Apêndice Documental A

 

'A OPOSIÇÃO PORTUGUESA DEPOIS DA MORTE DE HUMBERTO DELGADO'

  Portolani Books Volume Dois: Misérias do Exílio


INÍCIO      ANTERIOR             SEGUINTE

 

Apêndice Documental  A


A  OPOSIÇÃO PORTUGUESA DEPOIS DA MORTE DE DELGADO1


Este artigo não pretende tratar do problema da revolução colonial nos territórios  portugueses de África. Porém, toda a nossa análise é baseada num postulado: a entrada  em cena das massas africanas e, em particular, das massas angolanas foi o elemento motor que determinou a evolução política dentro de Portugal nestes últimos quatro anos. São as únicas massas populares que, sob o domínio de Salazar, entraram em luta   aberta contra a ditadura. As manobras de todos os grupos políticos portugueses - governamentais, reformistas, oposição de direita ou de esquerda - devem ser compreendidas como reacções das classes privilegiadas de uma nação dominante cuja supremacia é posta em xeque pela “revolução” colonial.

 

O desaparecimento do general Humberto Delgado e da sua secretária Arajarir Campos, em Fevereiro passado, a descoberta dos seus cadáveres semanas mais tarde em Vilanueva del Fresno, perto de Badajoz, favoreceram as especulações mais diversas e mais contraditórias.

Um homem de 59 anos e uma mulher ainda jovem foram selvaticamente assassinados. Os amadores de histórias macabras dão livre curso à imaginação: fala-se de três e mesmo de quatro cadaveres, descobertos num calmo recanto da fronteira portuguesa. Quanto à polícia espanhola, tem sido tão discreta que nem se sabe ainda em que data precisa tomou  conhecimento da presença de Delgado em Badajoz.

Noutras regiões do mundo, mais conturbadas, a morte violenta, o assassínio político, os massacres, são moeda corrente. Mas o carácter aparentemente parado da vida política portuguesa, a passividade e a mediocridade da oposição anti-fascista, dão  relevo impressionante ao fim dramático da única figura exaltante dessa oposição. O militar ingénuo, que execrava os intriguistas e os políticos, acabou sendo vítima de uma conjura cujos instigadores, tal como os executantes, continuam desconhecidos.

Quem tem medo da verdade?

  • Primeira hipótese e a mais evidente: Delgado foi assassinado pela polícia política portuguesa ou pelos ultras do regime, com ou sem a cumplicidade dos serviços espanhóis. A falta de prudência do general, o seu soberano desprezo pelas regras de segurança mais elementares (falava a toda a gente dos seus projectos, exibia os seus passaportes falsos, recrutava para a sua organização as personagens mais duvidosas, mais irresponsáveis, mais indiscretas) faziam dele um alvo ideal para os seus inimigos.
  • Segunda hipótese, que vinha muito naturalmente ao espírito dos anti-comunistas profissionais, é que Delgado fora assassinado pelos seus adversários políticos no seio da oposição anti-salazarista. As suas denúncias impiedosas, os mordentes insultos com que os fustigava, lançaram sérias dúvidas sobre a honestidade moral e política de quase todos os dirigentes exilados. Outras figuras, bem mais ardilosas do que Delgado, foram liquidadas noutros sítios por motivos bem menores.

Os partidários das duas versões calculam que os assassinos montaram uma encenação que comprometesse o campo adverso: os salazaristas teriam morto Delgado, ao mesmo tempo que tentavam responsabilizar os adversários anti-salazaristas do general; os seus adversários tê-lo-iam morto e, por seu turno, acusam os salazaristas.

  • Terceira hipótese: o general foi ‘oferecido’ pelos seus adversários à PIDE e esta assassinou-o. Deste modo, os seus inimigos, ficando com as mãos limpas, conseguiram com uma cajadada matar dois coelhos: eliminar um adversário político e marcar um ponto, no plano da propaganda, contra o regime de Salazar.
  • Finalmente, uma quarta hipótese: o general foi entregue à PIDE pelos seus íntimos, ambiciosos, que queriam tomar o seu lugar, ou, ainda, por agentes da polícia política, infiltrados na sua própria organização.

Os delgadistas admitem, entre si, a hipótese número três, mas a maioria, à parte o seu representante em Marrocos2, considera que é mais oportuno sob o ponto de vista político, publicamente denunciar a PIDE.

A Frente Patriótica de Libertação Nacional (FPLN) começou por dar força à hipótese número quatro. Manteve este ponto de vista nas emissões de rádio, denunciando como principal suspeito o representante de Delgado em Marrocos. Hoje, a FPLN tende a abandonar esta versão, temendo que o argumento que utilize contra os seus adversários políticos se possa voltar contra ela.

