Visite o Blogue de João Rasteiro: NO CENTRO DO ARCO

 
JOÃO RASTEIRO (Coimbra - Portugal, 1965), poeta e ensaísta, traduziu para o português vários poemas de Harold Alvarado Tenorio, Miro Villar, Juan Carlos Garcia Hoyuelos e Juan Armando Rojas Joo. É Licenciado em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Universidade de Coimbra. Trabalha actualmente na “Casa da Escrita” – Câmara Municipal Coimbra. É sócio da Associação Portuguesa de Escritores e membro dos Conselhos Editoriais das revistas Oficina de Poesia e Confraria do Vento (Brasil). Possui vários poemas publicados em várias revistas e antologias em Portugal, Brasil, Itália, Finlândia, Colômbia, Chile e Espanha e possui vários poemas traduzidos para o Espanhol, Italiano, Inglês, Francês e Finlandês. Obteve vários prémios, nomeadamente a “Segnalazione di Merito” do Concurso Internacional Publio Virgilio Marone, Castiglione de Sicilia, Itália, 2003, o 1º Prémio no Concurso de Poesia Cinco Povos Cinco Nações, 2004, o 1º prémio – na categoria de autores estrangeiros – do Premio Poesia, Prosa e Arti Figurative-Il Convívio (Verzella, Itália, 2004) e o Prémio Literário Manuel António Pina (Câmara da Guarda/Assírio & Alvim, 2010). Publicou os seguintes livros: A Respiração das Vértebras, 2001, No Centro do Arco, 2003, Os Cílios Maternos, 2005, O Búzio de Istambul, 2008, Pedro e Inês ou As madrugadas esculpidas, 2009, Diacrítico, 2010, A Divina Pestilência, 2011, Tríptico da Súplica (Brasil), 2011 e Elegias, 2011. Em 2005 integrou a antologia: “Cânticos da Fronteira/Cánticos de la Frontera (Trilce Ediciones – Salamanca). Em 2007 integrou a antologiaTransnatural, um projecto multidisciplinar sobre o Jardim Botânico de Coimbra. Em 2008 integrou a antologia e exposição internacional de surrealismo O Reverso do Olhar. Em 2009 integrou a antologia: “Portuguesia: Minas entre os povos da mesma língua – antropologia de uma poética”, organizada pelo poeta brasileiro Wilmar Silva e que engloba poéticas de Portugal, Brasil, Cabo Verde e Guiné-Bissau. Em 2009 integrou o livro de ensaios “O que é a poesia?”, organizado pelo brasileiro Edson Cruz. Em 2010 integrou a antologia Poesia do Mundo VI, resultante dos VI Encontros Internacionais de Poetas de Coimbra organizados pelo Grupo de Estudos Anglo-Americanos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Em 2011 integrou o livro “Três Poetas Portugueses” (Brasil), organizado pelo poeta brasileiro Álvaro Alves de Faria Em 2009, organizou para a revista ARQUITRAVE da Colômbia, uma antologia de poesia portuguesa, intitulada “A Poesia Portuguesa Hoje”.
Mantém em irrupção o fulgor do blogue: NO CENTRO  do ARCO
 
                            www.nocentrodoarco.blogspot.com
 
POEMAS:

 

1.

Os poemas virão inclusos

quando afluir o orvalho,

chegarão antes do pecado.

 

2.

O seu domínio é infinito:

longa é a garganta do medo,

cego o coração do sussurro!

 

3.

No princípio era a doçura

e a palavra ousou a lascívia.

Por ela se fará todo o flagício.

 

4.

A matança é uma inferência,

nunca a criação permanecerá

em sua aparente invisibilidade.

 

5.

O que for escrito do hálito

será cumprido – a dilecção

é a sua extensão mais pura.

 

6.

É o prímulo espaço encantado:

as mágicas colinas sem nome

entre as ígneas e adúlteras vozes.

 

7.

 Na carne a pestilência do corpo.

