Como montar uma internet via radio



Logo
                                                      COMO MONTAR UM PROVEDOR DE INTERNET
VIA RÁDIO

 


                                            

COMO MONTAR UM PROVEDOR DE INTERNET VIA RÁDIO


O LINK Internet. Você pode adquirir o link internet de várias maneiras...
1. Adquirindo com a Telefônica, Embratel ou operadora de telecomunicação ativa na
sua região, o custo dependerá da operadora e de sua região , são links robustos que
garantem qualidade e velocidade de banda, por esta razão, possuem um valor mais
elevado.
2. Através de um ADSL ou CableModem (Speedy ou EasyBand por exemplo). Neste
caso você fica com um link "menos robusto" que não tem garantia de banda, repassando
um serviço menos profissional para seu cliente, porém, o valor é bem mais acessível, .
Lembre-se, se você optar por este tipo de serviço não poderá oferecer venda de IPs
válidos, ou seja, para empresas ou corporações que necessitam de servidores com IP´s
válidos na Internet para hospedagem de sites, VPN ou banco de dados por exemplo.
3. Adquirindo de um provedor de internet que já possui um link grande, mas neste caso,
você deve ter uma pessoa de extrema confiança, na maioria dos casos o provedor cobra
um valor menor que o das teles, não "agüenta o tranco" e diminui sua velocidade sem
que você perceba, atingindo seu cliente diretamente e desqualificando seu negócio.
Minha opinião: Adquirir um link com uma operadora de telecomunicações de grande
porte, apesar do custo maior o serviço será de qualidade e com seriedade.
Segundo Passo - Montando o Projeto
1. Visada
Verifique se os pontos onde você irá atender os clientes possui visada direta, ou seja,
pontos visíveis e diretos para todos os pontos remotos. Um bom local sugerido é um
prédio grande ou uma torre vistosa. Um prédio seria até melhor, os condominos
poderiam acessar internet através de cabos LAN que são baratos e você ganha na
assinatura dos apartamentos.
2. Calculo do número máximo de clientes
Assegure-se da média de clientes atendidos na região, um bom número de clientes para
cada Access Point (SWL3300 ou AP2000 por exemplo) é de no máximo 35 a 50
clientes Wlan, ou seja, kits PCI , Kits cliente ou Ethernet Converters, anexos à ela.
Depois deste número o equipamento começa a ficar lento, começa a perder pacotes,
ficando quase impossível trabalhar com níveis de segurança e qualidade. Quando isso
acontece você tem que optar pela implementação de novos equipamentos ou novos
pontos de distribuição.
3. Número de repetidoras
Para cada repetidora você precisa de vários novos equipamentos, tenha sempre em mente prédios ou torres próximas uma à outra para poder montar novos pontos de
distribuição.Para cada novo ponto você precisa de 2 rádios somente para o link (enviar o
sinal de um ponto ao outro) mais um equipamento para distribuir o sinal em modo
Access Point.
4. Antenas
Procure utilizar antenas direcionais de ganhos menores e de boa qualidade, são antenas
mais caras porém asseguram uma grande redução no problema de interferências e
ruídos. O mesmo se aplica aos amplificadores de potência, somente utilize quando não
for possível realmente o enlace, caso contrário, quanto menos amplificação melhor !!!
5. Produtos Homologados
Devido as novas normas da Anatel, você precisa utilizar produtos registrados e
