Civilizações Orientais da Antiguidade




Civilizações Orientais da Antiguidade


     As primeiras Civilizações do período histórico, são as Civilizações agrícolas e mercantis da antiguidade oriental, que incluem, entre outros, os povos mesopotâmicos, os egípcios, os hebreus, os fenícios, os persas, os hindus e os chineses.No período histórico da 
Antiguidade já se torna possível uma análise mais apurada das atividades físicas, pois os povos tornam-se civilizados e muitas de suas atividades foram registradas por meio da escrita.
    No Oriente as atividades físicas adquirem finalidades de ordem: Guerreira, Terapêutica, Esportiva, Educacional muitas vezes relacionados à religião. É com os CHINESES, HINDÚS, EGÍPCIOS,  entre outros povos do oriente que começa realmente a História da Educação Física.Os dados históricos sobre a China datam, mais ou menos 3.000 anos a.C. Muitas das práticas desportivas que perduraram durante vários séculos, datam dessa época; Da mesma forma, os exercícios físicos com finalidades higiênicas e terapêuticas, surgiram nesse período, usados principalmente para combater as endemias.
     Ginástica terapêutica CONG-FOU (homem que trabalha com arte, o GINASTA), teria surgido por volta de 2.700 a.C. Essa atividade consistia em uma série de posições nas quais o corpo era colocado durante certo tempo para que o paciente respirasse segundo certos métodos, indicados de acordo com a doença a tratar. 
     As atividades físicas entram em declínio na CHINA, quando filósofos e preceitos da religião budista, começam a incutir no povo uma filosofia de inação; O costume de sentar-se para meditar, para a conquista da saúde corporal e da tranquilidade mental, leva o povo chinês ao estilo de vida sedentário. 
Merece destaque a Yoga, conjunto de exercícios ginásticos relacionados a doutrina, que objetiva a purificação do corpo e a identificação do homem com sua essência divina; 
Hatha-yoga, ginástica de posições com a utilização de uma respiração adequada. 
    Povo que consagrava a realização de EXERCÍCIOS CORPORAIS e as PRÁTICAS HIGIÊNICAS; 
As atividades físicas mais difundidas eram: 
Corridas; 
Equitação; Caça;Natação; e Luta. 
As atividades físicas: natação, navegação e a pesca, se confundiam com as próprias necessidades do povo; A ginástica médica e as manobras de massoterapia constituem evidente influência das civilizações chinesa e hindú.
    Podendo ser citadas ainda a esgrima e a equitação, como atividades muito praticada que a GINÁSTICA – Realizada s/ aparelhos prioriza: Flexibilização e Destreza.
Dentre os costumes, estavam os exercícios Gímmicos revelados nas pinturas das paredes das tumbas.A ginástica egípcia já valorizava o que se conhece hoje como CAPACIDADES FÍSICAS (equilíbrio, força, flexibilidade e resistência). Já usavam, embora rudimentares, materiais de apoio tais como tronco de árvores, pesos e lanças.
     A LUTA parede ter sido uma das práticas favoritas; em um túmulo foram encontradas pinturas que reproduzem mais de 120 fases de jogos e de lutas corporal. A reprodução dos detalhes técnicos é tão perfeita que o artista, seguramente, estaria presente no local das atividades; As pinturas apresentam DANÇAS expressionistas, ginásticas, imitativas, guerreiras, satíricas, fúnebres e religiosas. 
     Muitos exercícios acrobáticos praticados hoje, já eram do domínio dos egípcios – grupos de profissionais convidados para as grandes festas. 
       Os jogos com bola eram muito praticados – nos MUSEUS do Cairo, Londres e Berlim, encontram-se bolas forradas de couro multicolorido.




A cdos Povos Orientais da 

Antiguidade





 

- Atual Iraque. Uma terra entre os rios Tigre e Eufrates; O patesi era o representante de Deus em uma sociedade de base agrícola.

Acádios: Sargão I.



- Caldeus (Neo-babilônios): apogeu com Nabudodonosor. Escravizaram os judeus (Cativeiro babilônico) e

realizaram grandes obras públicas como os 
Jardins Suspensos da Babilônia.




