Artista Visual‎ > ‎

Texto do Artista

 
 
Embora minha produção artística tenha iniciado anteriormente, foi a partir da realização do mestrado que se deu meu ingresso definitivo no meio das artes plásticas. Além das disciplinas da ECA-USP,com professores como Carlos Fajardo, Marco Gianotti, Geraldo de Souza Dias, Ana Maria Tavares, Tadeu Chiarelli, Neide Marcondes, entre outros, freqüentei inúmeros cursos com artistas e críticos como Nuno Ramos, Rodrigo Naves, Lorenzo Mammí, Dudi Maia Rosa, José Resende, Laura Vinci, Georgia Kyriakakis e outros . Durante três anos, participei de um grupo de estudos orientados pelo artista Nuno Ramos, e em companhia com os outros artistas que freqüentavam o mesmo atelier, formamos o grupo “Todos”, com o qual realizamos exposições em diversas unidades do SESC, em São Paulo e no interior, na FUNARTE e na Universidade Cidade de São Paulo.
 
Em 1998, trabalhei como monitor na Bienal de São Paulo, e depois em outras exposições e comecei a me aprofundar no fazer e no pensar artístico. No mesmo ano, ganhei o prêmio “Nascente USP – Abril Cultural”, pela instalação “Poço”, com seleção realizada por Kátia Canton, Lina Kim e Paulo Climachauska. Realizei então inúmeras exposições, com esculturas e instalações, em locais como o Centro Universitário Maria Antônia da USP, o Centro Cultural São Paulo, o Paço das Artes, o Museu de Arte de Ribeirão Preto, o Centro Cultural da UFMG, etc. (vide curriculum e documentos em anexo). Em 2001, fui convidado pela galeria Valu Oria a fazer parte de seu time de artistas, e em 2002 participei da ARCO Feira Internacional de Arte Contemporânea, em Madrid, Espanha, representado por esta galeria.

Em quase todas estas exposições desenvolvi trabalhos tridimensionais relacionados à agua, à transparência e à fugacidade, criando trabalhos com aquários, água, argila, parafina e outros materiais, que recordavam geleiras, paisagens aquáticas e rios poluídos. O pensamento sobre a natureza no espaço contemporâneo e a reflexão sobre a condição do homem no ambiente urbano e tecnológico atual tem sido os meus principais pontos de interesse como artista. Embora meu trabalho possa carregar, em alguns casos, conteúdos autobiográficos e individuais, a exteriorização destas sensações busca uma universalização fundamentada na discussão da paisagem contemporânea como local para o desenvolvimento das relações humanas. A consciência de estar tratando da paisagem e das relações conflituosas entre homem e natureza no meio social urbano é algo que se torna mais claro para mim ao longo de meu desenvolvimento como artista. Se o início de minha trajetória artística é fundamentado intuitivamente em formulações quase intimistas, ao aprofundar-me em minha poética e poder observá-la hoje como um todo em constante desenvolvimento, tornei-me consciente de estar lidando com questões relativas a paisagem e de estar buscando nelas não só a expressão de minhas sensações enquanto indivíduo, mas também a reflexão do homem sobre seu ambiente.
Meu trabalho artístico desenvolveu-se utilizando os mais diversos meios, como a instalação, a escultura, o desenho, a fotografia, o vídeo, a performance e o texto poético. Creio que minha formação anterior em publicidade e minha atuação como designer auxiliaram-me a ter uma visão das artes plásticas menos tradicional e menos formalista, e sim, mais integrada as atividades cotidianas da vida urbana, sem preconceito quanto aos meios. Diversas vezes tive a oportunidade de utilizar meus conhecimentos em artes gráficas para a realização de catálogos de exposições de arte nas quais participei ou mesmo na realização de propostas artísticas que utilizam elementos da composição tipográfica e da computação gráfica.

Minha produção em vídeo intensificou-se principalmente a partir de minha vivência na Alemanha, de 2004 a 2006, já que lá meu acesso à tecnologia era muito maior que no Brasil, uma vez que eu podia utilizar toda a estrutura e os equipamentos da Universität der Künste Berlin. Ali produzi vários vídeos que posteriormente foram selecionados por festivais importantes como o Videobrasil, em São Paulo, o Videoformes, na França, a Bienal de Filmes de Arte de Colônia, na Alemanha, o Athens Videoart Festival, na Grécia, entre outros. Em Berlin, tive a oportunidade de estudar com artistas como Rebecca Horn, Tony Cragg, Lothar Baumgarten e Burkhard e Held, e teóricos como Andreas Haus, Robert Kudielka, Jessica Ullrich, Ulrich Seeberg, entre outros.

A partir de minha estadia na Alemanha participei também de inúmeras exposições, em diversas cidades alemãs como Berlin, Nuremberg, Köln, Braunschweig, Koblenz e também em outros países como França, Dinamarca, Grécia, Armênia, Marrocos, Filipinas, Chile, Uruguai e Venezuela. De volta ao Brasil, em 2006, participei da exposição „Água Corrente“ no Centro Cultural São Paulo e realizei também uma mostra de vídeos no Centro Universitário Maria Antônia, por ocasião da conclusão de meu doutorado. A partir de 2006 tenho também participado muitas vezes em conjunto com Síssi Fonseca de diversas mostras de performance, como as mostras Verbo 2007 e 2008 na Galeria Vermelho em São Paulo, o Festival de La Tierra na Venezuela e a Bienal Internacional de Performance Deformes, no Chile.
Comments