homologados. Somente são aceitos novos provedores com projetos de infra-estrutura e
licença de funcionamento SCM. para que isso seja possível a Anatel exige a certificação
do fabricante e um projeto assinado por um engenheiro de redes ou elétrico.
6. Provedor de Acesso para Prédios
Se você tem a finalidade de atender somente prédios, convém centralizar o provedor em
locais onde existem vários condomínios, certifique-se de que o local onde está sendo
instalado não exista concorrência, nunca utilize duas antenas omni no mesmo local, com
certeza você encontrará problemas de interferência. O modo de interligação entre
prédios deve ser realizado com protocolos de comunicação especiais desenvolvidos para
redes externas, como o MultiLink da Samsung, TurboCell da Karlnet ou Worp da
Proxim, são protocolos específicos para conexão outdoor e garantem melhor
desempenho e robustez no link entre os pontos de conexão diminuindo problemas com
interferências e aumentando o nível de Throughput. De preferência para equipamentos
de 5.8 Ghz para fazer seu backbone ( ligação entre suas torres de transmissão ), assim
você ficará isento de interferências e garantirá uma boa performance.
7. Provedor de Acesso para Residências
Quando o seu cliente é um "Access Point Client" isso significa que você estará
trabalhando com o equipamento em modo 802.11b Open Share (Kits PCI por exemplo).
Neste modo de operação as distâncias são limitadas entre 4 a 5Km no máximo, com
isso, você deve escolher um local onde a abrangência de clientes é bastante grande para
garantir o uso total do equipamento.
8. Provedor Misto
Se você vai trabalhar com clientes residenciais e condomínios ao mesmo tempo, deve
utilizar um equipamento para cada finalidade. Uma central fará o trabalho de Access
Point enquanto outra fará MultiLink para os prédios.
Desta forma você evita o comprometimento do link com os clientes evitando saturação da banda para determinados locais.
Terceiro Passo - Custos
Se você oferece aos clientes 256Kbps compartilhado, significa que cada estação chave
(cliente central) irá receber 256Kbps 24h por dia 7 dias por semana. Com isso você
deverá se atentar ao consumo de banda em excesso pois o seu lucro vem da utilização
do link ou não. Um cliente empresarial consome maior quantidade de banda que um
residencial, por isso o valor da mensalidade deste deve ser maior que um usuário
residencial. Em contrapartida este cliente exige maior seriedade no link sendo que o
mesmo deve possuir menor nível de problemas que um usuário residencial. Em geral a
média é de 10 para 1, ou seja, para cada 256Kbps reais você poderá pendurar até dez
clientes com a mesma velocidade. Com o tempo a otimização do consumo é medida e
adequada para cada caso.
Então se 1Mbps tem 4 X 256Kbps você pode colocar até 40 clientes em cada Mb ???
Não. Em cada caso devemos analisar o consumo da banda, sendo que, a otimização do
sistema é fundamental, se você tem clientes residenciais e empresariais, por exemplo,
deve saber que o consumo da residência é na maioria dos casos noturno ao passo que o
de uma empresa é diurno. Cada caso deve ser estudado cautelosamente. Cuidado!!! Esta
é a jogada para se ganhar ou não dinheiro com o negócio.
Neste período você sabe se irá crescer ou afundar, o segredo é não ter pressa para
vender e fazer vendas bem feitas, todos querem ganhar dinheiro, certo?

