Videologs

voltar

 

 

 

Videologs conquistam professores e alunos

 
Da mesma forma que os blogs chamam atenção e ganham mercado pela facilidade de publicação de textos, os videologs estão chegando e conquistando seu espaço. A exemplo dos blogs, os primeiros usuários dos videologs são os jovens que publicam seus próprios vídeos. A maioria contém produções totalmente informais e divertidas. Neles, é possível publicar facilmente vídeos, hoje conseguidos até com câmeras digitais, fotos e animações em flash. Porém,
os videologs já estão despertando a atenção de profissionais, como publicitários, designers gráficos, produtores de vídeos e até educadores.

Uma educadora que está tentando fazer com que seus alunos entrem nesse mundo é Adriana Leila Trentim, orientadora de Informática Educacional da Escola Municipal de Ensino Fundamental Abrão de Moraes, localizada na Zona Leste de São Paulo. Responsável pela implantação de uma estação de rádio, com programas ao vivo feitos pelos alunos na própria escola, Adriana está iniciando a produção de um videolog. Para este trabalho, ela está estruturando uma ONG, a Educarmidia, que será formada por professores e profissionais com interesse no tema educação.

A idéia é que este espaço disponibilize uma série de videologs. O primeiro programa estreará em novembro e terá como tema os 70 anos da Educação Infantil. Há ainda um projeto, desenvolvido por uma aluna da 8a série, que pretende mostrar as peculiaridades da cidade de São Paulo. "Quero atuar com o videolog, da mesma forma que trabalhamos com a rádio na escola. Uma atividade extracurricular estimula os alunos a ficarem mais tempo na escola; e não nas ruas", explica Adriana.

Entre os projetos do videolog da escola há até um telejornal. A professora conta que todo o equipamento necessário, inclusive câmeras digitais e de vídeo, é fornecido pela própria prefeitura. Porém, quando é necessário algum outro investimento, eles recorrem à própria comunidade, que sempre oferece ajuda através da APM - Associação de Pais e Mestres.

Outro projeto interessante vem de Santa Catarina. Trata-se do Conexão XXI, um programa dirigido ao público jovem, pais e educadores, que é disponibilizado na internet, na forma de videolog, e, também, em TV Aberta. "O programa trata do universo jovem, discutindo assuntos de seu interesse, mas com um diferencial: o jovem é o protagonista; é ele quem fala de suas experiências, expectativas, incertezas e esperanças", relata Gládis Leal dos Santos, coordenadora de Informática Educacional da Escola Municipal CAIC Professor Mariano Costa, em Joinville (SC), que também coordena a equipe de produção e faz consultoria pedagógica para o Conexão XXI.

Ela conta que o programa aborda, de forma consistente, temas sobre o papel dos jovens na sociedade atual, os conflitos com os pais, a superação das inseguranças típicas da idade, a visão sobre casamento, virgindade e fidelidade, o engajamento político, a influência dos meios de comunicação nos jovens, entre outros. "Não nos contentamos em apenas ouvir depoimentos dos jovens. Também, mostramos as opiniões de profissionais como educadores, psicólogos, profissionais da área de saúde etc.", explica. "Ao longo dos anos, os jovens tornaram-se alvo de inúmeras campanhas publicitárias e formam platéias fiéis de programas. Mas, raramente, eles ocuparam o papel de protagonistas. O Conexão XXI pretende ajudar a sociedade a enxergar o jovem muito além das aparências, revelando o que está por trás dos costumes e comportamentos, nem sempre bem entendidos."

A estréia do programa se deu nas duas mídias, simultaneamente, no dia 20 de agosto. Todos os sábados, às 11 horas, a TVBV - uma retransmissora da Rede Bandeirantes - apresenta o programa em rede estadual. "Com a TV, atendemos uma carência claramente identificada no mercado de comunicação de Santa Catarina: difundir um programa que representa o retrato vivo e criativo dos costumes e da vida dos jovens", explica a educadora. "Já com a internet, ganhamos o mundo. A proposta pedagógica do Conexão XXI já chegou Portugal e, em breve, vamos interagir com alunos de lá também", comemora.

Gládis lembra que inicialmente o Conexão XXI era acessado por outros usuários de videolog através dos hiperlinks e da divulgação natural que a internet proporciona. "Está acontecendo algo muito interessante: outros usuários de internet, que antes não conheciam os videologs, estão começando a fazer uso depois de conhecerem o Conexão XXI."

Escolas de Joinville (SC), Campo Grande (MS), Presidente Epitáfio (SP), Esteio (RS) e Nova Bassano (RS) já participam do projeto. "Tenho divulgado em listas de discussão e comunidades do Orkut, pois os temas que abordamos no programa são altamente educativos. Apresento o programa a professores, incentivando o uso com alunos, orientando e sugerindo a contextualização com os assuntos tratados em sala de aula", explica Gládis.

São muitas as possibilidades que se abrem a partir dos temas apresentados: discussões, produção textual, pesquisas, reflexões, apresentações teatrais etc. Cabe ao professor, utilizar a ferramenta da melhor forma e, a partir disso, diversificar e aprofundar os assuntos. Outro ponto positivo é a interatividade, pois os alunos podem fazer comentários e sugestões no próprio videolog.

O programa Intercâmbio, por exemplo, entrevistou jovens brasileiros que foram para o exterior e, no segundo programa, estrangeiros que estão no Brasil. Os depoimentos são muito ricos e despertam a curiosidade, além de oferecer oportunidade aos professores de História, Geografia, Artes, Português etc. para explorar várias disciplinas pelas diversidades de cada país. Como resultado dessas reflexões, alguns textos produzidos pelos alunos estão sendo publicados no blog Palavra Aberta.

Oito programas já foram ao ar, com temas como Primeira Vez, Tribos Urbanas, Jovens Pais, Intercâmbio, Universitários e Jovens Voluntários. Mas engana-se quem pensa que toda produção de vídeo para a internet seja uma coisa caseira. Só em Santa Catarina a equipe do Conexão XXI é formada por 14 pessoas e comandada pela Setcom, produtora de conteúdos culturais e educacionais.

Desde a criação do programa, o videolog já teve cerca de 16 mil acessos, ou seja, uma média de 2 mil acessos por programa. "Acredito que um dos motivos do sucesso entre os jovens é apresentar depoimentos reais e assuntos de interesse deles, tratados de uma forma inteligente. Além de darmos espaço para a expressão dos jovens, mostramos que eles têm ricas experiências para nos ensinar muitas coisas", conclui Gládis.

 

http://www.ead.sp.senac.br/newsletter/outubro05/destaque/destaque.htm