Após o curtume a imortalidade,

o perfume da fala ou da morte!
 
                      In, "A Divina Pestilência"
 
 

                       Elegia do Queixume

 

                                                1.

 

                                    Porque é preciso

                                    que cada substância idílica

                                    encontre o seu próprio nome

                                    de metáfora,

                                    pois a ânsia está em mim

                                    como o amor na ilusão,

                                    abraçarei de igual modo mulher ou ave

                                    em sua anáfora de queixume

                                    e não deixarei os jardins refulgir

                                    em seus inquisitoriais olhos

                                    sustidos em vasto lume: hei-de dividir

                                    o corpo do poema

                                    e sorver-lhe qualquer matéria

                                    quando a palavra advir fruto alheio,

                                    flor ou carpo à sua imagem

                                    do mais impuro sangue

                                    que lavra o puro teorema.

                                    Voz ou espinho de outras línguas

                                    em sua arena mágica de metamorfoses.

                                    Eco em que se materializa o choro da rosa.

 

 

                                                Eu cantarei um dia da tisteza

 

                                        Que verbo pode mudar uma mulher

                                        e colher de seu coração o fogo apavorado

                                        de não amar - para que os seus pulsos

                                        tivessem um quebrar de caule?

 

                                        É que as secretas neblinas da oração

                                        em seu transbordante  ritual de oráculos e paixão

                                        interditam ao tempo a sua usura,

                                        pois fêmea é ainda o modo como se entrega

                                        à ímpia incisão da flor que se abre do coração.

                                         

                      *

                       O cume do medo chega sempre a tempo

                                        crendo ainda no sagrado eixo do relâmpago

                                        que se equilibra em sua própria luz,

                                        monotonia lenta do simulacro de amor

                                        enlouquecendo do desejo fulcral da sílaba.

 

                                        No tempo em que só desabrochava sol

                                        leoas e crianças acasalavam clanídias clareiras

                                        por dentro da elisão da nudez das paisagens

                                        porque a morte não chegaria abrupta

                                        enquanto mães bordassem textos de mariposa.

 

                                     A falua do desejo

                                                                                              Ao Manuel António Pina

 

 

                                            Ousar pensar uma árvore de poemas

                                            é olhá-la e pressenti-la pelo ângulo do anseio

                                            que nos estende os tentáculos,

 

                                            é comer um corpo

                                            até a boca ficar em chagas maduras

                                            saber-lhe sem limites obscuros

                                            o ocluso estertor do coração

                                            ou a desmedida voltagem do voo do rouxinol

                                            em núbil e puro eclipse,

 

                                            é beber água e sangue

                                            na paridade dos líquenes e da utopia  

                                            um só tempo uma lembrança

                                            até que a flor em sua triste alegria recomece

                                            nas primeiras gramáticas da aurora

                                            em sua falua de abóbadas abertas ao desejo.

 

                                            Não brotará e morrerá mais sublime fruto

                                            em mundos de sedutoras abaúlas

                                            do que a demoníaca sílaba

                                            cantando sob a lua a idade dos jovens deuses

                                            que tem raízes de abismos

                                            na melancolia inexpugnável da matéria de um poema.

 

 
 
VII

 

Há sempre um engano engolfado

numa noite, numa madrugada, numa vida, num reino,

num triste fado de verbo alado. Uma ilusão

sobre a linguagem adúltera

e submergida sob o cruzamento do verso

que as águas expurgam

nos corações armadilhados dos bardos.

Prodígio ou milagre

tua voz, teu clamor, nas imperecíveis raízes

para o canto de uma sustento indivisível.

E se aquele que ama esconde, aqueles que lhe exigem

que os ame, ele ama

pois sentam-se sob as terríficas noites alagadas

e suplicam:

ama-nos sem temor. E ele ama-os

em sua dor de todas as murchas flores

de teu jardim, Inês

porque aquele que ama nasce e morre

vive e desvive o seu destino

e tu não crês porque em teus olhos só Pedro vês.

