Ultimas noticias

Jogadores do Verdão prometem empenho no clássico para aplacar a crise Sob pressão, Verdão encara o São Paulo neste domingo. 'Se nos doarmos em campo, a torcida vai cantar e nos apoiar', afirma Wendel

postado em 20 de fev de 2010 12:57 por Lucas Santos

A semana tem sido dura para o Palmeiras. Após a goleada por 4 a 1 sofrida diante doSão Caetano, na última quarta-feira, a diretoria do Verdão demitiu Muricy Ramalho e contratou Antônio Carlos, que já chegou sob pressão. Neste sábado pela manhã, um grupo composto por membros de uma das torcidas uniformizadas foi à porta da Academia de Futebol protestar contra a diretoria e o novo técnico. Para os jogadores do Verdão, não há outra maneira de acabar com essa situação que não seja a seguinte: vencer o clássico contra o São Paulo, neste domingo, às 17h (horário de Brasília), no Palestra itália.


Os jogadores garantem, em entrevista ao site oficial do Verdão, que não vão se deixar abater facilmente e prometem encarar o Tricolor com força. O lateral-direito Wendel lembra que a torcida reage de acordo com os resultados. 

- A torcida só critica e xinga quando a equipe não corresponde. Se nós nos doarmos e dermos a vida em campo para vencer, eles vão cantar sem parar e incentivar os jogadores do começo ao fim. Vamos entrar com essa mentalidade. 

O volante Pierre, por sua vez, afirma que a derrota para o Azulão é passado e que o resultado não pode pesar neste domingo. 

- Ninguém aqui vai se rebaixar só por causa de uma derrota. Sabemos o quanto ela foi dolorosa e até vergonhosa, mas foi algo atípico. Nosso time não vinha atuando mal e se superou em muitos dos jogos anteriores. Temos certeza que, com muita determinação, podemos dar a volta por cima.

Antônio Carlos relaciona Marquinhos para o clássico. Armero está fora da lista Meia-atacante ainda não havia sido convocado para nenhum jogo neste ano. Já lateral colombiano não vive boa fase

postado em 20 de fev de 2010 12:52 por Lucas Santos

Após o treino com portões fechados neste sábado pela manhã, na Academia de Futebol, o técnico do Palmeiras, Antônio Carlos, divulgou a lista de jogadores relacionados para o clássico contra o São Paulo, domingo, às 17h (horário de Brasília), no Palestra Itália, pelo Paulistão. O treinador resolveu barrar o lateral-esquerdo Armero, que não vive boa fase, e relacionou o meia-atacante Marquinhos, que não havia sido convocado para nenhum jogo neste ano. 

O treinador não falou sobre a relação. Somente alertou para a importância do clássico. 

- É um jogo importantíssimo pela tradição e rivalidade das duas equipes, mas nós aqui dentro sabemos o quanto um resultado positivo será fundamental para continuarmos na briga pela classificação - disse. 

Confira quem são os 20 jogadores convocados por Antônio Carlos:

Goleiros

Marcos e Deola 

Laterais

Wendel, Figueroa e Eduardo 

Zagueiros 
Danilo, Léo e Gualberto 

Volantes 
Pierre, Márcio Araújo, Edinho e Souza 

Meias

Diego Souza, Cleiton Xavier, Deyvid Sacconi, Joãozinho 

Atacantes

Robert, Lenny, William e Marquinhos

Novo treinador, antes da estreia, já é alvo de protestos dos torcedores do Palmeiras Alviverdes criticam a demissão de Muricy e chamam presidente de covarde

postado em 20 de fev de 2010 12:45 por Lucas Santos

Cesar Greco/Agência EstadoO nome de Antônio Carlos não agradou uma parte da torcida do Palmeiras. Cerca de 50 alviverdes foram para a frente do CT do clube, neste sábado, para protestar contra a chegada do novo comandante. Apesar do mau momento da equipe, os torcedores aparentemente queriam a permanência de Muricy Ramalho com uma faixa que dizia: "Volta Muricy, fora racista." 

