WWW (World Wide Web)




A World Wide Web (WWW ou Web) é um sistema hipertexto que funciona sobre a Internet. A visualização da informação e navegação é feita usando uma aplicação específica - o navegador (browser).




HISTÓRIA DA WORLD WIDE WEB


O serviço WWW surgiu em 1989 como um integrador de informações, dentro do qual a grande maioria das informações disponíveis na Internet podem ser acessadas de forma simples e consistente em diferentes plataformas.

A forma padrão das informações do WWW é o hipertexto, o que permite a interligação entre diferentes documentos, possivelmente localizados em diferentes servidores, em diferentes partes do mundo. O hipertexto é codificado com a linguagem HTML (Hypertext Markup Language), que possui um conjunto de marcas de codificação que são interpretadas pelos clientes WWW (que são os browsers, como o Netscape,Firefox,Internet expolrer,Chrome ), em diferentes plataformas.

O protocolo usado para a transferência de informações no WWW é o HTTP. O protocolo HTTP é um protocolo do nível de aplicação que possui objetividade e rapidez necessárias para suportar sistemas de informação distribuídos, cooperativos e de hipermídia. Suas principais características são:


  • comunicação entre os agentes usuários e gateways, permitindo acesso a hipermídia a diversos protocolos do mundo Internet, tais como, SMTP, NNTP, FTP, Gopher, WAIS ;

  • obedece ao paradigma de pedido/resposta: um cliente estabelece uma conexão com um servidor e envia um pedido ao servidor, o qual o analisa e responde. A conexão deve ser estabelecida antes de cada pedido de cliente e encerrada após a resposta.

A World Wide Web (que significa "rede de alcance mundial", em inglês; também conhecida como Web e WWW) é um sistema de documentos em hipermídia que são interligados e executados na Internet. Os documentos podem estar na forma de vídeos, sons, hipertextos e figuras.

O serviço WWW surgiu em 1980 como um integrador de informações, dentro do qual a grande maioria das informações disponíveis na Internet podem ser acessadas de forma simples e consistente em diferentes plataformas.


A World-Wide Web (também chamada Web ou WWW) é, em termos gerais, a interface gráfica da Internet. Ela é um sistema de informações organizado de maneira a englobar todos os outros sistemas de informação disponíveis na Internet.

CERN, a Organização Européia para Pesquisa Nuclear, é onde tudo começou em Março de 1989. Um físico, Tim Berners-Lee, escreveu uma proposta de gerenciamento de informações que mostram como as informações poderiam ser facilmente transferidos através da Internet usando hipertexto, a ponto de agora familiar e clique sistema de navegação através da informação. No ano seguinte, Robert Cailliau, um engenheiro de sistemas, juntou-se e logo se tornou o número um advogado.

A idéia era ligar hipertexto com a Internet e os computadores pessoais, tendo assim uma rede de informação única para ajudar físicos do CERN todas as partes do computador, as informações armazenadas no laboratório. Hipertexto que permitem aos usuários navegar facilmente entre os textos em páginas web utilizando os links. Os primeiros exemplos foram desenvolvidos em computadores NeXT.

Berners-Lee criou um browser-editor com o objetivo de desenvolver uma ferramenta para tornar a Web um espaço criativo para compartilhar e editar as informações e construir um hipertexto comum. O que eles deveriam chamar este novo navegador: A mina de informações? A malha de informação? Quando se instalaram em um nome de maio 1990, foi o WorldWideWeb.

Robert Cailliau

Robert Cailliau, colaborador no projeto World Wide Web e Web primeiro surfista do World Wide Web.


Info.cern.ch era o endereço do mundo o primeiro absoluto site e servidor web, rodando em um computador NeXT no CERN. O primeiro endereço da página web foi http://info.cern.ch/hypertext/WWW/TheProject.html, centrada em informações sobre o projeto WWW. Os visitantes puderam aprender mais sobre o hipertexto, os detalhes técnicos para a criação de sua própria página web, e até mesmo uma explicação sobre como pesquisar a Web para obter informações. Não há imagens desta página original e, em qualquer caso, as alterações foram feitas diariamente com a informação disponível na página WWW como o projeto desenvolvido. Você pode encontrar uma cópia mais tarde (1992) na World Wide Web Consortium website.