Mas tentar aprofundar estas diferentes hipóteses entra no domínio do romance policial. Enquanto não se chegar ao resultado de um inquérito imparcial, a nível internacional, tais especulações só servem para obscurecer ainda mais o contexto político do caso Delgado.

Isso, no entanto, não significa que se deva aceitar a atitude virtuosamente ultrajada dos principais suspeitos, sem interrogações. Que pessoa sensata pode admitir o argumento seguinte, defendido pelos diferentes grupos da oposição: quem quer que seja o culpado, há que acusar a PIDE, a fim de salvaguardar a unidade das fileiras anti-salazaristas?

Não houve nunca unidade nas fileiras anti-salazaristas e quem quer que fosse o assassino, a morte de Delgado é uma consequência directa dessa falta de unidade.

Há que entender  dois pontos importantes. As motivações, os meios de acção e a experiência não faltam, nem aos salazaristas, nem aos adversários de Delgado. A PIDE já matou. O que voltará a fazer, sem dúvida. Quanto a certos militantes do PC de Álvaro  Cunhal, já liquidaram outros membros da oposição e nada prova que não voltarão ainda a fazê-lo3.

Segundo aspecto importante do problema: os três grupos - salazaristas, adversários de Delgado e delgadistas - esforçam-se por manter o silêncio sobre o contexto político do crime. Os partidários de Delgado pensam poder assim esconder a fraqueza da sua organização e a sua própria incompetência. Burilam e retocam, a seu bel prazer, a lenda de Delgado, agora que desapareceu essa personagem incómoda, de reacções imprevisíveis. Os anti-delgadistas tentam, desesperadamente, consertar o mito carcomido de uma oposição democrática unida. Esperam, sobretudo, abafar as terríveis revelações sobre as suas actividades e as suas personalidades contidas numa série de documentos explosivos publicados pela vítima. Esta história complicada, plena de querelas políticas estéreis, de recriminações, de vendetta, tão característica dos grupos de exilados, a poucos mais interessaria do que aos estudantes de Psicologia, se ela não tivesse relações directas com a política actual do regime fascista.

Finalmente, os próprios salazaristas não têm qualquer interesse em que se faça luz sobre os seus assuntos ou sobre os da oposição e, especialmente, sobre a impotência da FPLN. Receiam perturbar o actual equilíbrio de forças, despertando outras forças menos facilmente controláveis.

A operação reconversão

Com efeito, o regime de Salazar prepara-se para realizar a operação mais delicada da sua longa história. Esta operação que, para ser levada a bom termo, exige um clima político pacifico, é a da liberalização do regime, acompanhada do apagamento do ditador. O êxito desta manobra, a instalação de um regime conservador ‘respeitável’ que garantisse às colónias uma certa autonomia, aceitável pela maioria da opinião africana, necessita da canalização do descontentamento para vias pacíficas e verbais tanto na metrópole como nas colónias. Dentro desta óptica, é igualmente necessário para o regime conseguir uma maior docilidade dos grupos de ultras, como os ‘centuriões’, que querem manter o regime custe o que custar.

A conjuntura internacional, o alinhamento cheio de zelo do PCP com a política soviética de coexistência pacífica, têm sido até aos últimos tempos os melhores aliados da classe dirigente portuguesa. Mas as divergências ideológicas no campo socialista e o crescente descrédito da política soviética ameaçam perturbar tão agradável estado de coisas.

Quando Delgado acusou a FPLN e o PCP - que constitui a sua principal força - de cumplicidade táctica com Salazar por causa da sua sabotagem de toda e qualquer tentativa de acção armada contra o regime, sem o saber ele pôs o dedo num ponto sensível - sensível para a FPLN e para o regime. Delgado pensava que os seus adversários se enganavam por incompetência e por cobardia; estava bem longe de pensar que a política deles fazia parte de uma estratégia bem determinada. Porque o êxito da operação reconversão depende, em primeiro lugar, do factor tempo. Muitas vezes evocada nos meios dirigentes, uma tal operação foi sucessivamente adiada, devido à ausência de uma base económica e social suficiente. Só um país que possui um certo nível de forças produtivas pode oferecer-se o luxo de uma democracia burguesa. Quatro anos de guerra colonial, acompanhada pelo enfraquecimento da oposição na metrópole, contribuíram para a formação dessa base.

Vejamos rapidamente o que se passou durante esses quatro anos.

