Boehmeria caudata - Assa-peixe

Nomes populares

Assa-peixe, folha-de-santana, lixa-da-folha-larga, jaguarão-do-mato, urtiga-mansa

Nome científico

Boehmeria caudata Sw.

Voucher

157 Schwirkowski (MBM391967)

Sinônimos

Família

Urticaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil

Descrição

Erva, subarbusto ou arbusto, ás vezes epífita, ereta ou escandente, ca. 1,5-6 m compr., caule acinzentado-claro, ramos não sulcados, pubescentes a híspidos. Lâmina (6,8-)7,5-12,1(14,2) cm compr., (2,5-)3,6-6,1(7,5) cm larg., elíptica a lanceolada, raramente ovada, membranácea a cartácea, raramente subcoriácea; ápice acuminado a agudo; base frequentemente cuneada a arredondada, raramente subcordada ou atenuada; margem denteada a serreada, raramente crenulada; face adaxial esparsamente estrigosa, ás vezes hispidulosa; face abaxial minutamente vilosa, macia ao toque, raramente esparso-híspida; venação actinódroma, impressa na face adaxial e proeminente na abaxial; pecíolos longos, (1,4-)2,3-4,8(-5,5) cm compr., eretos, geralmente tricomas híspidos; estípulas aos pares, (1,8-)2,7-4,5(-5,5) mm compr., ferrugíneas, tomentosas, raramente híspidas; cistólitos puntiformes. Inflorescências em espigas, (2,1-)3,1-6,3(-8,4) cm compr., formando glomérulos; pedúnculo pubescente, raramente híspido; flores rosadas, diminutas, elípticas a lanceoladas, revolutas, vilosas a levemente estrigosas externamente, glabras internamente, creme-esverdeadas a amareladas; flores estaminadas: perianto (1,8-)2,3-3,2(-3,8) mm compr., (1,3-)1,6-2,2(-2,5) mm larg., 4-meras, tubular, globosa, pedicelada; estames 4; filetes (1,2-)1,8-2,7(3,5) mm compr., curvos no botão, retos após a antese; anteras 0,4-0,8 mm compr., oval, marrom-ferrugínea, rimosas, deiscência explosiva; pistilódio oblongo a cilíndrico, colunar, 0,7-1,2 mm compr., 0,3-0,6 mm larg.; flores pistiladas: perianto (2,3-)2,8-3,3(-3,7) mm compr., (0,6-)1,1-1,4(-+1,6) mm larg., tubular, denteadas, sésseis, glomérulos ao longo do eixo da inflorescência, esparso-estigosa, acrescente na frutificação; ovário (0,8-)1,5-1,8(-2,2) mm compr., 0,6-1,2 mm larg., globosos a ovóide, esparso-estrigoso; estilete 1,2-3,0 mm compr., alongado-filiforme, levemente hispiduloso, em um dos lados; estigma não pedicelado, curvado, expandido, piloso, persistente. Aquênio (0,7-)2,4-4,6(-6,1) mm compr., (0,4-)1,3-1,9(-2,2) mm larg., ovado, comprimido, esparsamente híspido, enegrecido a marrom, acrescente no perianto (MARTINS, 2009, p. 100).

Característica

Floração / frutificação

Novembro a março.

Dispersão

Habitat

Habita geralmente florestas úmidas de terras baixas, em áreas drenadas, capões de mata e matas ciliares, com freqüência associada a solos residuais a partir de rochas ácidas e calcárias. Ocorre no Cerrado, Mata Atlântica e Pantanal, na Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Densa, Floresta Estacional Semidecidual e Formações Campestres.

Distribuição geográfica

No Brasil ocorre no Centro-Oeste (Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (ROMANIUC, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

As folhas possuem alto teor e proteína, além de fósforo (P), ferro (Fe), cobre (Cu), zinco (Zn), e boro (B).

Fitoterapia

Antigamente o cozimento das folhas era muito utilizado contra hemorragias da boca, contra machucaduras e contusões, hemorróidas e feridas persistentes.

Fitoeconomia

As folhas podem ser utilizadas no preparo de sucos, refogados, sopas, pães, omeletes, à milanesa e para recheios diversos. Quando preparadas à milanesa em óleo bem quente tomam o cheiro e o sabor de peixe. É muito utilizada na apicultura, pelas características do seu pólen. Sua madeira, de boa combustão, é utilizada para lenha e carvão. Fornece também boas fibras têxteis, antigamente muito utilizadas pelos índios.

Injúria

Comentários

Um Kg de sementes possui aproximadamente 1.500 unidades.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Receita

Empanado de assa-peixe

Ingredientes

Folhas de assa-peixe, 1 colher (sopa) de farinha de trigo enriquecida com ferro, sal e pimenta a gosto, água e óleo para fritura.

Modo de fazer

Misture a farinha de trigo, o sal, a pimenta e a água até formar um mingau grosso. Passe as folhas de assa-peixe, uma a uma, nesta mistura e frite-as em óleo quente.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Receita

Pasta de assa-peixe

Modo de fazer

Soque uma porção de folhas de assa-peixe lavadas e escorridas. Coloque em um pano fino e retire o sumo das folhas. Junte mel e misture bem. Sirva com torradas.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Bibliografia

ALIMENTOS REGIONAIS BRASILEIROS. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Brasília, DF, 2002. 141 p. il. Disponível em: <http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livros/pdf/05_1109_M.pdf>.

Catálogo de plantas e fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.

KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870>.

KINUPP, V. F.; BARROS, I. B. I. Teores de Proteína e Minerais de Espécies Nativas, Potenciais Hortaliças e Frutas. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 28(4): 846-857, out.-dez. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cta/v28n4/a13v28n4.pdf>.

HIERONYMUS, J. Flora Argentinae. Litografia, Imprenta Y Encuadernacion de Guillerme Kraft. Buenos Aires, 1882. Disponível em: <http://www.archive.org/details/plantaediaphoric00hier>.

HIERONYMUS, J. Flora Argentinae. Litografia, Imprenta Y Encuadernacion de Guillerme Kraft. Buenos Aires, 1882. Disponível em: < >.

MARTINS, E. G. A. O Clado urticóide (Rosales) na Flora da Serra do Cipó, Minas Gerais. Dissertação de Mestrado. Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. São Paulo. 2009. 155p. il. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41132/tde-21052009-155743/pt-br.php>.

MORAES, M. Phytographia ou Botânica Brasileira. Livraria de B. L. Garnier. Rio de Janeiro, 1881. 564 p. Disponível em: <http://www.archive.org/download/phytographiaoubo00mell/phytographiaoubo00mell.pdf>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

ROMANIUC Neto, S., Gaglioti, A.L. 2010. Urticaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB015035).