Equipamentos necessários para montar um provedor ( INÍCIANTE )


Antes de iniciar seu provedor você deverá escolher o local onde ficará o servidor e a
Linha da Embratel, Telemar, Telefônica ou outra concessionária. Temos duas maneiras
de orçar os equipamentos, a primeira é se você ficar no próprio local onde as
transmissões para toda a cidade serão feitas, ou seja , a antena principal está no mesmo
prédio que você tem seu provedor, ou seu provedor fica em um local e a Antena
principal de transmissão fica em um outro local ( num morro, num prédio no centro da
cidade, numa torre , etc... )
Se a antena fica no mesmo local do provedor ( materiais necessários )
01 Access Point
01 Antena Omini-Direcional de 15 DBI
01 Cabo Pig Tail
01 Cabo RGC213 de 2 Mtos
01 Caixa Hermética com protetor, régua tomadas e ventilação

Se o provedor fica em um local e a antena principal em outro ( materiais necessários )

03 Access Point
01 Antena Omini-Direcional de 15 DBI
02 Antenas Direcionais de 24 DBI Nacional
03 Cabo Pig Tail
03 Cabo RGC213 de 2 Mtos
02 Caixa Hermética com protetor, régua tomadas e ventilação

Esse é o processo mais em conta , mas não é melhor. Quando você está iniciando e se
não existir nenhum outro provedor na sua área, então essa é uma boa opção para ganhar
vários clientes a um preço mais reduzido, porém a medida que você crescer ( mais de 30
clientes ) sugerimos que você troque a antena Omini por três antenas setoriais painel de
120 graus cada com 14 DBI ou mais, ou 4 antenas setoriais de 90 graus 14 DBI , as
quais serão interligadas com um spliter em um só Access Point . As antenas setoriais
são mais imunes a interferências e com maior capacidade de performance, além disso
você poderá triplicar ou quadriplicar a quantidade de clientes colocando um Access
Point em cada antena.
Kit Cliente - Equipamentos necessários para os clientes O chamado Kit cliente pode ser
instalado de três maneiras :

Com Placa de rádio Wireless

Neste caso o Kit cliente vem composto de Uma placa de rádio, uma antena de 24 Dbi,
um cabo Pig Tail e dois conectores RGC213 fêmea. A placa tem que ser instalada
dentro do micro do cliente, é necessário a abertura da máquina , desta placa sairá um
cabo Pig Tail e este será ligado em um cabo RGC213 , cuja medida vai variar de cliente
para cliente, pois esse cabo sai de perto do micro e vai até em cima do telhado onde será
instalada a antena de 24 DBI. Vocês mesmos deverão fazer as pontas do cabo RGC213
ou seja, conectorização que é a colocação dos dois conectores RGC213 que vem no Kit.
É importantíssimo que a antena do cliente enxergue a sua antena principal omini-
direcional ou setorial que está instalada no seu provedor ou no morro, ou em outro local,
isso chamamos de visada direta. Feito isso é só fazer a customização do micro e medir o
sinal da antena até que ele fique satisfatório.

Com Access Point Cliente

Neste caso o Kit cliente vem composto de um Access Point Cliente de rádio, uma
antena de 24 Dbi, um cabo Pig Tail e dois conectores RGC213 fêmea. O Access Point é
instalado perto da antena em um local coberto ( pode ser dentro do telhado, em um
forro, em uma sala, etc.. ou seja, você instala este equipamento com um cabo RGC213
menor e ele fica lá em cima ( protegido contra intempéries ) De lá de cima você trará um cabo par-trançado nível 5 ( cabo de rede ) cross-over, até a placa de rede no micro
do cliente. Por ser um cabo muito mais fino, a passagem deste cabo do telhado até o
micro do cliente ficará mais fácil . Não é necessário a abertura da máquina . Customiza-
se o Access Point cliente e já está pronto para funcionar . A outra grande vantagem do
Access Point cliente é que você poderá ligá-lo em um switch e despachar o sinal para
várias máquinas ao mesmo tempo, desde que estas máquinas também estejam ligadas no
mesmo switch. Sem dúvida essa é a melhor opção técnica e com certeza dará menos
manutenção ao seu provedor
O Grande segredo para o sucesso de seu provedor é desenhar o projeto inicial correto e
instalar equipamentos com qualidade, de maneira que não te de retorno ao cliente.
Quanto menos você retornar ao seu cliente para resolver problemas, maior será seu
lucro e maior a satisfação do cliente.
Aqui não computamos os valores com o servidor Linux ou Unix que você necessitará
para controle de acesso e controle de banda de seu provedor. Também segue telefone e
e-mail da Portal Wireless para consulta de outros produtos.