Se pelas suas estruturas sociais e económicas havia um país europeu perfeitamente maduro para uma revolução, esse país era Portugal nos primeiros meses de 1961. Faltava-lhe porém, uma única coisa: uma direcção revolucionária consequente. Tudo o resto parecia existir: uma ditadura fascista odiada, o desemprego, a miséria esmagadora, uma massa de camponeses pobres ansiosos por uma reforma agrária e, por cima de tudo isto, a guerra. A insurreição armada que acabara de estalar contra um Estado fraco e retardatário nas colónias africanas, poderia dar origem, não a um fosso intransponível entre o país opressor e o país oprimido, mas, pelo contrário, a uma revolta simultânea na metrópole.

Eis o que acima de tudo o regime temia; eis o sonho de alguns raros anti-fascistas idealistas. Quanto ao resto da oposição e alguns outros, tudo fizeram para que esse sonho não se tornasse realidade.

A solidariedade africana, desejada e prometida, deveria facilmente compensar os fracos recursos dos nacionalistas angolanos. A amplitude da resistência popular contra o fascismo em Portugal deveria impedir o regime de mobilizar as massas, na base do chauvinismo. A resistência à guerra, sendo Fidel Castro o herói da juventude portuguesa, estalaria rapidamente numa revolução. As despesas militares incidiriam pesadamente sobre estruturas económicas caducas e, sob os golpes repetidos da revolução no interior e no ultramar, o regime e o seu velho império sucumbiriam.

Assim parecia em 1961 e ainda em 62. As grandes manifestações de massas que tiveram lugar na Primavera destes dois anos, levavam a crer numa tomada de consciência revolucionária. Depois, inexplicavelmente, o barómetro começou a descer. Em 1963-64 somente umas centenas de manifestantes desceram à rua pelo 1º de Maio. Em 1965 não havia ninguém. No exército colonial as deserções ascenderam, quando muito, a umas duas dúzias em quatro anos de guerra. Contam-se cerca de 200 refractários no mesmo período. Pelo contrário, o alistamento no exército de repressão, com o seu vencimento elevado e os seus privilégios, as promessas de atribuição de terras nas colónias uma vez cumprido o tempo de serviço, tornou-se para os futuros oficiais - os jovens da classe média - o equivalente da emigração para França, dos desempregados das cidades e dos trabalhadores agrícolas.

Os créditos dos países da NATO e os investimentos privados nos territórios portugueses não só compensaram as despesas militares mas deram também à expansão industrial um impulso sem qualquer comparação com a letargia anterior. Podemos certificar-nos disso facilmente se consultarmos os números do Plano Intercalar que está actualmente a decorrer. A prosperidade do Mercado Comum e as suas necessidades em mão de obra forneceram emprego aos portugueses sem trabalho; o dinheiro que enviam para Portugal representa, ao mesmo tempo, um subsídio às famílias e novas divisas para o Estado. Orçam pelos 200 000 os emigrantes (legais e clandestinos) na Europa Ocidental; são 150 000 homens os efectivos do exército de repressão; as indústrias de guerra e os novos empregos trouxeram uma solução temporária aos problemas sociais mais urgentes. O último número da revista da OCDE  sobre a economia portuguesa comenta favoravelmente o facto de ter sido afastado qualquer risco sério de inflação.

Assim, a conjuntura económica actual, ao esvaziar os campos, eliminou efectivamente essa base social essencial para uma luta armada de tipo castrista: o campesinato pobre e sem esperança.

À regressão do desemprego corresponde uma baixa de combatividade das massas. A oposição portuguesa no interior está hoje reduzida a fracos protestos sob a forma de intermináveis e verbosas cartas, emanando das habituais personalidades da oposição e ao trabalho clandestino de um punhado de militantes do PCP. Apesar dos presos políticos, das detenções arbitrárias, dos casos de maus tratos e torturas, a repressão e os protestos são insignificantes à escala de Portugal, se pensarmos nas colónias portuguesas e em outros países como a Coreia do Sul, Japão, certos países da América Latina ou a África do Sul, para não falar senão de países que estão em paz. E apesar dos romances da oposição portuguesa, há que reconhecer que abrandou consideravelmente o rigor fascista em relação aos rebeldes das classes privilegiadas e aos grupos políticos inofensivos4.

As autoridades concedem passaportes aos portugueses desejosos de visitar parentes que habitam em países africanos que cortaram relações com Portugal. Jornalistas soviéticos visitaram oficialmente as colónias portuguesas5. Professores portugueses, adeptos do regime, foram convidados a fazer conferências em Moscovo. E aceitaram6.  No plano político constata-se  um degelo entre a esquerda tradicional e o regime, um certo afrouxar da censura. Os Condenados da Terra, de Fanon, foi publicado em português, em Lisboa7.