Educação física dos mesopotâmicos



              Os mais antigos habitantes da Mesopotâmia foram os sumerianos (turaninos), vindo talvez do Turquestão. Só muito mais tarde aí se estabeleceram os Semitas. os quais assimilaram a religião e os costumes dos sumerianos, conservando porém a sua língua que impuseram aos vencidos. As duas raças fundiram-se, principalmente, na região da Caldéia, predominando, contudo na Assíria, o elemento semita



b) Nela se reconstituíram os nossos ancestrais para logo se dispersar pelo mundo, ante 

confusão dos idiomas, na 

Torre de Babel; c) Nela todas as raças deixaram seus representantes.


          Atribui-se aos Assírios e Caldeus uma origem comum, de vez que viveram juntos, por espaço de como a fisionomia, a vestimenta, o culto, o idioma e a escrita; ambos tinham o corpo vigoroso, nariz grosso e olhos grandes que davam ao rosto uma muitos séculos, mantendo os mesmos caracteres,tais expressão de energia. Os assírios depois se separaram, desenvolvendo-se rapidamente e, a  partir desse momento, assírios e caldeus adquiriram costumes completamente distintos.



Sistema Educativo




       O sistema educativo compreendia, unicamente, o intelectual e o físico. Os povos mesopotâmicos  viveram sempre em luta. A história da Babilônia, em relação à educação física, fornece-nos fracas informações, sabendo-se apenas que o povo era preparado severamente para a guerra e cultuava, em alto grau, os exercícios físicos, como um fator importante de desenvolvimento corporal; revela, também, por outro lado, a epopéia do Rei Gilgamesh, que foi um lendário rei de Uruk, descendente  do Shamash-Napishtiom (salvo da arca que ficou imortal), sendo representado como alto, maciço,  poderosamente forte e belo. Realizou feitos iguais aos que Hércules executou na Grécia. A educação física na Mesopotãmia era praticada sob os aspectos militar, médico e rítmico.


Aspecto militar: Compreendia os caracteres guerreiro, moral, Esportivo e econômico.
 

a) Cada cidadão era um soldado fisicamente treinado, vigoroso, impetuoso e valente; 

b)Tornaram-se hábeis no manejo e emprego das armas;

c) Caráter guerreiro: em que a educação física era praticada, objetivando sua utilidade na guerra, atendendo ao estado de nômade guerreiro do povo, por Lutar, para eles, significava saquear e matar.

d) De preparação, ao ar livre: Individual: tiro ao alvo, com flechas; esgrima de sabre e bastão; lutas; lançamento Caráter esportivo: compreendia atividade: Recreativas de Salão; Privadas: Xadrez, tric-trac e dama; Públicas: constituídas de espetáculos que foram um de dardo; equitação.Coletivo: jogos de bola e equestres. Em Muppur, perto da Babilônia, foi encontrado um relevo que representa uma Corrida de cavalos provando que o esporte hípico, nesta época era praticado, isto é, mais ou menos, há 7000 a. C. Na Mesopotâmia.

Esporte (modernamente) mais praticado na Síria: Futebol, Basquetebol, Atletismo, Boxe.


  • Aspecto rítmico: Que compreendia unicamente o caráter religioso, o qual constava, de danças sagradas e exercícios guerreiros com a finalidades utilitárias, executados pelos sacerdotes em torno dos seus altares, cultuando, nos mistérios da religião.

    Na Mesopotâmia se desenvolveu, há 3000 a.C. uma civilização de guerreiros, composta de caldeus e assírios. Esse povo tinha por ideal organizar uma força militar poderosa para esmagar impiedosamente todas as resistências dos povos vizinhos, garantindo, dessa maneira, a estabilidade das bases fundamentais do império, chegando, os assírios, graças á sua organização militar, a dominar o Oriente durante duzentos séculos. 


  Oexercícios físicos consistiam na preparação individual do homem em conduzir carros de - guerra, equitação nataçãonavegaçãocaça e atletismo, o que lhes desenvolvia, principalmente, as qualidades viris e morais.

Sumérios: os sumérios habitavam o sul da mesopotâmia, construíram grandes sistemas de irrigação e criaram a escrita cuneiforme feitos com auxílio de glifos em formato de cunha, o mais antigo tipo de escrita.

 Acádios: Segundo Silva (2011)os acádios chegaram à mesopotâmia por volta de 2550 a.C.

Os Acádios se estabeleceram e dominaram a região dos sumérios e criou novas cidades, sua principal era Acad, seu governante foi Sargão I. Seu povo vivia da agricultura e comércio, sua civilização acabou sendo saqueada e tomada pelos Amoritas.