DICAS PARA MONTAR REDE SEM FIO

1 - Tenha sempre em mente que a visada direta entre a antena de seu cliente e a antena
do seu provedor é importantíssima, você poderá pegar até algum sinal sem visada total,
mas com certeza um dia terá vários problemas de perda de sinal ou perda de pacotes
2 - Para ligação de uma torre a outra use sempre dois access point exclusivos para esse
fim, de preferência use equipamentos na freqüência 5.8 Ghz 802.11A que trabalham em
54 Mbits assim você terá menos interferência em sua rede. Evite utilizar equipamentos
802.11G para esta finalidade, pois além de eles trabalharem na mesma freqüência de
seus access points de distribuição ( 2.4 Ghz ) eles ainda são destinados a uso interno e
pequenas distâncias.
3 - NUNCA use duas antenas ominis no mesmo local, isso com certeza provocará
graves interferências na sua rede. Se já existir um provedor concorrente seu no local
onde você quer instalar a sua antena, então procure utilizar antenas setoriais com
polarização HORIZONTAL e mesmo assim procure instalar as antenas a uma distância
mínima de 10 mtos do seu concorrente.
4 - Para interligar duas torres use sempre dois access point e instale as antenas sempre
no ponto mais alto das torres ficando sempre acima das antenas de distribuição de sinal.
NUNCA instale access point, que faz o ponto a ponto com outra torre , abaixo de uma
omini, a não ser que esses access points sejam de 5.8 Ghz. Se você utilizar Access Point
de 2.4 Ghz para interligação entre torres, coloque as antenas na polarização
HORIZONTAL para evitar interferências com sua transmissão para os clientes, agora se
você já transmite para seus clientes na HORIZONTAL, então coloque as antenas que
interligam as torres na VERTICAL.
5 - Quando existir um provedor concorrente na sua cidade, procure saber a polarização
que ele trabalha. Normalmente os antigos provedores trabalham na polarização
VERTICAL, e neste caso, ao montar seu provedor, procure adquirir antenas que
trabalham na polarização HORIZONTAL, normalmente são antenas setoriais, desta
maneira não existirão grandes interferências.
6 - Evite ao máximo utilizar amplificadores em suas antenas, principalmente nas
antenas ominis. Amplificadores podem ser utilizados em links ponto a ponto de 2.4 Ghz
de grandes distâncias, acima de 30 Km.
7 - PERDA DE PACOTES em sua rede pode ser gerada por diversos fatores, entre eles
é que você está no limite de processamento do seu Access point de distribuição ou no
seu backbone de interligação. Cada Access point de distribuição tem um limite de
processamento, por exemplo: O Samsung SWL-3300 chega a processar 80 clientes , o
Senao chega a processar 50 clientes , o AP2000 com as duas placas em torno de 80
clientes e o Access point Realsat com router de 20 a 30 clientes. Sugerimos que para
uma boa performance da rede você não ultrapasse a 50 clientes em cada access point,
exceto o Realsat que comporta menos. Uma boa dica é usar antenas setoriais ( quatro de
90 graus ) e colocar um access point em cada antena e canais diferentes.
Interferências de outros provedores e mesmo de seu provedor poderá provocar Perda de
Pacote na sua rede, neste caso você deverá reavaliar sua rede, antenas , quantidade de
clientes, local de distribuição, etc.. para solucionar o problema.
Ainda com referencia a esse assunto, lembre-se que cabos RGC213 mau feitos, Pig Tail
com problema, conectores expostos ao tempo poderão provocar a perda de pacotes e
perda de sinal.
8 - Para se ter um bom nível de sinal entre se cliente e sua torre de distribuição, é
importantíssimo utilizar a menor quantidade possível de cabo RGC213, ou seja, quanto
menos cabo RGC213 você utilizar entre o access point e a antena no seu provedor,
melhor será seu sinal. O mesmo ocorre para seus clientes, quanto menos você utilizar
cabo entre a antena e a máquina do cliente, melhor será o sinal.
Muitos provedores utilizam cabo RG58 no cliente devido ao diâmetro, por ser mais