No entanto, um site é como um telefone, se há apenas um não é muito usado. Berners-Lee e equipe colocou servidor e software de navegação em rede. Os sistemas NeXT porém eram muito avançadas sobre a população em geral, os computadores tinham à sua disposição: um pedaço muito menos sofisticada do software, era necessária  a sua distribuição.

Na Primavera de 1991, o teste estava em curso em um navegador da linha de modo universal, o que seria capaz de rodar em qualquer computador ou terminal. Ele foi projetado para funcionar simplesmente digitando comandos. Não houve mouse, sem gráficos, apenas texto simples, mas permitia que qualquer pessoa com uma conexão de Internet de acesso à informação na web.

Tim Berners-Lee

Tim Berners-Lee


O computador NeXT histórico usado por Tim Berners-Lee em 1990, em exibição na exposição Microcosmo no CERN. Foi o primeiro servidor Web, o navegador da hipermídia e editor web. Veja tudo sobre o primeiro computador do mundo


Tim Berners-Lee

Computador NeXT usado por Tim Berners-Lee em 1990


Durante 1991 os servidores apareceram em outras instituições na Europa e em dezembro de 1991, o primeiro servidor fora do continente, foi instalado em os E.U. em SLAC (Stanford Linear Accelerator Center). Em novembro de 1992, havia 26 servidores no mundo, e em outubro de 1993, o número tinha aumentado para mais de 200 servidores Web conhecidos. Em Fevereiro de 1993, o Centro Nacional para Aplicações de Supercomputação (NCSA) da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign lançou a primeira versão do Mosaic, que era para tornar a Web disponível para as pessoas que usam PCs e Apple Macintosh.




Sua idéia básica é criar um mundo de informações sem fronteiras, prevendo as seguintes características:

A World Wide Web é um sistema interligado de documentos acessados via Internet. Com um navegador da Web pode-se visualizar páginas Web que podem conter texto, imagem, vídeo, entre outros, e navegar entre elas usando hiperlinks.

A forma padrão do WWW é o hipertexto, que permite a interligação entre diferentes documentos, possivelmente localizados em diferentes partes do mundo. O hipertexto é codificado com a linguagem HTML (Hipertext Markup Language) que possui um conjunto de marcas de codificações que são interpretadas pelos clientes WWW (que são browsers, como o Netscape) em diferentes plataformas.


O protocolo usado para a transferência no World Wide Web é o http. O protocolo http é um protocolo de nível de aplicação que possui objectividade e rapidez necessárias para suportar sistemas de informação distribuídos, cooperativos e de hipermédia. As suas principais características são:

  • comunicação entre os agentes usuários e gateways, permitindo acesso à hipermédia e diversos protocolos de do mundo da Internet, tais como SMTP, NNTP, FTP, Gopher, WAIS;
  • obedece ao paradigma de pedido/resposta: um cliente estabelece uma conexão com um servidor e envia um pedido a este, o qual o analisa e responde. A conexão deve ser estabelecida antes de cada pedido de cliente e encerrada após a resposta.




Para isso, implementa três ferramentas importantes:

- um protocolo de transmissão de dados - HTTP;
- um sistema de endereçamento próprio - URL;
- uma linguagem de marcação, para transmitir documentos formatados através da rede - HTML.

A forma padrão das informações do WWW é o hipertexto, o que permite a interligação entre diferentes documentos, possivelmente localizados em diferentes servidores, em diferentes partes do mundo. O hipertexto é codificado com a linguagem HTML (Hypertext Markup Language), que possui um conjunto de marcas de codificação que são interpretadas pelos clientes WWW (que são os browsers, como o Netscape), em diferentes plataformas.