  Amoritas: foi o Primeiro Império Babilônico (2000 a.C,-1750 a.C) povo que vivia no deserto da Arábia. No início do segundo milênio a.C o povo Mesopotâmico se unificam e constitui um império cujo seu grande centro administrativo era na cidade de Babilônia nas margens do rio Eufrates. Seu principal governante Hammurabi, ele criou importantes leis que viraram códigos

Sumeriano, que apresenta uma série de penas para delitos domésticos, comerciais ligados a prosperidade, herança, escravidão e falsas acusações.

Abalada com a morte de Hammurabi a civilização acabou, devido a várias invasões até a chegada dos assírios que a conquistou.

Assírios: era um povo de origem semita, composto por família de vários povos que compartilham as mesmas culturas. Suas conquistas se expandiram para além da Mesopotâmia chegando ao Egito, sua economia agregava impostos pagos pelas civilizações dominadas, essa e outras táticas de conquista e guerra foram suas principais contribuições, carregada de crueldades. Seu principal governante foi Sargão II.

Mesmo com o exército o Império não conseguiu se sustentar e acabou destruído pela própria população que não gostava do regime ao qual estavam submetidos. E assim suscetível a invasões foram dominados pelos Caldeus.

http://historiaufmt.blogspot.com.br/2011/04/povos-mesopotamicos.html

 


 



 Civilização Egípcia




                                                                


foi uma civilização da antiguidade oriental do Norte de África, concentrada ao longo ao curso inferior do rio Nilo, no que é hoje o país moderno do Egito. Era parte de um complexo de civilizações, as Civilizações do Vale do Nilo, dos quais as regiões ao sul do Egito (hoje no SudãoEritreiaEtiópia e Somália) são uma parte. Tinha como fronteira a norte o Mar Mediterrâneo, a oeste o deserto da Líbia, a leste o deserto Oriental Africano e a sul a primeira catarata do rio Nilo.

A civilização egípcia se aglutinou em torno de 3150 a.C. com a unificação política do Alto e Baixo Egito, sob o primeiro faraó, e se desenvolveu ao longo dos três milênios. Sua história ocorreu três grandes reinos marcados pela estabilidade política, prosperidade económica e florescimento artístico, separados por períodos de relativa instabilidade conhecidos como Períodos Intermediários. O Antigo Egito atingiu o seu auge durante oImpério Novo, uma era cosmopolita durante a qual o Egipto dominou, graças às campanhas militares do faraó Tutmés III, uma área que se estendia desde Curgos (na Núbia, entre a quarta e quinta cataratas do rio Nilo) até ao rio Eufrates., após o que entrou em um período de lento declínio. O Egito foi conquistado por uma sucessão de potências estrangeiras, neste período final. O governo dos faraós terminou oficialmente em 31 a.C. quando o Egito caiu sob o Império Romano e se tornou uma província romana, após a derrota da rainha Cleópatra VII na Batalha de Ácio.

A civilização egípcia foi umas das primeiras grandes civilizações da Humanidade e manteve durante a sua existência uma continuidade nas suas formas políticas, artísticas, literárias e religiosas, explicável em parte devido aos condicionalismos geográficos, embora as influências culturais e contactos com o estrangeiro tenha sido também uma realidade.

O sucesso da antiga civilização egípcia foi causada em parte por sua capacidade de se adaptar às condições do Vale do rio Nilo. A inundação previsível e a irrigação controlada do vale fértil produziam colheitas excedentes, o que alimentou o desenvolvimento social e cultural. Com recursos de sobra, o governo patrocinou a exploração mineral do Vale e nas regiões do deserto ao redor, o desenvolvimento inicial de um sistema de escrita independente, a organização de construções coletivas e projetos de agricultura, o comércio com regiões vizinhas, e campanhas militares apara derrotar os inimigos estrangeiros e afirmar o domínio egípcio. Motivar e organizar estas atividades foi uma burocracia dos escribas de elite, líderes religiosos, e dos administradores sob o controle de um faraó que garantiu a cooperação e a unidade do povo egípcio, no âmbito de um elaborado sistema de crenças religiosas.

