A BÍBLIA

História da Bíblia


Pesquisa extraída da Bíblia Ilúmina Gold

Sociedade Bíblica do Brasil

www.iluminabrasil.com.br


OS ORIGINAIS

Grego, hebraico e aramaico foram os idiomas utilizados para escrever os originais das Escrituras Sagradas. O Antigo Testamento foi escrito em hebraico. Apenas alguns poucos textos foram escritos em aramaico. O Novo Testamento foi escrito originalmente em grego, que era a língua mais utilizada na época.


Os originais da Bíblia são a base para a elaboração de uma tradução confiável das Escrituras. Porém, não existe nenhuma versão original de manuscrito da Bíblia, mas sim cópias de cópias de cópias. Todos os autógrafos, isto é, os livros originais, como foram escritos pelos seus autores, se perderam. As edições do Antigo Testamento hebraico e do Novo Testamento grego se baseiam nas melhores e mais antigas cópias que existem e que foram encontradas graças às descobertas arqueológicas.


Para a tradução do Antigo Testamento, a Comissão de Tradução da SBB usa a Bíblia Stuttgartensia, publicada pela Sociedade Bíblica Alemã. Já para o Novo Testamento é utilizado The Greek New Testament, editado pelas Sociedades Bíblicas Unidas. Essas são as melhores edições dos textos hebraicos e gregos que existem hoje, disponíveis para tradutores.


O ANTIGO TESTAMENTO EM HEBRAICO

Muitos séculos antes de Cristo, escribas, sacerdotes, profetas, reis e poetas do povo hebreu mantiveram registros de sua história e de seu relacionamento com Deus. Estes registros tinham grande significado e importância em suas vidas e, por isso, foram copiados muitas e muitas vezes e passados de geração em geração.


Com o passar do tempo, esses relatos sagrados foram reunidos em coleções conhecidas por A Lei, Os Profetas e As Escrituras. Esses três grandes conjuntos de livros, em especial o terceiro, não foram finalizados antes do Concílio Judaico de Jamnia, que ocorreu por volta de 95 d.C. A Lei continha os primeiros cinco livros da nossa Bíblia. Já Os Profetas, incluíam Isaías, Jeremias, Ezequiel, os Doze Profetas Menores, Josué, Juízes, 1 e 2 Samuel e 1 e 2 Reis. E As Escrituras reuniam o grande livro de poesia, os Salmos, além de Provérbios, Jó, Ester, Cantares de Salomão, Rute, Lamentações, Eclesiastes, Daniel, Esdras, Neemias e 1 e 2 Crônicas.


Os livros do Antigo Testamento foram escritos em longos pergaminhos confeccionados em pele de cabra e copiados cuidadosamente pelos escribas. Geralmente, cada um desses livros era escrito em um pergaminho separado, embora A Lei freqüentemente fosse copiada em dois grandes pergaminhos. O texto era escrito em hebraico - da direita para a esquerda - e, apenas alguns capítulos, em dialeto aramaico.


Hoje se tem conhecimento de que o pergaminho de Isaías é o mais remoto trecho do Antigo Testamento em hebraico. Estima-se que foi escrito durante o Século II a.C. e se assemelha muito ao pergaminho utilizado por Jesus na Sinagoga, em Nazaré. Foi descoberto em 1947, juntamente com outros documentos em uma caverna próxima ao Mar Morto.


O NOVO TESTAMENTO EM GREGO

Os primeiros manuscritos do Novo Testamento que chegaram até nós são algumas das cartas do Apóstolo Paulo destinadas a pequenos grupos de pessoas de diversos povoados que acreditavam no Evangelho por ele pregado.

A formação desses grupos marca o início da igreja cristã. As cartas de Paulo eram recebidas e preservadas com todo o cuidado. Não tardou para que esses manuscritos fossem solicitados por outras pessoas. Dessa forma, começaram a ser largamente copiados e as cartas de Paulo passaram a ter grande circulação.


A necessidade de ensinar novos convertidos e o desejo de relatar o testemunho dos primeiros discípulos em relação à vida e aos ensinamentos de Cristo resultaram na escrita dos Evangelhos que, na medida em que as igrejas cresciam e se espalhavam, passaram a ser muito solicitados. Outras cartas, exortações, sermões e manuscritos cristãos similares também começaram a circular.


O mais antigo fragmento do Novo Testamento hoje conhecido é um pequeno pedaço de papiro escrito no início do Século II d.C. Nele estão contidas algumas palavras de João 18.31-33, além de outras referentes aos versículos 37 e 38. Nos últimos cem anos descobriu-se uma quantidade considerável de papiros contendo o Novo Testamento e o texto em grego do Antigo Testamento.


OUTROS MANUSCRITOS

Além dos livros que compõem o nosso atual Novo Testamento, havia outros que circularam nos primeiros séculos da era cristã, como as Cartas de Clemente, o Evangelho de Pedro, o Pastor de Hermas, e o Didache (ou Ensinamento dos Doze Apóstolos). Durante muitos anos, embora os evangelhos e as cartas de Paulo fossem aceitos de forma geral, não foi feita nenhuma tentativa de determinar quais dos muitos manuscritos eram realmente autorizados. Entretanto, gradualmente, o julgamento das igrejas, orientado pelo Espírito de Deus, reuniu a coleção das Escrituras que constituíam um relato mais fiel sobre a vida e ensinamentos de Jesus. No Século IV d.C. foi estabelecido entre os concílios das igrejas um acordo comum e o Novo Testamento foi constituído.

Os dois manuscritos mais antigos da Bíblia em grego podem ter sido escritos naquela ocasião - o grande Codex Sinaiticus e o Codex Vaticanus. Estes dois inestimáveis manuscritos contêm quase a totalidade da Bíblia em grego. Ao todo temos aproximadamente vinte manuscritos do Novo Testamento escritos nos primeiros cinco séculos.


Quando Teodósio proclamou e impôs o cristianismo como única religião oficial no Império Romano no final do Século IV, surgiu uma demanda nova e mais ampla por boas cópias de livros do Novo Testamento. É possível que o grande historiador Eusébio de Cesaréia (263 - 340) tenha conseguido demonstrar ao imperador o quanto os livros dos cristãos já estavam danificados e usados, porque o imperador encomendou 50 cópias para as igrejas de Constantinopla. Provavelmente, esta tenha sido a primeira vez que o Antigo e o Novo Testamentos foram apresentados em um único volume, agora denominado Bíblia.