O protocolo usado para a transferência de informações no WWW é o HTTP. O protocolo HTTP é um protocolo do nível de aplicação que possui objetividade e rapidez necessárias para suportar sistemas de informação distribuídos, cooperativos e de hipermídia. Suas principais características são:

- comunicação entre os agentes usuários e gateways, permitindo acesso a hipermídia e a diversos protocolos do mundo Internet

- obedece ao paradigma de pedido/resposta: um cliente estabelece uma conexão com um servidor e envia um pedido ao servidor, o qual o analisa e responde.
A conexão deve ser estabelecida antes de cada pedido de cliente.



Vídeo Historia World Wide Web


Veja também esse ótimo video sobre a www World Wide Web aqui:




Mais sobre a HISTÓRIA DA WORLD WIDE WEB

 

A História da world wide web começou em 1º de janeiro de 1983, pelas contas de alguns, que cerca de 400 computadores se ligaram ao que então era chamado de Arpanet.


Ou seja, a comunicação on-line comemora esta semana seu vigésimo aniversário, segundo Vint Cerf, co-inventor do protocolo de comunicações TCP/IP, ao qual se ligava a Arpanet.

Foi o TCP/IP que permitiu que múltiplas redes de computadores coexistissem e que aplicativos como a World Wide Web se desenvolvessem e tivessem sucesso. Em outras palavras, o protocolo fez a Internet ser o que é hoje.
"Esse é um grande marco. Considero janeiro de 1983 a data da real implementação da Internet", disse Cerf.
Alguns, porém, consideram a idade da Internet um pouco mais madura, lá pelos 33 anos. Em 2 de setembro de 1969, dois computadores da Universidade da Califórnia em Los Angeles, ligados por um cabo de quase cinco metros, trocaram dados, mostrando que a Internet podia funcionar.  Claro, o protocolo não permitiu que computadores que não pertencessem à Arpanet se juntassem, da forma como a America Online e outras redes privadas de computadores fazem hoje em dia.

Por outro lado, aceitou a troca de pacotes de informações, a idéia de que dados podiam ser divididos em pequenos pacotes e reunidos no local de destino, dando à Internet sua versatilidade.A WWW (World Wide Web ou, simplesmente, Web) é a parte multimídia da Internet, portanto possiblita a exibição de páginas de hipertexto, ou seja, documentos que podem conter todo o tipo de informação: textos, fotos, animações, trechos de vídeo e sons e programas e, especialmente, que permite conexões entre documentos (links).

Na Internet a informação é colocada em documentos denomiados "sites" ou páginas Web.

Assim, a WWW é formada por milhões de "páginas", ou "sítios", ou "locais" ou "sites", que podem conter uma ou mais páginas ligadas entre si, cada qual em um endereço particular, em que as informações estão organizadas.

Os sites se apresentam de maneira muito variada e podem:
ter tamanho grande ou pequeno,
estar bem organizados ou não,
conter informações importantes ou não.

Essa diversidade é explicada por

autoria: existem sites de universidades, empresas, órgãos do governo, grupos e vários outros, inclusive os mantidos apenas por uma só pessoa.
liberdade de enfocar qualquer tema.

É importante lembrar que atualmente já há milhões e milhões de páginas disponíveis com todos os tipos de assunto.



WWW é a sigla de World Wide Web

WWW é a sigla de World Wide Web (teia de abrangência mundial). É um serviço de busca e recuperação de informações na rede, baseado no sistema de hipertexto visando abranger informações de distintas áreas e possibilitando o acesso a um universo enorme de documentos.

A iniciativa de sua criação foi dos pesquisadores do CERN situado em Genebra, Suíça.

Como seu próprio nome sugere, a utilização de documentos escritos na forma de hipertextos (com conexões a diversos outros documentos) - chamados de links ou hiperlinks leva a uma teia de abrangência universal sem fim, onde o usuário determina o modo que vai percorre-la, acessando as informações segundo seus próprios interesses e prioridades.