Por outro lado, a diminuição do desemprego forneceu, naturalmente, novos meios de pressão à classe operária e as reivindicações salariais (apresentadas pela FPLN como protestos contra o fascismo) têm-se multiplicado. No interior, o cenário está pronto para um regime conservador moderno de tipo gaullista, liberal em relação aos intelectuais, tolerante a críticas formais e pronto a aceitar, talvez, um partido social-democrata ‘respeitável’.

Nas colónias é a ‘pacificação’. Os oficiais portugueses da acção psicológica tiraram lições da guerra da Argélia durante as suas missões no exército francês. Os nacionalistas sem armas, mais traídos pelas promessas não cumpridas do que ajudados pela solidariedade africana, não puderam impedir o estabelecimento de uma versão portuguesa do plano de Constantine, de que um dos aspectos é uma campanha de alfabetização intensiva e a promoção acelerada de quadros africanos8 Se este plano tiver êxito, poder-se-á, até, evitar o fenómeno OAS, pois a mentalidade de muitos colonos modificou-se desde o primeiro ano da guerra de Angola, graças à propaganda da metrópole sobre a ‘igualdade racial’ e ao medo de tudo perderem.

Um pano de fundo, mesquinho e incolor, foi assim pintado para a ocidentalização de Portugal, que ambiciona, como o seu vizinho espanhol, abrigar-se no pórtico da Europa ocidental industrializada. Deste modo, reinando a paz social no interior e estando a autonomia interna estabelecida no Commonwealth  lusitano, Portugal poderia ascender, dentro de alguns anos, a um nível de vida próximo ao da Itália.

A gangrena

Estas perspectivas brilhantes encontram, evidentemente, um grande número de adeptos. Interesses poderosos estão aqui envolvidos. Os Estados Unido, a NATO e os diferentes interesses imperialistas em Portugal e nas colónias; a classe dirigente portuguesa e a pequena burguesia; a União Soviética, interessada em eliminar todas as zonas de conflito com o imperialismo, tem os olhos postos nas importantes riquezas, em matérias primas, da África portuguesa; os brancos da África do Sul, e da Rodésia do Sul, decididos a bloquear a revolução africana e, enfim, certos países africanos como os de OCAM, que Salazar felicitou recentemente, e que temem a aparição da luta armada em qualquer ponto do continente africano.

Na realidade, a repressão silenciosa da revolução em Portugal e nas colónias aproveita praticamente a toda a gente, excepto às massas populares desses países.  Mas, para todas as tendências da oposição portuguesa, as massas têm sido desde sempre, instrumentos. O que hoje resta da oposição organizada a Salazar quase perdeu toda a audiência junto das massas. Este isolamento foi consumado, com a eliminação de Delgado, cuja popularidade não se pode contestar. As células operárias do PCP foram quase todas desmanteladas ou tornaram-se inactivas. Não tem havido trabalho de organizações entre os camponeses, excepto em certas regiões do Alentejo e, mesmo aí, verifica-se hoje, uma paragem. Uma dezena de funcionários do Partido Comunista, clandestinos, mantem-se em contacto com os militantes pequeno-burgueses. A sua acção resume-se a salvaguardar, a todo o preço, a unidade com a burguesia liberal e a condenar os ‘aventureiros’ e os ‘sectários’. Os quadros mais experientes do partido estão na prisão ou no exílio. A FPLN, à parte  meia dúzia de indivíduos, é inteiramente composta por elementos do PCP.  Em definitivo, não é mais do que um grupo de exilados cujas actividades se limitam a emissões de rádio, apelos à amnistia ou denúncias contra os outros grupos da oposição.

Qualquer que seja o julgamento que se faça sobre as intenções subjectivas da FPLN, a sua função histórica terá sido a de quebrar toda e qualquer tentativa de verdadeira revolta, de lançar a confusão sobre a questão colonial e de tentar colocar, sob a sua direcção, o movimento nacionalista das colónias9.

Mas Delgado, o anti-ideólogo, nada sabia de tudo isso, quando aceitou a presidência da FPLN.

A seguir ao  caso do Santa Maria, que a opinião pública atribuia a Galvão mais do que a Delgado, a ala esquerda da oposição começou a manobrar, de forma a atrair Galvão para o seu campo. Decidira que Delgado era demasiado popular em Portugal, para poder servir de instrumento: devia deixá-lo cair no esquecimento. Mas Galvão recusou todas as alianças. Denunciou publicamente os movimentos de libertação nacional e o comunismo. Uma pequena brochura que redigiu, neste sentido, foi até prefaciada por Delgado. Este último afirmava o seu completo acordo com as ideias expressas por Galvão10.  Esta brochura foi publicada no Brasil e quase não teve impacto fora deste país. No entanto, no Outono de 1961, Galvão visitou a Europa, a Suécia em particular, e em declarações aos jornais e à rádio reafirmou as suas posições.

