O Mundo‎ > ‎Africa‎ > ‎

    Angola

     
     
    Angola é um país da África Austral. A capital é Luanda. As principais religiões são crenças indígenas e Cristianismo (Catolicismo e Protestantismo). A língua nacional é o Português, e as línguas Bantu são amplamente faladas. Angola está a reconstruir o seu país após o fim de uma guerra civil de 27-anos em 2002. Os combates entre o Movimento Popular para a Libertação de Angola (MPLA), liderado por José Eduardo dos Santos, e a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), liderada por Jonas Savimbi, seguiram a independência de Portugal em 1975. A paz parecia iminente em 1992, quando Angola realizou eleições nacionais, mas a luta aumentou novamente em 1996. Até 1,5 milhões de vidas podem ter sido perdidas - e 4 milhões de pessoas deslocadas - em 25-anos de luta. A morte de Savimbi em 2002 terminou a insurgência da UNITA e fortaleceu a manutenção do MPLA no poder. O Presidente Dos Santos realizou eleições legislativas em Setembro de 2008 e, apesar da promessa de realizar eleições presidenciais em 2009, ele desde então tem feito um contingenciamento das eleições presidenciais para 2012 sobre a elaboração de uma nova Constituição.
     

    Angola, uma ex-colônia de Portugal, conseguiu a independência em 1975. Antes de 1975 várias centenas de milhares Portuguêses viviam em Angola. Eles controlavam o governo, construíam cidades como aquelas em Portugal, e controlavam a economia. Quando os países Europeus foram forçados a abrir mão do controle de suas colônias Africanas, Portugal conseguiu manter seus territórios no continente. Mas em 1961 a guerra de guerrilha eclodiu no norte de Angola, e o movimento pela independência começou.

    Mal tinha a liberdade sido ganha quando a luta se incendiou entre grupos rivais Angolanos. Nações estrangeiras - incluindo os Estados Unidos, Cuba, China e África do Sul tornaram-se envolvidas na guerra civil da nação, que devastou a economia. Acordos de cessar-fogo foram assinados em 1991 e 1994, mas eles não parararam a luta por muito tempo. A paz não foi totalmente restaurada até 2002. Minas terrestres fizeram os campos inseguros, mas os minerais forneceram uma possível fonte de prosperidade futura.

    Terra
    Angola, na costa ocidental da África, abrange uma área total de 481.351 milhas quadradas (1.246.700 km²). Ela foi a maior província de Portugal no exterior. No norte e nordeste ela fronteira com a República Democrática do Congo; no sudeste pela Zâmbia; e ao sul pela Namíbia.

    Uma baixa faixa de terra variando de 20 a 100 milhas (32 a 160 km) de largura corre ao longo da costa. A maior parte do interior de Angola consiste no altiplano de Benguela, um vasto planalto com altitudes médias entre 3.000 e 6.000 pés (915 e 1.830 m). O ponto mais alto do país (8.596 pés; 2.620 m) está localizado no Planalto de Bié. O planalto gradualmente nivela fora no norte até a Bacia do Rio Congo e no sul ele encontra o Deserto do Kalahari, que cobre a maior parte do sudoeste da África.

    Rios.
    O planalto interior de Angola é drenado no norte pelo poderoso Rio Congo e no sul pelo Okavango (conhecido localmente por seu nome Português, Cubango), que faz parte da fronteira entre Angola e a Namíbia. O grande Rio Zambeze, que viaja cerca de 1.600 milhas (2.575 km) em toda a África Austral antes de drenar para o Oceano Índico, atravessa o extremo leste de Angola.  

    Clima.
    O clima de Angola varia de tropical na Bacia do Congo do norte de Angola para árido no extremo sul. Devido à sua altitude, o planalto interior tem um clima temperado, com a alternância de estações seca e chuvosa. Os meses mais secos e mais frescos no país são de Junho a Setembro; os mais quentes e mais úmidos são de Outubro a Maio. As chuvas médias são tanto quanto 60 polegadas (152 cm) no nordeste, mas diminuem consideravelmente no sul e no sudoeste.

