EMPRESÁRIO COM PAIXÃO PODE ENTRAR NA FALÊNCIA


Já faz tempo que paixão pelo negócio é algo bom ao empresário! Muito embora sempre ouvíssemos a frase que o empresário necessita ser um "apaixonado pela sua empresa e/ou ideia", constatamos que o índice de morte empresarial destes "amantes do próprio negócio" é altíssimo... Por quê?!...O que acontece?! Certamente, não discordo da importância de gostar do que se faz, nem estou dizendo que o empresário deva ser indiferente com seu  próprio êxito empresarial... Não, não é isso!...Porém...

O que falo e constato é que este  fascínio  pelo próprio negócio é tão grande que acaba impedindo o empresário novato e/ou desatento de raciocinar equilibradamente para as verdadeiras e reais possibilidades do seu empreendimento dar certo! É como o empresário feliz da vida com a linha de produção, estilo, desing  e preço dos chapéus que fabrica, mas se esquece que ninguém mais usa este adorno!


Esta postura distancia o empresário da  razão e do bom senso  e o transforma num  lunático cegueta  levando-o às raias do fanatismo inconsequente. Desta forma, ele não conseguirá pensar sobre todas as possibilidades que influenciam direta e indiretamente  sua atividade empresarial. Claro que o empresário deve torcer para obter sucesso empresarial, mas desconsiderar:

a) crescimento dos concorrentes

b) avanços tecnológicos e científicos

c) mudanças de políticas econômicas

d) perda de talentos humanos

e) abandono de clientes e fornecedores

f)  parcerias remuneradas

g) não treinar sua equipe


Certamente, terá pouquíssimas  oportunidades de êxito, ou seja, não adianta se trancar numa sala e ficar ouvindo só dos próprios funcionários que seu negócio é ótimo e maravilhoso. Isto não basta! Mesmo porque seu funcionário não deve ficar falando que seu negócio é bom. Aliás, tenha a certeza, se isto existir, é um grande puxa-saco. O que deve existir é a crítica positiva e atitude pró-ativa constante, buscando melhoria contínua ou até uma  revolução total no próprio negócio. Tenha gente assim e terá gênios, haja vista que estes contestam sempre o que já está estabelecido como correto e usual. Mude o que está a sua volta, veja tudo como velho e ultrapassado, pois somente esta postura lhe dá a vanguarda e pioneirismo com o conseqüente sucesso em seu seguimento empresarial.


O que interessa é o  mercado aprovar e comprar e cá entre nós, aí consiste a síntese da missão das empresas em geral que é "vender seu peixe". No entanto, deve acima de tudo fazer isto à moda antiga, ou seja, formar fregueses  para  adquirir uma carteira de clientes fiéis que voltam sempre a comprar com você, se possível indicar novos amigos, num "efeito dominó".

Acontece que hoje em dia a concorrência é tão grande e acirrada que, se o empresário "deitar em berço esplêndido" achando que seu negócio é bom demais, ou ficar pensando que está avançado para seu tempo, fatalmente sucumbirá, no mínimo, à concorrência e avanços tecnológicos. Tenhamos a certeza absoluta, o mundo depois da internet é completamente outro! Basta ver esta nova revolução.
    

Desconsiderar o poder da internet, hoje em dia, por qualquer empresário é o mesmo que assinar a própria sentença de morte, haja vista os enormes avanços que ela (web) já deu. Escuto todos os dias, pelo menos de cada cinco empresários, quatro que não querem  ouvir a verdade preferem ficar na utópica crença de que ele está certo e seu negócio é revolucionário. Coitadinho, sua empresa vai morrer, é óbvio! Questão de tempo!


Não se pode esquecer que seja lá o que você produz, revende e ou presta como serviço, hoje em dia, basta entrarmos no Google e certamente existirão diversas empresas concorrentes fazendo, exatamente, a mesma coisa, logo cabe aos que desejam perpetuar seu negócio, realizar:


a) Remuneração significativa aos colaboradores e Parceiros

b) Informar-se sobre todas as novidades em negócios

c) Contratar especialistas de visão generalista

d) Absorver todos os avanços tecnológicos

e) Cumprir à risca, descrito acima,  as letras a, b, c, d.


Paixão? hummmmm...bem, é o seguinte...Apaixone-se só pela mudança! Vou repetir: veja seu negócio como velho e ultrapassado, sempre! Crie, evolua, não fique estacionado... é como dizia o saudoso Cazuza: "O TEMPO NÃO PARA" cantada logo abaixo

O TEMPO NÃO PARA



JOHN ROBERT

CONSULTOR EMPRESARIAL (ESPECIALISTA):   Estratégia, Negociação, Marketing, Vendas, Comunicação e Inteligência