Em março de 2006, quase no fim de sua carreira de jogador, Antônio Carlos estava no Juventude e foi denunciado por crime de racismo pelo volante Jeovânio, do Grêmio. O então zagueiro acabou expulso após falta dura no atleta tricolor e saiu esfregando os dedos no braço, gesto interpretado como de cunho racista por torcida e parte da imprensa. Ele pendurou definitivamente as chuteiras no fim de 2007, defendendo o Santos.

 

Veja  com várias faixas estendidas durante o protesto da torcida


Além do novo técnico, time e diretoria também não foram poupados das críticas com faixas como: "Elenco pipoqueiro", "Belluzzo (presidente) covarde" e "Fora Cipullo (vice de futebol) 171". Comissão técnica e jogadores não chegaram a ver a confusão, porque o ônibus rumo à concentração em um hotel na capital paulista saiu do CT alguns minutos antes. A manifestação terminou sem maiores problemas com uma queima de fogos.

 

Diante deste cenário negativo, Antônio Carlos estreia no comando da equipe palmeirense neste domingo, às 17h (de Brasília), no clássico contra o São Paulo, no Palestra Itália, pela 10ª rodada do Campeonato Paulista. O GLOBOESPORTE.COM mostra o jogão em Tempo Real, com vídeos.

 

Palmeiras resgata antigo diretor da era Parmalat Seraphim del Grande volta à direção do clube para atuar ao lado de Savério Orlandi e Genaro Marino

postado em 19 de fev de 2010 16:11 por Lucas Santos

                 Seraphim Del Grande, Belluzzo e Cipullo voltam a                     trabalhar juntos no Palmeiras              onda de mudanças no departamento de futebol, o Palmeiras resgatou um antigo diretor da "era Parmalat" para ajudar o clube neste momento turbulento. Seraphim Del Grande, diretor de futebol nos anos 90, assume novamente o cargo. À época, a empresa de latícinios patrocinou o clube e bancou a contratação de vários jogadores do timaço bicampeão brasileiro em 1993 e 1994. Coincidentemente, o novo técnico do Verdão, Antônio Carlos, fazia parte da equipe, que ainda contava com feras como Rivaldo, Edmundo e Roberto Carlos.

 

O ex-presidente do Conselho Deliberativo do Alviverde trabalhará ao lado de Genaro Marino e Savério Orlandi, outros diretores que o futebol já tinha.

 

Embora estivesse fora do comando do futebol, Del Grande mantinha sua voz ativa no clube e atuava como uma espécie de conselheiro do presidente Luiz Gonzaga Belluzzo. Ao lado do mandatário palmeirense, ele participou da reunião que definiu a demissão do técnico Muricy Ramalho e também da contratação de Antônio Carlos Zago, novo treinador do time.

 

Apesar de ter colocado novamente Del Grande na diretoria, o Palmeiras ainda vai contratar um novo gerente de futebol remunerado, que substituirá Toninho Cecílio, que pediu demissão do cargo na última quinta-feira.

Antônio Carlos estreia no clássico Novo técnico do Palmeiras assume o cargo nesta sexta e terá dois dias para preparar a equipe para o jogo com o São Paulo

postado em 19 de fev de 2010 16:09 por Lucas Santos   [ 19 de fev de 2010 16:11 atualizado‎(s)‎ ]

 

Divulgação/Site Oficial do São Caetano

Zago se despediu do São Caetano na quinta

Antônio Carlos Zago, novo técnico doPalmeiras, vai fazer a sua estreia no comando do Verdão neste domingo, durante o clássico com o São Paulo, marcado para as 17h no Palestra Itália e válido pela décima rodada do Campeonato Paulista

Inicialmente, o substituto de Muricy Ramalho, que foi demitido na última quarta-feira justamente após ser goleado (4 a 1) pelo São Caetano de Antônio Carlos, não ficaria no banco na partida com o Tricolor. Jorge Parraga, treinador do Palmeiras B, seria o interino no clássico. Mas a diretoria alviverde confirmou Antônio Carlos. 