HISTÓRIA DAS TRADUÇÕES

A Bíblia - O livro mais lido, traduzido e distribuído do mundo , desde as suas origens, foi considerada sagrada e de grande importância. E, como tal, deveria ser conhecida e compreendida por toda a humanidade. A necessidade de difundir seus ensinamentos através dos tempos e entre os mais variados povos, resultou em inúmeras traduções para os mais variados idiomas e dialetos. Hoje é possível encontrar a Bíblia, completa ou em porções, em mais de 2.000 línguas diferentes.


A PRIMEIRA TRADUÇÃO

Estima-se que a primeira tradução foi elaborada entre 200 a 300 anos antes de Cristo. Como os judeus que viviam no Egito não compreendiam a língua hebraica, o Antigo Testamento foi traduzido para o grego. Porém, não eram apenas os judeus que viviam no estrangeiro que tinham dificuldade de ler o original em hebraico: com o cativeiro da Babilônia, os judeus da Palestina também já não falavam mais o hebraico.

Denominada Septuaginta (ou Tradução dos Setenta), esta primeira tradução foi realizada por 70 sábios e contém sete livros que não fazem parte da coleção hebraica; pois não estavam incluídos quando o cânon (ou lista oficial) do Antigo Testamento foi estabelecido por exegetas israelitas no final do Século I d.C. A igreja primitiva geralmente incluía tais livros em sua Bíblia. Eles são chamados apócrifos ou deuterocanônicos e encontram-se presentes nas Bíblias de algumas igrejas.


Esta tradução do Antigo Testamento foi utilizada em sinagogas de todas as regiões do Mediterrâneo e representou um instrumento fundamental nos esforços empreendidos pelos primeiros discípulos de Jesus na propagação dos ensinamentos de Deus.


OUTRAS TRADUÇÕES

Outras traduções começaram a ser realizadas por cristãos novos nas línguas copta (Egito), etíope (Etiópia), siríaca (norte da Palestina) e em latim - a mais importante de todas as línguas pela sua ampla utilização no Ocidente.


Por haver tantas versões parciais e insatisfatórias em latim, no ano 382 d.C, o bispo de Roma nomeou o grande exegeta Jerônimo para fazer uma tradução oficial das Escrituras.

Com o objetivo de realizar uma tradução de qualidade e fiel aos originais, Jerônimo foi à Palestina, onde viveu durante 20 anos. Estudou hebraico com rabinos famosos e examinou todos os manuscritos que conseguiu localizar. Sua tradução tornou-se conhecida como "Vulgata", ou seja, escrita na língua de pessoas comuns ("vulgus"). Embora não tenha sido imediatamente aceita, tornou-se o texto oficial do cristianismo ocidental. Neste formato, a Bíblia difundiu-se por todas as regiões do Mediterrâneo, alcançando até o Norte da Europa.


Na Europa, os cristãos entraram em conflito com os invasores godos e hunos, que destruíram uma grande parte da civilização romana. Em mosteiros, nos quais alguns homens se refugiaram da turbulência causada por guerras constantes, o texto bíblico foi preservado por muitos séculos, especialmente a Bíblia em latim na versão de Jerônimo.

Não se sabe quando e como a Bíblia chegou até as Ilhas Britânicas. Missionários levaram o evangelho para Irlanda, Escócia e Inglaterra, e não há dúvida de que havia cristãos nos exércitos romanos que lá estiveram no segundo e terceiro séculos. Provavelmente a tradução mais antiga na língua do povo desta região é a do Venerável Bede. Relata-se que, no momento de sua morte, em 735, ele estava ditando uma tradução do Evangelho de João; entretanto, nenhuma de suas traduções chegou até nós. Aos poucos as traduções de passagens e de livros inteiros foram surgindo.


AS PRIMEIRAS ESCRITURAS IMPRESSAS

Na Alemanha, em meados do Século 15, um ourives chamado Johannes Gutemberg desenvolveu a arte de fundir tipos metálicos móveis. O primeiro livro de grande porte produzido por sua prensa foi a Bíblia em latim. Cópias impressas decoradas a mão passaram a competir com os mais belos manuscritos. Esta nova arte foi utilizada para imprimir Bíblias em seis línguas antes de 1500 - alemão, italiano, francês, tcheco, holandês e catalão; e em outras seis línguas até meados do século 16 - espanhol, dinamarquês, inglês, sueco, húngaro, islandês, polonês e finlandês.

Finalmente as Escrituras realmente podiam ser lidas na língua destes povos. Mas essas traduções ainda estavam vinculadas ao texto em latim. No início do século 16, manuscritos de textos em grego e hebraico, preservados nas igrejas orientais, começaram a chegar à Europa ocidental. Havia pessoas eruditas que podiam auxiliar os sacerdotes ocidentais a ler e apreciar tais manuscritos.


Uma pessoa de grande destaque durante este novo período de estudo e aprendizado foi Erasmo de Roterdã. Ele passou alguns anos atuando como professor na Universidade de Cambridge, Inglaterra. Em 1516, sua edição do Novo Testamento em grego foi publicada com seu próprio paralelo da tradução em latim. Assim, pela primeira vez estudiosos da Europa ocidental puderam ter acesso ao Novo Testamento na língua original, embora, infelizmente, os manuscritos fornecidos a Erasmo fossem de origem relativamente recente e, portanto, não eram completamente confiáveis.


DESCOBERTAS ARQUEOLÓGICAS

Várias foram as descobertas arqueológicas que proporcionaram o melhor entendimento das Escrituras Sagradas. Os manuscritos mais antigos que existem de trechos do Antigo Testamento datam de 850 d.C. Existem, porém, partes menores bem mais antigas como o Papiro Nash do segundo século da era cristã. Mas sem dúvida a maior descoberta ocorreu em 1947, quando um pastor beduíno, que buscava uma cabra perdida de seu rebanho, encontrou por acaso os Manuscritos do Mar Morto, na região de Jericó.


Durante nove anos vários documentos foram encontrados nas cavernas de Qumrân, no Mar Morto, constituindo-se nos mais antigos fragmentos da Bíblia hebraica que se têm notícias. Escondidos ali pela tribo judaica dos essênios no Século I, nos 800 pergaminhos, escritos entre 250 a.C. a 100 d.C., aparecem comentários teológicos e descrições da vida religiosa deste povo, revelando aspectos até então considerados exclusivos do cristianismo.