E porque jamais possuirá paz aquele que ama

na boca da labareda, o lume, a chama

levais Inês de ganhar-lhe sem glória

pois tua morte dele é tua derrota

nos prolongados urros de seu epígono

e teu dever é rasgar as penas

que a Afonso, Pedro ou outro talvez

a todos esta tua minha pena

constantemente vai tecendo a ilusão

e, se te cravaram as espadas sobre

o peito e disseram que eras como uma deífica flor,

ela não seria como a mais bela flor.

Ela seria a única flor

que só a quimera do verbo em si cativa

a mim cativo me tornou

de Portugal

Inês, criatura a que sobrevive a luz antiga

de um amor que eu já previa

quando ainda não sabia o mundo amor possível

até que os deuses ou poetas sejam devastados

pelo seu extremo exercício

de loucura

num corpus que se ama na procura

argutas faíscas do gesto humano em cada dia

e nós somos o que tu és

paixão, maresia ou louca cesura

em lusa pena

e faça bem-querer a ilusão que não quer

como anóveas ou infinita jura

esta minha procura do luso ventre que ainda porfia!

 

 In, ELEGIAS [Elegia de Afonso]

 

Origem

            À Renata Pallottini

 

 

Onde nasceu o mundo

morre o mundo.

 

O embrião pondera a raiz

do coração

manchando as crinas da aurora

com a boca do sangue,

a loucura dos cântaros.

 

As fábulas convergem a nudez

da sílaba

desagregando o pudor da utopia

que emerge do gáudio,

a vertente dos abismos.

 

O murmúrio aguarda o silêncio

do outro

cingindo a abundância dos cânticos

na intimidade do linho,

 a quimera das criaturas.

 

 As mulheres e as crianças

 essas

 morrem caladas,

 

 o mundo destece entre os seus lábios.

 

 

 

                   "Se a boca virar faca cortará os lábios"

 

 

                          Há poucos anjos que chorem

                          muitos poucos lobos que uivem cegos como a flecha.

                          Acenderam-se as sombras. É o Inverno fervendo o poema

                          ao desconcerto geográfico das pétalas do gelo.

                          E enquanto a terra molda um cordeiro

                          para alimentar as ervas

                          a língua com suas cabeças prodigiosas, pulcras e cruéis

                          desperta os fantasmas brancos dos inocentes animais da melancolia

                          os que sucumbem iludidos pelo cheiro

                          das sílabas incendiárias

                          harmoniosas como as virgens flores da Primavera.

                                                                                     - Húmidas, dobradas na nuca.

                          Eis um tempo absolutamente bárbaro

                          porque os embriagados demónios ou deuses das palavras

                          trabalham ferozmente treinando os prisioneiros como arquipélagos

                          pois os figos maduros apodrecem nos gonzos

                          que suportam a escrita dos labirintos. Saúdo-te detrás do sol e da lua

                          onde apenas refulgem as horríveis cores das metástases

                          linguísticas – as raízes carnívoras dos lugares

                          que se espalham aos corpos nativos de luz – sob aquela frágil

                          e descomunal oração de Pavese: virá a morte e terá os teus olhos.

                          E virá a sílaba alucinada e serás aniquilado

                          sob a aurora. As  novas idades com o fogo dentro da boca dos lírios.

                                                                                  - Adolescentes, perversas no beijo.

 

 

                         Onde guardar a benévola catacrese do espigão

                         o coração surgido como um ímpeto agachado na poética

                         do jogo acerbo e fundo

                         na boca que vira faca e corta os lábios no silêncio nu

                         ó insane quimioterapia de bem querer

                         colocar todos os sonhos no intrínseco sexo de oiro – a vida e a morte

                         em seu rizoma sagrado – num poema inapreensível e único.

