Matayba elaegnoides - Miguel-pintado

Nomes populares

Miguel-pintado, arolera-branca, camboatá, camboatá-branco, camboatá, cuvantã, craguatã, cragoatã-branco, cangroatan, mataiba, pau-de-pombo

Nome científico

Matayba elaegnoides Radlk.

Basionônio

Sinônimos

Matayba pallens Radlk.

Família

Sapindaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Árvore de médio porte, de até 20 m de altura, apresenta copa densa, baixa, alargada, de folhagem verde-clara. O tronco curto e tortuoso, geralmente irregular, com 30 a 60 cm de diâmetro, possui casca externa acinzentada, áspera, pouco fissurada e casca interna arenosa, compacta, de coloração castanho-clara. Suas folhas são compostas, alternas e com ráquis de 8 a 25 cm de comprimento, terminando em apêndices. Os folíolos são glabros, de margem lisa, oblongo-lanceolados, medem de 5,5 a 12 cm de comprimento por 2,2 a 5 cm de largura. Apresentam nervuras proeminentes na face abaxial, com pequeno prolongamento da nervura principal em direção as secundárias. As flores são pequenas, branco-amareladas, dispostas em panículas terminais de 2 a 12 cm de comprimento. Os frutos são cápsulas ovóides, triangulares, pilosas, deiscentes de até 2,5 cm de comprimento (MARQUES, 2007, p. 148).

Característica

Floração / frutificação

Floresce em agosto e setembro e frutifica entre outubro e dezembro.

Dispersão

Zoocórica

Hábitat

Planta semidecídua, mesófita e seletiva higrófita, esciófila. Ocorre em solos úmidos, tanto no interior da mata, como em estágios secundários. Ocorre no Cerrado e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Densa e Mista e na Floresta Estacional Semidecidual.

Distribuição geográfica

Centro-Oeste (Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, São Paulo), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (SOMNER, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Na medicina caseira, é utilizada no combate a azias, problemas do fígado, dores no coração, tumores, reumatismo, tosses, bronquite e como tônico, digestivo, antitérmico e no aumento da resistência orgânica.

Fitoeconomia

Espécie com características ornamentais, podendo ser utilizada para arborização urbana, recomposição de mata ciliar ou para reflorestamentos destinados a preservação, pois os frutos são fonte de alimento para a avifauna. É planta melífera, com produção de néctar e pólen. A madeira é de cor branca,

Injúria

Comentários

Após o plantio, a emergência das plântulas ocorre entre 12 e 40 dias. As sementes possuem baixa tolerância à dessecação.

Bibliografia

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

COELHO, R. L. G. Estudos Taxonômicos em Matayba Aubl. Sect. Matayba (Sapindaceae). Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP. 2008. 170p. Il. Disponível em: <http://cutter.unicamp.br/document/?code=vtls000447591>.

FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.

LEONHARDT, C. et AL. Comportamento Germinativo de Sementes de Camboatá-branco Matayba elaegnoides Radlk. – Sapindaceae). Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. Universidade Luterana do Brasil. Canoas, Rio Grande do Sul. Disponível em: <http://www.fzb.rs.gov.br/jardimbotanico/pesquisa/pdf/(26)Matayba_XII_Enc_E_Bot_2004.pdf>.

LOPES, S. B.; GONÇALVES, L. Elementos Para Aplicação Prática das Árvores Nativas do Sul do Brasil na Conservação da Biodiversidade. Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, 2006. 18p. Disponível em: <http://www.fzb.rs.gov.br/jardimbotanico/downloads/paper_tabela_aplicacao_arvores_rs.pdf>.

MARQUES, T. P. Subsídios à Recuperação de Formações Florestais Ripárias da Floresta Ombrófila Mista do Estado do Paraná, a Partir do Uso Espécies Fontes de Produtos Florestais Não-madeiráveis. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2007. 244p. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/1884/14027/1/disserta%C3%A7%C3%A3o%20Themis%20Piazzetta%20Marques%20PDF.pdf>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

SOMNER, G.V., Ferrucci, M.S., Acevedo-Rodríguez, P., Coelho, R.L.G. 2010. Matayba in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB032720).

ZUCHIWSCHI, E. Florestas Nativas na Agricultura Familiar de Anchieta, Oeste de Santa Catarina: Conhecimentos, Usos e Importância; UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2008. 193p. il. Disponível em: <http://www.tede.ufsc.br/tedesimplificado/tde_arquivos/44/TDE-2008-06-17T142512Z-287/Publico/dissertacao_Elaine.pdf>.