Estes documentos tiveram grande impacto na visão da Bíblia, pois fornecem espantosa confirmação da fidelidade dos textos massoréticos aos originais. O estudo da cerâmica dos jarros e a datação por carbono 14 estabelecem que os documentos foram produzidos entre 168 a.C. e 233 d.C. Destaca-se, entre estes documentos, uma cópia quase completa do livro de Isaías, feita cerca de cem anos antes do nascimento de Cristo. Especialistas compararam o texto dessa cópia com o texto-padrão do Antigo Testamento hebraico (o manuscrito chamado Codex Leningradense, de 1008 d.C.) e descobriram que as diferenças entre ambos eram mínimas.


Outros manuscritos também foram encontrados neste mesmo local, como o do profeta Isaías, fragmentos de um texto do profeta Samuel, textos de profetas menores, parte do livro de Levítico e um targum (paráfrase) de Jó.


As descobertas arqueológicas, como a dos manuscritos do Mar Morto e outras mais recentes, continuam a fornecer novos dados aos tradutores da Bíblia. Elas têm ajudado a resolver várias questões a respeito de palavras e termos hebraicos e gregos, cujo sentido não era absolutamente claro. Antes disso, os tradutores se baseavam em manuscritos mais "novos", ou seja, em cópias produzidas em datas mais distantes da origem dos textos bíblicos.


ORIGEM DO DIA DA BÍBLIA

O Dia da Bíblia surgiu em 1549, na Grã-Bretanha, quando o Bispo Cranmer, incluiu no livro de orações do Rei Eduardo VI um dia especial para que a população intercedesse em favor da leitura do Livro Sagrado. A data escolhida foi o segundo domingo do Advento - celebrado nos quatro domingos que antecedem o Natal. Foi assim que o segundo domingo de dezembro tornou-se o Dia da Bíblia. No Brasil, o Dia da Bíblia passou a ser celebrado em 1850, com a chegada, da Europa e dos Estados Unidos, dos primeiros missionários evangélicos que aqui vieram semear a Palavra de Deus.


Durante o período do Império, a liberdade religiosa aos cultos protestantes era muito restrita, o que impedia que se manifestassem publicamente. Por volta de 1880, esta situação foi se modificando e o movimento evangélico, juntamente com o Dia da Bíblia, se popularizando.


Pouco a pouco, as diversas denominações evangélicas institucionalizaram a tradição do Dia da Bíblia, que ganhou ainda mais força com a fundação da Sociedade Bíblica do Brasil, em junho de 1948. Em dezembro deste mesmo ano, houve uma das primeiras manifestações públicas do Dia da Bíblia, em São Paulo, no Monumento do Ipiranga.


Hoje, o dia dedicado às Escrituras Sagradas é comemorado em cerca de 60 países, sendo que em alguns, a data é celebrada no segundo Domingo de setembro, numa referência ao trabalho do tradutor Jerônimo, na Vulgata, conhecida tradução da Bíblia para o latim. As comemorações do segundo domingo de dezembro mobilizam todos os anos, milhões de cristãos em todo o País.


A BÍBLIA EM PORTUGUÊS


História

Os mais antigos registros de tradução de trechos da Bíblia para o português datam do final do século XV. Porém, centenas de anos se passaram até que a primeira versão completa estivesse disponível em três volumes, em 1753. Trata-se da tradução de João Ferreira de Almeida. A primeira impressão da Bíblia completa em português, em um único volume, aconteceu em Londres, em 1819, também na versão de Almeida. Veja a seguir a cronologia das principais traduções da Bíblia completa publicadas na língua portuguesa.


Traduções da Bíblia

1753 - Publicação da tradução de João Ferreira de Almeida, em três volumes.

1790 - Versão de Figueiredo - elaborada a partir da Vulgata pelo Padre católico Antônio Pereira de Figueiredo, publicada em sete volumes, depois de 18 anos de trabalho.

1819 - Primeira impressão da Bíblia completa em português, em um único volume. Tradução de João Ferreira de Almeida.

1898 - Revisão da versão de João Ferreira de Almeida, que recebeu o nome de Revista e Corrigida. A tradução de Almeida foi trazida para o Brasil pela Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, em data anterior à fundação da SBB. Naquela época, a tradução de Almeida foi entregue a uma comissão de tradutores brasileiros, que foram incumbidos de tirar os lusitanismos do texto, dando a ele uma feição mais brasileira.

1917 - Versão Brasileira. Elaborada a partir dos originais, foi produzida durante 15 anos por uma comissão de especialistas e sob a consultoria de alguns ilustres brasileiros. Entre eles: Rui Barbosa, José Veríssimo e Heráclito Graça.

1932 - Versão de Matos Soares, elaborada em Portugal.

1956 - Versão Revista e Atualizada, elaborada pela Sociedade Bíblica do Brasil. Quando em 1948, a SBB foi fundada, uma nova revisão de Almeida, independente da Revista e Corrigida, foi encomendada a outra equipe de tradutores brasileiros. O resultado desse novo trabalho, publicado em 1956, é o que hoje conhecemos como a versão Revista e Atualizada.

1959 - Versão dos Monges Beneditinos. Elaborada a partir dos originais para o francês, na Bélgica, e traduzida do francês para o português.

1968 - Versão dos Padres Capuchinhos. Elaborada no Brasil, a partir dos originais, para o português.

1988 - Bíblia na Linguagem de Hoje. Elaborada no Brasil, pela Comissão de Tradução da SBB, a partir dos originais.

1993 - 2a Edição da versão Revista e Atualizada, de Almeida, elaborada pela SBB.

1995 - 2a Edição da versão Revista e Corrigida, de Almeida, elaborada pela SBB.

2000 - Nova Tradução na Linguagem de Hoje. Elaborada pela Comissão de Tradução da SBB


Países Lusófonos

Os países lusófonos são aqueles que tem o português como idioma comum. Trata-se de uma grande comunidade constituída por mais de 200 milhões de pessoas espalhadas nos mais diversos continentes, que faz com que o português seja a quinta língua mais falada em todo o mundo. Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Goa, Timor Leste e Macau são as nações que integram a Comunidade Lusófona.


Desde 1998, a Sociedade Bíblica do Brasil vem estabelecendo um programa permanente de cooperação com as Sociedades Bíblicas Lusófonas com o objetivo de desenvolver projetos editoriais em torno das Escrituras Sagradas que beneficiem essa numerosa parcela da população mundial


Além do desenvolvimento de literatura específica para os países de língua portuguesa, a SBB tem procurado levar as Escrituras Sagradas aos brasileiros que residem no exterior - um público estimado hoje em 1,9 milhão de pessoas.


Sociedades Bíblicas Lusófonas

Apesar de o cenário social, político, cultural e econômico dos países de língua portuguesa serem tão distintos, as Sociedades Bíblicas Lusófonas vêm fortalecendo os laços que as unem e rompendo as barreiras das distâncias para encontrarem as soluções mais eficazes e adequadas de cumprirem a missão de levar a Bíblia Sagrada para todas as pessoas numa linguagem que elas possam entender.