Ficheiro:Tomb of Nakht (2).jpg



Criação animal


Os egípcios acreditavam que uma relação equilibrada entre pessoas e animais era um elemento essencial da ordem cósmica, assim os seres humanos, animais e plantas acreditavam serem membros de um todo. Animais, tanto domésticos como selvagens, foram, portanto, uma fonte essencial de espiritualidade, companheirismo, e sustento para os antigos egípcios. Os bovinos foram os animais mais importantes; a administração coletava impostos sobre o gado nos censos regulares, e o tamanho de um rebanho refletia o prestígio e a importância da propriedade ou do tempo que o possuía. Além do gado, os antigos egípcios apascentavam caprinosovinos e suínos. Aves como patosgansos e pombos foram capturados em redes e foram criados em fazendas, onde foram alimentados à força com massa para engordá-los. As abelhas também foram domesticadas, pelo menos desde o Império Antigo, e elas forneciam tanto mel como cera. Também foram domesticados hienas e guepardos para a caça.

Os egípcios usavam burros e bois como animais de carga, e eles foram responsáveis por lavrar os campos e debulhar as sementes do solo. O abate de um boi gordo, era também uma parte central de um ritual de oferenda. Cavalos foram introduzidos pelos hicsos no segundo período intermediário, e o camelo, apesar de ser conhecido a partir do Império Novo, não foi usado como um animal de carga até a Época Baixa. Há também evidências que sugerem que oselefantes foram brevemente utilizados na Época Baixa, mas praticamente foram abandonados devido a falta de pastagens. Cãesgatos e macacos eram animais comuns de estimação, enquanto animais de estimação mais exóticos importados a partir do coração da África, como leões, estavam reservados para a realeza. Heródoto observou que os egípcios foram os únicos a manter seus animais com eles em suas casas. Durante o período pré-dinástico e nos período posteriores, o culto dos deuses em sua forma animal era extremamente popular, como a deusa gato Bastet e o deus íbis Thoth, e esse animais foram criados em grande número nas fazendas a fim de serem sacrificados.

" Os egípcios foram muito ativos nas suas tentativas de domesticação de animais (...). Chegavam a experimentar hienas, antílopes, gruas e pelicanos! O gado maior - bois, asnos; (...) - servia em primeiro lugar para puxar o arado, para separar os grãos da palha e para o transporte. O cavalo era usado para puxar carros, e não montado. Vacas e bois eram usados também para a alimentação (carne, leite) e sacrificados aos deuses. (...) O gado menor compreendia ovelhas, cabras e porcos. (...) -Ciro Flamarion S. Cardoso. O Egito Antigo. São Paulo, Brasiliense, 1986."

A civilização egípcia antiga

Segundo Firmino (2013) uma região formada por um deserto, desenvolvida no nordeste africano as margens do rio Nilo, rio esse que ganhou uma extrema importância para os egípcios, pois era utilizado como via de transporte de mercadorias e pessoas através de barcos. Nessa época o faraó era autoridade máxima, sendo considerado como um Deus na terra, a população também era composta por escravos que na maioria das vezes eram capturados em guerras, e forçados a trabalharem muito e receberem apenas água e comida.

Eles tinham a escrita que lhes era ensinado pelos sacerdotes, militares e escribas como algo de muita importância, pois permitia a divulgação de ideias, comunicação e controle de impostos. A economia egípcia era baseada principalmente na agricultura, que era realizada, nas margens férteis do rio Nilo. Os egípcios também praticavam o comércio de mercadorias e o artesanato. Os trabalhadores rurais eram constantemente convocados pelo faraó para prestarem algum tipo de trabalho em obras públicas (canais de irrigação, pirâmides, templos, diques). 

Uma região cheia de mito e crenças. Eles acreditavam na existência de vários deuses, e faziam festa e oferendas em homenagem com o objetivo de agradar os seres superiores, para que pudessem ajuda-los na guerra.