O novo treinador será apresentado às 15h30 desta sexta-feira na Academia de Futebol e já comanda a primeira atividade com o elenco palmeirense.

Zago se despede do São Caetano Novo técnico do Palmeiras vai ao treino do Azulão para comandar a última atividade e dar adeus aos jogadores. À tarde, ele já assume o Verdão

postado em 19 de fev de 2010 16:09 por Lucas Santos

O técnico Antônio Carlos Zago esteve em São Caetano na manhã desta sexta-feira para se despedir dos jogadores e dos funcionários do clube. Na quinta, ele acertou a ida para oPalmeiras, onde substituirá Muricy Ramalho e será apresentado ainda nesta tarde. No domingo, comandará o Verdão no clássico com o São Paulo, marcado para as 17h no Palestra Itália. 

Antônio Carlos estava no time do ABC desde junho do ano passado. O São Caetano tinha sido o seu primeiro clube como técnico. Ex-zagueiro, ele pendurou as chuteiras em 2008 no Santos e tinha virado dirigente logo em seguida, trabalhando no Corinthians. 

Nesta sexta, ele se reuniu com os atletas no vestiário e depois foi até o campo. Ainda montou o treinamento e aí disse adeus. A diretoria do Azulão oficializou a sua saída. 

- Agradeço muito ao São Caetano por ter aberto as portas para a minha carreira de treinador. Foi uma confiança que jamais esquecerei. Desejo sucesso ao clube, que espero reencontrar, quem sabe, nas semifinais do Campeonato Paulista e também subindo para a Série A do Brasileiro - disse Zago. 

Com ele, vão para o Palmeiras o auxiliar Wellington Berto e o preparador físico Carlos Pacheco. O São Caetano segue atrás de um substituto. No jogo com o Mogi Mirim, domingo no estádio Anacleto Campanella, Ivan Baitello será o interino.

Antônio Carlos volta a vestir a camisa do Palmeiras após 15 anos e já treina time Em seu primeiro dia de trabalho na Academia de Futebol, novo treinador herda roupa com patrocínios usada por Muricy Ramalho

postado em 19 de fev de 2010 16:08 por Lucas Santos

Julyana Travaglia/GLOBOESPORTE.COM

Antônio Carlos volta a vestir verde

A foto de Antônio Carlos Zago ainda nem tinha aparecido no site do Palmeiras na parte destinada à comissão técnica. Mas o novo treinador do Alviverde entrou em campo novamente pelo clube depois de 15 anos. Ex-zagueiro da equipe bicampeã paulista e brasileira (93/94), o técnico vestiu o uniforme que, até a última quarta-feira, pertencia a Muricy Ramalho.

 

As roupas com os logos azuis da patrocinadora são suas agora - ele já as vestiu no treino da tarde desta sexta-feira, na Academia de Futebol, antes de ser oficialmente apresentado. O contrato com a empresa não previa que o acordo de cerca de R$ 840 mil fosse extinto com a saída de Muricy.

 

Para a sua comissão no Alviverde, Zago levou o auxiliar Wellington Humberto de Oliveira e o preparador físico Carlo Pacheco, que trabalhavam com ele no São Caetano.

 

Observado atentamente por jornalistas e alvo de câmeras de TV e dos fotógrafos, Antônio Carlos tem a missão de fazer o Palmeiras engrenar neste Campeonato Paulista. Sua estreia será já neste domingo, no clássico com o São Paulo, no Palestra Itália.

Muricy Ramalho é demitido: esperança e queda em seis meses de Palestra Itália Contratado para tirar time da fila de títulos nacionais, consagrado treinador falha e perde emprego depois de ser goleado pelo São Caetano

postado em 18 de fev de 2010 16:44 por Lucas Santos


Foram seis meses de angústias, crises e problemas à frente do Palmeiras. Depois da derrota de 4 a 1 para o São Caetano, na última quarta-feira, pelo Campeonato Paulista, o técnico Muricy Ramalho foi demitido nesta quinta.

 

- Agradeço o apoio da torcida que colaborou e sempre me apoiou. Deixo amigos no clube e desejo sorte ao Palmeiras - disse Muricy, que foi ao CT à tarde para se despedir do grupo.