O grande desafio é não só organizar e incrementar o sistema de distribuição de Escrituras nesses países, mas também desenvolver folhetos, porções e outros materiais bíblicos diferenciados, que ao mesmo tempo usem o idioma comum e levem em conta as diferenças existentes em cada uma dessas localidades.


Alguns dos países lusófonos como São Tomé e Príncipe, Goa, Cabo Verde e Timor Leste, entre outros, não têm sua própria Sociedade Bíblica. E esta também é mais uma meta das Sociedades Bíblicas Lusófonas: contribuir para que esses países se organizem nesse sentido.


A LINGUAGEM DE HOJE

Lançada no ano 2000, a Bíblia Sagrada - Nova Tradução na Linguagem (NTLH) mantém-se fiel aos textos originais - hebraico, aramaico e grego - e, ao mesmo tempo, adota a estrutura gramatical e a linguagem falada pelo brasileiro. Desenvolvida pela Comissão de Tradução da SBB, a NTLH é voltada às pessoas que ainda não tiveram nenhum (ou pouco) contato com a Palavra de Deus e, por isso, é muito indicada como ferramenta de evangelização.


Quando foi publicada a primeira edição desta Bíblia, em 1988, imediatamente a Comissão de Tradução da SBB continuou o trabalho de acompanhamento e revisão da tradução, prestando atenção às sugestões e críticas que surgiam e procurando aperfeiçoar o trabalho realizado. Além disso, a Língua Portuguesa, por ser uma língua viva, continuou a sofrer mudanças significativas desde o lançamento da publicação. Assim, depois de doze anos dedicados a pesquisas profundas e revisões, a SBB lançou a Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH). Esta edição é, na verdade, uma revisão da Bíblia na Linguagem de Hoje, já conhecida desde 1988. Porém, a NTLH recebeu uma revisão tão profunda que pode ser considerada, realmente, como uma nova tradução das Escrituras Sagradas.



Princípios da Tradução

Os princípios seguidos nesta revisão foram os mesmos que nortearam o trabalho da primeira edição (Bíblia Sagrada na Linguagem de Hoje). A tradução de João Ferreira de Almeida e também outras boas traduções existentes em português seguiram os princípios da tradução de equivalência formal. Já a NTLH, norteou-se pelos princípios de tradução de equivalência funcional ou dinâmica.

A tradução de Almeida reproduz o sentido dos textos originais, empregando palavras e estruturas em português que não são do domínio do povo simples. Isso requer um domínio da Língua Portuguesa que está acima da média da população brasileira. Já a NTLH, ao reproduzir o sentido dos textos originais em hebraico, aramaico e grego, o expressa de maneira natural, assim como a maioria da população brasileira fala, sem, no entanto, fazer uso de gírias e regionalismos. A grande preocupação da Comissão de Tradução foi a de comunicar a Palavra sem que esta perdesse o estilo bíblico.


Para se ter uma idéia, a tradução de Almeida tem 8,38 mil palavras diferentes e a NTLH, 4,39 mil, o que a aproxima muito mais do vocabulário dominado pelo brasileiro de cultura média. Para saber mais sobre a NTLH, clique aqui.


Compares as Traduções

Tanto na tradução de Almeida quanto na NTLH a base bíblica é a mesma, o que muda é apenas a forma de comunicar a mensagem. Compare algumas passagens da tradução de Almeida, na versão Revista e Atualizada, com a Nova Tradução na Linguagem de Hoje:


Romanos 5.1

RA: Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de Nosso Senhor Jesus Cristo.

NTLH: Agora que fomos aceitos por Deus pela nossa fé nele, temos paz com ele por meio do Nosso Senhor Jesus Cristo.

Mateus 16.24

RA: Então, disse Jesus a seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me.

NTLH: E Jesus disse aos discípulos: Se alguém quer ser meu seguidor, esqueça os seus próprios interesses, esteja pronto para morrer como eu vou morrer e me acompanhe.

Salmos 16.5

RA: O Senhor é a porção da minha herança e o meu cálice; tu és o arrimo da minha sorte.

NTLH: Tu, ó Senhor Deus, és tudo o que tenho. O meu futuro está nas tuas mãos; tu diriges a minha vida.

I Coríntios 13.4-5

RA: O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece; não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal.

NTLH: Quem ama é paciente e bondoso. Quem ama não é ciumento, nem orgulhoso, nem vaidoso. Quem ama não é grosseiro, nem egoísta; não fica irritado, nem guarda mágoas.

Gênesis 1.1-2

RA: No princípio, criou Deus os céus e a terra. A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas. No começo Deus criou os céus e a terra.

NTLH: A terra era um vazio, sem nenhum ser vivente, e estava coberta por um mar profundo. A escuridão corria o mar, e o Espírito de Deus se movia por cima da água.


JOÃO FERREIRA DE ALMEIDA


História

Entre a grande maioria dos evangélicos do Brasil, o nome João Ferreira de Almeida está intimamente ligado às Escrituras Sagradas. Afinal, é ele o tradutor (ainda que não o único) das duas versões da Bíblia mais usadas e apreciadas pelos evangélicos brasileiros: a Edição Revista e Corrigida e a Edição Revista e Atualizada, ambas distribuídas pela SBB. Se sua obra é largamente conhecida, o mesmo não se pode dizer a seu respeito. O que se sabe hoje da vida de Almeida está registrado na Dedicatória de um de seus livros e nas atas dos presbitérios de Igrejas Reformadas do Sudeste da Ásia, para as quais trabalhou como pastor, missionário e tradutor, durante a segunda metade do século XVII.


Nascido na cidade de Torres de Tavares, em Portugal, Almeida morreu em 1693 - na Batávia - atual ilha de Java, Indonésia. Com apenas 16 anos, João Ferreira de Almeida dá início à tarefa de tradução da Bíblia, a qual se dedica até o final de sua vida.


Princípios da Tradução

Os princípios que regem a tradução de Almeida são os da equivalência formal, que procura seguir a ordem das palavras que pertencem à mesma categoria gramatical do original. A linguagem utilizada é clássica e erudita. Em outras palavras, Almeida procurou reproduzir no texto traduzido os aspectos formais do texto bíblico em suas línguas originais (hebraico, aramaico e grego), tanto no que se refere ao vocabulário quanto à estrutura e aos demais aspectos gramaticais.


