https://sites.google.com/site/ivandearaujo2/ereal16/Caraca.gif                                                                                       https://sites.google.com/site/ivandearaujo2/ereal16/guara.jpg

Quatro carros e ideia de ir de Brasília a Tiradentes pela Estrada Real. De 04 a 18mar16.
Foram ao redor de 2.400km rodados sem problemas, mas a volta ocorreu em 14mar16. Faltou ainda o pedaço da Estrada Real, de Ouro Preto a Tiradentes.

Fotos ainda estão sendo colocadas no álbum. Aqui.

Depois de congraçamento inicial, saída cedo de Brasília com almoço no restaurante Rei do Peixe em Tres Marias. Local já conhecido e sempre com boas comidas e atendimento.
Resolvemos seguir a Diamantina pela estrada que vai por Andrequicé, Corinto, Monjolos, etc. Chegamos às 19:40h depois de certa dificuldade para achar o hotel (Jardim do Vale). Ótima localização e depois que se habitua não é difícil chegar a ele. Fizemos vários passeios a pé.
No dia seguinte sem pressa fomos em direção a BiriBiri onde almoçamos. Na volta passamos pelo Caminho dos Escravos, Cruzeiro de Diamantina e outros pontos turísticos. Visitamos também a Casa de Juscelino e museus.
Em 06mar16 na companhia de alguns jipeiros de Diamantina que nos deram um bom apoio, marcamos almoço na Bica D´água depois de uma estrada agradável para os jipeiros e visuais belíssimos, inclusive do Rio Jequitinhonha. Várias paradas foram feitas para apreciar a vista e o "interior" de Minas. O povoado de Curralinho também chamou atenção. Almoço com comida muito boa e regada a conversas e cervejas. Na volta paramos na Gruta do Salitre onde alguns se aventuraram a uma exploração rápida.
As noites em Diamantina foram regadas a cervejas, cachaças e boas conversas e refeições. Noites muito agradáveis. Faltaram as cantatas e serestas tão famosas.

A "Estrada Real ainda não havia começado".

Dia 07mar16. Agora sim !! Após o café da manhã no hotel começava nossa jornada pelo caminho por onde passavam tempos atrás os diamantes com destino ao Rio de Janeiro.
Os participantes reclamaram do asfaltamento logo na saída de Diamantina e por uns quilômetros onde máquinas trabalhavam na terraplanagem. Dizem que assim vai acabar a "graça" da Estrada Real. Muitas paradas para fotos.
Em São Gonçalo do Rio das Pedras nova parada para esticar as pernas e carimbar o Passaporte da Estrada Real no bar do Ademil. Como sempre o GPS com os mapas do TrackSource ia nos guiando e com o arquivo .GPI da Estrada Real o aviso dos marcos da estrada. Também fiz um arquivo .GPI que avisava das cidades e pontos turísticos. Nossa base para os avisos foi o documento de Instituto Estrada Real.
Em Milho Verde nova parada, novo carimbo no passaporte e seguimos, não sem antes passar em sua igreja muito peculiar.
Tres Barras também chamou atenção, mas passamos sem parada. Merece uma volta com mais tempo.....algumas construções bem antigas.
Em Serro andamos um bocado a pé e depois de carro, a procura do seu queijo e sua cachaça bem famosos.

