Página Principal‎ > ‎Alma Finita‎ > ‎

Alma Vivente

"Então, formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente." (Gênesis 2:7 RA).
Alma: conceito bíblico
O ser humano foi formado de dois elementos básicos: "pó da terra" (matéria prima utilizada para estruturar o corpo) e "fôlego de vida" (vitalidade proveniente de Deus que retirou o corpo de seu estado inanimado). Assim, "alma vivente" é o resultado da associação entre "pó da terra" e "fôlego de vida". Outras referências bíblicas reforçam este princípio:
"O Espírito de Deus me fez, e o sopro do Todo-Poderoso me dá vida." (Jó 33:4 RA).
"(...) quando lhes retiras o fôlego, morrem e voltam ao pó." (Salmos 104:29 NVI).
"Parem de confiar no homem, cuja vida não passa de um sopro em suas narinas. Que valor ele tem?" (Isaías 2:22 NVI).
Biblicamente, "alma" não é algo invisível que habita o interior do homem e retira-se quando ele morre. "Alma" refere-se ao próprio indivíduo. Ao ser criado, o homem passou a "ser alma vivente", ele "foi feito alma vivente" (Gênesis 2:7; I Coríntios 15:45), e não a ter uma "alma" vivendo dentro de si. Deus não formou nenhuma entidade sobrenatural destinada a viver no corpo do homem, em parte alguma das Escrituras isso é demonstrado.

Acrescenta-se ainda o fato de que o ser humano não é o único a ser caracterizado como "alma vivente" ("pó da terra" + "fôlego de vida"), outras espécies de seres vivos são classificadas da mesma forma. A expressão "alma vivente" (ou "ser vivente"), originada do hebraico "nephesh chay"(a) (no Velho Testamento) e do grego "psuche zao"(b) (no Novo Testamento), refere-se a cada "criatura ativa", única e indivisível:
"Deus disse: 'Que a terra produza seres vivos [nephesh chay] segundo sua espécie'. (...)" (Gênesis 1:24 BJ).
"(...) o homem passou a ser alma vivente [nephesh chay]." (Gênesis 2:7 RA).
"(...) todos os seres vivos [nephesh chay] de todas as espécies que vivem na terra." (Gênesis 9:16 NVI).
"(...) de toda alma vivente [nephesh chay] que se move nas águas, e de toda criatura [nephesh] que povoa a terra." (Levítico 11:46 RA).
"(...) o primeiro homem, Adão, foi feito alma vivente [psuche zao]. (...)" (I Coríntios 15:45 BJ).
"(...) e morreu todo ser vivente [psuche zao] que havia no mar." (Apocalipse 16:3 RA).
Os termos "nephesh" e "psuche" (de onde se traduz a palavra "alma") são utilizados com vários significados na Bíblia, e nenhum deles apresenta a ideia de uma entidade extra corpórea (algo sobre-humano) convivendo temporariamente em algum corpo. Adiante alguns exemplos:

As palavras nephesh e psuche designando "vida":
"(...) 'Vi a Deus face a face, e a minha vida [nephesh] foi salva'." (Gênesis 32:30 RA).
"Agora, vou dar-lhe um conselho para salvar a sua vida [nephesh] e também a vida [nephesh] do seu filho Salomão." (I Reis 1:12 NVI).
"Quem quiser, pois, salvar a sua vida [psuche] perdê-la-á; e quem perder a vida [psuche] por causa de Mim e do evangelho salvá-la-á." (Marcos 8:35 RA).
"(...) Vi também as vidas [psuche] daqueles que foram decapitados por causa do Testemunho de Jesus e da Palavra de Deus (...)" (Apocalipse 20:4 BJ).
As palavras nephesh e psuche indicando "indivíduos", "pessoas":
"São estes os filhos de Raquel, que nasceram a Jacó, ao todo catorze pessoas [nephesh]." (Gênesis 46:22 RA).
"Os descendentes [nephesh] de Jacó eram, ao todo, setenta pessoas [nephesh]. (...)" (Êxodo 1:5 BJ).
"Os que aceitaram a mensagem foram batizados, e naquele dia houve um acréscimo de cerca de três mil pessoas [psuche]." (Atos 2:41 NVI).
"(...) Nela apenas algumas pessoas [psuche], a saber, oito, foram salvas por meio da água." (I Pedro 3:20 NVI).
As palavras nephesh e psuche referindo-se ao "coração" (sentimento; âmago de algo):
"Mas seu coração [nephesh] inclinou-se por Dina, filha de Jacó (...)" (Gênesis 34:3 BJ).
"Quanto a você, eu o farei reinar sobre tudo o que o seu coração [nephesh] desejar; você será rei de Israel." (I Reis 11:37 NVI).
"(...) fazendo de coração [psuche] a vontade de Deus." (Efésios 6:6 NVI).
"Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração [psuche], como para o Senhor e não para homens." (Colossenses 3:23 RA).
As palavras nephesh e psuche usadas como "pronome pessoal" e "pronome possessivo":
"Eis que serão como restolho, o fogo os queimará; não poderão livrar-se [nephesh] do poder das chamas. (...)" (Isaías 47:14 RA).
"O Senhor dos Exércitos jurou por Si [nephesh] mesmo (...)" (Jeremias 51:14 NVI).
"E direi a mim [psuche] mesmo: 'Você tem grande quantidade de bens (...)'." (Lucas 12:19 NVI).
"Quanto a mim, de bom grado despenderei, e me despenderei todo inteiro, em vosso [psuche] favor. (...)" (II Coríntios 12:15 BJ).
A palavra nephesh expressando "apetite", "vontade":
"Mas agora perdemos o apetite [nephesh]; nunca vemos nada, a não ser este maná!" (Números 11:6 NVI).
"(...) por desejares [nephesh] comer carne (...) então, segundo o teu desejo [nephesh], comerás carne." (Deuteronômio 12:20 RA).
"Todo trabalho do homem é para sua boca e, no entanto, seu apetite [nephesh] nunca está satisfeito." (Eclesiastes 6:7 BJ).
A palavra nephesh significando "cadáver":
"Não fareis incisões no corpo por algum morto [nephesh] e não fareis nenhuma tatuagem. Eu sou Iahweh." (Levítico 19:28 BJ).
"Todos os dias da sua consagração para o Senhor, não se aproximará de um cadáver [nephesh]." (Números 6:6 RA).
"Quem tocar num cadáver [nephesh] humano e não se purificar, contamina o tabernáculo do Senhor e será eliminado de Israel." (Números 19:13 NVI).
A palavra psuche manifestando "expectativa", "ansiedade":
"(...) Até quando nos deixarás a mente em suspenso [psuche]? Se tu és o Cristo, dize-o francamente." (João 10:24 RA).
A palavra psuche referindo-se a "mente", "raciocínio":
"Mas os judeus que continuaram incrédulos incitaram e indispuseram os ânimos [psuche] dos gentios contra os irmãos." (Atos 14:2 BJ).
"(...) e os perturbaram, transtornando a mente [psuche] de vocês com o que disseram." (Atos 15:24 NVI).
Pela compreensão bíblica exposta nos exemplos acima, nota-se a inexistência de uma "alma" convivendo no homem; nenhuma referência escriturística transmite o ensino de que o ser humano seja composto por um "corpo" e uma "alma" independente e racional. Ao contrário, o relato bíblico da criação, a etimologia e a análise contextual de nephesh e psuche, demonstram que o homem é uma criatura indivisível resultante da associação entre "pó da terra" e "fôlego de vida"; que ele foi feito "alma vivente". Tanto nephesh e psuche, quanto as suas fontes de origem (naphash, psucho), possuem como significado principal o ato de "respirar". Teria a imaginária "alma" da crença pagã esta necessidade?