Foram, com efeito, os grupos nacionalistas congregados na CONCP (Conferência das Organizações Nacionalistas da Colónias Portuguesas), que fizeram a escolha para a oposição. Os seus representantes encontraram-se com Delgado em Marrocos e julgaram-no um líder possível para a oposição, e muito mais conveniente do que Galvão. Tiveram conversações privadas com ele e verificaram que a sua posição era menos rígida do que a de Galvão. Tinha ‘evoluído’. Estes nacionalistas pressionaram  a oposição portuguesa a agrupar-se em torno dele, e convenceram, nomeadamente  Álvaro Cunhal, com quem falaram em Moscovo, quando da conferência mundial da Paz, em 1962.

A FPLN foi enfim constituida em Dezembro de 1962, numa reunião em Roma e foi virtualmente admitido que Delgado presidiria ao novo organismo. Ao começo, o PCP mostrou uma certa relutância por esta solução, assim como hesitava em estabelecer o quartel general da FPLN em Argel. Mas, em nome da unidade, tinha que fazer certas concessões aos activistas. Senão, eles já não seriam controláveis e existia o risco de se apropriarem tanto da Argélia como do próprio Delgado. No entanto o PCP continuou a procrastinar durante algum tempo e Delgado ficou ainda no Brasil.

Todavia, em 1963, após uma viagem a Marrocos,  Itália e  Praga, Delgado decidiu deixar definitivamente o Brasil aliciado pelas garantias que recebera do PCP e pelas promessas dos activistas.

Nos finais de 1963, abandonou o seu emprego e a sua habitação e dirigiu-se, primeiro a Moscovo e depois a Praga, onde assistiu à segunda conferência da FPLN. Foi eleito presidente. Contou mais tarde que a essa reunião assistiram ao todo nove pessoas, sendo três do PCP e quatro que não representavam ninguém, senão eles próprios. A maior parte das organizações da oposição não estava presente.

O PCP operou um volta-face completo em relação àquele a quem antes chamava ‘agente americano’11. Alguns militantes de boa fé que duvidavam  que Delgado se tornara um anticolonialista convicto, foram informados de que o general, outrora fascista, ‘evoluíra imenso…, que se tornara praticamente um comunista convicto…que, de facto, era um membro clandestino do Partido’.

Aqueles que continuaram a criticar a escolha de Delgado foram condenados como ‘sectários e esquerdistas’.

O partido não tinha qualquer interesse em deixar os militantes de base aproximar-se de Delgado; não tinha tão pouco qualquer interesse em conceder a Delgado a liberdade de movimento de que ele gozaria inevitavelmente na Argélia. Em vez de seguir da Checoslováquia para a Argélia, imediatamente após a conferência, Delgado foi persuadido de que devia dar entrada no hospital para sujeitar-se a um tratamento. Sofreu várias intervenções cirúrgicas e passou intermináveis semanas de cama. Na Primavera de 1964, estava quase esquecido.

Ao mesmo tempo, em Argel, a FPLN começava a estalar por todas as costuras. A dissidência instalava-se entre os exilados do PCP. A maior parte podia ler, pela primeira vez na sua vida, livremente, toda a espécie de literatura; tomava conhecimento, com espanto e consternação, das divergências ideológicas sino-soviéticas e de certos factos extremamente interessantes da história recente dos partidos comunistas, assim como da apregoada solidariedade soviética com as lutas de libertação nacional.

A JAP (Junta de Acção Patriótica) local, organismo de base da FPLN, entrara em conflito com os dirigentes. Desejavam estes, verdadeiramente, organizar uma revolução armada em Portugal, ou eram as suas declarações somente uma cobertura que mascarava a sua adesão profunda a uma política de evolução pacífica? Esses dirigentes apoiavam na prática os povos colonizados? Ou estavam mais interessados em fazer a unidade com os liberais e os fascistas dissidentes?

A FPLN chegava ao ponto de ruptura e arriscava-se a revelar toda esta gangrena aos argelinos. Havia querelas sobre o conteúdo das emissões e lutavam pelo controlo da rádio; não se entendiam sobre os meios de propaganda; discutiam sobre o estatuto da colónia portuguesa de Argel. E Delgado parecia definitivamente exilado em Praga.

Para acabar com tal situação, um pequeno grupo no seio da FPLN, os futuros delgadistas, tomaram uma decisão. Organizaram, apesar da oposição dos dirigentes da FPLN, uma colecta para pagar o bilhete de avião a Delgado e telegrafaram-lhe pedindo que viesse com toda a urgência. O intrépido general, pensavam eles, traria os pacifistas ao bom senso e imporia a unidade e uma política revolucionária.