Como as demais aplicações, o WWW adota o modelo cliente/servidor. O servidor é um computador que possui as informações e o cliente e o computador ou software que você utiliza para acessá-las. Você quer (cliente) ele provê (servidor).

Este serviço permite também a distribuição de informações que não sejam meramente textuais; por exemplo: imagens, sons e animações.

O acesso às informações é bastante rápido, visual e a através dele você pode acessar de forma integrada e transparente outros serviços como login remoto (telnet), transferência de arquivos (ftp), WAIS, gopher, etc.


Uma foto tirada de um computador executando Tim Berners-Lee WorldWideWeb browser original. Levou um longo tempo para a tecnologia ter a convergência com a visão original de Berners-Lee. O primeiro navegador web nunca foi também um editor, tornando a web um meio interativo, o problema foi que só funcionou no sistema operacional NeXTStep. Com fenômenos recentes como blogs e wikis, a web está começando a desenvolver o tipo de natureza colaborativa que seu inventor prevista desde o início.

Veja também uma imagem mais avançada do Tim Berners-Lee WorldWideWeb browser original
, em 1993.


Screen-shot of the first line-mode browser



Como funciona a WWW?


Views: 2,529 Downloads: 966 Added: 31.10.05 1280x960 (91.5 KB)Os sites são constituídos por arquivos que estão armazenados em computadores espalhados por todo o mundo, e que são denominados servidores da Web, que permitem o acesso ao conteúdo da rede.

Os computadores comuns, usados para ler as páginas, são chamados de clientes da Web.

Um programa cliente, que cada usuário deve estar instalado no próprio computador, é necessário para visualizar as páginas.

É um navegador ou browser que apresenta as páginas graficamente.

Alguns dos browsers são Firefox, Netscape, Internet Explorer, Ópera.


Os endereços das páginas

Quando se conecta um computador à Internet, um endereço lhe é atribuído, o endereço IP ( "Internet Protocol", Protocolo da Internet) .

O IP é um número único, exclusivo, que identifica cada computador na rede, tal como um número de telefone. É usado pelos computadores para se identificarem e se comunicarem por meio da cópia de arquivos pela internet ou por redes locais.

Um endereço IP ( por exemplo 200.17.50.36 ) é composto de uma sequência de 32 bits, divididos em 4 grupos de 8 bits cada ( 4 octetos ).

Na configuração dos endereços, para não se usar sequencias de números binários, representa-se cada octeto por um número que pode variar de 0 até 255. Assim, obtém-se um conjunto de quatro números separados por pontos. (Para ter mais detalhes sobre IP clique aqui).

Portanto, o computador cliente procura o IP do servidor. Quando o encontra, copia os arquivos que estão naquele endereço para o computador local, deixando-os disponíveis para o internauta, permitindo sua visualização e cópia.


Qual é o seu endereço de IP?

Se desejar saber qual o endereço IP de sua conexão basta acessar o site http://www.meuip.com.br. Para mais informações, também pode-se acessar: http://www.whatismyipaddress.com/.


Substituição do protocolo IPV4 pelo IPV6

Essa estrutura de IP é chamada de IPv4 (Internet Protcol version 4) e foi proposta em 1981 por meio da RFC 791 e não sofreu nenhuma mudança significativa desde então.

Importante é notar que tem a capacidade de suportar 4.294.967.296 endereços, que era um número enorme, no início da década de 1980, quando a rede era predominantemente acadêmica, com poucas centenas de computadores interligados.

Entretanto, a Internet não foi projetada para o grande uso comercial que hoje existe. Assim, atualmente, a maioria dos endereços já está em uso, determinando a necessidade de substituição do protpcolo.

Os endereços IPv6 tem 128 bits e são normalmente escritos como oito grupos de 4 dígitos hexadecimais, incluindo prefixo de rede e sufixo de host.

