Duranta vestita - Baga-de-pomba

Nomes populares

Esporão-de-pomba, baga-de-pomba, espinho-de-pomba, fruta-de-jacú, pingo-dourado-silvestre

Nome científico

Duranta vestita Cham.

Voucher

603 Schwirkowski (MBM)

Sinônimos

Família

Verbenaceae

Tipo

Nativa, endêmica do Brasil.

Descrição

Altura de 3-5 m, pouco espinescente, de copa pequena e ramos novos branco-seríceos, com tronco curto e geralmente ramificado desde a base, de 15-20 cm de diâmetro, revestido por casca pardo-clara e fissurada longitudinalmente, com descascamento em placas estreitas. Folhas opostas e em braquiblastros, com pecíolo seríceo de cerca de 1 cm; lâmina espatulada ou largo-elíptica, de ápice obtuso a agudo e base cuneada, cartácea, glabrescente na face superior e densamente branco-serícea na inferior, de 2,5-6,0x1,0-2,5 cm, com 3-6 pares de nervuras secundárias proeminentes, inflorescência terminais, em racemos laxos, com flores bissexuadas de corola branca com risco azul na parte interna. Fruto drupa globosa e apiculada, lisa, alaranjada, com polpa suculenta, contendo uma semente de superfície irregular (LORENZI, 2009, p. 3620).

Característica

Floração / frutificação

Novembro a dezembro, frutificando de dezembro a abril.

Dispersão

Zoocórica

Habitat

Espécie caducifólia, heliófita ou esciófita e seletiva xerófita, é característica da Mata Atlântica, sendo encontrada na Floresta Ombrófila Mista e na Floresta Estacional Semidecidual.

Distribuição geográfica

Sudeste(?) e Sul (Santa Catarina e Rio Grande do Sul).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Fitoeconomia

Espécie com potencial ornamental para arborização de ruas, praças e jardins, ou para reflorestamentos de recomposição de mata nativa, pois seus frutos são avidamente consumidos pela avifauna.

Injúria

Comentários

Um kg de sementes possui aproximadamente 82.000 unidades, e para o plantio não é necessária a quebra de dormência.

Bibliografia

CERVI, A. C. et al. Espécies Vegetais de Um Remanescente de Floresta de Araucária (Curitiba, Brasil): Estudo preliminar I. Acta Biol. Par., Curitiba, 18(1, 2, 3, 4): 73-114. 1989. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/acta/article/view/789/631>.

FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 2009. 384p. il. v. 3.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

SALIMENA, F.R.G., Thode, V., Mulgura, M., O'Leary, N. 2010. Verbenaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB039655).