Assim, no final de Maio de 1964, Delgado, ainda mal refeito da sua operação, chegou finalmente a Argel. Perante o facto consumado, os dirigentes da FPLN mudaram de táctica. Prepararam, com as autoridades locais, a sua recepção; divulgaram uma versão adaptada da sua biografia e apresentaram-no, nos seus comunicados, como o líder anti-fascista por excelência, ‘de uma singular representatividade’ e como um ‘anti-colonialista sem mácula’.

O Rei Louco

 Começaram então os problemas.

O próprio Delgado era autoritário, mas o que ele odiava na FPLN era a utilização de meios tirânicos para fins inconfessáveis: o nepotismo, o abafamento da revolução, a eliminação de quantos criticavam esse nepotismo e esse abafamento.

Detestava a hipocrisia, a demagogia, a duplicidade. Incomodava-o esse disfarce anticolonialista que lhe vestiram contra sua vontade e nunca chegou a compreender perfeitamente. A África portuguesa era para ele uma coisa muito boa; por essa África tinham combatido, ele e os seus antepassados. Do que não gostava era da África portuguesa de Salazar. Além disso, compreendia que os seus novos aliados sustentavam as mesmas concepções, mas que as escondiam por táctica. Além de tudo, Delgado recusava o papel de ‘jarrão’ que lhe queriam fazer desempenhar num movimento que, por sistema, travava toda e qualquer acção. Ora, se ele aceitara a presidência da FPLN, fora precisamente para conduzir a acção. Aceitara a colaboração com o Partido Comunista porque a sua psicologia conservadora o levava a pensar que, se os comunistas representavam alguma coisa, era precisamente a revolução, a acção. Por esse objectivo estava pronto a romper com o passado e com os seus amigos conservadores. Perdera todas as ilusões sobre o resto da oposição.

Centenas de jovens compatriotas entusiásticos esperavam-no em Argel, pensava ele. Seria o seu chefe. Descreveu assim o que encontrou à sua chegada12

Os dirigentes da FPLN quiseram censurar as suas declarações; se falasse abertamente, podia embaraçá-los; aquele que designavam por ‘anticolonialista sem nuances’ poderia  fazer declarações chocantes, que teriam feito cair a máscara.

Os dirigentes da FPLN interceptavam o correio de Delgado, fiscalizavam os seus movimentos, no entanto, sobre a preparação da luta armada, nem palavra.

Delgado queria utilizar as emissões de rádio para apelar à insurreição, à luta armada, para lançar mensagens secretas a eventuais grupos armados existentes em Portugal. Mas o pior, é que ele queria falar, em pessoa, ao microfone com una regularidade inquietante.

Começou a conhecer os seus novos colegas, na intimidade. Ficou muito ofendido com as modificações feitas à sua biografia, que ele próprio escrevera, e onde recordava com orgulho as condecorações recebidas dos governos inglês e americano, as suas missões nas colónias, as suas actividades na NATO.

Pouco a pouco, começou a aperceber-se que o tinham enganado, que o preço de todas essas honras - honras que nenhum dirigente anti-salazarista, nenhum nacionalista das colónias portuguesas jamais conhecera - que o preço de toda essa pompa era a submissão absoluta aos que o tinham ungido como rei. O preço do seu reino era a aceitação de uma constituição que ignorava, de ministros que não designara e de uma política que não aprovava. O mais grave era que esse reino não tinha exército, nem espingardas, nem a menor intenção de fazer a guerra13.

Um exílio dourado não interessava a Delgado. Tinha uma ideia e só uma: fora escolhido pelo povo português para presidente; seria presidente e eliminaria o primeiro-ministro Salazar. Quanto ao resto, Deus saberia reconhecer os seus.

Falava da reforma agrária; dizia que nesse ponto era mais revolucionário do que o secretário geral do PCP, Álvaro Cunhal. O que entendia Delgado por reforma agrária?  Ninguém o sabe. Mas não precisava de programa. Tinha dado a sua palavra de que voltaria. ‘Voltarei’, escrevera nos selos que mandou imprimir com o seu retrato. Se pusesse os pés em Portugal e se possuísse o mínimo núcleo de organização, as massas aclamá-lo-iam como já o tinham aclamado às centenas de milhares em 1958.

Não fazia uma ideia muito clara de como as coisas se iriam passar. Nas conversas particulares gostava de se comparar a Robin dos Bosques. De volta a Portugal viajaria disfarçado, revelando subitamente a sua presença ao povo, e desapareceria também num abrir e fechar de olhos. O país inteiro ficaria electrizado e quando o seu grupo de companheiros fiéis atacasse ‘o combate duraria algumas horas ou, quando muito, alguns dias’, mas o regime fascista seria varrido e Salazar derrubado.

