Modelagem Matemática

Prof. Antonio R. Navarro 

Modelagem Matemática: uma disciplina para formaççao de professores

Objetivos (BASSANEZI, 2002)

• enfatizar aplicações matemáticas, usando as técnicas de modelagem como procedimento, de modo a desenvolver, no educando, capacidades e atitudes criativas na direção da resolução de problemas;

• desenvolver o espírito crítico do educando de modo que ele possa entender e interpretar a Matemática em todas as suas facetas;

• preparar o educando para utilizar a matemática como uma ferramenta para resolver problemas em diferentes situações e áreas.

• propor um “enfoque epistemológico alternativo associado a uma historiografia mais ampla; partindo da realidade, encaminhar a ação cognitiva e a proposta pedagógica dentro de um enfoque cultural - numa relação estreita com as diretrizes de um Programa de Etnomatemática” (D’Ambrósio, 1990). 

Princípios da aprendizagem na comunidade de prática por Lave e Wenger (1991):

*     A aprendizagem é inerente à natureza humana

*     A aprendizagem é fundamentalmente a capacidade de negociar novos significados

*     A aprendizagem cria estruturas emergentes

*     A aprendizagem está intimamente ligada à experiência e é fundamentalmente social

*     A aprendizagem transforma as nossas identidades

*     A aprendizagem constrói trajetórias de participação

*     A aprendizagem é uma questão de engajamento

*     A aprendizagem é uma questão de imaginação

*     A aprendizagem envolve um efeito recíproco entre o local e o global

 Objetivos

*       Apresentar uma outra área do conhecimento;

*       Enfatizar a importância da Matemática;

*       Despertar o interesse ante a aplicabilidade;

*       Melhorar a apreensão dos conceitos;

*       Desenvolver a habilidade para resolver problemas;

*       Estimular a criatividade.

 Metodologia

*       Diagnóstico

*       Escolha do tema

*       Desenvolvimento

*       Interação

*       Matematização

*       Modelo

 Desenvolvimento

*       Escolha do tema e levantamento das questões;

*       Formulação;

*       Elaboração do modelo;

*       Resolução parcial das questões;

*       Exposição dos trabalhos (oral e escrita).

 Avaliação

*       Produção de conhecimento;

*       Produção do trabalho (modelagem);

*       Extensão e aplicação.

*       Aspectos subjetivos:

*       Participação;

*       Cumprimento das tarefas;

*       Comprometimento (com as tarefas e os colegas).

 Dessa forma, a modelagem matemática no ensino pode ser um caminho para despertar no aluno o interesse por tópicos matemáticos que ele ainda desconhece, ao mesmo tempo que aprende a arte de modelar, matematicamente. Isso porque é dada ao aluno a oportunidade de estudar situações-problema por meio da pesquisa, desenvolvendo seu interesse e aguçando seu senso crítico. (BIEMBENGUT; HEIN, 2003, p.18)

Livro online


BIEMBENGUT, Maria Salett; HEIN, Nelson. Modelagem matemática no ensino. São Paulo: Contexto, 2003. LINK 



BASSANEZI, Rodney Carlos. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. São Paulo: Contexto, 2002. LINK


Artigos


BARBOSA, Jonei Cerqueira.  Modelagem na Educação Matemática: contribuições para o debate teórico. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 24., 2001, Caxambu. Anais. Caxambu: ANPED, 2001. LINK


BURAK, Dionísio. Modelagem matemática: experiências vividas. Analecta. V .6, n. 2, p33-48, Guarapuáva, jul/dez, 2005. LINK


Dissertações & Teses


SILVEIRA, Everaldo. Modelagem matemática: entendendo o universo de teses e dissertações. Dissertação de Mestrado Universidade Federal do Paraná, 2007. LINK


Bibliografia


LAVE, J.; WENGER, E. Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University Press, 1991. 


Exemplo