    Cidades.
    Situada ao longo do Oceano Atlântico, Luanda, a capital, é a maior cidade em Angola. Fundada pelos Portuguêses em 1575, é um dos mais antigos assentamentos Europeus em toda a África ao sul do Saara. Muitos de seus edifícios datam dos séculos 17 e 18, quando Luanda foi o ponto chave do comércio de escravos entre a África e o Brasil.

    Huambo (antigamente chamada Nova Lisboa) é a segunda-maior cidade de Angola, o coração cultural do povo Ovimbundu, e o centro agrícola tradicional do país. Uma batalha de 1993 pelo controle da cidade entre as forças governamentais e os rebeldes da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) devastou a cidade e levou a um número estimado de 15.000 mortes; pelo menos 5.000 dos mortos eram civis.

    Lobito e Benguela, cidades portuárias gêmeas na costa central, serviram como pontos de transbordo para as mercadorias expedidas ao longo da Estrada de Ferro de Benguela do interior de Angola, de Zâmbia e da República Democrática do Congo. A ferrovia foi fechada por ataques da guerrilha de 1975-1991, e novamente após as eleições de 1992, mas desde então tem reaberto. Durante a guerra civil, as cidades se tornaram o lar de muitos refugiados do planalto central. Outras cidades incluem Namibe (antiga Moçâmedes), Malange (Malanje), e Cabinda, a cidade líder no enclave de Cabinda.

    População
    Mais de 75% da população de Angola pertencem a vários grupos Bantu. Os Ovimbundu, o maior dos grupos, ocupam o centro algo densamente povoado do país. Os Kimbundu, o segundo maior grupo, vivem mais ao norte. Os Bakongo habitam as áreas mais ao norte perto das fronteiras do Congo (Brazzaville) e do Congo (Kinshasa). O restante da população é composta de pessoas de ascendência Africana e Portuguêsa mistos, e um pequeno número dos San e dos Khoikhoi. Quase toda a população Portuguêsa deixou o país na época da independência e da guerra civil.

    Os Ovimbundu são famosos na África como comerciantes, e eles, de toda a população nativa de Angola, têm absorvido mais facilmente a cultura Europeia. Os Ovimbundu foram os principais defensores da UNITA na guerra pós-independência contra o governo, mas eles também sofreram ataques violentos da UNITA. 

    Os Kimbundu, devido à sua proximidade com Luanda, também se tornaram em grande parte Europeizados. Muitos deixaram suas terras natais tradicionais e mudaram-se para Luanda, onde eles têm empregos em muitos dos estabelecimentos comerciais, escritórios governamentais, e indústrias. Mas muitos Kimbundu que habitam o interior rural ainda envolvem-se na agricultura de subsistência.

    Os Bakongo podem ser encontrados ao longo da região costeira do norte de Angola. Essas pessoas são um ramo da grande família Kongo que transborda as diversas fronteiras na África Central. Os Bakongo de Angola são basicamente agricultores que cultivam milho, batata doce, amendoim e feijão. A pesca e a caça desempenham um papel importante em sua economia. Os Bakongo também se destacam na escultura e na música. Essas pessoas, mais do que qualquer outro grupo em Angola, foram os mais envolvidos na guerra pela independência, que começou em 1961.

    Religião.
    Pouco mais da metade dos povos Bantus de Angola foram convertidos ao Cristianismo, tanto o Catolicismo Romano e o Protestantismo. O restante das pessoas têm crenças animistas. Muitas das religiões tradicionais Bantu perderam a maior parte de sua força em sua forma pura, mas algumas práticas combinando o Cristianismo e certos aspectos das religiões tradicionais são generalizados.

    Educação.
    Até a independência, o sistema educacional de Angola foi baseado no de Portugal. Muitas escolas primárias eram operadas pela Igreja Católica Romana. A educação hoje é gratuita e oficialmente obrigatória para as crianças entre as idades de 7 e 15. O número de alunos matriculados no ensino primário aumentou de 300.000 em 1973 para 1,5 milhões em 1982, mas declinou para menos de 1 milhão na década de 1990 devido à guerra civil. Programas de alfabetização de adultos foram introduzidos após a independência, mas a taxa de alfabetização ainda era apenas de 42% na virada do século. A Universidade Agostinho Neto, em Luanda, foi fundada em 1963.

