sobre a guerra da Guiné é unicamente uma descarada propaganda ao PAIGC e àqueles que se lhe "colaram".
   As duas Faces eram só uma. Diana Andringa se conseguiu iludir os mais novos não conseguiu, nem nunca conseguirá, enganar os mais velhos, ou seja, os que lá combateram!
   Quem falou? Os fiéis do PAIGC, os seus líderes e alguns nascidos em Portugal que se refugiaram do lado do inimigo! E mais alguns que dão a razão toda a eles e nenhuma ao lado de Port
ugal! Estes, representam-se a si próprios! O programa é faccioso. Tendencioso. Anti-democrata. É uma mensagem "Ditada". Vexatória para Portugal.
   Qual a Face que faltou ?
   Faltou a Palavra das centenas de milhares de SOLDADOS, SARGENTOS e OFICIAIS que cumpriram Honradamente o serviço militar. Que combateram quando era necessário combater. Que construíram aldeias e deram apoio às populações. Que eram seus amigos. Que com dignidade entraram e saíram do combate. Sem, problemas morais. Não fizeram a "guerra pela guerra" nem eram um bando de desequilibrados. Na hora do regresso, o abraço das populações era apertado, emotivo
e sincero! E à altura estava-se em território pátrio onde havia uma bandeira que se "beijava" em juramento! Independentemente do destino que fosse marcado para a Guiné!
   Diana Andringa convive mal com a memória do País. Essas centenas de milhares de SOLDADOS, SARGENTOS e OFICIAIS a quem não "deu voz" não foram para si dignos da mesma! Diana Andringa tem medo dessa voz! A RTP permitiu-se apresentar um programa como este! Condenável serviço ao País!
   A Adriana Andringa, em cujo curriculum se anuncia ser Comendadora da Ordem do Infante, e fazer parte do seu Conselho, relembra-se o Artigo 4º da Lei Orgânica das Ordens Honoríficas Portuguesas: "Defender e prestigiar Portugal em todas as circunstâncias". Aqui se acresce: em termos democráticos!
Jorge Lancastre
Alf Mil da CArt 640, comandada pelo actual Gen Garcia Leandro. Actuou no extremo Norte da Guiné sendo posteriormente encaminhada para o extremo Sul e dividida em dois destacamentos: um em Sangonha (ao lado de Gadamael!) e outro em Cacoca na linha de fronteira com Guiné-Conakry.
- Carta também enviada ao Provedor da RTP.
_________________________________________________________________________
___ NA MIRA

Com um novo grafismo, mas com o interesse habitual a CPM 2343 publicou mais um n.º anual, o
oitavo, do seu Jornal
"Onda 23.43" dirigido pelo seu antigo Cmdt Luís Teixeira da Mota que com o seu saber e entusiasmo pôs todo o pessoal a colaborar incluindo familiares. Descrevem-se "aventuras" passadas, lembram-se os antgos camaradas entretanto falecidos, registam-se os encontros de convívio, 24 consecutivos, e havendo sempre uma palavra acertada no editorial do Teixeira da Mota. Num dos últimos incitava: "Companheiros não se reformem da vida!"

_____________________________________________________________

O Cor Cav António de Spínola com o Alf Mil Cav José Capela da CPM 499 e o Cap Cav Oliveira Martins da CPM 498 à chegada a Lisboa de Moçambique, em 19/Set/1965. [08/05/08] 

RL2 - Monumento aos Mortos do RL2 e do RC7
________________________________________________________________________  ___ LEITURAS

"A Cavalaria na Guerra Peninsular"
«A actuação da Cavalaria Portuguesa na Guerra Peninsular foi marcada pela falta de cavalos, provocado pelo desmontar dos regimentos de cavalaria, e a sua entrega ao exército de ocupação de Junot, no
decurso da Primeira Invasão Francesa.»,
mas
«A partir de 1810, a cavalaria portuguesa entraria num crescendo que a conduziria a momentos da maior glória, por terras de Portugal, Espanha e França, contribuindo para uma vitória decisiva perante a grande potência militar terrestre, tendo o seu ponto alto na extraordinária carga de cavalaria dos regimentos de Cavalaria 1, 7 e 11, durante a Batalha de Salamanca, em 22 de Julho de 1812.» lê-se na contra-capa do recém editado “A CAVALARIA NA GUERRA PENINSULAR”  da Editora Tribuna do Livro.
O Ten-Gen Alexandre Sousa Pinto escreve e coordena a equipa de autores, constituída também pelos cavaleiros Cor Tirocinado José Antunes Calçada e o TCor Paulo Lopes da Silva. Detalhada esta obra tem uma bela qualidade histórica e gráfica.

