Familia Athaydes‎ > ‎A História‎ > ‎

Os 1ºs Athaydes no Brasil

Os Primeiros Ataíde, Athaydes no Brasil

No Brasil: Numerosas foram as família, que passaram com este sobrenome para diversas partes do Brasil, em várias ocasiões. Não se pode considerar que todos os Ataídes existentes no Brasil, mesmo procedentes de Portugal, sejam parentes, porque são inúmeras as famílias que adotaram este sobrenome pela simples razão de ser de origem geográfica, ou seja, tirado do lugar de Ataíde.

O mesmo se aplica no campo da heráldica; jamais se pode considerar que uma Carta de Brasão de Armas de um antigo Ataíde, se estenda a todos aqueles que apresentam este mesmo sobrenome, porque não possuem a mesma origem.
 
 

No Rio de Janeiro: Uma das mais antigas famílias com este sobrenome, procede de João de Ataíde, nascido por volta de 1619, que deixou descendência do seu casamento com Domingas Gonçalves. Em São Gonçalo, Município do Estado do Rio de Janeiro, entre as mais antigas, está a de João de Ataíde Freire, que deixou geração, em São Gonçalo, do seu casamento, por volta de 1650, com Domingas da Fonseca. Foram pais de Maria de Ataíde, casada a 12 de janeiro de 1673 em São Gonçalo, com Afonso Vaz da Veiga; e de Marta de Ataíde, casada a 22 de outubro de 1679 em São Gonçalo, com Manuel Luiz Cardoso, filho de Paulo Cardoso de Azevedo.

Com a grafia Athaydes, o mesmo que Ataíde (v.s.). Há, na atualidade, diversas famílias com este sobrenome estabelecidas na cidade do Rio de Janeiro/RJ. Importante família, de origem portuguesa estabelecida no Vale Médio do Paraíba, Estado do Rio de Janeiro, à qual pertence o major Lourenço Luiz de Athayde (nascido cerca de 1830, na Freguesia de São João do Souto, Arcebispado de Braga, Portugal, e falecido em 1867, em Vassouras/RJ), onde exercia a profissão de advogado provisionado (solicitador).

Cavaleiro da Ordem da Rosa. Deixou numerosa descendência do seu casamento com Maria Jacinta de Jesus Pantaleão.

Entre os seus descendentes, cabe registrar o bisneto, o importante genealogista José Botelho de Athayde (nascido em 03 de fevereiro de 1916, em Macaé/RJ, e falecido em 09 de novembro de 1974, em Cruzeiro/SP), mais conhecido por J.B. de Athaydes

Em Pernambuco: Entre as mais antigas, está a de Diogo de Athayde, morador na Vila de Serinhaém, nascido por volta de 1655 [Borges da Fonseca, I, 203]. Foram avós de Antônio de Ataíde de Albuquerque, que serviu na Guerra Holandesa. Achava-se em 1635 na defesa de Serinhaém, de onde saiu ferido, em quatro batalhas navais e nas duas de Guararapes. Por esses serviços foi nomeado juiz de órfãos de Serinhaém em 28 de maio de 1656.

No Pará: Entre as mais antigas, registramos a de Bartolomeu Barreiros de Ataíde, nomeado, em 1649, a Capitão-Mór de uma grande bandeira para descoberta das minas do rio Agurico ou do Ouro.

Na Bahia: Existe um grande tronco genealógico com este sobrenome estabelecido na Bahia, que procedem do Coronel Leandro Antônio Athayde (1742-1815), de quem descendem os “Athayde Santos; Castro Athayde; Athayde Pereira; Spinola Athayde, Pinto Athayde, etc. Ainda, na Bahia, a família de Domingos Mendonça de Athaide, proprietário de uma loja de modas, em 1881. na rua Conselheiro Dantas, em Salvador.

No Rio Grande do Sul: Em Pelotas; Existe o tronco iniciado por Manoel de Athaydes (1826, + 25/04/1912) e Maria Ritta da Conceição, (bisavós de Baltazar Sidnei de Athaydes Gonzales, autor deste trabalho).

Linha Natural: Em Minas Gerais, por exemplo, Matias da Costa Ataíde, natural de Ouro Preto, é filho natural de Ana da Conceição, foi casado em 1803, Itajubá/MG, com Rosa Maria, filha de José da Costa Camargo e Catarina de Sene [Monsenhor Lefort – Itajubá]

Linha Indígena: em Pernambuco: A família de Gaspar Dias de Athayde [cerca de 1549], estabelecido em Serinhaém, que ainda vivia em 1580, em Olinda. Deixou geração do seu casamento com Brites de Albuquerque, filha de Jerônimo de Albuquerque e da índia Maria Arcoverde, patriarcas de um dos ramos da importante família Albuquerque (v.s.), de Pernambuco. [Borges da Fonseca, I, 32]

Comments