Alma: conceito pagão
O ensino de que cada ser humano contém uma "alma" autônoma habitando o corpo provisoriamente não é bíblica, mas surgiu com os antigos povos pagãos, e ganhou notoriedade com a filosofia grega, que se baseou nos conceitos egípcios.1

Os egípcios acreditavam que a "alma" era composta por uma força vital chamada "ka"(c) que permanecia próxima ao corpo após a morte, e por uma parte espiritual chamada "ba"(d) de livre locomoção. A antiga civilização chinesa, outro exemplo entre os povos da antiguidade, desenvolveu a ideia de que a "alma" era composta de uma parte inferior que desaparecia com a morte do corpo e outra superior que mantinha-se atuante, sendo esta última a responsável pela racionalidade. Estas concepções pagãs tornaram-se posteriormente a base doutrinária de que, após a morte do ser humano, existiria uma "alma" que era encaminhada para o Céu ou para o Inferno.

O cristianismo apostatado absorveu as ideologias gregas sobre a "alma", sobretudo às de Pitágoras, Platão e Sócrates que defendiam-na como sendo algo incorpóreo (semelhante aos deuses), existindo antes do surgimento do corpo e permanecendo ativa depois de sua morte. Os primeiros filósofos cristãos adotaram este ensino com algumas adaptações, para eles a "alma" era uma entidade criada por Deus e transferida para o corpo no momento do nascimento. Entre esses filósofos tem-se Agostinho, que fortemente influenciado pelos ensinos de Platão, afirmava que a "alma" era a responsável pelas atitudes do corpo.2 Assim, estas ficções humanas substituíram o significado bíblico de "nephesh" e "psuche".


a. Nephesh, substantivo hebraico que significa: criatura; ser vivo; alma (pessoa; indivíduo). Nephesh, provém do verbo naphash, que significa respirar. Chay, adjetivo hebraico que significa: vivo; ativo.
b. Psuche, substantivo grego que significa: respiração (vitalidade, "fôlego de vida"); alma (criatura, ser vivo - equivalente ao hebraico nephesh). Psuche deriva do verbo psucho, que significa: respirar; soprar; esfriar pelo sopro. Em sentido figurado: tornar o coração frio, enfraquecer o amor. Exemplo: "E pelo crescimento da iniquidade, o amor de muitos esfriará [psucho]." (Mateus 24:12 BJ). Zao, verbo grego que significa: viver; estar ativo.
c, d. Para a mitologia egípcia, o "deus Khnum" originou o "ka", que era ilustrado por dois braços e duas mãos erguidas para o alto, e o "ba", retratado na forma de um pássaro com cabeça humana para expressar a mobilidade da alma após a morte.
1. STOCKER, C. W. (1831). The History of the Persian Wars from Herodotus, vol. II. London: A. J. Valpy, p. 73 (sec. 123); KENRICK, J. (1841). The Egypt of Herodotus: the second and part of the third books of his history, London: B. Fellowes, p. 161-162 (see too footnote, sec. 123); LARCHER, PIERRE-HENRI. (1844). Larcher's Notes on Herodotus: historical and critical comments on the history of Herodotus, vol. I, London: Whittaker & Co., p. 306-308.
2. "Soul". (2010). Encyclopædia Britannica, Chicago: Encyclopædia Britannica; DeVRIES, M. (1998). Augustine's Confessions: Shepherd's Notes, Nashville, TN: B&H Publishing Group, p. 2 (introduction); MANN, W. E. (2006). Augustine's Confessions: Critical Essays, Lanham, Maryland: Rowman & Littlefield Publishing Group, Inc., p. 182, 217.

Outros estudos:
Ċ
IASD On-line,
1 de set de 2013 14:31