 Colecção encadernada do Lanceiro
A colecção dos n.ºs 1 a 29/30 do Lanceiro, Jan 1999 a Nov 2007, com 420 páginas de extensa e diversificada matéria redactorial profusamente ilustrada, está à venda em condições especiais para os sócios da AAOL. Encomendas:  jornallanceiro@gmail.com 
_________________________________________

O lanceiro, e nosso colaborador, João Sena apresentou na Biblioteca Municipal do Fundão, de onde é natural, os seus dois romances, escritos com o pseudónimo de Bernardino Louro, cujo enredo se passa na Beira-Baixa e em Angola: "Por Esta Vida Acima" (1929-33) e "Quando as Àrvores Crescem" (1935-1943), Ed. Sete Caminhos, da trilogia "O Caçador das Brumas", a completar em breve, anos 60, nos quais o autor serviu em Angola como Cmdt de um PPM e uma CCav.

O
Gen Silva Cardoso publicou na Prefácio o livro "25 de Abril de 1974 - A Revolução da Perfídia"
-------------------------------------------------------------------------


O Cor Cav Conde Falcão da CPM 8244, artista da fotografia, publicou um livro de fotos suas com poemas do director do Jornal Exército, Cor José Geraldo sob o lema "Ó Mar Salgado....".
_______________________
- O antigo lanceiro, da CPM 1443, Luís Bívar de Azevedo publicou uma monografia sobre "História e Genealogia do Alto Alentejo -Arronches" [30/01/08]
________________________________________________________________________ 
___ Notas de Viagem

MENTE SÃ EM CORPO SÃO
Razão tinham os filósofos da antiguidade clássica quando defendiam que a mente e o corpo devem estar em harmonia para que o indivíduo atinja a plenitude do seu bem estar.

É exactamente por isso que, a minha mulher e eu, nos deslocámos a Londres e aí recebemos uma “transfusão” de saúde e cultura.

Actualmente, uma viajem a Londres, mesmo na TAP, já não é tão cara como outrora. Por outro lado, os hotéis em Londres não são baratos, mas, através da Internet ainda é possível encontrar um bom hotel por um preço razoável.

Gostaria de mencionar o hotel onde ficámos que é o Radison SAS Portman, com uma localização óptima, a 100 metros da Oxford St. E numa praça muito tranquila com um belo jardim. O hotel não é novo, eu já o usava nos anos 80, mas é moderno e está muito bem conservado. Na portaria tem dois empregados portugueses prontos a resolver qualquer problema ou indicar um restaurante ao gosto português.

Falando agora da mente e do físico, nós fomos a Londres para fazer vários exames na famosa London Clinic que foi criada em 1932. Nesta clínica podem fazer-se toda a espécie de exames dos pés à cabeça, com resultados, dependendo dos exames, que estarão prontos em 72 horas se forem feitos a uma 2ªfeira.

Não é barato fazer estes exames, mas, pela eficiência e prontidão compensa o “investimento”.

Nem ao de leve vou abordar o tema referente à diferença entre o atendimento efectuado por estes médicos, na maioria professores de alto gabarito e a maneira como os médicoa portugueses, mesmo os privados, nos atendem.

Através do site  www.thelondonclinic.co.uk   poderão saber tudo sobre esta clínica.

Para finalizar, vamos falar sobre a transfusão de cultura, que se pode receber em Londres. A primeira vez que fui ao teatro em Londres em 1970, fui ver a peça musical “Jesus Christ Super Star”, que chegou há pouco tempo a Portugal. De cada vez que visitamos Londres é obrigatório ver, pelo menos, uma peça de teatro. Desta vez vimos duas, uma comédia “Spamalot”dos Monty Pithon e “Brief Encounter” de”Nöel Coward” (bilhete 35 libras).