 

Coincidentemente, o nome preferido da diretoria para assumir o comando da equipe é Antônio Carlos, técnico do São Caetano e ex-jogador do Verdão. Enquanto isso, Parraga, técnico do Palmeiras B, fica no cargo como interino.

 

Juntamente com Muricy, o auxiliar Tata também se desligou do Palmeiras. Outro que saiu, após ter o pedido de demissão aceito por Belluzzo, foi o gerente de futebol Toninho Cecílio. Nos últimos jogos, além da comissão técnica, a diretoria alviverde vinha sendo alvo de críticas por parte da torcida.

 

Esperança e frustração no Palestra


Apontado como um dos melhores técnicos do Brasil, ele não conseguiu repetir o sucesso que teve no rival São Paulo - onde foi tricampeão nacional - em sua passagem pelo Palestra Itália. A goleada sofrida dentro da casa palmeirense sacramentou a queda do técnico que se considera "bom pra caramba", como disse Muricy, há uma semana, em entrevista ao GLOBOESPORTE.COM. Nesta quinta, após duas reuniões de dirigentes e conselheiros com o presidente Luiz Gonzaga Belluzzo, ficou acertada a saída do treinador (assista, no vídeo ao lado, aos lances do último jogo de Muricy à frente do Verdão).

A queda de Muricy se arrastava há algum tempo. Contratado no meio do ano passado para substituir Vanderlei Luxemburgo, o treinador inflou a confiança de Belluzzo, que afirmou que não havia contratado o tricampeão brasileiro para ser quinto colocado do Nacional. Pois foi justamente o que aconteceu. 

 

MURICY RAMALHO NO PALMEIRAS
34 JOGOS
13 VITÓRIAS
11 EMPATES
10 DERROTAS
49,1% DE APROVEITAMENTO

 

Muricy assumiu o comando do Alviverde depois de uma vitória por 3 a 0 sobre oCorinthians, substituindo o ainda interino Jorginho (hoje no Goiás). Com a equipe do Palestra Itália, passou quase três meses na liderança do Campeonato Brasileiro. No entanto, na fase decisiva da competição, a equipe caiu de rendimento. Muricy perdeu jogadores que formavam a espinha dorsal da equipe - o zagueiro Maurício Ramos, o meia Cleiton Xavier e o volante Pierre - para o departamento médico.

 

E o time que chegou a liderar a competição com até cinco pontos de vantagem sobre o segundo colocado acabou de mãos abanando. Sem título, sem vaga na Taça Libertadores de 2010. Sem Vagner Love, que se mandou para o Flamengo depois de se envolver em uma confusão com três torcedores. Sem Obina e Maurício, que brigaram no intervalo da derrota para o Grêmio e acabaram sendo desligados do clube. Crises que Muricy acabou superando com muito custo, apoiado sempre pelo presidente Belluzzo, mesmo quando membros da diretoria pediam a sua cabeça, no fim da temporada passada.

 

Garantido no comando para 2010, Muricy pediu reforços para não sofrer com a falta de opções. Dos seus indicados, vieram os volantes Edinho e Márcio Araújo, o zagueiro Léo e o meia Lincoln. Mas o time seguiu sem engrenar. A derrota para o São Caetano encerrou seu conturbado ciclo no Palestra Itália. Em meio ano no clube, ele conquistou 50 dos 102 pontos disputados: foram 13 vitórias, 11 empates e dez derrotas.

 

A esperança verde de, sob o comando de Muricy Ramalho, acabar com uma fila de quase 16 anos sem conquistar o Campeonato Brasileiro, terminou de maneira melancólica. E no vitorioso currículo do treinador, entra uma mancha de fracasso. 