Novas funcionalidades do IPv6 foram desenvolvidas para fornecer uma forma mais simples de configuração para redes baseadas em IP, uma maior segurança na comunicação entre hosts na rede interna e internet, e também um melhor aproveitamento e disponibilidade de recursos.


Acessar um "site"

Quando se utiliza um navegador para visualizar um determinado endereço na Internet diz-se que "se acessa o site".

Para acessar um endereço, tal como http://sites.google.com/site/edificioseedificio/, deve-se digitar tal endereço no local apropriado (Barra de endereços - "Location") na tela do programa navegador, e clicar em <Enter> ou em "Ir", "Go".

Nesse momento, o navegador solicita um arquivo para um servidor. Se a informação pedida realmente estiver armazenada naquele servidor, o arquivo solicitado será enviado para o computador onde está o navegador e será exibido.

Quando se acessa um site, em geral entra-se pela página principal, onde existe uma mensagem de boas vindas e uma espécie de índice, onde se clica para chegar às demais páginas. Portanto:

documento = uma página (ou home page, ou hp)
site = pode ser constituído de 1 ou + páginas


As ligações entre as páginas, conhecidas como hiperlinks ou ligações de hipertexto, ou, simplesmente, links, não ocorrem apenas dentro do site. Elas podem ligar informações armazenadas em diferentes computadores, na mesma cidade ou não, podendo ligar continentes diferentes do planeta Terra.

Portanto, na Web, é possível que uma página faça referência a praticamente qualquer documento disponível na Internet.

O que faz essa malha de informações funcionar é um sistema de endereçamento que permite a cada página ter a sua própria identificação.

Como cada computador tem um URL ("Uniform Resource Location"), ou seja, um número, único no planeta, que identifica um computador conectado à Internet, foi possível organizar um sistema de endereçamento específico que permite localizar qualquer informação na Internet. Assim, desde que o usuário saiba o endereço correto, é possível acessar qualquer arquivo da rede.


Significado dos endereços na Internet ( URL )

Por exemplo, o endereço dessa página é http://www.ufpa.br/dicas/net1/int-www.htm

Analisando cada parte:

http://

É o método pelo qual a informação deve ser localizada. No caso, http://, é o protocolo utilizado para buscar páginas na Web.

Há outras maneiras, como:
ftp:// (para entrar em servidores de FTP),
mailto: (para enviar mensagens),
news: (para acessar grupos de discussão), entre outros.

www.ufpa.br/dicas/net1/int-www.htm
É o nome do computador onde a informação está armazenada, o qual é também chamado servidor. Cada computador tem um nome exclusivo, ou seja, é único no planeta.

Pelo nome do computador se pode antecipar o tipo de informação que se irá encontrar. Os que começam com www são servidores de Web e contém principalmente páginas de hipertexto. Quando o nome do servidor começa com ftp trata-se de um lugar onde é permitido copiar arquivos.

dicas/
É a pasta onde está o arquivo. Nos servidores a informação está organizada em pastas, como no computador que você está utilizando agora.

net1/
É a subpasta onde está o arquivo.

int-www.htm
É o nome desse arquivo.

Deve-se atentar se o nome do arquivo (e das pastas) está escrito em maiúsculas ou minúsculas. Para os servidores que utilizam o sistema operacional UNIX essa diferença é importante. No exemplo acima se, ao invés de int-www.htm, o nome do arquivo fosse digitado como int-WWW.HTM ou int- Www.Htm, a página não seria encontrada.

Outro detalhe é a terminação do nome do arquivo (.htm) que indica o tipo do documento. Nesse caso, .htm ou .html
indica que o arquivo é uma página da Web.

Entretanto, uma URL pode conter outros tipos de arquivos. Alguns tipos comuns disponíveis na Internet são:

jpg e gif (imagens),
txt e doc (textos),
exe (programas),
zip (compactados),
aid, au, aiff, ram, wav, mp3 (sons) e
mpg, mov e avi (vídeos).