Acreditavam também na vida após a morte, mumificavam os cadáveres dos faraós colocando-os em pirâmides, com o objetivo de preservar o corpo. A civilização egípcia destacou-se muito nas áreas de ciências. Desenvolveram conhecimentos importantes na área da matemática, usados na construção de pirâmides e templos. Na medicina, os procedimentos de mumificação, proporcionaram importantes conhecimentos sobre o funcionamento do corpo humano.

http://www.slideshare.net/celsofirmino/antiguidade-oriental-pdf







A população hebraica era organizada em vários clãs patriarcais que eram tribos seminômades. Essas tribos familiares dedicavam-se à criação de gado em pastagem próximas a oásis espalhados pelo deserto da Arábia. Por influencia de seus crenças religiosas os hebreus fundaram uma religião monoteísta baseada no culto ao Deus Jeová. Os hebreus seguiam a liderança de homens que eram escolhidos por Jeová e consideravam-se uma nação santa que deveria expandir a sua população pela terra, desse modo, as famílias eram muito numerosas em integrantes. As mulheres recebiam o papel de criar os filhos e manter o lar, enquanto os homens tinham a função de administrar as tribos e obter o sustento da família.



                         


Os fenícios, chamados sidônios no Antigo Testamento e fenícios pelo poeta Homero, eram um povo de língua semítica, ligado aos cananeus da antiga Palestina. Fundaram as primeiras povoações na costa mediterrânea por volta de 2500 a.C. No começo de sua história desenvolveram-se sob a influência das culturas suméria e acádia da vizinha Babilônia. Por volta de 1800 a.C., o Egito, que começava a formar um império no Oriente Médio, invadiu e controlou a Fenícia, controlando-a até cerca de 1400 a.C. Por volta de 1100 a.C. os fenícios tornaram-se independentes do Egito e converteram-se nos melhores comerciantes e marinheiros do mundo clássico.

A contribuição fenícia mais importante para a civilização foi o alfabeto. Atribui-se também a esta cultura a invenção da tinta de púrpura e do vidro. As cidades fenícias foram famosas por sua religião panteísta e seus templos eram o centro da vida cívica. A divindade fenícia mais importante era Astarté.

A proximidade com o mar e o início das trocas agrícolas com os egípcios deu condições para que o comércio marítimo destacasse-se como um dos mais fortes setores da economia fenícia. Ao longo da faixa litorânea por eles ocupada surgiram diversas cidades-Estado, como Arad, Biblos, Tiro, Sídon e Ugarit. Em cada uma dessas cidades um governo autônomo era responsável pelas questões políticas e administrativas. Por volta de 100 a.C. – após o auge dos centros urbanos de Ugarit, Sídon e Biblos – a cidade de Tiro expandiu sua rede comercial sob as ilhas da Costa Palestina chegando até mesmo a contar com o apoio dos hebreus. Com a posterior expansão e a concorrência dos gregos, os comerciantes de Tiro buscaram o comércio com regiões do Norte da África e da Península Ibérica.

Todo esse desenvolvimento mercantil observado entre os fenícios influenciou o domínio e a criação de técnicas e saberes vinculados ao intenso trânsito dos fenícios. A astronomia foi um campo desenvolvido em função das técnicas de navegação necessárias à prática comercial, ou seja a atividade física dessa época, era a Navegação!
 

Os fenícios foi uma civilização que se estabeleceu onde encontra-se o Líbano , partes da Síria e de Israel . Pressupõe-se que eles chegaram a essa região por volta do século 30 a.C. Ao longo da costa do mar Mediterrâneo e em ilhas da região, os fenícios montaram várias cidades-estados independentes, como Biblos, Tiro e Tripolis , onde tiveram reconhcimento por volta do século 12 a.C., quando antigas potências que dominavam parte do Oriente Médio estavam enfraquecidos.Aproveitando a oportunidade, os fenícios transformaram suas cidades em importantes pólos comerciais.

Não sendo eles grandes produtores de mercadorias, atuavam como importadores e exportadores da Antiguidade. Para fazer tantos negócios, os fenícios se especializaram em longas viagens marítimas. Graças a esse espírito comerciante-aventureiro estabeleceram pontos de colonização - que mais pareciam grandes mercados - em várias áreas do mar Mediterrâneo, como no norte da África e na costa da Itália e da Espanha.

Uma das maiores heranças deixadas pelos fenícios foi o alfabeto com 22 letras consoantes, que mais tarde os gregos aperfeiçoaram , onde foram acrescentadas outra letras, influenciando o alfabeto latino, o que usamos atualmente .



http://seusaber.com.br/historia/os-fenicios-inventores-do-alfabeto-e-grandes-comerciantes.html



A Pérsia situava-se a leste da Mesopotâmia, no extenso planalto do Irã. Ao contrário das regiões vizinhas, possuía poucas áreas férteis. A partir do ano 2000 a.C., a região foi sendo ocupada por pastores e agricultores, vindos da Rússia, os quais se destacavam os medos, que se estabeleceram no norte, e os persas, no sul do planalto iraniano.