Sem Muricy, Fernando Miranda comanda treino na Academia de Futebol Auxiliar técnico supervisiona trabalho de atletas que não atuaram na goleada sofrida para o São Caetano, na última quarta, no Palestra

postado em 18 de fev de 2010 16:43 por Lucas Santos

O técnico Muricy Ramalho e Táta, seu auxiliar, já se despediram dos jogadores e deixaram a Academia de Futebol. Com o treinador demitido na tarde desta quinta-feira pelo Palmeiras, sobrou para Fernando Miranda, ex-goleiro do clube e que ocupa as funções de auxiliar técnico e preparador de goleiros, a missão de comandar o treino da tarde no CT alviverde. A diretoria, porém, ainda não se pronunciou sobre quem comanda o time no domingo, no clássico com o São Paulo.

 

Ao contrário do que aconteceu na saída de Vanderlei Luxemburgo, no meio da temporada passada, o clima entre os jogadores não parece pesado. Os atletas titulares, que na noite da última quinta-feira participaram da derrota por 4 a 1 para o São Caetano, fizeram um trabalho de recuperação. Já os reservas participaram de um treino contra a equipe B do clube.

 

A três dias do clássico com o São Paulo, pela décima rodada do Campeonato Paulista, o Palmeiras tenta se recuperar dos acontecimentos conturbados no clube. Enquanto isso, nomes como o de Antônio Carlos, técnico do São Caetano, e Paulo Autuori, do Al Rayan, são comentados nos bastidores do Palmeiras.

Sem 'encaixe' com Muricy, Palmeiras volta a recorrer à base para comando Parraga, técnico da equipe B, vai acompanhar o treino desta sexta-feira e deve dirigir o time domingo, contra o São Paulo

postado em 18 de fev de 2010 16:43 por Lucas Santos

Assim como na demissão de Vanderlei Luxemburgo, quando Jorginho foi chamado para assumir o time interinamente, a diretoria do Palmeiras recorreu novamente às categorias de base. Sem Muricy Ramalho, demitido nesta quinta-feira, o treino da tarde desta sexta será acompanhado por Jorge Porto Iparraguirre, o Parraga, que treina a equipe B do Alviverde. Se o clube não conseguir um treinador a tempo do clássico com o São Paulo, domingo, no Palestra Itália, ele deve ficar no banco de reservas.

 

- Não temos treinador e estamos estudando alguns nomes. É um momento difícil porque a maioria está empregada, e fica difícil tirar. Domingo, provavelmente não teremos um técnico contratado e fica o Parraga - disse Gilberto Cipullo, vice de futebol do Palmeiras.

 

A demissão de Muricy Ramalho e a saída de Toninho Cecílio da gerência de futebol foram anunciadas oficialmente por Cipullo. Segundo o cartola, a mudança aconteceu por conta dos maus resultados do treinador à frente do time.

 

- A questão com o Muricy é que as coisas não se encaixaram com ele aqui. Não tínhamos resultados e o time não jogava bem. Ainda há tempo para fazermos mudanças com os resultados que temos no Paulista e na Copa do Brasil. Mas ele sai com as portas abertas - ressaltou o dirigente.

 

Em seis meses de Palmeiras, Muricy conquistou 50 dos 102 pontos disputados: foram 13 vitórias, 11 empates e dez derrotas. O treinador chegou ao clube depois de ser dispensado pelo São Paulo, onde levantou três taças do Brasileiro.

 

- Esperávamos conquistas de títulos com o Muricy, porque isso faz parte da carreira dele. Nós demos tudo para ele. A prioridade era acertar o setor defensivo e acertamos. Fomos ágeis e só no ataque tivemos problemas em função da saída do Vagner Love. E o Muricy acompanhou tudo no dia a dia.

 

Saída de Toninho Cecílio

 

Sobre o pedido de demissão de Toninho Cecílio, Cipullo afirmou que o clube contratará outro gerente remunerado para assumir a função. Ex-zagueiro do clube, Toninho ajudou no comando do futebol durante os últimos quatro anos.

 

- Ele entendeu que era o momento de deixar a diretoria à vontade. Acho que ele foi injustiçado no clube, pois as pessoas não sabem o cotidiano do trabalho, que é extenuante. É um profissional competente e que será muito útil a quem o contratar - resumiu Cipullo.

1-10 of 19