 

                                               Deus por deus

                                                                              A Eduardo Lourenço

 

                                   Mas o poeta, o alucinado e incandescente poeta,

                                   revestido de sílabas – poucas – aparentando o tempo,

                                   uma breve autoridade, poeta preso nas cidades vastas,

                                   mostrando as suas habilidades perante a ânsia dos céus

                                   dentro de muralhas que devaneiam o diacrítico do mar,

                                   o exacerbado poeta, ingenuamente concebe o sussurro

                                   das pétalas de rosa azul que nunca ninguém ousou criar

                                   porque os deuses julgam-se imutáveis na luz do espelho.

 

                                   Os antigos trovadores invocavam as musas sob as luas

                                   Shakespeare, o pequeno e terno irmão de Deus, aquele

                                   imortal que viu a obra duplicar fantasmagoricamente no

                                   oitavo dia da criação, rogava diariamente a seu irmão,

                                   ele, o poeta da cidade, o que amplia criação à realidade,

                                   à criação urbana, renovando o mundo em suas nuas leis

                                   do circo urbano, a arena onde nos digladiamos no desejo

                                   nós, os mais altivos e singulares leões de nós mesmos,

                                   invoca-se a si próprio, deus díspar da única criação, a

                                   obra da ironia da linguagem e da melancolia do verbo,

                                   mas como sei que não aparecerá nas rotações do poema,

                                   em raro ensejo de lucidez irrompe os espaços e conceitos

                                   deita fogo a todas as suas recentes e geniais criações

                                   de pétalas de rosas azuis e galáxias de cristalina garganta.

 

                                   Quando as muralhas se abrirem ao mar e aos raios do sol

                                   o poeta da cidade, não se invocará omnipotente em vão

                                   e descansando entre divinos anjos e animalescos humanos

                                   contemplará a absoluta redenção do caos por si criado

                                   e cantará a devastação das lágrimas da tristeza e da alegria

                                   onde floresce o dialecto assimétrico das novas gramáticas

                                   porque a purificação do caos é tão assombrosa e excitante

                                   como o paraíso primordial de onde nos julgámos expulsos

                                   devido à linguagem da única arca de Noé que sobreviveu.

 

                                   Hoje, o poeta da cidade emprega artifícios e não magia

                                   tentando tornar visível a efémera ostentação de si mesmo

                                   no manto doirado da poesia – esse trama em que o mundo

                                   se construiu – e repudiando Cavafis, quando este cantava

                                   os acúleos bárbaros em seus lamentos – aquela gente era

                                   uma solução – porque das guelras um anzol trepava ao céu. 

 

                                 A visita do amor que não virá

 

 

                                          Acerca do lírico amor obscuro

                                          de mim o tempo acúleo cogitava

                                          a morte inclinada em contrição

                                          na geometria mais invisível ele

                                          o rosto oxidado na cegueira fincada

                                          a cítara dos acesos sexos lascados

                                          os clarões do crime nas máscaras

                                          bebendo a luz dos prodígios em bocas

                                          líquidas sementes do cordeiro de deus

                                          sangram os espinhos da ácida língua.

 

                                          Não há lugares profusos nos alfabetos

                                          a paisagem dos acasos  - nos corações

                                          transbordam vertiginosas superfícies

                                          as tecedeiras sobre o linho respirando

                                          inversas – o âmago do mistério da voz.

 

                                          - Um dia alguém terá nos dentes lágrimas vivas.

 

                                       O cântico das pragas

                                           

                                             É das palavras
                                             que irradia a morte soberana
                                             os lugares sitiados, a blasfémia do silêncio.
                                             Todos morrem nas palavras disponíveis
                                             apenas os corvos tristes
                                             a quem soldaram o bico com prata
                                             suspendem a morte
                                             no branco das túnicas da água visível.
                                             É nesse espaço
                                             onde antes iam os homens sedentos
                                             alimentar a fractura das vísceras
                                             comendo de rastos com as cobras
                                             que a chuva cai geométrica
                                             estilhaçando o alastro das gargantas
                                             que guardam as sílabas com aroma de tílias.