Diferenças entre as Versões

Tanto a edição Revista e Corrigida quanto a Revista e Atualizada foram constituídas a partir dos textos originais, traduzidos por João Ferreira de Almeida no século XVII. As pequenas diferenças entre uma e outra edição devem-se ao fato de os próprios originais em hebraico, aramaico e grego trazerem algumas variantes e suportarem mais de uma tradução correta para uma palavra ou versículo.

Porém, na essência as duas versões refletem o bom trabalho realizado por João Ferreira de Almeida, o qual foi completamente fiel aos textos originais das Escrituras Sagradas. Embora haja diferenças entre as duas versões, as passagens centrais da fé cristã - que apresentam Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador - são perfeitamente claras e concordantes em ambas.


Revista e Corrigida (RC)

A RC foi trazida para o Brasil pela Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, em data anterior à fundação da SBB. Naquela época, a tradução de Almeida foi entregue a uma comissão de tradutores brasileiros, que foram incumbidos de tirar os lusitanismos do texto, dando a ele uma feição mais brasileira. Publicada em 1898, recebeu o nome de Revista e Corrigida.

Seguindo os princípios da equivalência formal, a RC é adotada por inúmeras denominações evangélicas em países de língua portuguesa, especialmente no Brasil e em Portugal. As diferenças desta edição para a Revista e Atualizada se dão basicamente no que se refere aos manuscritos originais disponíveis na época de Almeida. Descobertas arqueológicas e estudos de teólogos e historiadores em torno das Escrituras Sagradas tiveram grandes avanços desde o século XVIII até os dias de hoje. Tais documentos não existiam à época de Almeida. Dessa forma, a RC é a expressão dos textos originais com que Almeida trabalhou; não há nesta versão indicações de textos sobre os quais os diversos manuscritos bíblicos divergem.


Embora haja certas diferenças entre a RC e a RA, ambas têm seu valor como traduções fiéis da Palavra de Deus de acordo com os textos originais disponíveis na época de sua elaboração. Porém, não há diferenças entre os próprios manuscritos que deponham contra a mensagem central da Palavra de Deus.


Revista e Atualizada (RA)

Quando em 1948, a SBB foi fundada, uma nova revisão de Almeida, independente da Revista e Corrigida, foi encomendada a outra equipe de tradutores brasileiros. O resultado desse novo trabalho, publicado em 1956, é o que hoje conhecemos como a versão Revista e Atualizada.


Conservando as características principais da tradução de equivalência formal de Almeida, a RA é o resultado de mais de uma década de revisão e atualização teológica e lingüística da RC. Igualmente fiel aos textos originais, a linguagem da RA é viva, acessível, clara e nobre. Sua revisão foi feita à luz dos manuscritos bíblicos melhor preservados.


Em 1993, A RA passou por uma segunda revisão, afinando ainda mais o texto bíblico aos textos originais em hebraico, aramaico e grego.


Confrontando a tradução de Almeida, que resultou na versão Revista e Corrigida, com os novos manuscritos encontrados, os editores da RA decidiram indicar os textos em que um ou mais manuscritos não tinham consenso. Tais textos foram colocados entre colchetes, como é o caso da mulher adúltera, o qual permanece na Bíblia Sagrada por ser mencionado em grande número de manuscritos antigos e também por não contradizer em nada os demais ensinamentos das Escrituras Sagradas. É importante frisar que os textos-chaves das Escrituras Sagradas, os que dizem a respeito à salvação em Cristo Jesus, não apresentam qualquer tipo de dúvida.



História da Sociedade Bíblica do Brasil

Com o final da II Grande Guerra, em 1945, um clima de otimismo e esperança se espalhou pelo mundo. No Brasil, também houve um cenário favorável ao crescimento da distribuição da Bíblia. É nesse período que surge a Sociedade Bíblica do Brasil, uma entidade criada por destacados líderes cristãos. Tendo como lema "Dar a Bíblia à Pátria", a SBB é fundada em 10 de junho de 1948, no Rio de Janeiro. A partir de então, assume as atividades de tradução, produção e distribuição da Bíblia em todo o território brasileiro.


A SBB faz parte das Sociedades Bíblicas Unidas (SBU), uma fraternidade mundial de entidades, criada, em 1942, na Inglaterra, com o objetivo de facilitar o processo de tradução, produção e distribuição das Escrituras Sagradas, por meio de estratégias de cooperação mútua. Hoje, as SBU, congregam 137 Sociedades Bíblicas, atuantes em 200 países e territórios. São orientadas pela missão de promover a maior distribuição de Bíblias possível, numa linguagem que as pessoas possam compreender e a um preço que possam pagar.


Além do trabalho na área de tradução e publicação de Bíblias, a SBB se destaca por sua atuação no campo da ação social. Desde 1962, quando criou o barco Luz na Amazônia, para prestar assistência espiritual e social aos ribeirinhos, a SBB vem desenvolvendo inúmeros programas sociais de abrangências regionais - como os implantados no município de Barueri e na Amazônia - e nacionais, com foco nos estudantes da rede pública de ensino, presidiários, enfermos e deficientes visuais.


Sua natureza filantrópica e social é amplamente reconhecida pelos órgãos oficiais brasileiros. Em 1967, o Governo Federal concedeu-lhe o título de Entidade de Utilidade Pública. Desde 1975, é portadora do certificado de Entidade Filantrópica. Em 1998, foi declarado de Utilidade Pública, pela Prefeitura Municipal de Barueri (SP), município onde está localizada sua Sede Nacional. E, em 1999, recebeu o certificado de inscrição no Conselho Municipal de Assistência Social e o Governo do Pará declarou-a Entidade de Utilidade Pública Estadual.

Missão

A Sociedade Bíblica do Brasil é uma entidade sem fins lucrativos, de natureza religiosa, social, filantrópica e cultural. Sua finalidade é traduzir, produzir e distribuir a Bíblia, um bem de valor inestimável, que deve ser disponibilizado a todas as pessoas. A Bíblia é a Palavra de Deus, um instrumento de transformação espiritual e social. Mas também é fonte de conhecimento e educação: trata-se da base cultural e do pensamento filosófico de toda a civilização ocidental. O Livro Sagrado contém, ainda, valores éticos capazes de auxiliar na construção de uma sociedade mais justa, pacífica e harmônica. Baseada nesses princípios, a SBB tem a seguinte missão:

"Difundir a Bíblia e a sua mensagem a todas as pessoas e a todos os grupos sociais, como instrumento de transformação espiritual e social, de fortalecimento de valores éticos e de desenvolvimento cultural."

