Gênero: Citharexylum

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes popularesTucaneiro, baga-de-tucano, jacareúba, jacataúva, pau-de-viola, pau-viola, pombeiro, tarumã, tarumã-brancoNome científicoCitharexylum myrianthum Cham.Voucher889 Schwirkowski (MBM)SinônimosCitharexylum cinereum Spreng.Citharexylum macranthum HayekCitharexylum scabrum Willd. ex Cham.FamíliaVerbenaceaeTipoNativa, não endêmica do Brasil.DescriçãoCaracterísticaFloração / frutificaçãoOutubro a dezembro, frutificando de janeiro a março.DispersãoZoocóricaHabitatCaatinga, Cerrado e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Densa, Floresta Estacional Semidecidual e Decidual.Distribuição geográficaNordeste (Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Alagoas, Sergipe), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (SALIMENA, 2010).EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaA madeira possui várias aplicações, como taboado, forros, brinquedos, artefatos leves e caixotaria. É indicada para reflorestamentos mistos, pois os frutos servem de alimento à muitas espécies de aves. Os frutos podem ser consumidos in natura e, quando bem maduros, são saborosos.InjúriaComentáriosBibliografiaCatálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.IKEMOTO, E. Espécies Arbóreas, Arbustivas e Herbáceas do Parque Taquaral (Campinas, SP) – Subsídios para Atividades de Ensino Não-Formal de Botânica. Tese de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2007. 280p. Disponível em: <http://dominiopublico.qprocura.com.br/dp/70291/ESPECIES-ARBOREAS--ARBUSTIVAS-E-HERBACEAS-DO-PARQUE-TAQUARAL-CAMPINAS--SP-_-SUBSIDIOS-PARA-ATIVIDADES-DE-ENSINO-NAO_FORMAL-DE-BOTANICA.html>.PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.SALIMENA, F.R.G., Thode, V., Mulgura, M., O'Leary, N. 2010. Verbenaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB015136).
Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes popularesTarumã-grande, tarumã, tarumã-branco, tarumã-branco, tucaneiraNome científicoCitharexylum solanaceum Cham.Voucher16B Schwirkowski & Bianconcini (MBM391774)SinônimosCitharexylum solanaceum var. insolitum MoldenkeCitharexylum solanaceum var. macrocalyx MoldenkeFamíliaVerbenaceaeTipoNativa, não endêmica do Brasil.DescriçãoÁrvore de 4-9 m, inerme, de copa rala e ramos terminais pubérulos, com tronco cilíndrico de 20-30 cm de diâmetro, revestido por casca cinza-escura, com fissuras longitudinais, descamando em placas finas e irregulares. Folhas com pecíolo glabrescente de 2-3 cm; lâmina elíptica a oval-lanceolada, de ápice agudo ou acuminado e base cuneada, membranácea, glabra, discolor, de 5-20x2-8 cm. Inflorescências em espigas terminais eretas de 8-25 cm de comprimento, com pedúnculo de 2-5 cm, com flores bissexuadas, de ovário súpero e de cor branco-amarelada. Fruto drupa elipsóides ou globosa, lisa, vermelha, de 2-3 cm de diâmetro, com polpa suculenta e adocicada, com 1-3 sementes de superfície irregular (LORENZI, 2009, p. 361).CaracterísticaFloração / frutificaçãoFloresce de outubro a dezembro. Os frutos amadurecem em fevereiro e março.DispersãoZoocóricaHabitatPlanta caducifólia, heliófita e seletiva higrófita, característica e exclusiva da floresta pluvial Atlântica do alto da serra e das matas de Araucária do Sul do Brasil. Ocorre nas Florestas Ombrófila Densa e Mista e na Floresta Estacional Semidecidual.Distribuição geográficaSudeste (Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (SALIMENA, 2010).EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaA madeira, e pequenas dimensões e características mecânicas baixas, é indicada apenas para lenha e carvão. Como produz anualmente grande quantidade de frutos, é uma importante fonte de alimento para a avifauna. É uma espécie de pequeno porte e rápido crescimento, sendo recomendada para arborização urbana de ruas estreitas, ou para reflorestamentos mistos, destinados á áreas de preservação. Os frutos são comestíveis, porém de gosto amargo.InjúriaComentáriosUm kg de sementes possui aprox. 1.700 unidades, que possuem taxa de germinação superior a 50%.BibliografiaCatálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870>.LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 2009. 384p. il. v. 3.PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.SALIMENA, F.R.G., Thode, V., Mulgura, M., O'Leary, N. 2010. Verbenaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB015137).