fino, mas lembre-se que esse cabo tem uma perda muito grande em Dbi e com certeza o
sinal ficará mais fraco provocando perda de sinal.
9 - É importantíssimo a isolação de todos os conectores que forem expostos ao tempo
com fita de ALTA FUSÃO, NUNCA utilize outro tipo de fita, somente de alta fusão.
Lembre-se que basta a umidade da noite para danificar a conexão de seus conectores
com o cabo, imagine a água, portanto isole muito bem seus conectores. Verifique
periodicamente esses contatos, pois eles poderão provocar a perda de sinal ou perda de
pacotes na sua rede.
10 - É importantíssimo a utilização de cabo PIG TAIL ou cabo PROPRIETÁRIO de boa
qualidade nos seus access points e nos seus clientes. Lembre-se que as ondas trabalham
em forma de pulsação e principalmente o conector do PIG TAIL SMA reverso, que é o
conector que vai na placa cliente ou no access point, sofre muita vibração e se ele não
for de boa qualidade com o tempo irá se abrir não dando o contato necessário para a
transmissão. Conectores que trabalham com COBRE BERIDIUM não sofre esse
problema, pois tem a capacidade de retornar sempre ao ponto original. A PORTAL
WIRELESS só trabalha com conectores da marca KLC que tem essa qualidade.
11 - Os Access Point 2.4 Ghz possuem 11 canais de transmissão, procure sempre usar
os canais 1, 6 e 11 pois eles não se interpolam.
12 - A Distância mínima ideal de uma antena omini de 15 DBI para outra antena omini
de 15 DBI é de 500 metros.
13 - Muitos provedores preferem a utilização de placas PCI nos clientes devido ao baixo
custo do KIT, porém essa não é a melhor situação. Placas PCI necessitam ser instaladas
dentro do PC e utilizam grandes quantidades de cabo RGC213 ( de 7 a 10 ) metros
diminuindo o raio de ação do link. Uma boa dica, apesar de mais cara, é a utilização de
access point cliente no seu cliente. Procure colocar o access point cliente o mais
próximo possível da antena do cliente, protejá-o em uma pequena caixa hermética
contra intempéries e dele desça um cabo par-trançado de computador até a placa de rede
da máquina do cliente. Com esta opção, com certeza, você terá um link de maior
qualidade e muito menos manutenção no seu cliente.
Lembre-se, quanto menos manutenção você tiver em seu cliente, maior será seu lucro e
maior será a satisfação do seu cliente, portanto, analise a sua rede e caso você esteja
com problemas em alguns clientes procure trocar a placa por access point cliente.
14 - A distância entre a torre de transmissão e seus clientes é muito relativa e depende
muito das condições de visada, instalação dos links, cabos utilizados e equipamentos,
porém apenas para efeito de parâmetro podemos dizer que um bom link bem instalado e
com boa visada utilizando uma antena OMINI de 15 DBI poderá chegar até 6 Km até
seu cliente e com antenas setoriais de 14 DBI em torno de 3 a 4 Km. É lógico que essa
distância poderá ser maior em alguns casos, mas essa é a margem ideal.
15 - É muito comum , quando você utiliza placa PCI no cliente, a utilização de cabo
RGC213 de até 10 metros ( importante não passar dessa medida ) e um PIG TAIL entre
o cabo RGC213 e a placa PCI wireless que fica instalada na máquina, e com o
movimento da máquina para lá e para cá, o pig tail acaba quebrando ou provocando mau
contato. Verifique sempre se o Pig Tail está em perfeitas condições e troque-o se
necessário.
16 - Procure sempre utilizar o SSID escondido, isso obrigará seu técnico a colocar
manualmente o SSID e canal no cliente, mas em compensação seu sistema não ficará
aberto para que pessoas indesejadas vejam sua rede. Se possível criptografe sua rede, é
sem dúvida, uma segurança maior. Outro fator de segurança é o cadastramento dos
macs dos clientes em seu access point central de retransmissão.
17 - Procure sempre ter um servidor em seu provedor que faça o controle de acesso e o
controle de banda de seus clientes, pode ser um Linux, Unix ou outro de seu
conhecimento