Uma vez presidente, restabeleceria a democracia e o povo poderia escolher o sistema que quisesse. Diria aos africanos das colónias, seus filhos, que tinham agora um bom pai e que tudo correria pelo melhor. Delgado considerava-se um moderno mas vitorioso D. Sebastião, o jovem rei louco que, no século XVI, levou 50 000 soldados à derrota e à morte em Alcácer Quibir, em Marrocos, e depois desapareceu no nevoeiro; mas que assombra ainda as serras e vales do seu país natal e voltará um dia para guiar o seu povo cada vez que este precisar dele.

Tal era a concepção simplista da revolução e da política deste militar primário e exuberante. A opinião que tinha sobre os homens era igualmente simplista. Um homem era um homem, um ‘macho’, não se confundindo com a mulher. Falava uma linguagem de caserna, que chocava advogados, professores e respectivas esposas.

Era um militar de carreira, embora sem nunca ter andado na guerra. Jovem oficial, participara no golpe de Estado de 1926 que levara ao Poder o regime que deu origem ao salazarismo. Foi o seu único encontro com a violência.

A captura do Santa Maria, levada a efeito por Galvão, encntrou Delgado em terra firme, no Brasil. O ataque ao quartel de Beja, em 1962, foi decidido sem ele e, quando chegou ao local,  já era demasiado tarde, tudo estava terminado e perdido.

Depois de beber, declamava com prazer versos obscenos, glorificando a sua virilidade que admiradores lhe tinham dedicado. Contudo, a sua última obra literária foi um estudo sobre Mariana Alcoforado, a religiosa portuguesa, cuja história romântica e cartas de amor são bem conhecidas.

Na realidade, Delgado perdera logo de entrada. Absurdamente pródigo, sociável até a inconsciência, de uma loquacidade sem limites, fanfarrão e fátuo, Delgado era o protótipo de uma espécie desaparecida: o ‘caudilho’, produto típico de uma sociedade de militares feudais de um outro tempo.

Em 1965, representava um anacronismo grotesco e indivíduos mais realistas do que ele decidiram eliminá-lo. A esquerda (e a maioria da direita) da oposição detestou-o sempre. Em Fevereiro último, quando se soube do seu desaparecimento e que podia esar em perigo, os dirigentes da FPLN recusaram-se a protestar, dizendo tratar-se de um ‘indivíduo cuja pessoa não interessava ao futuro democrático do país’14.

Mas o caso já lhes escapou das mãos. O escândalo da morte de Delgado é o dobre a finados da oposição anti-salazarista tradicional. Esta já não tem razão de existir. Durante quarenta anos, cerca de meio século, não soube compreender a natureza do sistema que pretendia combater.

A revolução industrial, que nem a burguesia liberal nem a classe operária foram capazes de realizar, foi obra do fascismo. Amanhã uma liberalização pode ser concedida, sem perigo, pela classe dominante - pelo menos, por algum tempo. Derrubar esta classe implica objectivos e métodos inteiramente novos. Mas esta  é  outra história.