O Império persa

Os medos, desde o século VIII a.C., tinham estabelecido um exército forte e organizado, submetendo os persas a pagarem altos tributos. Isso durou até quando o príncipe persa Ciro, o Grande, liderou com sucesso uma rebelião contra os medos. Depois isso, Ciro foi aceito como o único imperador de todos os povos da planície iraniana.

Para obter riquezas e desenvolvimento, Ciro deu início ao expansionismo persa. Em poucos anos, o exército persa apoderou-se de uma imensa área. Seus sucessores Cambises e Dário I deram continuidade a essa política, ampliando as fronteiras do território persa, que abrangeu desde o Egito ao norte da Grécia até o vale do rio Indo.

Naturalmente, ocorriam diversas rebeliões separatistas promovidas pelos povos dominados. Para garantir a unidade do território e de seu poder, Dário I dividiu o Império persa em várias províncias, denominadas satrapias, nomeando os sátrapas, que eram altos funcionários, para poder administrar cada satrapia. 
 O povo persa, era um povo extremamente guerreiro, possuindo um grande exercito, e uma grande estrutura militar, possuindo varias tipos de guerreiros e taticas de guerra. Os guerreiros persas eram de vários tipos, guerreiros com escudos (infantaria), guerreiros em carroagens, cavaleiros de elite, tropas de elefantes, guerreios de arco e muitos outros.
  Na sociedade persa a religião era o zoroatrismo, religião que defende o antagonismo entre as forças, ou seja o bem e o mal, vários ritos eram feitos para cultuar os deuses.
O império persa acabou sendo dizimado após um confronto direto com os gregos, sendo assim conquistados por Alexandre O grande.
 <http://www.civilizacaoantiga.com/2009/05/civilizacao-persa.html>, 


Civilização dos Hindus


                                         

A Civilização Hindu é uma das sociedades mais antigas do mundo. Com a centralização comercial no Oriente Médio e em regiões estratégicas da Ásia, o território hoje ocupado pela Índia ficou distanciado dos demais povos e se manteve economicamente pelo comércio interno das especiarias até a era da Idade Média.

Por volta de 2000 a.C., os dravidianos habitavam a Índia e cultivavam a terra para agricultura com avançadas técnicas de irrigação. Entretanto, no século XVIIII a.C., as tribos arianas invadiram o território hindu e enfrentaram, sem resistência, a população local.

Os arianos formaram uma nova sociedade hindu, criando hierarquias políticas e religiosas das quais os dravidianos não tinham acesso. O antigo povo foi escravizado e organizado em castas inferiores – os dravidianos eram totalmente submissos e não tinham a possibilidade de mudar de classe social.

Desde a Antiguidade o povo hindu teve forte proximidade com a religião. Com a invasão dos arianos, os superiores pensavam estar conectados ao deus superior Brahma.

As castas eram divididas da seguinte maneira:

Brâmanes: sacerdotes que representavam a maior autoridade social e acreditavam ser parte do cérebro do deus Brahma.

  • Xátrias: guerreiros que ficavam encarregados de vigiar as castas inferiores e lhe punirem com severos castigos, como submetê-los aos mais humilhantes trabalhos forçados. Também tinham grande força política.
  • Vaixias: comerciantes e artesãos que movimentavam a economia local.
  • Sudras: servos, geralmente dravidianos, que serviam aos superiores.
  • Párias: considerada a escória da sociedade, estavam relegados aos piores trabalhos forçados.

 

Indignado com a tirania dos brâmanes, no século VI a.C. Buda saiu da região do Nepal e decidiu acabar com séculos de escravização do povo hindu. Ficou recluso por mais de seis anos, onde descobriu a necessidade humana de libertar-se para poder viver em paz consigo mesmo. Sua doutrina ficou conhecida como budismo e foi amplamente difundida pelas classes mais pobres.

Buda acreditava que a vida chegava ao fim, mas a alma era eterna. Quando uma pessoa vinha a falecer, a alma se separava do corpo e transitava entre humanos e animais, dependendo de suas ações durante a vida. Se continuasse praticando o bem, atingiria um estágio superior, o Nirvana, onde encontraria a paz e a tranquilidade supremas.