    Apesar do Português ser a língua oficial, as línguas Bantu, principalmente o Ovimbundu e o Kumbundu, são falados poela maioria dos Angolanos.

    Economia
    Antes da década de 1970 a economia do país foi em grande parte sustentada por uma única colheita - o café. Outros produtos tradicionais Angolanos de importância são os diamantes de um enorme complexo de mineração no nordeste, produtos da pesca, o sisal (do qual a corda é feita), madeira, açúcar, milho, algodão e banana. Desde 1973, o petróleo bruto tem sido o principal produto de exportação. Angola é um dos principais produtores Sub-saarianos do petróleo. A maioria dos depósitos de petróleo estão no mar ao longo da costa Atlântica, principalmente fora do enclave de Cabinda. O país também tem excelente potencial hidrelétrico.

    A agricultura emprega cerca de 85% da força de trabalho de Angola. A maioria dos agricultores cultivam plantações de alimentos para consumo próprio ou para o mercado local. As principais culturas de subsistência são o milho, mandioca, batata-doce e bananas. A produção agrícola diminuiu enquanto a guerra civil forçou as pessoas a abandonarem suas casas. Mesmo depois que a paz foi restaurada em 2002, as minas terrestres mantiveram os agricultores de plantarem suas lavouras, e muita comida tinha que ser importada.

    O refino de petróleo é a indústria líder. Outras importantes atividades industriais incluem o processamento de alimentos, a produção de têxteis do algodão cultivado localmente, e a fabricação de materiais de construção.

    A guerra civil pós-independência devastou a infra-estrutura de Angola, e o dinheiro que poderia ter alimentado o desenvolvimento econômico foi para gastos militares. Após a independência, grande parte da economia foi colocada sob o controle estatal, embora reformas de livre-mercado foram adotadas posteriormente, e ricos recursos naturais ofereçam esperança para o futuro. Angola tornou-se o principal fornecedor de petróleo para a China, que tem assumido um papel importante na reconstrução da maltratada infra-estrutura de Angola.

    História
    Nos séculos 14 e 15, os povos Bantu da África Central se mudaram para o sul, ocupando terras esparsamente povoadas pelos Khoikhoi e os San. Os Bantu estabeleceram vários reinos importantes na área que inclui hoje Angola. Os três reinos principais eram Luba, Lunda, e o grande Reino do Kongo. No século 16, o centro de Angola foi invadido pelos Jagas, um povo feroz de guerreiros que se estabeleceram na região serrana e gradualmente foram assimilados pela população maior dos povos Kimbundu e Ovimbundu.

    O primeiro Europeu a chegar a Angola foi o navegador Português Diogo Cão, que avistou a foz do Rio Congo em 1482. Mais tarde, ele explorou o interior e entrou em contato com os manikongo ("reis do Kongo"). Mais tarde, esses reis foram convertidos ao Cristianismo, e o Kongo se tornou um estado vassalo do rei Português. Do século 16 ao século 19, os Portuguêses em Angola permaneceram em fortificados portos do litoral.

    Em meados do século 19, os Inglêses tornaram-se interessados em expandir seu império Africano. Temendo a perda de sua posição na África, os Portuguêses começaram a explorar e conquistar o interior de Angola. Em 1891, um tratado com os Britânicos estabeleceu os limites atuais de Angola, e por volta de 1918, as últimas regiões interiores foram colocadas sob o controle Português. Após a Segunda Guerra Mundial, Angola tornou-se uma província ultramarina de Portugal.