Se o endereço contiver um desses arquivos o navegador poderá abrir uma janela perguntando ao usuário o que fazer (salvar ou abrir) com o arquivo, especialmente quando se trata de arquivos de terminação .zip (arquivo comprimido) e .exe (um programa).

(Se desejar informações básicas sobre a linguagem HTML para construir páginas para visualização na Internet, clique aqui).

WWW no ensino a distancia


As principais aplicações do WWW são:

divulgação de informações administrativas: o WWW tem sido amplamente utilizado por setores administrativos de instituições de ensino para anunciar informações tais como as normas da instituição, cursos disponíveis, informações sobre os professores e alunos, cronograma das atividades acadêmicas, resultados de avaliações, entre outras informações;

distribuição de material instrucional baseado em texto: são os "folheadores eletrônicos", ou seja um material instrucional com pouco ou nenhum recurso de multimídia ou interatividade. Este tipo utilização do WWW não é muito efetivo, já que há uma subutilização dos recursos providos por este meio. Além disso, a leitura deste tipo de material diretamente na tela do computador é pouco motivadora e nem um pouco confortável. No entanto, não há dúvida da grande importância da disponibilização desse tipo de material como uma fonte de pesquisa on line, permitindo o acesso fácil e rápido por pessoas de qualquer parte do mundo;

aplicações educacionais interativas: a interatividade entre o aluno-aplicação WWW ou entre aluno-aluno e aluno-professor pode ser implementada através dos Forms e CGI's (Common Gateway Interface), ou através de aplicações em Java e Javascript. Assim estas ferramentas fornecem ao WWW um enorme potencial, permitindo que este se torne um eficiente meio de aprendizagem remota multimídia e interativo.

Vantagens do uso do WWW no Ensino à Distância

A partir dos trabalhos de [SCH 95], [MAR 96] e [LOH 96] pode-se apresentar as principais vantagens do WWW :

  • o WWW permite a apresentação de conteúdo multimídia (texto integrado com som, imagens e vídeo, provendo ao professor a possibilidade de enriquecer o material instrucional, tornando-o mais claro e motivador;

  • o WWW consiste em um ambiente bastante amigável, o que permite sua manipulação por usuários com pouca intimidade no uso de computadores;

  • é, potencialmente, um ambiente integrado, pois é possível visualizar as diferentes mídias dentro do próprio browser WWW. Além da capacidade de visualizar texto formatado e figuras, que são comuns na maioria dos browsers, a maioria dos browsers são capazes de executar aplicações auxiliares externas, denominadas helper applications, para visualizar outras mídias. Os browsers Netscape e Internet Explorer também permitem a instalação de plugins, que são programas que estendem a capacidade dos browsers, permitindo que outros formatos de dados possam ser visualizados dentro do próprio browser. Atualmente existem plugins para visualizar documentos VRML, vídeo, áudio, entre outras mídias. O suporte a helper applications e plugins é de extrema importância, principalmente para os usuários com pouca familiaridade no uso de computadores, pois torna a tarefa de "chamar" diferentes programas para executar as diferentes mídias transparente ao usuário;

  • permite a integração com outros serviços da Internet. À partir do WWW é possível utilizar serviços como o gopher, ftp, telnet, wais, newsgroup e correio eletrônico;

  • permite o uso de hiperlinks, possibilitando ao educador uma melhor estruturação do conteúdo e fornecendo ao aluno uma liberdade maior na "navegação". No entanto, o projeto da estrutura de hiperlinks de um hiperdocumento deve ser cuidadosa, pois devido a liberdade de navegação, é bastante comum que o aluno/usuário fique "perdido no ciberespaço".