Alvorada de Minas foi vista rapidamente e almoçamos em Itapanhoacanga.
Em Santo Antônio do Norte (Tapera) nova parada para carimbar passaportes.
Passamos também por Conceição do Mato Dentro sem grandes paradas. Suas famosas cachoeiras e o Salão de Pedras vão ficar para outra oportunidade.
Em Morro do Pilar parada para novo carimbo nos passaportes na Pousada Licuri onde fomos muito bem atendidos.
No início da noite chegamos em Itambé do Mato Dentro, onde depois de rodar um pouco ficamos num hotel que desagradou alguns. Central e com boa estrutura próxima mas ......Nesta cidade novo carimbo nos passaportes. Também fizemos uma visita às cachoeiras de Cabeça de Boi (Santana do Rio Preto) onde almoçamos. Para esse almoço é aconselhável fazer o pedido antes. Demora aproximadamente uma hora.
Em Ipoema parada mais demorada para consertar um pneu furado. Sem problemas....aproveitamos para visitar o Museu do Tropeiro e passear na cidade.   
Bom Jesus do Amparo. Parada prevista para ver a única estátua do Brasil de Jesus Cristo quando criança, mas infelizmente a igreja estava fechada. Seguimos viagem.
Dormimos em Cocais na Pousada das Cores. Esta pousada é bem sui generis com várias estátuas espalhadas pela sua área, comidas naturais, quitutes feitos nela mesmo, capela........bem grande.
Entre Cocais e Barão de Cocais claro que visitamos o Sítio Arqueológico da Pedra Pintada. Mas a visita à Mina do Gongo Soco ficou para outra vez. Uma pena.
Em Santa Bárbara visitamos a igreja matriz e o museu Afonso Pena. Vale a pena a visita. Novo carimbo nos passaportes.
Ainda estava cedo e seguimos para o Caraça onde conseguimos hospedagem. Para mim foi uma grande surpresa. Local maravilhoso !!!! No jantar ainda deu para ver o lobo guará vindo comer. Engraçado é que com muita gente (em silêncio) ele parece não se incomodar com cliques e flashes do público. Algumas garrafas de vinho foram saboreadas após o jantar.
A pousada grande com boas acomodações e ótimo preço. Com certeza voltarei.

Entre o Caraça e Catas Altas visitamos o Bicame de pedra, construção muito antiga e razoavelmente preservada. Passeios em Catas Altas e seguindo orientação de um morador fomos à cachoeira da Santa. Almoçamos no povoado de Morro da Água Quente, no restaurante Rancho do Pote que tem uma história bastante curiosa e é um excelente local para comer. No restaurante fomos informados que o trajeto da Estrada Real não dava passagem para carros nas proximidades de Mariana, devido ao acidente da represa do Fundão. Então resolvemos seguir o restante do planejado por asfalto até Tiradentes, mas sem deixar de passar em cidades da Estrada Real.
Em Mariana passeamos muito a pé e contratamos uma van para passeio em Ouro Preto. A dificuldade foi grande para achar a van, mas foi sanada com contato com a Inconfidência Transporte através de Graciano (31 99961 1304 Vivo e 31 98725 8568 Oi). Bom preço e boa disposição.
Ótima ideia. Visitamos muitos pontos turísticos sem o inconveniente de achar estacionamento para 4 carros em suas ruas. Lá almoçamos e voltamos no final da tarde para Mariana. No caminho alguns visitaram a Mina da Passagem. A maior mina de ouro aberta à visitação púbica, do mundo. 

Vamos de Mariana para Tiradentes. Resolvemos evitar a BR 040 e passar por outro caminho, mas asfaltado.
Com parada em Lagoa Dourada para provar o "melhor rocambole do mundo", e no totem da Estrada Real, chegamos em Tiradentes no final do dia. Problemas !!! Estava acontecendo um festival de fotografias (Foto em Pauta) e tivemos dificuldade no trânsito e em achar uma pousada que acomodasse todos. Por fim ficamos no Hotel Serra Vista. Embora afastado do centro suas acomodações são razoáveis e bem pertinho tem restaurantes e bares inclusive uma fábrica de cerveja "artesanal". Em Tiradentes aproveitamos para conhecer o povoado de Bichinho e em seu caminho, uma parada "obrigatória" no Museu do Automóvel.
Ainda depois de vários passeios a pé e de charrete, pegamos o trem para São João del Rei com almoço em um restaurante ao lado da estaçao ferroviária. Pena que os horários do trem não permitem que se passe mais tempo em uma ou outra cidade.
Cumprido o planejado estava na hora de preparar as malas para a volta. Olhando nos mapas foi sugerido e aceito um caminho diferente, longe da BR 040, e passando por mais "interior" das Minas Gerais. Que estrada bonita !! Muitas serras e várias pequenas cidades, e sem contratempos, chegamos a Brasília no início da noite de 14mar16.

Minas, me aguarde !!! Voltarei !!



ą
Ivan de Araujo Pereira,
20 de mar de 2016 15:18
ą
Ivan de Araujo Pereira,
22 de mar de 2016 08:37
Comments