    Em 1961, revoltas armadas contra o governo Português estouraram no norte de Angola. Portugal enviou tropas para combater os insurgentes, e instituiu reformas econômicas e políticas, mas a luta continuou. Em 1974, um grupo de militares derrubou o governo de Portugal. Os novos líderes em Lisboa concederam a Angola a sua independência, para se tornar efetiva no final de 1975. Um órgão provisório, incluindo representantes dos três grupos de libertação de Angola foi formado para governar o país. Como a independência se aproximava, a rivalidade entre esses grupos levou à guerra civil. Quando os Portuguêses se retiraram em Novembro de 1975, um desses grupos, o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), tomou o poder com a ajuda de armas Soviéticas e tropas Cubanas antes que as eleições pudessem ser realizadas. Seu líder, António Agostinho Neto, tornou-se presidente do governo Marxista. Após a morte de Neto, em 1979, ele foi sucedido por José Eduardo dos Santos.

    A guerra civil continuou entre o MPLA e a UNITA liderada por Jonas Savimbi e apoiada pelos Estados Unidos e a África do Sul. Em um acordo de Dezembro de 1988, Angola, Cuba e a África do Sul concordaram com um calendário para a retirada das forças Cubanas, o fim do apoio Sul-africano para a UNITA, e a independência da Namíbia vizinha (adquirida em 1990).

    As últimas tropas Cubanas deixaram Angola em Maio de 1991. O MPLA abandonou o Marxismo-Leninismo logo depois, e o MPLA e a UNITA assinaram um acordo de paz pedindo um cessar-fogo monitorado pela ONU. Em eleições multipartidárias realizadas em 1992, o MPLA conquistou uma maioria legislativa. Dos Santos ganhou 49,6% dos votos presidenciais contra 40,1% de Savimbi. Savimbi rejeitou os resultados e cerca de 200.000 Angolanos morreram em novos combates antes de um novo acordo de paz ser assinado em 1994.

    Dos Santos em seguida tornou-se presidente de um governo transitório de unidade nacional, mas a UNITA retomou a guerra civil. Savimbi foi morto por soldados do governo em 22 de Fevereiro de 2002, e o governo e a UNITA assinaram um acordo de cessar-fogo em Abril. Mas a reconciliação foi prejudicada por uma fome induzida pela seca e pela guerra.

    As primeiras eleições legislativas em 16 anos foram realizadas em Angola em Setembro de 2008. O governante MPLA venceu esmagadoramente. A legislatura aprovou uma nova Constituição em Janeiro de 2010. O Presidente Dos Santos seria capaz de servir mais dois mandatos de 5-anos, começando em 2012. As eleições diretas para presidente, há muito prometidas mas nunca realizadas, foram abolidas. No futuro, o líder do partido vencedor de uma maioria legislativa se tornará automaticamente o presidente. O cargo de primeiro-ministro também foi abolido. Ele foi substituído por um vice-presidente nomeado pelo presidente.

    Norman A. Bailey
    The City University of New York

     

    Translated to Portuguese by The Internet Nations.

     
     




    Chief of state: President Jose Eduardo DOS SANTOS (since 21 September 1979); Vice President Manuel Domingos VICENTE (since 26 September 2012); note - the president is both chief of state and head of government;

    Head of government: President Jose Eduardo DOS SANTOS (since 21 September 1979); Vice President Manuel Domingos VICENTE (since 26 September 2012);

    Cabinet: Council of Ministers appointed by the president;

    Elections: president indirectly elected by National Assembly for a five-year term (eligible for a second consecutive or discontinuous term) under the 2010 constitution; President DOS SANTOS was selected by the party to take over after the death of former President Augustino NETO (1979) under a one-party system and stood for reelection in Angola's first multiparty elections on 29-30 September 1992 but the election was suspended; following the results of the 2012 legislative elections Jose Eduardo DOS SANTOS was indirectly elected president (elligible for a second term);

    Election results: NA; Jose Eduardo DOS SANTOS was indirectly elected president by the National Assembly following legislative elections on 31 August 2012; DOS SANTOS was inaugurated on 26 September 2012 to serve the first of a possible two terms under the 2010 constitution. 


