Thelypteris dentata - Rabo-de-gato

Nomes populares

Rabo-de-gato, feto, samambaia, samambaia-do-mato

Nome científico

Thelypteris dentata (Forssk.) E. P. St. John

Basionônio

Polypodium dentatum Forssk.

Sinônimos

Aspidium molle (Jacq.) Sw.

Christella dentata (Forssk.) Ching

Cyclosorus dentatus (Forssk.) Ching

Dryopteris dentata (Forssk.) C. Chr.

Dryopteris molle (Jacq.) Hieron.

Nephrodium molle (Sw.) R. Br.

Polypodium molle Jacq.

Família

Thelypteridaceae

Tipo

Subespontânea

Descrição

Erva terrestre, com até 70 cm de altura. Caule decumbente a curto-reptante, revestido no ápice por escamas lanceoladas, castanho-escuras e pubescentes. Folhas 26-115 cm compr., monomorfas. Pecíolo 7-42 cm compr. x 1,0-5mm na base com escamas iguais às do caule; esparsa a moderadamente pubescente, às vezes glabrescente. Lâmina 19-72,5 cm compr., herbácea a cartácea, 1-pinada-pinatífida, com contorno lanceolado ou elíptico, com ápice gradualmente reduzido, confluente e pinatífido, base reduzida, com 1-2 pares de pinas subabruptamente erduzidas. Raque esparsa a moderadamente pubescente. Gemas ausentes. Aeróforos ausentes. Pinas 12-29 pares, 4-12,5 cm compr. x 1,8-2,3 cm larg., perpendiculares a ascendentes, exceto os pares proximais que são muitas vezes reflexos, linear-lanceoladas, sésseis, com ápice acuminado a agudo, base geralmente truncada, muitas vezes fortemente auriculada no lado acroscópico; incisão (1/2) 2/3 ou maior que a distância entre a costa e a margem da pina; escamas costais ausentes; face adaxial pilosa na costa e pubescente na cóstula, nervuras e entre as nervuras; face abaxial pilosa na costa e pubescente na cóstula, nervuras e entre as nervuras. Segmentos 1,8-5 mm larg., levemente arqueados, com ápice obtuso a arredondado, raramente agudo, margens inteiras, planas. Nervuras 4-8 pares por segmento, as basais de segmentos adjacentes unindo-se a uma nervura excurrente que se dirige ao enseio. Indumento de tricomas setiformes eretos a arqueados, presente em ambas as faces da costa, cóstula, nervuras e entre as nervuras, sendo os tricomas da face abaxial de tamanho uniforme e os tricomas da face adaxial da costa (até 0,2 mm compr.) são maiores que os demais e os que ocorrem entre as nervuras são menores; tricomas glandulares ausentes. Soros medianos, arredondados; indúsio moderadamente pubescente, com tricomas setiformes; esporângios glabros ou com um tricoma glandular presente no pedicelo junto à cápsula (SALINO, 2000, p. 158).

Característica

Caracteriza-se pelo caule curto-reptante, pelas nervuras basais de segmentos adjacentes unindo-se para formar uma nervura excurrente que se dirige ao enseio, pelo indúsio pubescente, e pela lâmina coberta por tricomas setiformes, inclusive entre as nervuras, na face abaxial. Espécie semelhante à Thelypteris hispidula (Decne.) C. F. Reed, da qual difere principalmente por apresentar tricomas uniformemente curtos (0,1 – 0,2 mm de compr.) na face abaxial da costa, enquanto T hispidula apresenta tricomas de tamanhos variados, medindo de 0,3 a 0,8 mm de compr., sendo também mais exigente quanto ao habitat, ocorrendo em locais sombreados no interior das florestas.

Floração / frutificação

Dispersão

Hábitat

Áreas iluminadas de florestas secundárias, beira de estradas, jardins, pastagens terrenos baldios e beira de caminhos. Ocorre no Cerrado, Pantanal e Mata Atlãntica,

Distribuição geográfica

Apresenta ampla distribuição geográfica nos trópicos e subtrópicos de diversos continentes, ocorre nos EUA, México, América Central, Antilhas, Colômbia, Venezuela, Trinidad e Tobago, Equador, Peru, Paraguai, Chile, Argentina, Uruguai, Ásia, Ilhas do Pacífico e Brasil.

Nordeste(Paraíba, Pernambuco, Bahia, Alagoas), Centro-oeste (Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (SALINO, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Fitoeconomia

Injúria

Planta daninha de meia-sombra, amplamente disseminada por todo o território brasileiro, onde é encontrada infestando lavouras, pomares, pastagens e terrenos baldios.

Comentários

Bibliografia

BENTO, M. B.; KERSTEN, R. A. Pteridófitas de um Ecótono Entre as Florestas Ombrófila Densa e Mista, Mananciais da Serra, Piraquara, Paraná. Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Curitiba, 2008. 74p. Disponível em: <http://www.uc.pr.gov.br/arquivos/File/Pesquisa%20em%20UCs/resultados%20de%20pesquisa/Cassio_Michelon_Bento.pdf>.

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 1 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 875 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol1.pdf>.

CERVI, A. C et al. Contribuição ao Conhecimento das Pteridófitas de Uma Mata de Araucária, Curitiba, Paraná, Brasil; Acta Biol. Par., Curitiba, 16(1, 2, 3, 4): 77-85. 1987. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/acta/article/view/810/651>.

LORENZI, H. Plantas Daninhas do Brasil: Terrestres, Aquáticas, Parasitas e Tóxicas. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 4ª ed. 2008. 672p. il.

MATOS, F. B. Samambaias e Licófitas da RPPN Serra Bonita, Município de Camacan, Sul da Bahia, Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná. 2009. 255p. il. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/1884/19094/1/FERNANDO%20BITTENCOURT%20DE%20MATOS%20-%20DISSERTACAO_2009.pdf>.

ROCHA, M. A. L. Inventário de Espécies de Pteridófitas de Uma Mata de Galeria em Alto Paraíso, Goiás, Brasil e Morfogênese dos Gametófitos de Pecluma ptilodon (Kumze) Price e Campyloneurumphyllitidis (L.) C. Presl. (Polypodiaceae). UNB – Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas. Brasília, 2008. 127p. il. Disponível em: <http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_arquivos/35/TDE-2008-06-04T151346Z-2649/Publico/2008_MariaAucileneLimaRocha.pdf>.

SALINO, A. Estudos Taxonômicos na Família Thelypteridaceae (Polypodiopsida) no Estado de São Paulo. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2000. 297p. il. Disponível em: <http://en.scientificcommons.org/14633064>.

SALINO, A., Almeida, T.E. 2010. Thelypteridaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB092196).

SALINO, A.; SEMIR, J. Thelypteridaceae (Polypodiophyta) do Estado de São Paulo: Macrothelypteris e Thelypteris subgêneros Cyclosorus e Steiropteris. Lundiana 3(1): 9-27, 2002. Disponível em: <http://www.icb.ufmg.br/~lundiana/abstract/vol312002/SALINO.pdf>.

SANTOS, M. G. Aspectos Florísticos e Econômicos das Pteridófitas de um Afloramento Rochoso do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta Bot. Bras. 20(1): 115-124. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/abb/v20n1/11.pdf>.