Sociedade Bíblica do Brasil Hoje

Hoje, ao recurso da palavra impressa, vêm se juntar novas mídias, capazes de multiplicar o alcance da Bíblia Sagrada. Os meios eletrônicos, com sua infinidade de usos e variações, possibilitam que a Palavra de Deus chegue instantaneamente a um antes inimaginável número de pessoas. Acompanhando esses avanços tecnológicos, a SBB oferece o texto bíblico em formatos e modelos variados - da Bíblia On-line, em CD-ROM, às publicações infantis, passando por gravações dramatizadas do Novo Testamento em fitas cassete, CD e vídeo, além de Porções e Seleções Bíblicas - impressas e em áudio - dirigidas aos mais diferentes usos e públicos.


Seguindo o princípio das Sociedades Bíblicas Unidas, de oferecer a Palavra de Deus numa linguagem que o povo possa compreender e utilizando traduções absolutamente fiéis aos textos originais, a SBB criou uma Comissão Permanente de Tradução, integrada por especialistas de diversas áreas. Hoje, a SBB publica algumas das mais conhecidas traduções bíblicas em língua portuguesa, como a de João Ferreira de Almeida e a Bíblia na Nova Tradução na Linguagem de Hoje. Conheça, a seguir, algumas das mais importantes publicações da Bíblia, produzidas pela SBB:


1956 - Versão Revista e Atualizada da tradução de João Ferreira de Almeida.

1988 - Bíblia na Linguagem de Hoje

1993 - 2a Edição da versão Revista e Atualizada da tradução de João Ferreira de Almeida.

1995 - 2a Edição da versão Revista e Corrigida da tradução de João Ferreira de Almeida.

1998 - CD-ROM Bíblia On-line

1999 - Programa A Fé Vem Pelo Ouvir - Novo Testamento Dramatizado

2000 - Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH)


A SBB produz, ainda, outras publicações voltadas à evangelização e educação cristã, caracterizadas por apresentarem o texto bíblico sem comentários de cunho doutrinário. Nas Sociedades Bíblicas, esse tipo de material é chamado de Seleções e Porções Bíblicas.


Com o objetivo de alcançar um número cada vez maior de pessoas, a SBB inaugurou, em 1995, a Gráfica da Bíblia, o que resultou em um aumento na produção de Escrituras e redução de seus custos, tornando-as ainda mais acessíveis à população de todo o país.


Graças aos esforços empreendidos, a SBB, que em 1950 distribuiu 77,38 mil Bíblias, atingiu no ano 2002 uma distribuição de 4,02 milhões de exemplares em todo o país.

O QUE É A BÍBLIA

Capítulos: 1189
Assunto: Criação, perdição do ser humano; criação, degeneração e restauração da terra.
Palavra chave: Deus
Versículo chave: João 3.16

A palavra Bíblia é de origem grega = "rolo pequeno de papiro", diminutivo de Biblos = "folha de papiro preparada para a escrita". A palavra Bíblia foi usada pela primeira vez, pelo patriarca de Constantinopla: João Crisóstomo em 398 - 404 AD. Portanto, a Bíblia é constituída de uma pequena biblioteca, que contém 66 livros, sendo que é dividida em VT (Antigo Testamento com 39 livros) e NT (Novo Testamento com 27 livros). Esses livros foram escritos num período de aproximadamente 1600 anos por mais de 40 autores diferentes, dos mais distintos e remotos lugares, e todos eles foram inspirados por Deus. Conforme está escrito: "Toma o rolo, o livro, e escreve nele todas as palavras que te falei... Jr 36.2 a". "Toda Escritura é inspirada por Deus... porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana, entretanto homens (santos) falaram da parte de Deus movidos pelo Espírito Santo" (II Tm 3.16 a e II Pe 1.21). Na Bíblia encontramos a revelação de Deus a toda humanidade, ao revelar que: "o único Deus e a Jesus Cristo, a quem Ele enviou" (Jo 17.3). Sendo as Escrituras a revelação de Deus, tanto o VT como o NT, são o Seu esforço de revelar a sua salvação, através de Jesus Cristo. Como alguém já disse: "A Bíblia é Deus falando ao homem, é Deus falando através do homem, é Deus falando com o homem, é Deus falando a favor do homem, mas, á sempre Deus falando" autor desconhecido.

A Bíblia como tema central.

A revelação de Jesus Cristo em busca do ser humano perdido: Mt 20.28

Por que a Bíblia deve ser estudada?

1. Ela é a luz para quem está procurando a verdade: Sl 119.105; Jo 17.17
2. As Escrituras é o alimento para a alma: Jr 15.16; I Pe 2.1-2
3. É o meio usado pelo Espírito Santo para nos falar: Ef 6.17

Como foi formada a Bíblia Hebraica?

O Velho Testamento Hebraico é composto de:

1. A Torá - Lei: chamado Pentateuco - composto por 5 livros.
2. Os profetas: homens separados e inspirados por Deus.
3. Os escritos: chamado de Hagiógrafos.

Como é constituída a Bíblia?

O Velho Testamento são 39 livros divididos em cinco partes:

I Parte - Livros da Lei: tratam da criação e a lei.

1. Gênesis: fala como começou tudo, o pecado, e o sofrimento.
2. Êxodo: fala da saída do povo hebreu do Egito; o Sinai, etc.
3. Levítico: fala das leis e os mandamentos de Deus à Israel.
4. Números: fala da contagem dos israelitas.
5. Deuteronômio: Segundo a Lei: narra os discursos de Moisés.

II Parte - Livros Históricos: fala da caminhada do povo israelita.

1. Josué.
7. II Reis.
2. Juízes.
8. I Crônicas.
3. Rute.
9. II Crônicas.
4. I Samuel.
10. Esdras.
5. II Samuel.
11. Neemias.
6. I Reis.
12. Ester.

III Parte - Livros Poéticos: são chamados poéticos devido ao seu gênero.

1. Jó.
2. Salmos.
3. Provérbios.
4. Eclesiastes.
5. Cantares.

IV Parte - Profetas Maiores: por serem os livros mais longos que os outros são assim chamados de profetas maiores.

1. Isaías.
2. Jeremias.
3. Lamentações de Jeremias.
4. Ezequiel.
5. Daniel.

V Parte - Profetas Menores: por serem os livros mais curtos são conhecidos como profetas menores.

1. Oséias.
7. Naum.
2. Joel
8. Habacuque.
3. Amós.
9. Sofonias.
4. Obadias.
10. Ageu.
5. Jonas.
11. Zacarias.
6. Miquéias.
12. Malaquias

O Novo Testamento são 27 livros divididos em quatro partes:

I Parte - Biografias: são os quatro evangelhos, sendo que os três primeiros são chamados sinópticos devido ao paralelismo que se apresentam.