     

     
    Antecedentes: 
    Angola está a reconstruir o seu país após o fim de uma guerra civil de 27-anos em 2002. Os combates entre o Movimento Popular para a Libertação de Angola (MPLA), liderado por José Eduardo dos Santos, e a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), liderada por Jonas Savimbi, seguiram a independência de Portugal em 1975. A paz parecia iminente em 1992, quando Angola realizou eleições nacionais, mas a luta aumentou novamente em 1996. Até 1,5 milhões de vidas podem ter sido perdidas - e 4 milhões de pessoas deslocadas - em 25-anos de luta. A morte de Savimbi em 2002 terminou a insurgência da UNITA e fortaleceu a manutenção do MPLA no poder. O Presidente Dos Santos realizou eleições legislativas em Setembro de 2008 e, apesar da promessa de realizar eleições presidenciais em 2009, ele desde então tem feito um contingenciamento das eleições presidenciais para 2012 sobre a elaboração de uma nova Constituição.

     
     
    Economia - Resumo:
    A alta taxa de crescimento de Angola nos últimos anos foi impulsionada pela alta dos preços internacionais de seu petróleo. Angola tornou-se membro da OPEP no final de 2006 e seu atual atribuída uma quota de produção de 1,65 milhões de barris por dia (bbl / dia). A produção de petróleo e suas atividades de apoio contribuem com cerca de 85% do PIB. Exportações de diamantes contribuir com um adicional de 5%. A agricultura de subsistência fornece o principal meio de vida para a maioria das pessoas, mas metade dos alimentos do país ainda é importado. Produção de petróleo aumentou apoiou um crescimento médio superior a 17% ao ano, de 2004 a 2008. Um boom de reconstrução pós-guerra e reassentamento de pessoas deslocadas tem levado a altas taxas de crescimento na construção civil e agricultura também. Grande parte da infra-estrutura do país ainda está danificado ou pouco desenvolvido a partir da guerra de 27 anos de duração civil. Minas terrestres deixadas pela guerra ainda estragar o campo, mesmo que a paz foi estabelecida após a morte do líder rebelde Jonas Savimbi, em Fevereiro de 2002. Desde 2005, o governo tem usado bilhões de dólares em linhas de crédito da China, Brasil, Portugal, Alemanha, Espanha, e da UE para reconstruir infra-estrutura pública de Angola. A recessão global que começou em 2008, o crescimento econômico estagnado temporariamente. Preços mais baixos para o petróleo e os diamantes durante a recessão global desacelerou o crescimento do PIB para 2,4% em 2009, e muitos projetos de construção parou porque Luanda provisionou US $ 9 bilhões em dívidas a empresas de construção estrangeiras quando a receita do governo caiu em 2008 e 2009. Angola abandonou sua paridade cambial em 2009, e em novembro de 2009 assinaram um FMI Stand-By Arrangement empréstimo de US $ 1,4 bilhões para reconstruir as reservas internacionais. A inflação ao consumidor caiu de 325% em 2000, para cerca de 10% em 2012. Os preços mais altos do petróleo ajudou a transformar Angola num défice orçamental de 8,6% do PIB em 2009 para um superávit de 12% do PIB em 2012. Corrupção, especialmente nos setores extrativos, também é um grande desafio.
     
     
    Disputas - internacionais:
    O DROC acusa Angola de mudar monumentos. 
     
     
    Refugiados e pessoas deslocadas internamente:
    refugiados (país de origem): 12.615 (República Democrática do Congo).
    IDP: 61.700 (27 anos de guerra civil que terminou em 2002; 4 milhões de IDPs já regressaram) (2007).
     
     
     
    Tráfico de pessoas:

    Situação atual
    : Angola é uma fonte e país de destino para homens, mulheres e crianças vítimas de tráfico sexual e trabalho forçado; internamente, alegadamente vítimas do tráfico são forçadas a trabalhar na agricultura, construção, serviço doméstico, e minas de diamantes; as mulheres e crianças Angolanas estão sujeitas a servidão doméstica na África do Sul, na República Democrática do Congo (RDC), na Namíbia e em alguns países Europeus, principalmente Portugal; mulheres Vietnamitas, Chinesas, e Brasileiras na prostituição em Angola também podem ser vítimas de tráfico sexual; relatórios indicam que migrantes Chineses, do Sudeste Asiático, da Namíbia, e possivelmente do Congo são submetidos a trabalho forçado na indústria da construção de Angola.