Na primeira rimos a bom rir com a graça mordaz dos M.P. Na segunda tivemos o gosto de ver o que de melhor temos visto em teatro, nomeadamente um tratamento novo de uma peça escrita em 1945.

Outro tema que está intimamente ligado à mente e ao corpo é a alimentação. Ainda não há muito tempo, todos os visitantes se queixavam da pobre qualidade da comida inglesa e de quanto saía cara uma refeição num restaurante que garantisse boa comida. Para mim a única safa eram os restaurantes chineses.

Acontece que na actualidade, não só a cozinha inglesa se modernizou e melhorou, como, principalmente, surgiram por todo o lado, óptimos restaurantes franceses e italianos, onde se pode fazer uma deliciosa refeição a um preço razoável. E, melhor ainda, acompanhada com o vinho da casa de boa qualidade, servido num jarrinho ou num copo.

Assim sendo, não há que hesitar. Reserve o seu lugar no avião, escolha o hotel de acordo com o seu orçamento e vá tratar do corpo e da alma.

Boa viagem.
Eduardo Nery                                                                     [29/05/08]

________________________________________________________________________ 

__  E-Mail da AAOL
aaolanceiros@gmail.com

_______________________
_______________________






O Centro de Interpretação da BATALHA de ALJUBARROTA

É possível percorrer aquele que foi o Campo de Batalha de Aljubarrota, em torno da Estrada Nacional n.º 1, a cerca de 2 Km a sul do Mosteiro da Batalha.
Visitas todos os dias, das 10H às 17H30, excepto 2.ªs.
Informações:
http://www.fundacao-aljubarrota.pt/
______________________
Mouzinho de Albuquerque

Pelos caminhos da Honra e da Glória.
Um novo livro sobre o Patrono da Cavalaria,
editado pela Oficina do Livro (200 pág., 14€). 
O êxito militar da captura do Gungunhana e a forma apoteótica como foi recebido na metrópole e nas principais cortes europeias tornaram-no  num dos grandes Homens da sua época.
O autor questiona a sua morte, o suicídio(?), que continua envolta num grande mistério.  Mouzinho é uma figura maior da História de Portugal e do Império.


 

 
10 DE JUNHO
 

Dez de Junho é dia de Portugal.

É dia de Camões, Heróis e Santos

E de Bravos, Audazes e Valentes

- Negros, mestiços ou brancos –

É dia de Orgulho Nacional.

É pois o dia dos Combatentes,

Que na mata ou na picada escaldante,

Cumprindo o seu dever exemplarmente,

Igualaram a epopeia do Infante

Com desvelado amor à Pátria Mãe,

Por quem deram a juventude e o sangue quente

Quando não, em holocausto, a própria vida.

E por isso esta homenagem tão sentida

Que por vossa Honra e Glória aqui nos tem

- Num misto de respeito e emoção -

Pelo exemplo que vós sois em carne viva

Da Raça que fez grande esta Nação.

Se a memória do passado o consente,

Levanta-te Portugal e diz

PRESENTE !!

J. M.Viçoso Caetano

Poeta de Fornos de Algodres

Ex-Oficial Miliciano


 

 

16 de Maio: Comemoração da Batalha de Albuera travada em 16  Maio 1811, durante a retirada do exército de Napoleão da Península, nela participaram forças portuguesas.

___________________________

Almoços das 4.ªs
Realizam-se todas as semanas no Rest. Farol, em Belém (Lx). 
E das 6.ªs feiras
no Rest do IASFA, na R. S. José em Lx (antiga Coop Militar) são mais assíduos os coronéis Ayala Botto e Fernando Ramos, Mota Veiga,  Manuel Sacavém e Teixeira Pedro.

Piquete do "Lanceiro"
Ás 4.ªs (15H30-17H30), no RL2,
___________________________

Fogachadas!...

500
Segundo as estimativas de um ex-embaixador cubano na Guiné-Conacri mais de 500 cubanos combateram, nos oito anos que durou a guerra na Guiné, ao lado do PAIGC, diz-nos o CM de 8/03/08.
As NT feriram e capturaram um capitão cubano.

12%
de mulheres servem nas F.A. espanholas e na Legião são 9%.
_______________________

 Notícias militares
_______________________