                                                              *
.

                                             O homem está morto dentro do poema
                                             como a linguagem das antigas escrituras
                                             e é o seu corpo que brilha através do branco.

                                             As cobras emergem do chão
                                             abrigam-se nas túnicas álgidas
                                             e aproximam-se do corpo do homem exposto
                                             iluminadas em sua própria loucura.
                                             Engolem os restos da carne corrompida - mas,
                                             inexplicavelmente poupam-lhe os olhos -, depois,
                                             saboreiam o que lhes vai consumir
                                             para sempre a língua, o coração das entranhas.

 

                                                               *
                                            

                                             O segredo absoluto e divino do extermínio do verbo.

   

                                O extremo exercício da loucura 

 

                                        Escrevo como no princípio

                                        atrás do inóspito silêncio da faísca

                                        curvado para dentro

                                        boca fechada a que se confinam os cicios

                                        apocalíptica e múrmur

                                        em seus desvarios de garrote

                                        e mastiga-se o intrínseco silêncio que corrói

                                        esta triste e acirrada madrugada

                                        o silêncio circunflexo apaga os nomes

                                        sorvendo a luz das glicínias

                                        até que o poeta é desmascarado

                                        pelo extremo e assombroso vocabulário – sagrado

                                        e profano como se as palavras florissem

                                        seiva e sangue

                                        e rubras filigranas na beleza física de Auschwitz. 

                                        Escrevo como no princípio visceral

                                        da explosão vulcânica dos cílios

                                        e escrevo como se a única contrição superlativa

                                        fosse a sílaba muda da água

                                        porque o coração do fogo engole-nos vivos

                                        por infinitas extensões epifânicas – aí cega a boca

                                        na entrega híbrida do dialecto

                                        agora o primórdio

                                        surge elíptico no busto das cimitarras da alquimia

                                        e grafasse a morte como libérrima cascata

                                        o cristalino silêncio silvestre que engoliu Elias.

 

                                      No princípio era o crime

 

 

                                 No princípio era o crime, o crime limpo

                                         que do caos em suas bocas de virgens

                                         extraía todos os corpos da órbita coaxial

                                         e nos ímanes os corações das palavras

                                         que nos sustentam – ele fluiu, originando

                                         os limites nus do mundo, a vida e a morte

                                         nos primeiros caracteres de magia negra,

                                         o êxtase urdido na paixão do sofrimento

                                         e todas as pragas irromperam dos espigões,

                                         os ecos carbónicos da demência, as raízes

                                         que amavam as nascentes dos deuses vivos

                                         toda a terra fervilhando em matéria sublime.

 

                                         No princípio era o crime, o crime que da chuva

                                         fornecia a força das lágrimas, espaço de febre

                                         em sua arte de ser flor, o perfume das distinções

                                         da metamorfose do lírio, hoje, apenas, a poesia.

 

 

Biografia II

E tudo ocorre na melancolia
da sílaba, o casulo emergindo
nas talhas.
Inquieta sofre a gestação
no caule dos rebentos.
O gesto do corpo  
no linho que se alinha à mutação.
Rota, sopro, sístole ou máscara
onde bardos fecundam a sazão
da ebriedade.
E entra nas vozes,
nos hortos, algures no inabitado
onde gravitam tâmaras.
Melífera
ironia das fábulas, a palavra
mastiga a água adubada,
ser bardo
é tocar o fogo
o espectro desatando-se
sílaba que afeiçoa às matizes do
espanto cheio de luz.
Então nu.