    Classificação de níveis: Nível 2 Watch List - o Governo de Angola não cumpre totalmente com os padrões mínimos para a eliminação do tráfico; no entanto, está fazendo esforços para fazê-lo; o governo não demonstrou um aumento dos seus modestos esforços anti-tráfico do ano anterior; não foram feitos esforços para melhorar os seus serviços de proteção mínimos previstos para as vítimas ou para aumentar a conscientização do tráfico (2011).
     
     
     
    As drogas ilícitas:
    usado como um ponto de transbordo para a cocaína destinada à Europa Ocidental e outros estados Africanos, particularmente a África do Sul.
     
     
     
     



     
     

    Se você gostou deste site, aceite esta bandeirola por sua visita ou: OUÇA NOSSO HINO

     
     



     
    Angola 

     

     

     

    SE VOCÊ FOR



    SEGURANÇA: A situação geral de segurança em Angola melhorou consideravelmente desde o fim da guerra civil, no entanto, você ainda deve ter cautela ao viajar em Angola. Viagem-do-chão em algumas partes de Angola pode ser problemático devido a minas terrestres e outros vestígios da guerra. Não toque em nada que se assemelhe a uma mina ou engenhos explosivos não detonados. Apesar do grande progresso de Angola na reconstrução de estradas e pontes, a infra-estrutura continua pobre. A polícia e os oficiais militares são às vezes indisciplinados, mas sua autoridade não deve ser contestada. Viaje na maioria das regiões de Luanda é geralmente seguro por dia, mas as portas do carro deve ser bloqueado, janelas fechadas, e os pacotes de laptops, telefones celulares, armazenada fora da vista. Você deve evitar viajar à noite, e nenhuma viagem deve ser realizada em estradas fora das cidades após o anoitecer.

    Se você está vivendo, ou com planos de visitar, na província nortenha de Cabinda, você deve estar ciente de ameaças à sua segurança fora da cidade de Cabinda. Em 2007 e 2008, grupos armados atacaram especificamente orientadas e expatriados em Cabinda, estes ataques armados resultou no estupro, roubo e assassinato de vários expatriados que trabalham em Cabinda. Durante o Campeonato Africano das Nações de futebol torneio em janeiro de 2010, Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC) separatistas atacaram um veículo que transportava a visita da equipe de futebol do Togo, matando três e ferindo vários outros. Os responsáveis ​​declararam sua intenção de continuar os ataques contra estrangeiros. Ataques ocasionais contra a polícia e Forças Armadas Angolanas (FAA) comboios e postos avançados continuam a ser relatados. Estes incidentes, enquanto freqüentes, têm ocorrido com pouco ou nenhum aviso. Agir com extrema cautela quando viajar para fora do cidade de Cabinda e viagens limite.

    Você são aconselhados a realizar apenas viagens essenciais para a Lunda Norte e províncias do sul. Como o Governo de Angola é sensível para as viagens de estrangeiros nas áreas de produção de diamantes das províncias, a devida permissão e documentação é exigida para freqüentar estas áreas.

    Você são aconselhados a não tirar fotos de locais e instalações de interesse militar ou de segurança, incluindo edifícios governamentais, pois isso pode resultar em multas e, possivelmente, prender.

    CRIME:

    O crime é um problema em Angola. Enquanto o crime mais violento ocorre entre os angolanos, os estrangeiros foram atacados também. O crime da rua é uma ocorrência regular em Luanda. Os crimes mais comuns são furto, bolsa-arrebatando, roubo de veículos, de veículos e arrombamentos. Assaltos armados, roubos e carjacking estrangeiros envolvendo também ocorrer. Cidadãos norte-americanos são aconselhados a evitar Roque Santeiro e Pinto Rocha, e só viajar pelo "Road Serpentine" na frente da Embaixada dos EUA de carro. Em geral, o movimento em torno de Luanda é mais seguro por dia do que durante a noite. Touring após escuro deve ser evitada. Os passageiros aéreos que chegam em Luanda são fortemente aconselhados a providenciar transporte terrestre confiável e segura de antecedência, não há serviço regular de táxi. Cidadãos norte-americanos são aconselhados a evitar o uso do transporte público conhecido como "candongueiros" ou "taxistas", porque essas vans multi-passageiros são em grande parte não regulamentada e, muitas vezes perigoso.

