EMPRESA: VENDEDOR CAMPEÃO


VENDEDOR NÃO VISITA, NÃO É MÉDICO!

VENDEDOR NÃO PROSPECTA, NÃO É A PETROBRÁS!

VENDEDOR, NA VERDADE, É AQUELE QUE VENDE! 



                   Já aviso que o artigo abaixo é nitroglicerina pura para a cabeça dos incompetentes e nem perca tempo lendo, ou seja, só os campeões irão se identificar, outros que não gostarem e se este for o seu caso, tenha a certeza, és um perdedor feliz, mas és um perdedor... Lembre-se disso! Muito embora as colocações acima sejam um tanto quanto incisivas, fanáticas e obsessivas, no entanto, se fazem necessárias, pois é preciso que a pessoa na qualidade de vendedor (ainda que em extinção) saiba que pode e até deve ter muitas habilidades como prospectar, visitar, dialogar, fazer relatórios etc, etc, etc... Mas nunca deve se esquecer... nuuuunca, jamais, nunca deve se esquecer da atitude mais importante e que o qualifica como tal, ou seja: "vendedor é aquele que vende".

                     Esta frase gera muita confusão para a grande maioria dos que trabalham em vendas, pois há aqueles que não concordam, em verdade, seja lá o que você venda de alfinete a navio. Na prática, "vendedor" é quem "fecha o negócio". No mundo das vendas, premiar incompetentes é a desgraça para uma organização empresarial séria e que se propõem a ser ícone em seu seguimento, pois "premiar incompetência" acaba infestando na mente dos funcionários o "vírus letal" da "acomodação" e dissemina uma mensagem subliminar em toda a empresa de que se você não vender, não tem problema... tudo bem, pois você fez um trabalho e muito legal! Não vendeu, mas trabalhou bem! Então, está tudo certo!

                        Isto é o maior absurdo!!! Esta merda proferida por muitos é quando entram nas lideranças de vendas administradores que nunca pegaram numa pasta de vendas e/ou jamais saíram para vender. Aí temos que ouvir estes disparates acima, de que é importante o bom trabalho e está bom assim! Em "vendas", o que vale: "é o fechamento e ponto final". A cartilha do trabalho bem feito é importantíssima e vital, honrando a atividade profissional escolhida, mas deve, obrigatoriamente, estar acompanhada com o desfeche do fechamento da venda, caso contrário, criam-se funcionários que "estão" em vendas, mas "não são vendedores. Cá entre nós, existe uma diferença muito grande entre o ser e o estar, correto?

                         Portanto, não basta estar em vendas, é preciso ser vendedor e, neste caso, deves ser o "grande matador", "o grande fechador de negócios", tal qual no futebol, que apesar de 11 jogadores em campo, chama-se apenas um. Olha só, chama-se apenas "um cara" para acabar com o adversário, chama-se o "grande goleador", mais conhecido como: craque". Romário, Zico e Ronaldo personificam bem este perfil matador de personalidade vitoriosa e intolerante à derrota. Estes "gênios do futebol" nos fazem recordar a frase do famosíssimo, técnico americano, Vince Lombardi, campeão diversas vezes e que bradava em alto e bom som: "Vencer não é tudo, é a única coisa".

                           Já nas pistas, Ayrton Senna foi um grande exemplo, pois só lhe interessava a 
pole-position e, dentro das pistas, na hora da corrida, só a vitória! Fora disso, se perdesse, saia do carro dando pulos, puto da vida e dava um belo esporro na equipe que não equalizava corretamente seu carro, foi tão disciplinado e dedicado que até seu consultor físico, Nuno Cobra, dizia textualmente que o Senna o ensinou também muito sobre "almejar vencer", haja vista que sua maior declaração deixada ao mundo, trata-se única e exclusivamente sobre a vitória e que está bem aí ao lado no primeiro vídeo.


          Ele foi o cara:    http://www.senna50.com.br/



                            O vendedor fechador ama loucamente o ápice do reconhecimento humano, sabe que este sentimento é altamente prazeroso e não tem dinheiro que pague, mesmo porque um vendedor campeão sempre ganha muito bem, porém não é só o dinheiro que o mantém aceso, mas também o desejo de vitória, desejo de fazer o certo e o correto, desejo da excelência profissional. Existe, lamentavelmente, em muitas equipes de vendas, uma cultura das aparências em que todos se enganam tentando demonstrar ao outro que está trabalhando muito... e na prática não está. Ou seja, raros são os que se preocupam, de fato, com o resultado. Digo, raríssimos são os comprometidos com o negócio como um todo e quando existem, via de regra, são ridicularizados entre a turba de vendedores perdedores e que até se ocupam de atividades de vendas, mas se esquecem de "fechar vendas". Gostam de passear, posar, demonstrar, falar... adoram aparecer, vivem numa "catarse psicológica", numa masturbação mental sem fim, tentando enganar a todos de que eles trabalham, mas enganam, sim, a si próprios. Desta forma, levam sua empresa a baixos índices de faturamento, deixando de "cabelo branco" o "dono do negócio" e seus investidores.

                                 Sábio o dono que enlouquece desejando ter só fechadores de negócios, ou seja, ter apenas vendedores campeões. Este é o paraíso desejado pela maioria. Utópico, sabemos, mas deve ser perseguido inspirando toda equipe de vendas ao sucesso e êxito profissional. Porém, deve haver muito trabalho em treinamento personalizado, sem o que nada é atingível dentro de um 
business plan rentável, logo quem não treina, quem não se prepara está, na prática, a reboque do acaso. Depende mais da sorte do que de um trabalho profissional metódico, disciplinado focado em resultados.

                                  Dentre todas as atividades que um vendedor deve ter, nenhuma se compara em importância e valor como ao ato de fechamento de negócios, pois se fosse ao contrário, haveria campanha pra quem faz o melhor relatório, melhor atendimento, maior quantidade de visitas etc ... Todas estas outras atividades não menos importantes sofreram com o advento da Lei de Moore, digo, do avanço das tecnologias. Muitas atividades burocráticas viraram commodities, pois existem sistemas e softwares que os substituem com eficácia, deixando só o fechamento de vendas como a "jóia da coroa" para o vendedor que deseja o sucesso, reconhecimento e grana. Dessa forma, faça tudo o que é pertinente à atividade de vendas, porém nunca se esqueça de "fechar negócios". Caso contrário é, sim, um custo operacional dispendioso, pesado e altamente desagradável aos olhos de investidores de um negócio.



                 Quer ser desejado? Então venda!


                 Quer ser reconhecido? Então venda!


                 Quer ganhar bem? Então venda!


                     Venda, venda, venda!


                                    Caso ache duro demais estas colocações, certamente, um dia se tornarão verdades, principalmente, quando você tiver seu próprio negócio. Aí sim compreenderás que só o fechamento de negócios é o que interessa, nada mais. O resto é descartável, ou melhor, terceirizável. Por incrível que pareça, existem organizações que incham tanto a máquina administrativa que acabam possuindo mais gente nos escritórios do que em vendas e sabemos que deve ser exatamente o contrário. Foi assim que gigantes do comércio mundial perderam share ou sumiram por completo, logo toda força de vendas deve ter como missão principal:


            "F E C H A R     N E G Ó C I O S
"





JOHN ROBERT

CONSULTOR EMPRESARIAL (ESPECIALISTA):   

Estratégia, Negociação, Marketing, Vendas, Comunicação e Inteligência


  

                 

 












AYRTON SENNA ENSINA



  













DICAS



























VENDAS E A CRISE
































COMPROMETIMENTO