Saberemos talvez um dia quem são os assassinos de Delgado, porém já conhecemos o verdadeiro culpado. Essa oposição, que deu a prova da sua impotência perante a História, tem a responsabilidade total: culpada do assassínio de Humberto Delgado e de uma jovem brasileira, devotada e indefesa; culpada da morte lenta de milhões de camponeses portugueses e africanos; culpada do assassínio de 100 000 africanos e da fuga para  Congo de um milhão de refugiados angolanos. Delgado foi o último dos bravos. O futuro agora pertence aos precavidos.

~~~«»~~~

 

INÍCIO

SEGUINTE

ANTERIOR

 


REFERÊNCIAS 

A actualização de algumas notas é indicada por asterisco.


1. Traduzido do original francês, publicado no nº 21 da revista Partisans,Junho-Julho-Agosto, 1965.

2. Henrique Cerqueira. *Depois de 1974 publicou Acuso, Editora Intervenção, (1976) em dois volumes. Cerqueira recorda os acontecimentos, cita muita documentação e faz graves acusações. Comunistas e socialistas, sem produzirem prova alguma, sempre acusaram Cerqueira de ser agente da PIDE. 


3. O caso do capitão Almeida Santos é significativo. Em 1960 descobriu-se o cadáver enterrado na areia da Praia do Guincho. O PCP acusou a PIDE de o ter assassinado. Mais tarde, o verdadeiro assassino, um membro do PCP que tinha estado ligado a Almeida Santos numa tentativa abortada de putsch e que com ele esteve preso evadindo-se na sua companhia, admitiu no julgamento ter eliminado o seu companheiro, cujo aventureirismo ameaçavaapopulação inteira. (*Tratava-se do dr. João Jacques Valente, militante do PCP, responsável por numerosas prisões a 28 de Setembro de 1974. cf. António Maria Pereira. A burla do 28 de Setembro, 1976, que publica na íntegra o ‘Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça no caso da Praia do Guincho’. Numa típica manobra comunista de branqueamento, o caso foi depois deformado num filme: A Balada da Praia dos Cães . No que se refere à denúncia de camaradas antifascistas à PIDE, basta citar a edição de Dezembro de 1964 do Avante, órgão do PCP, distribuído no interior de Portugal. Um artigo, com o título ‘Cuidado com eles’, denuncia pelos seus nomes dois membros da FAP e põe de sobreaviso os ‘democratas’ (e incidentalmente a PIDE) contra as suas perigosas actividades.


4. A maioria dos participantes na revolta de Beja, em 1962, foi amnistiada. Por outro lado, o Portugal Democrático (São Paulo), de Maio de 1965, anuncia a libertação de dois quadros do PCP, Aida Paulo e Manuel Guedes.


5. Segundo o jornal A Província de Angola, de 24 de Março de 1965, dois jornalistas soviéticos, Mikhail Domogatschitch e Tomas Kolesnichenko, visitaram oficialmente Moçambique no mês de Março. O jornal levanta protestos contra as objecções feitas por certos meios conservadores relativamente a esta visita.


6. No domínio do desporto, estabeleceram-se relações com certos países socialistas. No mês de Abril, equipas desportivas participaram oficialmente em, pelo menos, quatro encontros na Europa Oriental: Alemanha de Leste, Hungria, Checoslováquia e Jugoslávia (cf. O Primeiro de Janeiro de 5 de Maio de 1965). Tais relações seriam inimagináveis há quatro ou cinco anos. Hoje são correntes, apesar da guerra colonial e do boicote de Portugal pelos países africanos.


7. Lisboa, Ulisseia Editora, 1965. O texto sofreu uma única modificação, significativa: o corte da passagem que mencionava o dirigente angolano Holden Roberto. Contudo, a libertação intelectual tem os seus altos e baixos. No final de Maio de 1965, a Sociedade Portuguesa de Escritores foi dissolvida e três autores, democratas conhecidos, presos por terem concedido esse ano o Prémio de Novelística os três contos Luanda, 1964, do escritor angolano Luandino Vieira, que cumpria na altura uma pena de 14 anos de prisão por colaborar com os nacionalistas do seu país.


8. Um exemplo recente que demonstra bem esta nova orientação política é a nomeação, como Procurador da República em Angola, do advogado africano Boavida que acaba de passar dois anos na prisão por actividades nacionalistas e cujo irmão é um membro importante do MPLA. 


9. O PCP conduz, desde o começo da guerra de Angola, uma intensa campanha de denegrição contra a FLNA, dirigida por Holden Roberto, enquanto apoia abertamente o movimento rival. Em Novembro do ano passado, Álvaro Cunhal, numa entrevista à Pravda, precisou quais os movimentos nacionalistas que, em cada colónia, gozavam do apoio do PCP (cf. Alger Républicain, 24 de Novembro de 1964)


10. op.cit., 1ª Parte, p.10.


11. Um comunicado do Comité Central do PCP, antes do seu apoio de última hora a Delgado, nas eleições de 1958, descreve o general como ‘candidato fabricado pelas embaixadas britânica e americana’.


12.* Ver no Apêndice Documental B, ‘doc. nº 13’, extractos (alíneas 2, 3, 4 e 6) do Comunicado da Junta Revolucionária, emitido em Argel, 5 de Dezembro de 1964.


13. *Ver ibid.,’’doc. n.º 14’, extractos (alínea 2) do Comunicado da Junta Revolucionária de Delgado, Argel, 18 de Dezembro de 1964.


14. Comunicado da FPLN, Argel, 3 de Março de 1965. Este mesmo comunicado emite dúvidas sobre a possibilidade de Delgado estar em perigo e considera a declaração de 23 de Fevereiro, feita pelo representante do general em Marrocos acerca do seu desaparecimento, como suspeita e vinda de uma pessoa sem representatividade política. O comunicado da FPLN foi difundido numa das suas emissões, com destino a Portugal, no dia 7 de Abril. * Está reproduzido na íntegra ref. Nota 12 no Apêndice Documental B, ‘doc. nº 20’.

~~~~~~