    Os motoristas devem parar em todos os postos policiais, se assim for solicitado. Os policiais podem pedir suborno ou solicitar o pagamento imediato de "multas" por supostas infrações menores. Cidadãos norte-americanos pediram suborno por parte da polícia deve pedir educadamente a polícia de trânsito para escrever-lhes um bilhete, se a polícia alegar uma violação em movimento. Se o policial escreve o bilhete, em seguida, o motorista deve pagar a multa no local indicado no bilhete. Se nenhuma violação movimento é acusado e o oficial está pedindo uma propina, o motorista deve, sem realmente desafiar a autoridade do policial, peça educadamente o oficial para a sua / seu nome e número do crachá. Diretoria, assim, envolvidos com frequência deixa motoristas sem ir suborno pago se os motoristas seguir este conselho. Os motoristas são lembrados para que todos os documentos adequados no veículo o tempo todo (ou seja, matrícula do veículo, comprovante de seguro, e carta de condução), como falta de documentação também é uma infração de trânsito. A lei local exige que todos os pilotos em Angola tem a devida permissão para dirigir. Polícia nem sempre são sensíveis às denúncias de crime ou pedidos de assistência. A maioria dos policiais são a pé e são atribuídos aos designados mensagens estacionárias. A Polícia de Intervenção Rápida unidade (PIR) é freqüentemente vistos patrulhando várias áreas da cidade. Esta unidade bem treinada e bem organizado responde a grandes crimes.

    Houve operações policiais contra os imigrantes ilegais e empresas privadas, resultando em deportação de ilegais residentes estrangeiros e perda de bens pessoais e da empresa. Empreendedores independentes em Angola deve levar cópias autenticadas dos documentos relevantes de imigração e de negócios em todos os momentos.

    Os viajantes devem estar atentos a fraude perpetrada por pessoas ocasionalmente aeroporto de Luanda. Imigração e funcionários aduaneiros, por vezes, deter estrangeiros sem justa causa e, em seguida, exigir gorjetas antes de permitir que entrar ou sair de Angola. Autoridades de saúde do aeroporto, por vezes, exigem que os passageiros que chegam sem comprovação de vacinação contra a febre amarela atual aceitar e pagar por uma vacinação no aeroporto. Os viajantes são aconselhados a levar o seu cartão de vacinação da febre amarela e garantir a sua vacina contra a febre amarela é up-to-date. Se os viajantes se esqueça de levar seu cartão de vacinação da febre amarela e que não querem receber a vacina oferecida no aeroporto, eles devem estar preparados para sair do país no próximo vôo disponível. Pesquisas de bagagem despachada viajantes "são comuns. Os viajantes devem também estar conscientes de que os criminosos às vezes tentar inserir itens de bagagem no aeroporto, especialmente para os voos de Luanda para a África do Sul. É importante que os viajantes manter o controle da sua bagagem carry-on em todos os momentos, e se eles acreditam que algo foi inserido em sua bagagem, eles devem relatar o incidente imediatamente para as autoridades aeroportuárias.

    Em muitos países ao redor do mundo, mercadorias contrafeitas e piratas estão amplamente disponíveis. Transações envolvendo esses produtos podem ser ilegais sob a lei local. Além disso, trazê-los de volta para os Estados Unidos pode resultar em cancelamentos e / ou multas.

    Não compre produtos falsificados e pirateados, mesmo se eles estão amplamente disponíveis. Não são apenas os bootlegs ilegais nos Estados Unidos, você pode estar violando leis locais também.

     
     
     
     
     
     
    AUTOR: INTERNET NATIONS