1. Mateus: para atender aos judeus (genealogia).
2. Marcos: para atender os romanos (Jesus como servo).
3. Lucas: para os gregos (Jesus como Filho de Deus, ou do Homem).
4. João: para o mundo (Jesus para o mundo).

II Parte - História: registra a história da Igreja Primitiva e a atuação do Espírito Santo, nos seus primeiros primórdios.

1. Atos dos apóstolos: são os Atos do Espírito Santo na igreja emergente, como alguém já sugeriu.

III Parte - Epístolas Paulinas: são cartas dirigidas as igrejas ou a indivíduos. Atribuídas geralmente a Paulo.

1. Romanos.
2. I Coríntios.
3. II Coríntios.
4. Gálatas.
5. Efésios.
6. Filipenses.
7. Colossenses
8. I Tessalonicenses.
9. II Tessalonicenses.
10. I Timóteo.
11. II Timóteo.
12. Tito.
13. Filemon.

IV Parte - Epístolas Gerais: são cartas universais atribuídas a vários apóstolos sendo que a de Hebreus, o autor é desconhecido.

1. Hebreus.
2. Tiago.
3. I Pedro.
4. II Pedro.
5. I João.
6. II João.
7. III João.
8. Judas.

Proféticos: também chamado de revelação das coisas dos últimos dias que deverão acontecer. É um livro apocalíptico.

1. Apocalipse.

Todas as Bíblias são iguais?

Se compararmos a Bíblia católica romana com a Bíblia protestante, veremos que além dos 66 livros, a Bíblia católica possui 7 livros chamados apócrifos (secretos, espúrios ou misteriosos) que possuem um valor histórico de uma época, mas não canônico, ou seja, de uma revelação divina. Eles são:

1. Tobias: narra a vida de Tobias, que era filho de um pai cego.
2. Judite: é uma narrativa histórica dos judeus libertados do poder de Holofernes, general da Pérsia, devido à coragem de um heroína chamada Judite. Apareceu por volta do II século aC.
3. Sabedoria: mostra através de provérbios a sabedoria verdadeira e a reta da gentílica ou iníqua e idólatra. Apareceu entre 50 a 10 aC.
4. Eclesiástico: também chamado de Sabedoria de Jesus, filho de Siraque, semelhante ao livro de Provérbios. Apareceu em torno de 180 aC.
5. Baruque: dividida em três partes: confissão e arrependimento; exortativo e promessa de livramento. Apareceu no II século aC.
6. I e II Macabeus: narra a revolta dos Macabeus pelo império romano em 167 aC.
7. Acréscimos aos livros de Daniel e Ester.

O que a Bíblia produz em nossa vida?

1. Sabedoria: Sl 19.7
2. Esperança: Rm 15.4
3. Alegria: Sl 19.8a
4. Ilumina os olhos: Sl 119.9
5. Educa, corrige: II Tm 3.16
6. Purifica: Jo 15.3
7. Dirige: Sl 119.104
8. Produz fruto: II Tm 3.17

Revelação.

A palavra revelação vem do vocábulo grego que significa: tirar ou levantar o véu. Revelação no sentido bíblico, é a verdade revelada ou descoberta ao escritor sagrado pelo Espírito Santo. É Deus quem toma a iniciativa de trazer ao conhecimento dos seres humanos os seus planos e propósitos.

1. Revelação Geral:

Deus se revelando através de sua criação: Sl 19.1; 97.1
Deus se revelando através da natureza: Rm 1.20
Deus revelando em todas as consciências, de si mesmo: At 14.17

2. Revelação Especial:

Deus se revelou particularmente pela Escritura: II Tm 3.16
Deus se revelou nestes últimos dias pelo filho: Hb 1.2
Jesus é a revelação do próprio Deus: Jo 10.30; 14.9
Jesus é a revelação de Deus para a nossa salvação: Jo 20.31

Inspiração.

Inspiração é o (graphe), que quer dizer escrito, que é dado por inspiração, que significa sopro divino. Que é o auxílio sobrenatural do Espírito Santo sobre os escritos sagrados, para que os seus escritos tivessem plena validade. Isto é, o próprio Deus, mediante o Espírito Santo revelou aos homens o que justamente deviam escrever.

1. Inspiração se revela:

Toda a Escritura é inspirada por Deus: II Tm 3.16
Jesus se revela pela Palavra (logos) encarnada por Deus: Jo 1.1-4
O Espírito que nos inspira na compreensão da Palavra: Jo 32.8

Iluminação.

É através da iluminação que o Espírito Santo concede aos cristãos a capacidade intelectual de poderem compreender o que foi inspirado e revelado nas Escrituras Sagradas. É impossível entendermos a situação de pecado sem intervenção do Espírito Santo que produz luz em nossa consciência.

1. A Iluminação acontece por que:

O homem natural não pode discerni-la: I Co 2.14
A obra de Cristo na cruz faz sentido: I Co 1.18
O Espírito Santo ensina: Jo 14.26

Medite nos textos bíblicos abaixo e responda com suas próprias palavras.

1. Quem foi que escreveu a Bíblia?

    II Pedro 1.21

2. Qual é o tema central da Bíblia?

    Jo 5.39 compare com Mt 20.28

3. Como a Bíblia que é a Palavra de Deus age?

    Sl 119.15
    Sl 119.72
    Sl 119.103
    Tg 1.23
    Hb 4.12
    Jr 23.29
    Is 55.10
    Lc 8.11
    Dt 8.3
    Ef 5.23

Para nunca mais esquecer.

"A Bíblia afastará você do pecado, ou o pecado afastará você da Bíblia."

O que significa dizer que a Bíblia é inspirada?



Pergunta: "O que significa dizer que a Bíblia é inspirada?"

Resposta: Quando as pessoas dizem que a Bíblia foi inspirada, estão se referindo ao fato de que Deus divinamente influenciou os autores humanos das Escrituras de modo tal que aquilo que escreveram foi a própria Palavra de Deus. No contexto das Escrituras, a palavra inspiração simplesmente significa “Divinamente inspirada”. Inspiração comunica a nós o fato da Bíblia verdadeiramente ser a Palavra de Deus, e faz com que a Bíblia seja única dentre todos os outros livros.

