Hedychium coronarium - Lírio-do-brejo

Nomes populares

Lírio-do-brejo, borboleta, borboleta-amarela, cardamomo-da-praia, cardamomo-do-mato, escalda-mão, flor-de-lis, jasmin, jasmin-borboleta, jasmim-do-brejo, lágrima-de-moça, lágrima-de-napoleão, lágrima-de-vênus, lírio-branco, napoleão, narciso, olímpia,

Nome científico

Hedychium coronarium Koehne

Voucher

875 Schwirkowski (MBM)

Sinônimos

Hedychium spicatum Buch.-Ham. ex Sm.

Hedychium coronarium var. baimao Z. Y. Zhu

Hedychium coronarium var. chrysoleucum Bak

Família

Zingiberaceae

Tipo

Subespontânea, não endêmica do Brasil.

Descrição

Planta herbácea rizomatosa, perene, vigorosa, entouceirada com 1,5 a 2,0m de altura, com o caule ereto e avermelhado na base, enfolhado. Folhas sésseis, lanceoladas, atenuado-acuminadas no ápice, de base angustada, glabra na página ventral, com dorso e bainha pubescente, com 25 a 40cm de comprimento e 5 a 6cm de largura, com lígula acuminada, membranácea. Espiga densa, com bráctea oblonga, obtusa, plana, emarginada, ciliolada, biflora. Corolas brancas, com tubo longo e lobos lineares. Fruto tipo baga deiscente, elíptico, liso, glabro, verde inicialmente, passando a alaranjado, trifacetado, medindo 2 a 3cm de comprimento por 1,0 a 1,5cm de largura, contendo muitas sementes envoltas em mucilagem vermelha. A sementes são ovaladas e avermelhadas (PLANTAS MEDICINAIS, 2001).

Característica

Floração / frutificação

Janeiro a março.

Dispersão

Habitat

Amazônia, Caatinga, Cerrado, Pantanal e Mata Atlântica, em todas as formações florestais.

Distribuição geográfica

É originária do Himalaia e Madagascar. No Brasil, é encontrada em todo o país, sendo mais freqüente nas regiões Sul e Sudeste.

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Na medicina popular, é usada como béquica, diurética, excitante, tônica, anti-reumática, problemas na garganta, gases e também para reduzir a pressão alta. O chá das folhas é empregado, em uso externo, contra coceiras e micoses.

Fitoeconomia

Pode ser utilizada na fixação do solo, mas exige solos bem úmidos. É planta aromática, e de suas flores pode-se extrair essência utilizada em perfumaria. No passado, esta planta foi muito utilizada como fonte de fibras para cordas e barbante, fios para estopa (retirados do caule), celulose, farelo, perfume das flores, farelo para forragem e polvilho, que era retirado dos rizomas. Atualmente há estudos para extração e utilização de fécula da planta para uso comercial.

Injúria

Planta invasora de banhados, beira de rios, canais de drenagem e áreas úmidas, encontra-se por todo o país, sendo, no entanto, mais freqüente nas regiões Sul e Sudeste do Brasil.

Comentários

Bibliografia

ALEXANDRIA, L. S. Fécula do Lírio-do-brejo do Cerrado Goiano. XLVI Congresso Brasileiro de Química. Salvador, Bahia, 2006. Disponível em: <http://www.abq.org.br/cbq/2006/trabalhos2006/10/928-1085-10-T1.htm>.

ALVES, E. O. et al. Levantamento Etnobotânico e Caracterização de Plantas Medicinais em Fragmentos Florestais de Dourados – MS. Ciênc. Agrotec. Lavras, v. 32, n. 2, p. 651-658, mar./abr., 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cagro/v32n2/48.pdf>.

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

CERVI, A. C. et al. Espécies Vegetais de Um Remanescente de Floresta de Araucária (Curitiba, Brasil): Estudo preliminar I. Acta Biol. Par., Curitiba, 18(1, 2, 3, 4): 73-114. 1989. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/acta/article/view/789/631>.

DI STASI, L. C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas Medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. Editora UNESP. 2. ed. São Paulo, 2002. 592P. il. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/up000036.pdf>.

EDWALL, G. Ensaio Para uma Synonímia dos Nomes Populares das Plantas Indígenas do Estado de S.Paulo. 2ª Parte. Boletim Nº 16. Typographia e Papelaria de Vanorden & Cia. São Paulo, 1906. 84 p. Disponível em: <http://www.archive.org/download/ensaioparaumasyn00edwa/ensaioparaumasyn00edwa.pdf>.

FONSECA, E. T. Indicador de Madeiras e Plantas Úteis do Brasil. Officinas Graphicas VILLAS-BOAS e C. Rio de Janeiro, 1922. 368 p. Disponível em: <http://www.archive.org/download/indicadordemadei00teix/indicadordemadei00teix.pdf>.

KOCH, V. Estudo Etnobotânico das Plantas Medicinais na Cultura Ítalo-brasileira no Rio Grande do Sul – Um Modelo Para o Cultivo Comercial na Agricultura Familiar. Tese de mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2000. 152p. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/1814>.

LORENZI, H. Plantas Daninhas do Brasil: Terrestres, Aquáticas, Parasitas e Tóxicas. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 4ª ed. 2008. 672p. il.

MAAS, P., Maas, H. 2010. Zingiberaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB110705).

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

PLANTAS MEDICINAIS. CD-ROM, versão 1.0. PROMED – Projeto de Plantas Medicinais. EPAGRI – Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina S.A. Coordenação: Antônio Amaury Silva Junior. Itajaí, Santa Catarina. 2001.

SCHULTZ, A. R. Botânica Sistemática. 3ª ed. Editora Globo. Porto Alegre, 1963. 428p. il. v. 2.