COMO MONTAR UM PROVEDOR
ASPECTOS JURÍDICOS

1. Não há necessidade de autorização específica ou licença de nenhuma natureza,
seja da ANATEL ou de qualquer outro órgão regulador, para constituição e operação de
um provedor de acesso e/ou informações na Rede Internet.
2. Qualquer empresa, desde que regularmente constituída, pode ser provedora de
serviços de acesso e/ou informações, podendo este ser o seu único objeto social ou não.
Assim, uma empresa que se dedica a outros segmentos  pode agregar às atividades já
desenvolvidas a prestação de serviços de acesso e/ou de informações na Rede Internet.
3. A empresa pode ser constituída como uma sociedade simples (registrada em
cartório civil de pessoas jurídicas) ou como uma sociedade empresária (registrada na
Junta Comercial), sendo certo que, após o advento do novo Código Civil (Lei nº
10.406/02), a tendência é registrar a sociedade que se dedica à atividade de provimento
de acesso e/ou informações  como empresária, haja vista que somente aquele que exerce
profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística é considerado, pela
atual legislação, como não-empresário.
4. A sociedade empresária pode constituir-se adotando um dos tipos societários a
seguir: sociedade em nome coletivo, sociedade em comandita simples, sociedade
limitada, sociedade anônima ou sociedade em comandita por ações. A determinação do
tipo societário deve ser feita pelos sócios  após analisarem as características de cada tipo
expostas no Código Civil, de forma a escolher, dentre eles, aquele que melhor reflita os
seus interesses; É válido notar  que o tipo mais comum, no Brasil, é a sociedade
limitada.
5. A empresa deverá descrever no seu contrato social ou estatuto (este último, no caso
de se tratar de sociedade anônima), entre as atividades que compõem o seu objeto
social, a de prestação de serviços de acesso e/ou de informações na Rede Internet.
6. Para fins fiscais, é necessária a inscrição no Cadastro Nacional das Pessoas Jurídicas
do Ministério da Fazenda (CNPJ), no INSS, além da inscrição municipal, especialmente
no caso da empresa desenvolver atividades de hospedagem de páginas eletrônicas,
propaganda e publicidade, a fim de permitir a emissão de notas-fiscais de prestação de
serviços. A partir de agosto de 2001, com a mudança da Legislação, passou a ser
obrigatória a inscrição estadual das empresas que se dedicam à atividade de provimento
de acesso à Internet, haja vista que, no Estado de São Paulo, assim como em outros
Estados da Federação, este serviço foi considerado como  de comunicação, sujeito ao
ICMS.
7. Além destas inscrições, é necessário verificar com as autoridades locais (municipais),
o competente alvará de funcionamento, além do pagamento das taxas de localização e
fiscalização.
8. Até hoje existe uma discussão em relação à tributação dos serviços específicos de
acesso à Rede Internet, conforme exposto a seguir:

a) Entendimento do Fisco Estadual – Os serviços de acesso à Internet prestados pelos
Provedores, no Estado de São Paulo, são classificados como serviços de comunicação,
sujeitos ao ICMS (alíquota de 25%, com opção de aderir ao benefício temporário da
redução da base de cálculo, com carga tributária de 5% sobre o valor da prestação, sem
direito de utilização de quaisquer outros benefícios fiscais (ex: SIMPLES) ou
aproveitamento de créditos de ICMS, conforme previsto no artigo 23 do Anexo II do
Regulamento do ICMS - SP);

b) Entendimento do Fisco Municipal – Os serviços prestados pelos Provedores, sejam
os de acesso à Internet, sejam os de hospedagem de páginas e outros correlatos, são
enquadrados como serviço de processamento de dados, constante da lista de serviços
tributáveis pelo ISS; assim sendo, no Município de São Paulo, os provedores devem
recolher o ISS sobre o valor dos serviços prestados (alíquota de 5%);