O budismo conquistou novos adeptos após a morte de Buda. Hoje, ela é uma das principais religiões do mundo, expandindo sua influência para regiões da China, Japão e toda a Ásia.

A civilização hindu com certeza é uma das mas antigas do mundo, onde ocupou o território que hoje seria da Índia onde se manteve distanciado dos demais povos mas com uma economia forte.

Eles tinham técnicas avançadas de agricultura e irrigação, no entanto, por volta do século XVIIII a.C as tribos arianas invadiram seus territórios sem enfrentar muita resistência.Desde a Antiguidade o povo hindu teve forte proximidade com a religião,. Com a invasão dos arianos, os superiores pensavam estar conectados ao deus superior Brahma.

As castas eram divididas da seguinte maneira:

  • Brâmanes: sacerdotes que representavam a maior autoridade social e acreditavam ser parte do cérebro do deus Brahma.
  • Xátrias: guerreiros que ficavam encarregados de vigiar as castas inferiores e lhe punirem com severos castigos, como submetê-los aos mais humilhantes trabalhos forçados. Também tinham grande força política.
  • Vaixias: comerciantes e artesãos que movimentavam a economia local.
  • Sudras: servos, geralmente dravidianos, que serviam aos superiores.
  • Párias: considerada a escória da sociedade, estavam relegados aos piores trabalhos forçados.

http://www.infoescola.com/historia/civilizacao-hindu/

 

 


CIVILIZAÇÃO CHINESAS




Ás margens do Rio Huang Ho nasceu uma das civilizações mais antigas do mundo, a Civilização Chinesa. Acreditasse que por volta de 5000 a.C a China Antiga era habitada por povos bastantes evoluídos. Os primitivos chineses praticavam a agricultura e domesticavam carneiros, porcos, bois e cachorros. As águas do Rio Huang Ho, o Rio Amarelo foi essencial para o desenvolvimento da Civilização Chinesa. A arte também, era bastante evoluída chegando aos seu apogeu no Período da Cultura Long Shan (2500a.C -1900a.C) Em meados de 1500 a.C foi criado o Império do Centro governado Pelo Filho do Céu, representante de Deus na terra e que exercia a função de chefe politico religioso. Com a criação da unidade politica surge também as primeiras Cidades Palácios, comunidades rodeadas por muralhas. A sociedade era dividida em dois grupos extremos que são:

Nobres - Grupo de pessoas que descendiam de um grande Clã Ancestral. Eram grandes proprietarios de terras.

Camponeses - pessoas que viviam no campo e responsáveis pelo cultivo das terras agrícolas. Eram os camponeses que sustentavam o luxo da nobreza.

A agricultura foi a principal atividade econômica da China Antiga. Com o crescimento da Civilização Chinesa a sociedade passou a ser dividida em 4 grupos distintos.

1. Imperadores, Nobres e Altos Funcionários.
2. Artesãos, Mercadores e Letrados.
3. Camponeses
4. Escravos

Com o passar dos séculos o Império Central foi enfraquecendo-se. Na Dinastia Xia o território chinês foi dividido em 9 províncias. Com a autonomia politica adquirida as províncias chinesas passaram a disputar o poder central. Por volta de 1760 a.C a província Shang governada por Chengtang conseguiu submeter as outras províncias sob o seu domínio.





Alguns Vídeos Relacionados a Civilizações Orientais da Antiguidade




video 1:  http://www.youtube.com/watch?v=2ramQ3uMixU


Vídeo do YouTube



 video 2: http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=cClfOpRa0PE


Vídeo do YouTube




                                       video 3: http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=TYbxuxPSTPA



Vídeo do YouTube










REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

          http://historiaufmt.blogspot.com.br/2011/04/povos-mesopotamicos.html

http://www.civilizacaoantiga.com/2009/05/civilizacao-persa.html

http://universodahistoria.blogspot.com.br/2008/03/os-maiores-guerreiros-da-antiguidade.html

www.carloshistoria.blogspot.com 

http://www.infoescola.com/historia/civilizacao-hindu/

http://www.historiadomundo.com.br/chinesa/civilizacao-chinesa.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Antigo_Egito#Cria.C3.A7.C3.A3o_animal

   http://www.mundoeducacao.com.br/historiageral/egito-antigo.htm

Disciplina: Introdução e Historia da Teoria da educação Física(material de apoio)