vida

Está a ser testado?


INÍCIO          VIDA

Está a ser testado?

 

Por Bob Gass

 

«Prova-me Senhor… examina o meu coração e a minha mente»

Salmo 26:2

 

Introdução

 

Os testes demonstram o que aprendeu. Até que seja testado, na verdade não sabe o que sabe (e o que não sabe). Os testes são oportunidades de provar a sua maturidade e o seu potencial.
Então, lembre-se:

 

(1) Passará por testes em cada fase do seu crescimento.

(2) O seu objectivo em cada caso deve ser passar no teste, caso contrário terá de passar por ele sucessivamente até ser aprovado.

(3) O teste precede sempre a promoção. Na verdade, ele prepara-o para ela e comprova que está pronto para dar conta dela. Se se enganar, ou tentar copiar as respostas de alguém, temporariamente parecerá que teve êxito. Mas mais cedo ou mais tarde, as circunstâncias revelarão quem na verdade é: alguém que não é capaz de sustentar aquilo que conquistou através da manipulação.

(4) A auto-promoção nunca poderá substituir a promoção divina. Portanto, não se apresse a andar à frente de Deus; espere, permita que Ele abra a porta.

(5) Um produto não pode ser usado com lucro e segurança até que seja completamente testado. Nem você.


Deus não é um pai de coração fechado que gosta de ver os Seus filhos a debaterem-se nos testes da vida. Se Ele o visitasse pessoalmente, provavelmente diria: «Não gosto de fazer-te passar por isso, mas é a única maneira de ter certeza que estás pronto para o que vai vir. Antes que Eu possa usar-te com poder, preciso provar-te completamente». Em geral, os testes de Deus dizem respeito ao seu carácter. E como todo o bom actor numa peça de teatro que actua de acordo com o roteiro, o seu trabalho é «permanecer no personagem!» Independente do que qualquer um faça, siga o roteiro de Deus para a sua vida.


 

Vejamos alguns dos testes que Deus usa para nos desenvolver:


(1) O teste das pequenas coisas

Este teste vem quando nos é pedido para fazermos algo abaixo da nossa capacidade e potencial. Isto prova a nossa fidelidade com os nossos compromissos. Também revela se estamos prontos ou não para assumir responsabilidades maiores. Jesus disse: «Quem é fiel no pouco, também é fiel no muito» (Lc 16:10).


(2) O teste do motivo

Este teste vem até nós quando estamos a fazer todas as coisas certas, mas não necessariamente pelas razões certas. É correcto orar. No entanto, Jesus advertiu: «Quando orarem, não sejam como os hipócritas. Eles gostam... de ser vistos pelos outros» (Mateus 6:5). Às vezes nem conhecemos o nosso próprio coração. E por isso que precisamos do espelho da Palavra de Deus: «Porque a Palavra de Deus é... apta para discernir os pensamentos e intenções do coração» (Hb 4:12). Quando comparecer à presença de Cristo para ser avaliado e recompensado, a questão não será apenas o que fez, mas por que o fez.


(3) O teste da mordomia

Jesus disse: «Dêem, e lhes será dado» (Lc 6:38). Somente quando a sua mão estiver aberta, é que você poderá receber mais de Deus. A prática de dar com frequência impede-o de ser possuído por aquilo que possui. Em inglês, o dinheiro é chamado de «currency» (corrente), porque ele deve fluir através de si. Quando o retém, por medo ou ganância, limita o que Deus lhe quer dar. Quer manter o fluxo da bênção a mover-se na sua vida? Torne-se um rio, e não um reservatório.


(4) O teste do deserto

Este teste surge quando sentimos que a nossa espiritualidade está seca e que o nível da nossa alegria está baixo. Ele revela a capacidade de nos adaptarmos á adversidade e à mudança, e como resultado entramos num novo nível de crescimento. Ele prova que somos capazes
de realizar mesmo quando a vida não é agradável. «Ele os conduziu pelo deserto... para prová-los, a fim de que tudo fosse bem convosco» (Dt 8:15-16). O teste do deserto é quando nos submetemos à dor a curto prazo, confiantes de que no fim ela produzirá lucro a longo prazo.