c) Entendimento da ABRANET-SP:
(i) ICMS - com base em estudos jurídicos, a ABRANET-SP entende que os Provedores
não prestam serviços de comunicação, mas sim serviços de valor adicionado (conforme
define a Lei Geral de Telecomunicações), sendo meros usuários dos serviços de
telecomunicações prestados pelas empresas detentoras de outorga concedida pela
ANATEL para tanto (concessão ou autorização), de forma que os serviços não podem
ser tributados pelo ICMS (não estão na esfera de incidência do imposto estadual);
(ii) ISS - os serviços de provimento de acesso e informações, embora na esfera de
incidência do ISS, não constam da lista de serviços tributáveis por este imposto,
portanto, não podem ser tributados pelo ISS;
(iii) segundo entendimento do Prof. Alcides Jorge Costa, em parecer específico
contratado pela ABRANET-SP, os serviços de "hospedagem de homepages"
caracterizam-se como locação de bem móvel (espaço em disco rígido); considerando
este enquadramento, é possível defender que, com advento da Lei Complementar nº
116/03, estes serviços não mais poderão ser tributados pelo ISS, visto que a locação de
bens móveis foi excluída da nova lista de serviços tributáveis pelo ISS;
(iv) em conclusão, o assunto relativo à tributação não tem ainda uma definição clara,
existindo o risco de interpretação divergente das Autoridades Tributárias. Cada
provedor deve consultar o seu advogado de confiança para traçar a melhor estratégia em
relação a esta discussão fiscal;
(v) a ABRANET-SP, como entidade de classe, vem coletando estudos e pareceres para
auxiliar os seus associados, além de estar desenvolvendo, por meio de sua Diretoria
Executiva, encontros e discussões com as Autoridades Tributárias tentando sensibilizá-
las sobre o assunto.

Maiores esclarecimentos podem ser solicitados pelo e-mail secretar@abranet.org.br




Primeiro Passo Para montar provedor de internet via radio

 

O LINK Internet. Você pode adquirir o link internet de várias maneiras entenda melhor como montar sua rede internet via radio...

 

1. Adquirindo com a Telefônica, Embratel ou operadora de telecomunicação ativa na sua região, o custo é de aproximadamente R$ 3200,00 para cada 1Mbps de velocidade, são links robustos que garantem qualidade e velocidade de banda, por esta razão, possui um valor mais elevado.

 

2. Através de um ADSL ou CableModem (Speedy ou EasyBand por exemplo). Neste caso você fica com um link "menos robusto" que não tem garantia de banda, repassando um serviço menos profissional para seu cliente, porém, o valor é bem mais acessível, uns R$ 800,00 para cada 2Mbps. Lembre-se, se você optar por este tipo de serviço não poderá oferecer venda de IPs válidos, ou seja, para empresas ou corporações que necessitam de servidores com IP´s válidos na Internet para hospedagem de sites, VPN ou banco de dados por exemplo.

 

3. Adquirindo de um provedor de internet que já possui um link grande, mas neste caso, você deve ter uma pessoa de extrema confiança, na maioria dos casos o provedor cobra um valor menor que o das teles, não "aguênta o tranco" e diminui sua velocidade sem que você perceba, atingindo seu cliente

diretamente e desqualificando seu negócio.

 

Minha opnião: Adquirir um link com uma operadora de telecomunicações de grande porte, apesar do custo maior o serviço será de qualidade e com seriedade.

 

Segundo Passo - Montando o Projeto

 

1. Visada

 

Verifique se os pontos onde você irá atender os clientes possui visada direta, ou seja, pontos visíveis e diretos para todos os pontos remotos. Um bom local sugerido é um prédio grande ou uma torre vistosa. Um prédio seria

até melhor, os condonimos poderiam acessar internet através de cabos LAN que são baratos e você ganha na assinatura dos apartamentos.

 

2. Calculo do número máximo de clientes

 

Assegure-se da média de clientes atendidos na região, um bom número de clientes para cada Access Point (SWL3300 ou AP200 por exemplo) é de no máximo 35 clientes Wlan, ou seja, kits PCI ou Ethernet Converters, anexos à ela. Depois deste número o equipamento começa a ficar lento, começa a perder pacotes, ficando quase impossível trabalhar com níveis de segurança e

qualidade. Quando isso acontece você tem que optar pela implementação de novos equipamentos ou novos pontos de distribuição.