 

XII

.sei que dos olhos do animal fêmea antes do ritual do sacrifício o fogo desce aos olhos do homem e evapora-se no espaço fragmentado das córneas. pois ele gosta de vociferar nas madrugadas aonde se abrem à fortuna as orquídeas. a brecha da pupila. o agudíssimo timbale é um bálsamo pois ele é feliz como o eunuco que não cometeu crimes com suas mãos. deus apenas lhe pediu a prova do beijo na única palavra em que lhe reconhece a cinza do nome. é no casulo da pedra que deflagram as larvas desde a cruz materna ao sumo das uvas demasiadamente vermelhas. a devastação escolta a criação que reverbera a fala de dentro de todas as trovoadas de alicerce estéril. a fragmentação do coração. e a ternura dos labirintos são beijos de metáforas como uma trepadeira oferecidos por judas. mais uma vez em nome do criador dos ciclos. os mapas envoltos em sua túnica e asas de ébano límpido.

 

In, DIACRÍTICO (inédito) 

 

                                                                               

Poema do desassossego

                                                                      A Fernando Pessoa

                       

                           I

                               .nasci -

                                folha esdrúxula

                                          na crença em deus        subproduto

                                          na respiração da ciência     poética

                                                                     a carnívora gentileza

                                                                     perdida por que sente o desassossego

                               volvido a crença nas montanhas que florescem

                                             hálitos de formas

                                                                        a humanidade na margem

                               dos grandes espaços virgens que vão leste-oeste – e é eterna

                               a sílaba que se embriaga 

                                            em todos os jardins do paraíso

                                            a cólera minuciosa de todas as chamas

                                            e ele é de víboras esverdeadas

                                                                         submissas em torno do vulto uno

                                                                                                túrgido e ferveroso

                                      não aceitei deus          improvável

                                                                          ponto final

                                                                          uma mera ideia biológica

                                      a opressão que se entranha no fundo do coração

 

 

                           II

                                na época dos bárbaros

                                                      corpos de barro sagrado

                                                 os lugares culpados da existência da divindade

                                                                                   a faculdade de ainda sonhar

                                o júbilo dos pulmões que refulgem desumanos

                                                                   que brotam o adorno da flor

                                                                                                      de se olhar a aurora

                                                                    é precisamente o interstício lúcido

                                                                                             a alegria do sol escarlete

                                                                    a criança cantarolando por muitas crianças

 

                           III

                                e existir é ser monstruosamente inconsciente

                                                      de matéria em matéria

                                             em sua própria verdade

                                             as duas dimensões do espaço:

                                                                                             apenas...

                                                                                                            

 

 

1.
No íntimo do caos
o corpo flutua
no infinito desigual
dos últimos milénios
às vezes troca de morada
e na casca trémula da pedra
ensaia uma fuga abstracta
em volta do seu corpo
um poder feminino
o misterioso feminino que dizem
ser no mistério dos cânticos
uma pequena concha imortal.


4.
Na sedução do rosto onde ardem os lírios
no espelho em cuja solidão se vê o homem
um Deus reduziu a nada a memória que
por dentro do forro do linho se escoa.


In, Respiração das Vértebras (2001)

 

 

O Mito da Criação

                     A que Deus implorar qualquer ajuda

                    Se sou eu que fabrico as divindades!

                                  Miguel Torga

 

O poeta criou um Deus à sua

imagem, criou-o lentamente

à imagem do barro ancestral,

ele os criou deus e poema.

 Abençoando-os. O poeta abriu

 o fogo e vociferou: Crescei e

 defrontai-vos, iluminai e

 ensurdecei os céus da terra.

 Arrasai todos os peixes do

 mar, todas as aves dos céus e

todos os animais sem dentes

que mastigam a terra sagrada.

Por fim, amai-vos desvairados

e criai sem blasfémia um verbo

outro, excêntrico. A nua sílaba,

prefigurada na nervura eriçada,

continuamente potente e rígido

Eu esperarei pelo sangue nu

do dilúvio, a bênção álgida do

sacrifício melífluo de Isaac.

No ofício curvado, extenuado,

de madrugada, nu e alucinado

sobre o orvalho, comeu-se a

 si mesmo e ressuscitou inteiro.

                                                  João Rasteiro

                

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

       

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Subpáginas (1) ENSAIOS
Comments