  • favorece uma educação ativa, já que é oferecido um ambiente no qual o aluno atua no processo de descoberta de novos conhecimentos, ao invés de ser apenas um passivo receptor de conhecimentos, e o professor deixa de ser o único detentor e transmissor do conhecimento para assumir a não menos importante tarefa de orientador, organizando o acesso à informação e estimulando a colaboração entre os alunos. Além disso, permite-se que o aluno aprenda escolhendo e desenvolvendo o seu próprio estilo de aprendizagem;

  • possibilidade de acesso às informações através de diferentes plataformas de hardware e software,

  • por ser uma ferramenta assíncrona, possui também a flexibilidade de horário, permitindo que o aluno estude um material disponibilizado no WWW no momento que lhe for mais adequado;

  • as ferramentas como browsers, plugins e helper applications geralmente são disponibilizadas a um preço bastante acessível ou mesmo em versão freeware para fins educacionais.

Considerações sobre a efetividade do WWW no Ensino à Distância

Algumas considerações devem ser observadas durante o projeto e desenvolvimento de aplicações instrucionais no WWW a fim de contribuir para a efetividade das mesmas.

Segundo Ritchie [RIT 96] as aplicações instrucionais providas no WWW devem ser projetadas para incorporar sete considerações básicas:

Motivar o aluno

Devido a grande facilidade que se tem em abandonar uma página na Web para carregar outra e ao número imensurável de informações que podem ser acessadas, uma tarefa importante é conseguir prender a atenção do aluno. Alguns recursos motivadores que podem ser usados são os gráficos, as cores, animações, sons, imagens e interatividade.

Identificar o que deve ser aprendido

A menos que se esteja trabalhando com "aprendizado por descoberta", é importante que o aluno saiba, antes de iniciar a instrução, o que deverá ter aprendido no final da mesma. Dessa forma o aluno se concentrará nos fatores que realmente tem que aprender, ao invés de gastar muito tempo navegando pelas páginas sem um objetivo claro.

Fazer o aluno recordar conhecimentos passados

Os cognitivistas acreditam que para a informação ser retida na memória de longo prazo os alunos devem construir uma ligação entre a nova informação e alguma informação que já esteja armazenada na memória de longo prazo. No WWW pode-se, por exemplo, criar diversas relações entre a nova informação e possíveis conhecimentos que o aluno já tenha , cabendo ao aluno escolher o link que ele irá seguir de acordo com a sua experiência e conhecimento prévios [RIT 96].

Exigir envolvimento ativo do aluno

Além da escolha dos links a seguir, pode-se exigir que o aluno se envolva ativamente fazendo com que ele compare, classifique, deduza, analise erros, induza, construa suporte, faça abstrações ou analise perspectivas .

Prover orientação e feedback

Ritchie [RIT 96] cita três formas de prover orientação e feedback on line ao aluno:

  • através da disponibilização de rótulos mais significativos aos links, por exemplo informando o tipo da informação que será obtida através do link . Por exemplo, pode-se ter links rotulados como "definição", "mneumônico" (quando se ensina fatos), "menor caminho", "caminho alternativo" (quando se ensina procedimentos), "justificativa", "exemplo" (quando se ensina conceitos, princípios).

  • exigindo que o aluno faça escolhas informativa entre os links. Por exemplo, pode-se fornecer vários links como alternativas de respostas a uma pergunta, e cada um dos links levaria para uma página que poderia ou reforçar uma resposta correta ou, caso a resposta seja incorreta, explicar qual a resposta correta e prover links para revisões sobre o assunto.

  • através de formulários implementados com Forms e CGI pode-se fazer uma avaliação mais profunda, possibilitando uma orientação e feedback mais individualizados.

Testar

Testes podem ser providos através de questionários, como citado no item anterior, ou mesmo fazendo com que os alunos construam suas próprias páginas Web sobre o assunto.

Prover enriquecimento e correções

Por fim deve-se fornecer correções, onde forem detectadas falta de compreensão, e enriquecimento, que pode ser dado através de links para informações adicionais sobre o assunto. O enriquecimento e correção podem ser fornecidos de forma mais individualizada quando usado em conjunto com os testes formulados com Forms e CG