Mesmo havendo diferentes opiniões a respeito de até que ponto a Bíblia é inspirada, não pode haver dúvidas de que a própria Bíblia afirma que cada palavra, em cada parte sua, ela é inspirada por Deus (I Coríntios 2:12-13; II Timóteo 3:16-17). Esta visão das Escrituras é freqüentemente conhecida como inspiração “verbal e plenária”. Isto significa que a inspiração se estende às próprias palavras escolhidas (inspiração verbal), não somente aos conceitos e idéias; e que a inspiração se estende a todas as partes das Escrituras e todos os temas tratados nas Escrituras (inspiração plenária). Há algumas pessoas que acreditam que somente partes da Bíblia são inspiradas, ou somente os pensamentos ou conceitos que lidam com religião sejam inspirados, mas tais visões da inspiração não dão conta do que a própria Bíblia afirma ser. Total inspiração verbal e plenária é uma característica essencial da Palavra de Deus.

A extensão da inspiração pode ser vista claramente em II Timóteo 3:16-17: “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra.” Este verso nos diz que Deus inspirou toda a Escritura e que ela é proveitosa para nós. Não são somente algumas partes da Bíblia que lidam com doutrinas religiosas que são inspiradas, mas cada uma e todas as partes, desde Gênesis até Apocalipse, são a Palavra de Deus. Por terem sido inspiradas por Deus, as Escrituras são, então, autoridade no tocante a estabelecer doutrinas, e suficientes para ensinar ao homem como estar em um correto relacionamento com Deus, “instruir em justiça”. A Bíblia afirma ser não apenas inspirada por Deus, mas também ter a capacidade de nos transformar e nos fazer “completos”, totalmente equipados para toda boa obra.

Um outro verso que lida com a inspiração das Escrituras é II Pedro 1:21. Este verso nos diz que “Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo.” Este verso nos ajuda a compreender que apesar do homem ter escrito as Escrituras, as palavras que escreveram foram as próprias palavras de Deus. Apesar de ter usado homens com suas diferentes personalidades e estilos de escrita, Deus divinamente inspirou cada palavra que escreveram. O próprio Jesus confirmou a inspiração verbal e plenária das Escrituras quando disse: “Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim abrogar, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido” (Mateus 5:17-18). Nestes versos, Jesus reafirma a exatidão das Escrituras, que vai até ao menor detalhe e até ao menor sinal de pontuação: porque é a própria palavra de Deus.

Por serem as Escrituras a inspirada Palavra de Deus, podemos concluir que são também livres de erro e revestidas de autoridade. Uma correta visão de Deus leva que se chegue a uma correta visão de Sua Palavra. Por ser Deus todo poderoso, cheio de sabedoria e completamente perfeito, Sua Palavra, por sua própria natureza, terá as mesmas características. Os mesmos versos que estabelecem a inspiração das Escrituras também estabelecem que são tanto livres de erro quanto revestidas de autoridade. Sem dúvidas, a Bíblia é o que afirma ser: a inegável e autorizada Palavra de Deus para a humanidade.

Quem foram os autores dos livros da Bíblia?



Pergunta: "Quem foram os autores dos livros da Bíblia?"

Resposta: Além dos autores humanos, a Bíblia foi essencialmente escrita por Deus. 2 Timóteo 3:16 nos diz que a Bíblia foi "inspirada" por Deus. Deus supervisionou os autores humanos da Bíblia de tal forma que, enquanto cada um usou o seu próprio estilo de escrever e personalidade, eles ainda registraram exatamente o que Deus queria que dissessem. A Bíblia não foi ditada por Deus, mas foi perfeitamente guiada e completamente inspirada por Ele.

Humanamente falando, a Bíblia foi escrita por aproximadamente 40 homens de diversos estilos de vida diferentes, durante um período de 1500 anos. Isaías era um profeta, Esdras era um sacerdote, Mateus um coletor de impostos, João era um pescador, Paulo era um fabricante de tendas, Moisés era um pastor. Apesar de ter sido escrita por autores diferentes durante 15 séculos, a Bíblia não se contradiz e não contém erros. Todos os autores apresentam perspectivas diferentes, mas todos proclamam o mesmo Deus único e verdadeiro, e o mesmo único caminho para salvação – Jesus Cristo (João 14:6; Atos 4:12). Poucos dos livros da Bíblia nomeiam especificamente o seu autor. Veja a seguir uma lista dos livros da Bíblia com o nome de quem os estudiosos acreditam ter sido o autor humano, assim como a data aproximada de quando cada um foi escrito.

Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio = Moisés – 1400 A.C.
Josué = Josué – 1350 A.C.
Juízes, Rute, 1 Samuel, 2 Samuel = Samuel / Natã / Gade – 1000 – 900 A.C.
1 Reis, 2 Reis = Jeremias – 600 A.C.
1 Crônicas, 2 Crônicas, Esdras, Neemias = Esdras – 450 A.C.
Ester = Mardoqueu – 400 A.C.
Jó = Moisés – 1400 A.C.
Salmos = vários autores diferentes, grande parte foi escrita por Davi – 1000 – 400 A.C.
Provérbios, Eclesiastes, Cânticos = Salomão – 900 A.C.
Isaías = Isaías – 700 A.C.
Jeremias, Lamentações = Jeremias – 600 A.C.
Ezequiel = Ezequiel – 550 A.C.
Daniel = Daniel - 550 A.C.
Oséias = Oséias – 750 A.C.
Joel = Joel – 850 A.C.
Amós = Amós – 750 A.C.
Obadias = Obadias – 600 A.C.
Jonas = Jonas – 700 A.C.
Miquéias = Miquéias – 700 A.C.
Naum = Naum – 650 A.C.
Habacuque = Habacuque – 600 A.C.
Sofonias = Sofonias – 650 A.C.
Ageu = Ageu – 520 A.C.
Zacarias = Zacarias – 500 A.C.
Malaquias = Malaquias – 430 A.C.
Mateus = Mateus – 55 D.C.
Marcos = João Marcos – 50 D.C.
Lucas = Lucas – 60 D.C.
John = John - A.D. 90
João = João 90 D.C.
Atos = Lucas – 65 D.C.
Romanos, 1 Coríntios, 2 Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, 1 Tessalonicenses, 2 Tessalonicenses, 1 Timóteo, 2 Timóteo, Tito, Filemom = Paulo, 50-70 D.C.
Hebreus = Desconhecido, talvez Paulo, Lucas, Barnabás ou Apolo – 65 D.C.
Tiago = Tiago – 45 D.C.
1 Pedro, 2 Pedro = Pedro – 60 D.C.
1 João, 2 João, 3 João = João - 90 D.C.
Judas = Judas – 60 D.C.
Apocalipse = João – 90 D.