LIGAS


CAMPEONATOS DE FUTEBOL AUSTRALIANO NA AUSTRÁLIA E NO MUNDO

A organização dos clubes em ligas remonta a 1877, ano em que os principais clubes da cidade de Melbourne, aliados ao Geelong FC, de Geelong (Victoria) fundaram a Victorian Football Association - VFA. Em 1897, os principais clubes da VFA (Carlton, Collingwood, Essendon Fitzroy, Geelong, Melbourne, Saint Kilda e South Melbourne) decidiram abandonar a VFA e fundar a Victorian Football League - VFL. A VFA continuou a existir, tornando-se uma liga "rival" da VFL.

A VFL expandir-se-ia em 1908, com a entrada dos clubes Richmond e University. Este último era exclusivamente composto por estudantes e licenciados e, no início da Primeira Guerra Mundial, em 1914, muitos dos seus jogadores ingressaram no Exército, alguns para nunca mais regressar. O clube não foi capaz de resistir e integrou-se no Melbourne FC. Em 1925 foram admitidas mais três equipas, Footscray, Hawthorn e North Melbourne. Ficava assim completo o alinhamento "clássico" da VFL, que iria durar até 1982:

- Collingwood (Magpies);

- Carlton (Blues);

- Essendon (Bombers);

- Fitzroy (Maroons, depois Gorillas, depois Lions);

- Footscray (Tricolours, depois Bulldogs);

- Geelong (Cats);

- Hawthorn (Mayblooms, depois Hawks);

- Melbourne (Fuchsias, depois Redlegs, depois Demons);

- North Melbourne (Shinboners, depois Kangaroos);

- Richmond (Tigers);

- Saint Kilda (Saints);

- South Melbourne (Bloods, depois Swans).

Entre 1925 e 1982 estas equipas protagonizaram desafios lendários, criaram rivalidades imorredoiras. Foi a época de ouro do "futebol suburbano", em que cada clube tinha o "seu" campo no "seu" subúrbio. A VFL, porém, queria tornar o futebol australiano um desporto verdadeiramente nacional, o que implicava penetrar nos estados de Nova Gales do Sul e Queensland, os bastiões do râguebi.

No início dos anos 80, perante das dificuldades financeiras do South Melbourne FC, foi proposto que o clube se mudasse para Sydney, Nova Gales do Sul. Isso viria a suceder em 1982 - nasciam os Sydney Swans.

A Liga continuou a expandir-se, acolhendo os Brisbane Bears, de Queensland, e os West Coast Eagles, da Austrália Ocidental, em 1987, os Adelaide Crows, da Austrália do Sul, em 1991 e os Fremantle Dockers, da Austrália Ocidental, em 1995, já depois da liga ter mudado o nome para Australian Football League em 1990, para reflectir a sua expansão a nível nacional. A velha rival VFA fora deixada para trás em definitivo e, nos anos 90, passaria mesmo a chamar-se VFL, adoptando o antigo nome da AFL e passando a funcionar como "1.ª Liga Estadual" de Victoria.

Em 1996 ocorreu um dos momentos mais dolorosos da história da liga. A AFL não escondia que pretendia diminuir o número de clubes sedeados em Melbourne, para dar espaço para mais clubes de outros estados. Foram oferecidos vários incentivos àqueles clubes para que se fundissem ou mudassem de cidade. Em 1989 falhou a tentativa de fusão de Fitzroy e Footscray, graças à mobilização geral dos adeptos deste último. Também fracassaram as negociações entre Melbourne e Hawthorn. Em 1996, porém, nada pôde salvar os Fitzroy Lions. "The boys from Old Fitzroy" viram-se obrigados a fundir-se com os Brisbane Bears, nascendo os Brisbane Lions, que viriam a sagrar-se tricampeões em 2001-2002-2003.

A vaga aberta pela fusão foi preenchida pelo Port Adelaide FC, clube fundado em 1870, que até aí competia na liga da Austrália do Sul (SANFL). Um novo PAFC, com as mesmas cores, emblema e história, foi fundado para que o nome da equipa com mais sucesso na história da SANFL não desaparecesse daquela competição.

Em 1997 os clubes North Melbourne e Footscray mudaram os seus nomes para Kangaroos e Western Bulldogs, respectivamente, por razões de marketing. A partir da época 2008 os "Kangas" voltaram a usar o seu nome original, após terem decidido, durante o defeso, que não aceitariam a mudança do clube para o estado de Queensland, como era pretendido pela Liga. Derrotada, a AFL decidu expandir-se novamente, admitindo uma equipa de Queensland (Gold Coast) e outra da parte ocidental de Sydney. 

