Solanum laxum - Joá-cipó

Nomes populares

Joá-cipó, flor-de-viúva

Nome científico

Solanum laxum Spreng.

Basionônio

Sinônimos

Solanum boerhaviifolium Sendtn.

Solanum boerhaviifolium Sendtn. var. calvum C.V.Morton

Solanum jasminoides Paxton

Solanum jasminoides Paxt. var. boerhaviifolium (Sendtn.) O. Kuntze

Família

Solanaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Trepadeira volúvel, lenhosa na base, de até 3 m de comprimento; ramos cilíndricos a angulosos, com estrias longitudinais, glabros ou com tricomas simples. Folhas solitárias ou geminadas, então com uma muito menor. Pecíolo muitas vezes volúvel, de até 2,5 cm de comprimento. Lâminas geralmente inteiras ou com 3-7 lobos, ovaladas, de ápice agudo e base arredondada a truncada ou cordiforme, de 1,5-7 cm de comprimento e 0,8-4,2 cm de largura, membranosas, variando de inteiramente glabras até densamente cobertas por tricomas simples, com nervuras evidentes em ambas as faces. Inflorescência cimosa, corimbiforme, terminal ou lateral, então oposta às folhas, ou mais raramente extra-axilar, com 4-16 flores; pedúnculos simples ou bifurcados, de até 3 cm de comprimento; pedicelos delgados de até 2 cm de comprimento, articulados próximo à base, verdes a arroxeados. Cálice campanulado, de 0,15-0,3 cm de altura, glabro ou coberto de tricomas simples, estes às vezes somente no ápice mucronado; lacínias largo-triangulares. Corola rotada, branca a azulada ou lilás, de 0,9-2 cm de comprimento, lacínias profundamente partidas, oblongo-ovaladas, ápice agudo; face adaxial glabra, face abaxial coberta de tricomas simples, mais concentrados nos bordos das lacínias e nervura mediana. Estames iguais, anteras oblongas, amarelas, de 0,35-0,5 cm de comprimento, com poros apicais introrsos; filetes às vezes brancos. Ovário globoso a ovalado, glabro; estilete de 0,6-1 cm de comprimento, coberto por tricomas simples até 2/3 de seu comprimento, mais comprido do que os estames; estigma alargado a levemente bífido, verde. Fruto azul-escuro ou metálico a roxo quando maduro, globoso, de 0,5-0,8 cm de diâmetro, pedicelo engrossado para o ápice (MENTZ, 2004, p.103).

Característica

Floração / frutificação

Floresce e frutifica o ano todo.

Dispersão

Zoocórica

Hábitat

Borda de mata, ocorre no Cerrado e na Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Mista e Densa e Floresta Estacional Decidual e Semidecidual.

Distribuição geográfica

Ocorre na Argentina, Uruguai, Paraguai e Brasil.

Centro-Oeste (Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (STEHMANN, 2010).

Etimologia

O nome da espécie se deve ao aspecto laxo de algumas inflorescências, provavelmente aquelas vistas por Kurt P.J.Sprengel (MENTZ, 2004, p. 104).

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Fitoeconomia

Injúria

Comentários

Bibliografia

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

MENTZ, L. A.; OLIVEIRA, P. L. Solanum (Solanaceae) na Região Sul do Brasil. Pesquisas, Botânica, n. 54. Instituto Anchietano de Pesquisas. 2004. 327p. Il.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

SOARES, E. L. C. et al. A Família Solanaceae no Parque Estadual de Itapuã, Viamão, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 6, n.3, p. 177-188, jul./set. 2008. Disponível em: <http://www6.ufrgs.br/seerbio/ojs/index.php/rbb/article/viewFile/969/820>.

STEHMANN, J.R., Mentz, L.A., Agra, M.F., Vignoli-Silva, M., Giacomin, L. 2010. Solanaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB014800).