 

3. Número de repetidoras

 

Para cada repetidora você precisa de vários novos equipamentos, tenha sempre em mente prédios ou torres próximas uma à outra para poder montar novos pontos de distribuição.Para cada novo ponto você precisa de 2 rádios somente para o link (enviar o sinal de um ponto ao outro) mais um equipamento para distribuir o sinal em modo Access Point.

 

4. Antenas

 

Procure utilizar antenas direcionais de ganhos menores e de boa qualidade, são antenas mais caras porém asseguram uma grande redução no problema de interferências e ruídos. O mesmo se aplica aos amplificadores de potência, somente utilize quando não for possível realmente o enlace, caso contrário, quanto menos amplificação melhor !!!

 

5. Produtos Homologados

 

Devido as novas normas da Anatel, você precisa utilizar produtos registrados e homologados. Somente são aceitos novos provedores com projetos de infraestrutura e licença de funcionamento SCM. para que isso seja possível a Anatel exige a certificação do fabricante e um projeto assinado por um engenheiro de redes ou elétrico.

 

6. Provedor de Acesso para Prédios

 

Se você tem a finalidade de atender somente prédios, convém centralizar o provedor em locais onde existem vários condomínios, certifique-se de que o local onde está sendo instalado não exista concorrência, nunca utilize duas antenas omni no mesmo local, com ceterza você encontrará problemas de

interferência. O modo de interligação entre prédios deve ser realizado com protocolos de comunicação especiais desenvolvidos para redes externas, como o MultiLink da Samsung, TurboCell da Karlnet ou Worp da Proxim, são protocolos específicos para conexão outdoor e garantem melhor desempenho e robustês no link entre os pontos de conexão diminuindo problemas com interferências e aumentando o nível de Throughput.

 

7. Provedor de Acesso para Residências

 

Quando o seu cliente é um "Access Point Client" isso significa que você estará trabalhando com o equipamento em modo 802.11b Open Share (Kits PCI por exemplo). Neste modo de operação as distâncias são limitadas entre 4 a 5Km no máximo, com isso, você deve escolher um local onde a abrangência de

clientes é bastante grande para garantir o uso total do equipamento.

 

8. Provedor Misto

 

Se você vai trabalhar com clientes residenciais e condomínios ao mesmo tempo, deve utilizar um equipamento para cada finalidade. Uma central fará o trabalho de Access Point enquanto outra fará MultiLink para os prédios.

Desta forma você evita o comprometimento do link com os clientes evitando saturação da banda para determinados locais.

 

Terceiro Passo - Custos

 

Se você oferece aos clientes 256Kbps compartilhado, signfica que cada estação chave (cliente central) irá receber 256Kbps 24h por dia 7 dias por semana. Com isso você deverá se atentar ao consumo de banda em excesso pois o seu lucro vem da utilização do link ou não. Um cliente empresarial consome

maior quantidade de banda que um residencial, por isso o valor da mensalidade deste deve ser maior que um usuário residencial. Em contra-partida este cliente exige maior seriedade no link sendo que o mesmo deve possuir menor nível de problemas que um usuário residencial. Em geral a

média é de 10 para 1, ou seja, para cada 256Kbps reais você poderá pendurar até dez clientes com a mesma velocidade. Com o tempo a optimização do consumo é medida e adequada para cada caso.

 

Então se 1Mbps tem 4 X 256Kbps você pode colocar até 40 clientes em cada Mb ??? Não. Em cada caso devemos analisar o consumo da banda, sendo que, a optimização do sistema é fundamental, se você tem clientes residenciais e

empresariais, por exemplo, deve saber que o consumo da residencia é na maioria dos casos noturno ao passo que o de uma empresa é diurno. Cada caso deve ser estudado cautelosamente. Cuidado!!! Esta é a jogada para se ganhar

ou não dinheiro com o negócio.












Comments