Styrax leprosus - Canela-seiva

Nomes populares

Canela-seiva, benjoeiro, carne-de-vaca, jaguatinga, maria-mole-graúda, pau-de-remo

Nome científico

Styrax leprosus Hook. & Arn.

Voucher

511 Schwirkowski (MBM)

Sinônimos

Família

Styracaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Árvore com altura de 4-18 m., de copa cônica, com ramos novos denso-escamosos argênteo-ferrugíneos, de tronco reto e cilíndrico de 20-35 cm de diâmetro, com casca cinza-escura com manchas mais claras, com fissuras superficiais, descamando em tiras estreitas, deixando mostrar embaixo uma cor de carne. Folhas agrupadas no ápice dos ramos, com pecíolo pubescente-escamoso de 4-12 mm; lâmina elíptico-lanceolada, de ápice levemente acuminado a base cuneada, cartácea, distintamente discolor, glabra na face superior e com pelos escamosos peltados prateados na inferior, de 2,5-9,5x1,2-3,5 cm, com 6-12 pares de nervuras secundárias. Inflorescências axilares e terminais, em racemos paucifloros escamosos de 3,5 cm de comprimento, com 3-8 flores. Fruto drupa escamosa, com polpa suculenta e adocicada (LORENZI, 2009, p. 354).

Característica

Floração / frutificação

Floresce de dezembro a março, os frutos amadurecem principalmente de janeiro a maio.

Dispersão

Zoocórica

Habitat

Planta perenifólia, pioneira e heliófita, crescendo preferencialmente nas submatas dos pinhais da Mata Atlântica, ocorrendo também na Floresta Ombrófila Densa.

Distribuição geográfica

Sudeste (Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (FRITSCH, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Fitoeconomia

A madeira desta espécie é leve, macia ao corte e de textura grossa, porém é pouco resistente ao ataque de organismos xilófagos, podendo ser utilizada para obras internas, forro, lâmina e caixaria. Produz anualmente grande quantidade de sementes, que são avidamente procurados pela avifauna, sendo por isto recomendada para a recomposição de reflorestamentos mistos destinados a áreas de preservação. Os frutos são pequenos, porém comestíveis e de sabor adocicado.

Injúria

Comentários

Bibliografia

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.

FRITSCH, P.W. 2010. Styracaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB014894).

LOPES, S. B.; GONÇALVES, L. Elementos Para Aplicação Prática das Árvores Nativas do Sul do Brasil na Conservação da Biodiversidade. Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, 2006. 18p. Disponível em: <http://www.fzb.rs.gov.br/jardimbotanico/downloads/paper_tabela_aplicacao_arvores_rs.pdf>.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 2009. 384p. il. v. 3.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

SCHULTZ, A. R. Botânica Sistemática. 3ª ed. Editora Globo. Porto Alegre, 1963. 428p. il. v. 2.

SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Chave de Identificação: Para as Principais Famílias de Angiospermas Nativas e Cultivadas do Brasil. Instituto Plantarum. São Paulo, 2007. 31p. il.

ZUCHIWSCHI, E.; FANTINI, A. C.; ALVES, A. C.; PERONI, N. Limitações ao Uso de Espécies Florestais Nativas Pode Contribuir Com a Erosão do Conhecimento Ecológico Tradicional e Local de Agricultores Familiares. Acta bot. Bras. 24(1): 270-282. 2010. Disponível em: <http://www.botanica.org.br/acta/ojs/index.php/acta/article/view/971/298>.