Solanum aculeatissimum - Arrebenta-cavalo

Nomes populares

Arrebenta-cavalo, arrebenta-boi, joá, joá-bravo, joá-de-espinho, joá-melancia, mata-cavalo

Nome científico

Solanum aculeatissimum Jacq.

Basionônio

Sinônimos

Família

Solanaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Arbusto muito ramificado, de 0,3 a 1,2 m de altura, caule com até 3,5 cm de diâmetro na base, ramos estendidos lateralmente. Caule, ramos, pecíolos e pedicelos cobertos de tricomas simples, de diferentes comprimentos e com 2-6 células, e tricomas glandulares de dois tipos. AScúleos numerosos, de diferentes tamanhos e de duas formas, os aciculares com até 1 cm de comprimento, e os lanceolados, esses alargados e achatados na base, com até 2 cm de comprimento, e 0,5 cm de base, amarelo-esverdeados ou vinosos, perpendiculares aos ramos ou levemente reflexos, cobertos com tricomas simples e glandulares até 1/3 de seu comprimento, às vezes glabros. Folhas solitárias ou geminadas, e então a maior com o dobro da menor. Pecíolo com 3-10 cm de comprimento; acúleos iguais aos dos ramos, os achatados em regra maiores (até 2,9 cm), cobertos de tricomas si8mples e glandulares até 2/3 de seu comprimento. Lâminas ovaladas, pinatilobadas até 2/3, em regra com 7 lobos, esses agudos e de Margem levemente lobada, mais compridas do que largas, de 5-25 cm de comprimento, esverdeados ou vinosos. Face adaxial da lâmina foliar com aspecto viloso, coberta de tricomas hialinos, simples, de 2-4 células, e glandulares, de tamanho desigual e com acúleos iguais aos dos ramos. Face abaxial com as nervuras cobertas de tricomas simples, de 2-4 células e glandulares, aréolas densamente cobertas de tricomas porrecto-estrelados, de 3-5(6) raios laterais, raio central pouco mais longo que os laterais, além de tricomas simples de 2-3 células e glandulares, curtos e longos; acúleos ligeiramente menores que os da face adaxial, igualmente com tricomas simples e glandulares até 2/3. Inflorescência extra-axilar, cimosa, séssil ou sub-séssil, com até 7 flores, apenas 1-2(3) férteis; pedicelo de até 2 cm de comprimento, com tricomas iguais aos dos ramos, e acúleos, quando presentes, aciculares. Cálice com lacínias triangular-lanceoladas, de até 0,6 cm de comprimento, desiguais entre si, uma delas 0,1-0,2 cm mais longa que as demais, cobertas com tricomas hialinos, simples e glandulares, iguais aos dos ramos. Corola esverdeada, rotada, reflexa quando aberta, profundamente lobada, lacínias lanceoladas, de até 1,2 cm de comprimento e 0,3 cm de largura, face abaxial com tricomas iguais aos do cálice. Anteras esverdeadas, muito atenuadas, de 0,7-0,8 cm de comprimento. Ovário subgloboso, coberto de tricomas glandulares curto-pedicelados; estilete das flores basais mais longo que os estames. Fruto subgloboso, com até 3 cm de diâmetro, esverdeado e com manchas esbranquiçadas irregulares quando imaturo, amarelo quando maduro, geralmente 1 por inflorescência, raro 2(3); sépalas persistentes, tornando-se mais largas e longas, de até 1 cm de comprimento, desiguais. Sementes lenticulares, não aladas, com contorno não perfeitamente circular, amarelas a amarelo-amarronzadas, de até 0,3 cm de tamanho. (MENTZ, 2004, p. 26).

Característica

Floração / frutificação

Começa a florescer em setembro, permanecendo com frutos até maio.

Dispersão

Zoocórica

Hábitat

Pampa e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Mista e Densa e Floresta Estacional Decidual.

Distribuição geográfica

Sudeste (São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul)

Etimologia

O específico aculeatissimum refere-se ao elevado número de acúleos existentes em toda a planta.

Arrebenta-cavalo refere-se ao fato das sementes serem tóxicas aos eqüinos, podendo causar-lhes a morte.

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Fitoeconomia

Injúria

Planta daninha encontrada facilmente em pastagens e beira de estradas.

Comentários

Bibliografia

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

MENTZ, L. A.; OLIVEIRA, P. L. Solanum (Solanaceae) na Região Sul do Brasil. Pesquisas, Botânica, n. 54. Instituto Anchietano de Pesquisas. 2004. 327p. Il.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

STEHMANN, J.R., Mentz, L.A., Agra, M.F., Vignoli-Silva, M., Giacomin, L. 2010. Solanaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB014718).