A equipa de Gold Coast, que começou por ter o nome oficial de Gold Coast Football Club e por também ser conhecida por GC17, acabando por adoptar a designação de Gold Coast Suns, participou na TAC Cup, um torneio sub-18, em 2009, na Victorian Football League em 2010 e, finalmente, da AFL a partir 2011. As suas cores são o azul, o amarelo, o vermelho e o branco. Quanto ao clube de Western Sydney, foi-lhe dado o nome de Greater Western Sydney (GWS) Giants e entrou para a Liga em 2012, sendo suas cores o laranja, o cinzento e o negro. 

Paralelamente a estas movimentações, o governo do Estado da Tasmânia continua a trabalhar em prol da entrada de uma equipa da ilha na AFL. Quanto à Tasmânia, 2009 testemunhou ainda a "ressurreição" de uma liga que inclui equipas de todo o estado, o que não sucedida desde 2000, ultrapassadas que foram as desinteligências que tradicionalmente opõem o Norte e o Sul da ilha.

 

A AFL é a principal liga de futebol australiano, mas não é a única. Entidades vetustas, que remontam ao século XIX, como a South Australian National Football League (SANFL), da Austrália do Sul, a West Australian Football League (WAFL), da Austrália Ocidental, ou as duas ligas da Tasmânia (Norte - NTFL, Sul - SFL) continuam a existir e a despertar as paixões dos adeptos. Os outros estados e territórios da Austrália também têm cada um a sua liga (NTFL - Território do Norte, AFL NSW/ACT - Nova Gales do Sul e Território da Capital Australiana, AFL Qld. - Queensland).

A SANFL oferece equipas de grande tradição, como os já referidos Port Adelaide (chamados "magpies" ou "pêgas" na SANFL, mas "Power" ou "poder" na AFL, para não se confundirem com o Collingwood), mas também os "duplos azuis" de Sturt, os "pernas vermelhas" de Norwood, os "galos" de North Adelaide, os "tigres" de Glenelg, os "buldogues" de Central Districts, as "águias" de Woodville-West Torrens, os "sangues" de West Adelaide e as "panteras" de South Adelaide. Rivais tradicionais dos habitantes de Victoria, os australianos do Sul sempre tiveram grande orgulho na sua Liga e, a partir do momento em que equipas da Austrália do Sul entraram na AFL, por aqueles que passaram a ser os seus representantes na luta contra os "vics". A partir de 2014, também os Adelaide Crows passaram a ter uma equipa de reservas nesta liga.

A WAFL também é uma liga de grande renome, cujos clubes são os "tigres" de Claremont, os "tubarões" de East Fremantle, os "reais" de East Perth, os "trovões" de Peel, os "demónios" de Perth, os "falcões" de West Perth, os "buldogues" de South Fremantle, os "leões" de Subiaco e os "cisnes" de Swan Districts. A Austrália Ocidental teve um clube na AFL a partir de 1987 e esse clube, as West Coast Eagles, foi o primeiro de fora de Victoria a ser campeão da AFL, em 1992.

Lado a lado com estas, existem dezenas de ligas amadoras, espalhadas por toda a Austrália. Na Ilha de King, entre a Tasmânia e Victoria, três clubes disputam há décadas o campeonato local. A liga amadora mais conhecida é a Victorian Amateur Football League, que conta com sete divisões. Localizadas nas grandes cidades e por todo o interior, estas pequenas ligas são muito importantes para a vida social e para a afirmação da identidade de pequenas vilas e cidades. Não é raro que um clube alinhe hoje com os filhos, netos e bisnetos dos jogadores de há 20, 50 ou 75 anos. A própria AFL reconhece o valor destas ligações familiares, ao permitir que um jogador ingresse num clube que o seu pai tenha representado, isentando-o do "draft". Em Victoria, os campeonatos amadores e semi-profissionais são organizados pela AFL Victoria, incluindo a "nova" VFL, presente encarnação da VFA.

Uma palavra para a liga das ilhas Tiwi. O futebol australiano foi introduzido nesta comunidade aborígene ao largo do Território do Norte em 1941 por um missionário católico, o irmão Pye. Desde então, este desporto tornou-se a expressão cultural mais significativa das ilhas. Numa comunidade de menos de 3000 pessoas, 900 jogam futebol australiano e a Grand Final local, jogada em Março, atrai um número de espectadores superior à população das ilhas.

 

A nível internacional, o futebol australiano está a crescer significativamente. A Irlanda é o país estrangeiro que mais recrutas tem fornecido à AFL. Um deles, Jim Stynes, chegou a ganhar a "Medalha Brownlow", atribuída anualmente ao "Melhor e Mais Correcto" jogador do campeonato, com base na votação dos árbitros. Há ligas bem implantadas na Grã-Bretanha, Alemanha, EUA, Canadá, Dinamarca, Súécia e em muitos outros países, incluindo alguns da zona do Pacífico, como Samoa, Tonga, a Papuásia Nova-Guiné, Nauru e a Nova Zelândia. Neste momento a AFL aposta forte na divulgação do jogo na África do Sul. Esperemos que em breve seja a vez de Portugal.