(5) O teste da credibilidade

Nada é mais importante do que a sua confiança diante de Deus, a sua credibilidade diante das pessoas. Quando Ló tentou resgatar os seus genros da destruição de Sodoma: «Eles pensaram que ele estava a brincar» (Gn 19:14). Eles provavelmente tinham visto o tratamento egoísta que ele dera ao seu tio Abraão, e ouviram a respeito das suas escusas negociações financeiras. Consequentemente, ele perdeu a credibilidade no momento mais importante. Isso está a passar-se consigo?

(6) O teste da autoridade

Antes que Paulo levasse o Evangelho aos gentios, ele foi primeiro a Jerusalém e submeteu o seu plano aos apóstolos, pedindo a bênção deles. Ele não tomou a atitude de:
«Ninguém me vai dizer o que fazer». Deus colocou David sob a autoridade de um líder imperfeito chamado Saul. A situação complicou-se quando o seu patrão o quis matar. Mas pode aprender tanto com os erros de um fracasso quanto com as realizações de um sucesso. Por se ter submetido, David qualificou-se para se sentar no trono de Saul. Quer ser um líder? Aprenda a ser um seguidor. Submeta-se!


(7) O teste da ofensa

Jesus disse: «As ofensas virão» (Lc 17:1). Portanto, esteja preparado! Aqueles que lideram em geral recebem o pior do rebanho. A linha da frente não é para os que têm uma vontade fraca ou joelhos fracos. Então, o que vai fazer quando as ofensas vierem? Vai ficar com raiva e não chega a lado nenhum? Vai à desforra e mete-se em sarilhos? Ou recupera praticando o perdão? «Se tiverem alguma coisa contra alguém, perdoem-no, para que também o Pai celestial perdoe os seus pecados» (Mc 11:25).


(8) O teste da guerra espiritual

Este teste é para aqueles que proclamam serem fortes na fé, mas que provam serem fracos na luta. «Quando Faraó deixou sair o povo, Deus não o guiou pela rota da terra dos filisteus, embora este fosse o caminho mais curto, pois disse: “Se se defrontarem com a Guerra, talvez se arrependam e voltem para o Egipto”» (Ex 13:17). Não foi chamado para ser insensato e irracional, mas se o seu destino é digno de ser perseguido, ele é algo pelo qual vale a pena lutar! Então, fortaleça-se! A vida é um campo de batalha, não um mar de rosas. Tem de combater o inimigo todos os dias, usando todas as armas espirituais que estão ao seu dispor. Se não o fizer, ele roubará cada bênção que Deus lhe deu, inclusive a sua identidade, o seu testemunho, a sua integridade, a sua  família, a sua chamada e o seu futuro. Este teste demonstra a sua capacidade para se manter na sua visão mesmo quando está a experimentar decepção e oposição. Portanto, lembre-se, o nível do ataque é o maior indicador do nível da bênção que espera por si por detrás dele!


(9) O teste do tempo

Este teste tem duas dimensões. Uma revela a força do impacto da sua vida, a outra revela a sua extensão. Cada uma delas requer que assine com excelência tudo onde colocar as suas mãos. A luz eléctrica ainda brilha, muito embora Thomas Edison já tenha deixado o prédio. Os necessitados ainda estão a ser ajudados muito embora o General Booth esteja no céu. O seu legado pode não atingir tais alturas, mas a sua influência pode sobreviver a si. E o teste do tempo tem uma segunda dimensão — uma dimensão eterna. O modo como vive a sua vida, hoje, determina a sua recompensa e posição no céu. «Mais cedo ou mais tarde haverá uma inspecção. Se usa material barato ou inferior, será descoberto» (1Co 3:12-13).


(10) O teste do Senhorio

Simão Pedro passou por este teste obedecendo a uma ordem que parecia não fazer sentido: Jesus disse-lhe «Vai para onde as águas são mais fundas, e lança as redes para a pesca». Simão respondeu: «Mestre, esforçamo-nos a noite inteira e não pescámos nada. Mas porque és Tu quem está a dizer isto, vou lançar as redes» (Lc 5:4-6). Primeiro, Pedro tentou pescar sozinho e falhou. Depois, tentou fazê-lo com Jesus e teve êxito. O mesmo pescador. O mesmo barco. As mesmas redes. O que mudou? Ele estava disposto a fazer as coisas à maneira de Deus! Se quer ter êxito, fale com Deus, ouça o que Ele tem a dizer e obedeça.

 

Extraído de UCB Portugal; Bob e Debby Gass; Devocional “A Palavra para Hoje”; Nº3, Abril-Junho 2007; pp. 59-62

Colocado em 03.07.2007